Ascom/ FMS

A Fundação Municipal de Saúde (FMS), em parceria com a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI) está capacitando os profissionais da rede socioassistencial para a notificação individual de violência interpessoal ou autoprovocada. A ação teve início na última terça-feira (09) e terá continuidade nesta quinta-feira (11), no auditório da SEMCASPI, nos turnos manhã e tarde.

O treinamento tem como objetivos discutir a ficha de notificação das violências interpessoais e autoprovocadas, além de ampliar a rede de notificação de Teresina. “Atualmente essas notificações já constam no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), e são provenientes apenas dos atendimentos realizados pelos serviços de saúde da cidade”, afirma Elaine Monteiro, chefe do Núcleo de Vigilância de Violências e Acidentes da FMS. “O intuito do treinamento é que essa notificação seja ampliada para os outros serviços que compõem a rede de proteção à violência”, explica.

A chefe de núcleo esclarece os tipos de violência que devem se registradas na ficha. “Interpessoal é aquela em que existe a vítima e um ou mais agressores, já as autoprovocadas são os casos de tentativas de suicídio e automutilação”, explica Elaine Monteiro. A ficha determina como notificação obrigatória os casos suspeitos ou confirmados de violência doméstica/intrafamiliar, sexual, tráfico de pessoas, trabalho escravo, trabalho infantil, tortura, intervenção legal e violências homofóbicas contra mulheres e homens em todas as idades. No caso de violência extrafamiliar/comunitária, somente serão objetos de notificação as violências contra crianças, adolescentes, mulheres, pessoas idosas, pessoa com deficiência, indígenas e população LGBT.

Para isso, participaram do treinamento conselheiros tutelares e técnicos do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e do Centro de Referência Especializado em Assistência Social (CREAS), que aprenderam a preencher a ficha de notificação e incorporá-la à sua rotina. O treinamento foi dividido em turmas de acordo com o território dos profissionais: ontem (09), foram capacitados os profissionais dos territórios Sul e Sudeste, e amanhã (11) será a vez das zonas Norte e Leste. “Vamos melhorar a qualidade das informações para que a gente possa compreender melhor a situação epidemiológica da violência em Teresina, e assim subsidiar políticas públicas para a capital”, explica Elaine Monteiro.