Ascom/PLN

A experiência do Programa Lagoas do Norte está sendo apresentada no III Congresso Brasileiro de Redução de Riscos e Desastres, em Belém (PA). O diretor de Coordenação do programa, Leonardo Madeira, apresentou o artigo “Requalificação urbana e ambiental como política pública para mitigação de riscos socioambientais”, em que destaca o caráter multissetorial do programa no enfrentamento do desafio de levar qualidade de vida a áreas extremamente degradadas em 13 bairros da zona norte de Teresina.

Nos últimos anos, o país vem sofrendo com desastres envolvendo barragens. No Piauí,  foi marcante a tragédia de Algodões. E um dos objetivos do Programa Lagoas do Norte é trabalhar na diminuição do risco de inundações em toda a zona norte, como é o caso do estudo para estruturação dos diques dos rios Parnaíba e Poti.

“No artigo faço uma descrição do programa como uma política pública que congrega diversas ações integradas que faz, ao mesmo tempo, investimentos em infraestrutura, mas também se preocupa com ações de desenvolvimento socioeconômico da região e com a melhoria da gestão institucional. O efeito do programa é sinérgico e o objetivo é a qualidade de vida da população, que não é fácil de ser mensurado, mas, somente um programa que vise e trabalhe de forma integrada consegue ter objetivos tão ousados”, explica Leonardo Madeira.

O artigo foi enquadrado na área de governança em exposição no congresso. Participam do evento 23 estados de todas as regiões do país. No evento estão sendo discutidas as principais tecnologias empregadas atualmente no país para a redução de riscos e desastres, com a presença do secretário nacional de Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, que participa de todos os debates e mesas de discussões.

“É um evento recente e a discussão é muito nova. O Brasil está aprendendo a lidar com isso. Na palestra de abertura isso ficou muito claro. Ainda tem muito empirismo, falta muita evidência científica e estudo, e é nesse contexto que o Lagoas do Norte se encaixa bem, porque é uma política pública que está sendo implementada desde 2008 com resultados expressivos. A ideia é apresentar isso como prática exitosa neste contexto de grandes dificuldades”, diz.