O que começou com o objetivo de mostrar aos alunos o mundo tecnológico, está ganhando espaço nas escolas municipais de Teresina e este ano avançará para desafios ainda maiores. O Programa Letramento em Computação começa em 2020 seu Módulo II, que foi reformulado para atender um público para lá de apaixonado pelos computadores.

As aulas de Letramento em Computação gratuitas para alunos de escolas públicas municipais são uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação (Semec) em parceria com o Instituto Ayrton Senna (AIS), Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e Centro Unificado de Inovação Aplicada (CUIA). No ano passado, mais de 300 alunos do 6º ano e do Programa Cidade Olímpica Educacional aprenderam em sala de aula noções de programação computacional, criando seus primeiros projetos.

Nesta quarta-feira (29), diretores das escolas municipais participantes da ação estiveram reunidos no Centro de Formação Odilon Nunes planejando as atividades para este ano. Entre as novidades está a expansão do número de alunos, passando de 11 turmas para 33. São mais quatro unidades de ensino no ciclo do Programa, incluindo duas de tempo integral que estão prestes a inaugurar.

“Teremos mais de mil alunos pensando e praticando programação de computadores”, anuncia Luciene Castro, coordenadora do Programa. Segundo ela, os jovens surpreenderam tanto no Módulo I, que a próxima etapa foi reformulada para já desafiá-los na construção de jogos e aplicativos. “Eles foram muito bem, não ficaram nada no básico, já no primeiro ano desenvolveram projetos incríveis. Assim o Instituto Ayrton Senna topou iniciar algo mais complexo com nossos alunos, propondo a criação de aplicativos para celulares e computadores”, disse.

Susana Paz é uma das gestoras mais animadas com a segunda etapa do Programa. Ela acompanhou a evolução dos seus alunos enquanto gestora da Escola Municipal R. N. Monteiro Santana e agora vai apoiar os primeiros passos de outros alunos da Escola Municipal Júlio Lopes Lima.

“É um aprendizado importante e necessário. Nossa experiência no primeiro ano do Programa Letramento em Computação superou as expectativas. Os alunos passaram de usuários do celular para produtores, criadores, isso muda tudo para quem não tem praticamente acesso à tecnologia. Agora, também acredito que vai transformar vidas, por isso considero essa iniciativa como algo encantador”, finaliza a diretora.