Ascom/FMS

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina realizou, neste sábado (01), o Mutirão de Manchas de Pele em alusão à Campanha Janeiro Roxo, que busca combater a Hanseníase em todas as zonas da cidade. Durante o mutirão, foram avaliadas 86 pessoas com manchas suspeitas, sendo que cinco foram diagnosticadas com hanseníase e já iniciaram o tratamento.

“Nos últimos dez anos temos intensificado o atendimento a essa doença, pois o Brasil ainda tem uma situação desfavorável diante do mundo, em relação ao número de casos de hanseníase. Essa é uma doença que tem cura, mas que também maltrata muito e é transmissível”, diz Amparo Salmito, médica e gerente de epidemiologia da FMS.

Na região Sudeste, o Mutirão de Manchas de Pele esteve concentrado na UBS Reginaldo Castro, Renascença. Na região Leste, no Ambulatório do Hospital do Satélite. Na região Sul, no Ambulatório do Hospital Geral do Promorar e na região Norte, na UBS Poty Velho. Somente em 2019, Teresina apresentou 311 novos casos de Hanseníase, o que representa uma diminuição de 11%, se comparado ao ano de 2018. A Hanseníase afeta os nervos e se manifesta por meio de lesões na pele. É uma doença transmitida quando o infectado tosse, fala ou espirra. Entre as complicações da doença, a pessoa pode ter, por exemplo, problemas de visão e apresentar incapacidades físicas.