Uma pesquisa realizada, entre agosto e setembro de 2019, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) mostrou que a população dos bairros contemplados pelo projeto Lagoas do Norte tem uma melhor percepção quanto à sensação de segurança quando comparado com os dados de 2016. Para a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), a melhoria da segurança da região é motivada pela implantação do programa Vila Bairro Segurança (VBS), que desde 2018 desenvolve ações preventivas e de proteção em 13 bairros da zona norte da capital.

“Os dados mostraram que os jovens dessas áreas se sentem mais seguros em casa, no bairro, na escola, no trabalho e em espaços públicos. Isso quando comparado com a pesquisa realizada em 2016 pela mesma equipe. Isso só mostra que a implementação da Guarda Municipal e as políticas públicas de prevenção, sobretudo de proteção dos jovens contra drogas e álcool, estão funcionando”, afirmou Samuel Silveira, secretário da Semcaspi.

A pesquisa do FBSP realizada com jovens dos bairros que compreendem o Lagoas do Norte abordou diversas temáticas como: percepções sobre violência, sensação de segurança, comportamentos e atitudes relação à violência, assim como exposição direta e indireta à violência e ainda o nível de confiança na polícia. A base comparativa é uma pesquisa da mesma natureza realizada em 2016, antes da implantação do Vila Bairro Segurança.

“Aqui no Lagoas do Norte melhorou muito desde que a Guarda Municipal passou a andar pelo bairro. Antes a violência aqui era muito grande, tínhamos medo até de ficar fora de casa. Era cheio de gente fazendo o que não presta na praça, hoje quando eles veem a Guarda já recuam. Estamos mais seguros”, revela o lanterneiro Davi Vieira de Alencar, de 59 anos.

Segundo Débora Ferraz, analista de políticas integradas da Semcaspi e coordenadora do VBS, os resultados da pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública se confirmam com a percepção dos moradores. “Em 2016, apenas 44% das pessoas entrevistadas se sentiam seguros em casa. Em 2019, essa percepção aumentou para 77,8%. Outro dado relevante diz que quatro anos atrás menos de 9% dos moradores, dos 13 bairros, se sentiam seguros andando nas ruas ou com o comércio aberto. O resultado atual mostrou que esse percentual aumentou para 27,8%, as pessoas se sentem seguras nesta mesma circunstância. Isso representa um aumento de 212%”, afirma Débora.

O VBS tem como objetivo reforçar a segurança nos bairros da capital, por meio dos projetos como o Blitz Sufoco e Teresina Protege, que formam a frente de proteção do programa. Além disso, a Prefeitura de Teresina investiu em asfaltamento e calçamento de ruas, melhoria da iluminação pública, revitalização de praças, arborização, programas de inserção à educação e capacitação de jovens para o mercado de trabalho, campanhas de combate ao uso de drogas e retirada de crianças e adolescentes de bares.

A autônoma Raimunda Nonata dos Santos, que vende frango na porta de casa, em frente à Praça do Lagoas do Norte, afirma que atualmente ela pode trabalhar com tranquilidade. “Eu vejo sempre eles [Guardas Municipais] passando aqui na praça. Eu acho muito bom porque é uma questão de segurança”, considera.

O Vila Bairro Segurança passa por um momento de avaliação e planejamento para uma nova etapa nos próximos anos, após a aprovação do crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a discussão em torno dos dados da pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), parte fundamental do trabalho. O VBS atende os bairros Acarape, Aeroporto, Alto Alegre, Itaperu, Mafrense, Matadouro, Mocambinho, Nova Brasília, Olarias, Parque Alvorada, Poti Velho, São Francisco e São Joaquim.