Renato Bezerra

O índice de aprovação do serviço de coleta de lixo em Teresina cresceu mais de 17% nos últimos quatro anos. Os dados são de pesquisas realizadas pela administração municipal. Segundo o levantamento feito em setembro de 2015, 51,01% da população aprovava o serviço. Em 2019, o índice alcançou 68,5%, entre aqueles que avaliaram o serviço como bom ou ótimo.

Segundo dados da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), 99% de Teresina é atendida pela coleta domiciliar, ou seja, com caminhão do lixo passando nas residências pelo menos três vezes por semana. A Prefeitura também mantém 53 Pontos de Recolhimento de Resíduos (PRRs) em áreas onde a população costumava descartar lixo de forma indevida.

Nos locais que contam com PRRs, foram instalados contêiners com capacidade de 40 metros cúbicos para receber o chamado lixo seco, que é o resíduo de capina, de pequenos geradores de lixo, móveis velhos e demais produtos geralmente descartados por carroceiros e pequenos veículos. No local, é proibida a colocação de lixo orgânico, seja domiciliar ou comercial; animais mortos, penas e vísceras, resíduo industrial, entulhos, resíduo hospitalar, pilhas, baterias e aparelhos eletrônicos.

O secretário de desenvolvimento urbano, Marco Antônio Ayres, ressalta que a instalação dos PRRs possibilitou o desaparecimento de lixões irregulares. “É muito importante o apoio da população e dos carroceiros também pra fazer o descarte correto do lixo e manter nossa cidade limpa”, ressaltou.

Outra estratégia que a Prefeitura vem adotando na limpeza pública é a instalação de Pontos de Entrega Voluntária (PEV) para recebimento do lixo reciclável. Atualmente, são 20 pontos instalados na capital que podem receber papel, plástico, metal e vidro. Todo o material coletado é doado para cooperativas de catadores de lixo que garantem sua renda vendendo esse material para empresas de reciclagem. “É um trabalho que colabora com a limpeza da cidade e também com o meio ambiente”, enfatiza Marco Antônio Ayres.

Ele ressalta que a gestão municipal vem trabalhando para melhorar ainda mais o serviço. A Semduh iniciou a instalação de câmeras de videomonitoramento em alguns pontos da cidade  onde ainda se registra constantemente o descarte irregular do lixo. Ao todo, são 30 câmeras transmitindo imagens em tempo real para uma sala monitorada pela coordenação do Programa Lixo Zero. O descarte irregular do lixo é passível de multa que varia de R$ 354,02 a R$ 3.540,27, dependendo da gravidade da infração.