Ascom/FMS

O ambulatório de Doença de Parkinson e Outros Distúrbios de Movimentos, administrado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), completa 1 ano de existência e irá comemorar a data com evento no Parque da Cidadania, nesta sexta-feira (14), das 8h às 10h.  Na ocasião, haverá atividades para o público desenvolvidas por neurologistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, além de musicoterapia, jogos de memória, coral e exposição de arte.

“A FMS está convidando todas as pessoas para participarem desse grande evento. Temos muitos motivos para comemorar. Ao longo de um ano, esse ambulatório realizou cerca de 700 atendimentos a pessoas que sofrem com doença de Parkinson e outras doenças neurológicas que acarretam movimentos anormais do corpo. Eles são tratados com toda atenção e carinho e percebemos que temos conseguido resposta satisfatória nesse tratamento”, afirma a médica neurologista, especialista em distúrbios, Denise Cury.

O presidente da FMS, Charles Silveira, explica que o município de Teresina é pioneiro na implantação desse ambulatório no estado do Piauí. “O acesso da população ao ambulatório se dá através de encaminhamento de especialistas da rede SUS ou das Unidades Básicas de Saúde (UBS). É um trabalho completo, que abrange também a entrega de medicações e conta com equipe qualificada, que tem contribuído para melhorar a qualidade de vida e sobrevida dos usuários que sofrem com movimentos anormais”, explica.

O trabalho do ambulatório é coordenado pela médica neurologista, especialista em distúrbios de movimentos, Dra. Denise Cury. Ela explica que a doença de Parkinson se caracteriza pela lentidão de movimentos, geralmente em um lado do corpo. O tremor só está presente em um terço dos pacientes com esse diagnóstico. “É uma doença comum em idosos, mas também se manifesta em jovens e não tem cura, mas tem medicamentos eficazes para o controle dos sintomas”, ressalta.

O usuário com doença de Parkinson precisa ser acompanhado periodicamente por neurologista, para que a medicação seja adequada ao logo da evolução da doença, além de ter acompanhamento de outros profissionais. “Lembramos também que, apesar de não existir uma medida específica para prevenção de doença de Parkinson, todos nós precisamos manter um estilo de vida saudável, principalmente com dieta equilibrada e prática de atividades físicas regulares”, finaliza Denise Cury.

Segundo a diretora do Centro Lineu Araújo, Mariluce Ferreira, o local também atende pessoas com doenças neurológicas que se manifestam como movimentos anormais do corpo, a exemplo de coreias (movimentos involuntários e rápidos que se assemelham a uma dança), distonias (contrações musculares involuntárias que acarreta movimento repetitivo de torção), ataxias (perda da coordenação que afeta movimentos) e tremores.