Ascom/SMPM

A equipe da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) se reuniu nesta quinta-feira (13) com representantes do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS Sudeste III), Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS) e Conselho Tutelar para definição dos critérios de seleção de mulheres e seus filhos para o serviço Amor de Tia.

Para ter acesso ao serviço, as mulheres que se encaixam nos critérios estabelecidos precisam fazer um cadastro junto ao CRAS, que tem o papel de avaliação. “Após essa avaliação, essas mulheres são encaminhadas para o Serviço Amor de Tia, onde elas e seus filhos recebem um acompanhamento especializado. Mas essa reunião serviu também para mostrar como foi nossa experiência esse ano, fazendo uma comparação com o ano passado. A gente queria está expondo nossos critérios, todo o trabalho desenvolvido, e assim, alinhar junto a SMPM, novas formas de funcionamento”, explica o psicólogo do CRAS Sudeste III, Antônio Sales.

Ainda segundo o profissional, o grande foco de toda a equipe no momento são os critérios de seleção das mulheres para acessar o serviço. “Queremos fazer toda essa análise com ainda mais cuidado, para que as mulheres inseridas sejam mulheres que realmente estejam vivenciando uma situação de vulnerabilidade social. Com isso, pretendemos ajudar ainda mais mulheres, para potencializar suas forças”, finalizou o psicólogo.

Para a secretária municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, Macilane Gomes, é de extrema importância todo o alinhamento do trabalho desenvolvido pela Secretaria com outros setores envolvidos. “Foi bem interessante dialogar, alinhar. O CRAS já trouxe um feedback dos índices de vulnerabilidade dessas mulheres, do impacto do serviço na vida delas. Esses dados só contribuem para realização de outros trabalhos, porque o que a gente quer é aperfeiçoar e impactar a vida dessas mulheres”, destacou.

O Serviço de Atendimento Integral às Mulheres e suas Crianças: Amor de Tia (Norte e Sudeste), unidades vinculadas à SMPM, atende mulheres em situação de vulnerabilidade social e violência baseada no gênero. Somente no ano de 2019 as duas unidades realizaram o total de 314 atendimentos. Os dados correspondem ao atendimento de 155 mulheres e 159 crianças.