Ascom/Semcaspi

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) realizou, na manhã desta segunda-feira (17), uma reunião com os profissionais admitidos pela Prefeitura de Teresina, com repasse do Governo Federal, para atuar junto aos venezuelanos. A equipe multidisciplinar, contratada através da Fundação Cajuína, vai promover condições dignas de vida e inserção social, além de escolarização e profissionalização dos imigrantes, contribuindo para o desenvolvimento sustentável das comunidades.

A equipe, que conta com antropóloga, assistente social, educadores sociais e técnicos, vai implementar o Plano de Acolhimento Emergencial aos venezuelanos. O Plano consiste em estratégias para mediar a inserção na rede socioassistencial e o acesso aos serviços e benefícios garantidos por lei, a articulação junto à rede de políticas públicas para atender as demandas identificadas. Além da promoção e acesso ao trabalho e condições para geração de renda.

Para Mayra Veloso, gerente da Proteção Social Especial da Semcaspi, esse primeiro momento é de visita e diagnóstico sobre os venezuelanos para formatar como os trabalhos seguirão. “O trabalho inicial da equipe será entrar nos centros e conviver com os venezuelanos para entender mais sobre a cultura deles, só depois desse primeiro momento é que vamos proceder com os direcionamentos de forma gradativa. É preciso ter um diálogo, me colocar no lugar do outro, para entendê-lo melhor e a partir disso promover e atender as suas necessidades”, disse.

A antropóloga Lilian Castelo Branco, que fará parte da equipe, reforça a importância de uma equipe multidisciplinar para atender as mais variadas necessidades, principalmente, contando com um profissional da antropologia que contribuirá com o fator cultural.

“A Antropologia para além do objetivo que ela já possui ,que é estudar as culturas, ela também visa perceber as possibilidades. Nessa força tarefa com os indígenas da etnia Warao, a Antropologia permite trabalhar com as questões mais urgentes, porque ela se faz ancorada pela sabedoria e experiência dos próprios indígenas, que vão ajudar a intermediar essa fase, de modo que vai cooperar com a equipe que está envolvida com o projeto”, informou.

Os técnicos contratados serão capacitados para atuar junto aos venezuelanos conforme o andamento do projeto, é o que afirma Ana Luiza Ribeira, admitida para coordenar parte da equipe de profissionais. “A Secretaria, bem como a Prefeitura, segue comprometida a atender o mais rapidamente as necessidades dos imigrantes. Sabemos que se tratam de pessoas de outra nacionalidade e com outros costumes, por isso é fundamental uma equipe qualificada e multiprofissional que atenda desde as necessidades de serviços básicos de limpeza, como serviços gerais e de vigilância, até a antropóloga que nos ajudará a entender a cultura indígena venezuelana”, destacou.

Atualmente, encontram-se acolhidos 180 venezuelanos em dois espaços públicos coletivos, sendo 56 imigrantes no Clube Piratinga, no bairro Poti Velho, e 134 no Centro Social Urbano (CSU), no bairro Buenos Aires.

Mayra Veloso destaca ainda que o amparo aos indígenas se deu desde o momento em que chegaram à Teresina através de ações da Prefeitura, por meio da Semcaspi e demais órgãos da rede de assistência social, e que o projeto veio para beneficiar ainda mais essas pessoas. “A Secretaria já vem atuando com alimentação, kit de limpeza e higiene e, inclusive, através de suas equipes de CREAS, com articulação com as demais políticas públicas como educação e saúde. Estamos sempre trabalhando para que articulações sejam feitas, ou seja, não é um trabalho de agora”, lembra.

A Prefeitura de Teresina, através da Fundação Cajuína, instituição privada sem fins lucrativos responsável direta pela administração do plano de trabalho, deverá contribuir com a promoção social e o combate e prevenção de situações de risco, além de promover ações que propiciam a escolarização e profissionalização dos imigrantes, contribuindo para o desenvolvimento sustentável das comunidades e para a elevação da qualidade de vida das pessoas envolvidas nas ações e projetos.