Ascom/Semcaspi

O atendimento às famílias em situação de emergência em decorrência das enchentes em Teresina deve ser feito seguindo um protocolo, que foi estabelecido para uniformizar o atendimento preventivo na cidade. Para tratar deste protocolo, o secretário de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), Samuel Silveira, esteve reunido na tarde desta terça-feira (17) com representantes das Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) e Rural (SDR), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) e Defesa Civil.

De acordo com o protocolo, a Defesa Civil fará a primeira visita e avaliará a situação de cada família. Se houver a necessidade de desocupação, os técnicos das SDU’s darão continuidade ao atendimento e a inclusão nos programas sociais existentes. Na reunião, ficou acertado ainda que por conta da suspensão de atividades por 15 dias devido às medidas de prevenção contra o Covid 19 nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e nos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS), alguns servidores que atuam nesses serviços serão deslocados para ajudar no atendimento preventivo dessas famílias.

“Nós montamos um Comitê de Gerenciamento de Crise que funcionará na sede da Semcaspi, buscando o atendimento e abrigamento de famílias vítimas da subida do nível dos rios. As equipes de trabalho serão compostas por representantes dos CRAS e dos CREAS junto com os assistentes sociais das SDUs, estabelecendo pontos emergenciais de atendimento como o transporte de pessoas que estão em área de risco. Definimos ainda o alargamento dos plantões da central do número 153 até a meia noite e participação do Corpo de Bombeiros depois das 18h, quando houver chamado para a Defesa Civil”, disse Samuel Silveira.

Em paralelo ao trabalho de visitas da Defesa Civil, os técnicos das SDU’s farão ainda o mapeamento de cada região para informar ao Comitê de Gerenciamento de Crise os bairros que estarão com maior facilidade de alagamento.

“É um trabalho preventivo, que contará com a presença de engenheiros que farão a avaliação da estrutura da cada residência e o fornecimento de caminhões para fazer as remoções dessas famílias que poderão ser vítimas da elevação dos rios. Nosso intuito é evitar qualquer tipo de aglomeração de pessoas nos colégios e em outros espaços públicos e atuar dentro da política de contenção do Covid 19”, explicou Isaac Menezes, superintendente executivo da SDU Sudeste.

As famílias que forem vítimas das enchentes serão incluídas no programa Cidade Solidária, que consiste no apoio financeiro às pessoas que tiveram suas residências comprometidas por conta de desabamentos, alagamentos, transbordamento de rios ou lagoas, como também incêndios.

Além disso, em caso de necessidade de acolhimento coletivo, a Gerência de Proteção Social Especial (GPSE) vai dispor de kits de acolhimentos, higiene, limpeza e alimentação para atender a demanda das vítimas.  Para fazer o acionamento,  a Prefeitura de Teresina disponibiliza para a população o número 153, canal direto de contato com a Defesa Civil Municipal. A ligação para o número é gratuito e permite que os teresinenses solicitem ao órgão o monitoramento, que pode ajudar na identificação e remoção das áreas de risco.