A Prefeitura de Teresina está utilizando a tecnologia para monitorar o isolamento social da cidade. Através de geoferenciamento, por meio dos smartphones da população, é possível identificar quando as pessoas de uma determinada região se afastam mais de 450 metros de suas residências.

O monitoramento está sendo feito pela startup recifense InLoco, que tem como diferencial a precisão de seus dados. “Enquanto algumas tecnologias como Waze e Google Maps tipicamente atingem precisão aproximada de 100 metros, a InLoco consegue ser precisa em até 3 metros”, explicou o prefeito Firmino Filho.

Com base nos dados já gerados, é possível perceber como está o isolamento social da população a cada dia. Eles mostram, por exemplo, que, no dia 08 de março, um domingo em que ainda não havia medidas restritivas em Teresina, 32% da população ficou em casa. No domingo seguinte, dia 15 de março, quando o número de casos suspeitos começou a crescer no Piauí, 50% da população da capital permaneceu em suas residências. Na semana que se seguiu, foi iniciada a implantação das medidas restritivas na capital, por meio dos decretos assinados pelo prefeito Firmino Filho. E, no domingo seguinte, dia 22 de março, o percentual de pessoas que não saiu de suas casas subiu para 69%.

“Isso ajuda os técnicos da Prefeitura a monitorar o isolamento social por bairros, localidades e vilas, o que vai permitir que sejam cridas estratégias para impedir o avanço da doença”, explicou o presidente da Empresa de Processamento de Dados da Prefeitura de Teresina – Prodater, Eduardo Aguiar.

Os dados mostram ainda que, nesta quinta-feira (02), com as últimas medidas restritivas e as ações desenvolvidas pela Prefeitura de Teresina, o isolamento social aumentou, no entanto continua abaixo do que foi registrado na quinta-feira da semana passada, dia 26 de março.