A demora na adoção de medidas mais restritivas na Itália foi o que provocou o grande número de pessoas infectadas e mortas no país. Em videoconferência na manhã desta quarta-feira (15), prefeitos italianos falaram das suas experiências para gestores brasileiros ligados à Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que tem o prefeito Firmino Filho como segundo vice-presidente da entidade. Eles também discutiram sobre medidas adotadas nas áreas econômica e de assistência social.

Segundo o prefeito de Bari, Antônio Decaro, presidente da Associação Nacional dos Municípios Italianos (ANCI), os moradores só passaram a acreditar na gravidade da situação quando começaram a morrer pessoas das suas famílias. “O vírus é igual em qualquer lugar e o importante é fazer os cidadãos entenderem que a situação é complicada, que em pouquíssimos dias o sistema de saúde pode entrar em colapso”, alertou durante sua participação da videoconferência.

“Na Lombardia, onde as medidas protetivas aconteceram tarde, houve um caos no sistema de saúde. Felizmente, o vírus não está em toda a Itália. Algumas regiões foram mais afetadas que outras. Nas cidades onde as medidas chegaram a tempo, foi possível atender a demanda de forma mais tranquila”, contou o prefeito de Bergamo, Giorgio Gori.

Ele informou que os municípios aguardam apoio financeiro do governo italiano, uma vez que houve queda na arrecadação de impostos. Comentou ainda que, mesmo com a redução no número de pessoas infectadas pelo vírus, o isolamento social está previsto para ser encerrado no dia 3 de maio e que as aulas escolares só serão retomadas em setembro. “Será uma volta gradativa, com muita segurança. Não se pensa ainda em permitir eventos com grandes aglomerações, por exemplo”, disse.

O prefeito Firmino Filho agradeceu a disponibilidade dos prefeitos para participar da videoconferência e fez perguntas aos gestores italianos sobre medidas seguidas por eles tanto na área da saúde, como na área social e econômica. “A solidariedade e a troca de experiência entre os povos em meio a esta crise é muito importante para que possamos ter ações mais eficazes no combate ao vírus”, ressaltou.

Em Teresina, apesar de todas as medidas adotadas pela Prefeitura de Teresina e as recomendações dos órgãos de saúde, os índices de isolamento social ainda são bem baixos. Dados colhidos na última terça-feira (14) apontam que neste dia foi registrado o índice de 52% de isolamento social, um dos menores nas duas últimas semanas em Teresina.

Além dos gestores italianos, participaram da videoconferência o prefeito de Campinas-SP, Jonas Donizette, que preside a Frente Nacional de Prefeitos, e o secretário-executivo da entidade, Gilberto Perre.