Mesmo durante a quarentena, a Gerência de Zoonoses da Fundação Municipal de Saúde (FMS) segue em vigilância para evitar a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como zika, dengue e chikungunya. O serviço foi considerado essencial para evitar o aumento destas doenças e uma sobrecarga no sistema de saúde, que no momento está focado no combate à COVID-19.

Os agentes de endemias que não estão nos grupos de risco para a COVID-19 continuam com rotina normal de visita às residências e verificação de potenciais criadouros do mosquito.  “Recomendamos que os agentes de endemia continuem verificando os imóveis, mas sempre seguindo as regras de segurança de se manter distante dos moradores durante as visitas nas casas e reforçar a lavagem das mãos”, explica Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS.

A gestora também chama a atenção dos teresinenses para que mantenham as medidas preventivas para a não proliferação de mosquito na cidade, em especial nesta época de isolamento social onde todos estão em casa e devem estar mais atentos a recipientes que possam acumular água, bem como calhas, lages e objetos expostos à chuva. “O Aedes não está em quarentena e nem de férias, por isso fazemos o alerta para que as pessoas que estão em isolamento social façam seu dever de casa, que é a verificação de seus quintais, retirando todo potencial criadouro existente no imóvel e fazendo a faxina”, alerta Oriana.

Até o dia 13 de abril a FMS registrou 279 casos confirmados de dengue e 29 de chikungunya em Teresina em 2020. O número está bem abaixo dos registrados em 2019, que foram de 1.167 casos confirmados de dengue e 206 casos de chikungunya no mesmo período. Em ambos os anos, nenhum caso de zika foi confirmado na capital.