Uma pesquisa realizada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), entre os dias 13 e 14 de abril, revela que 55,7% de pessoas que precisam sair de casa para trabalhar, mesmo com o isolamento social, são mulheres. A maior parte delas atua em setores considerados essenciais.

Para realizar o levantamento, foram aplicados 125 questionários nos oito Terminais de Integração espalhados pela cidade (Bela Vista, Buenos Aires, Itararé, Livramento, Parque Piauí, Rui Barbosa, Santa Lia e Zoobotânico), no período de 6h às 8h da manhã, os quais tinham como objetivo observar o comportamento de pessoas que continuam precisando se locomover diariamente pela cidade.

Segundo os dados levantados, 88% dos entrevistados precisam sair de casa, pelo menos uma vez na semana, para cumprir jornada de trabalho, 60,8% dos quais são do setor privado. Desse total, 45,5% dos pesquisados revelaram que precisam sair para trabalhar diariamente, e apenas 17,6% são do setor público.

Outro dado que chamou bastante atenção é que 30,4% dos entrevistados eram pessoas entre 36 e 50 anos, grupo bastante atingido pelos efeitos provocados pelo vírus. A pesquisa apontou também que alguns destes trabalhadores não atuam em áreas consideradas essenciais, o que pode contribuir com a facilitação do contágio na capital.

De acordo com o secretário da Semdec, Raul Ferraz, a pesquisa vai ajudar o poder público municipal a entender por que ainda há uma parcela considerável de pessoas que precisam sair de casa. “O levantamento nos fez perceber que muita gente, em especial as mulheres, precisa sair de casa para trabalhar. O que preocupa é que uma parcela dos entrevistados não precisaria estar nas ruas, enquanto outros são completamente necessários por atuarem em setores considerados essenciais”, explica.

Para o coordenador da pesquisa, Eneas Barros, que é coordenador de Turismo da Semdec, os dados servirão para que a Prefeitura de Teresina possa adotar medidas espelhadas no comportamento das pessoas. “As pesquisas retratam momentos e situações específicas, servindo como balizamento para a tomada de decisões. Ao ouvir a opinião do passageiro de transporte coletivo, a Prefeitura de Teresina pode adotar medidas espelhadas na mobilidade urbana dessas pessoas, levando a atos fundamentados pelos números, que com certeza trarão maiores benefícios sociais na luta contra o avanço do coronavírus em nossa cidade”, esclarece.