A Vigilância Sanitária continua fazendo trabalho educativo junto aos estabelecimentos que prestam serviços essenciais e agora está dando orientações sobre o uso seguro de máscaras. De acordo com o Ministério da Saúde, a população deve utilizar as máscaras caseiras, feitas de tecido. As do tipo cirúrgicas descartáveis devem ser destinadas aos profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à COVID-19.

A gerente de Vigilância Sanitária da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Jeanyne Seba, explica que, antes do uso, a máscara de tecido deve ficar de molho por 10 minutos com água e sabão para depois secar ao sol e ser passada com ferro quente. “Antes de colocar a máscara, devemos lavar as mãos com água e sabão ou passar álcool 70% ”, orienta a gerente, ressaltando que a máscara deve ficar ajustada ao rosto cobrindo totalmente a boca e o nariz, não devendo ser retirada para tossir, espirrar ou falar.

Ela ressalta que a troca de máscaras deve ser feita a cada duas horas, ou sempre que estiver úmida. Ela deve ser retirada pela frente e guardada em um saco plástico bem fechado, de onde será retirado apenas para lavar novamente, ou para ir ao lixo no caso das descartáveis. “Jamais reutilize a máscara descartável, nem a descarte na rua: pedimos que coloque em um saco, amarre e jogue no depósito de lixo”, enfatiza Jeanyne Seba.

A gerente lembra que no entanto o uso de máscara não garante a proteção total do indivíduo, que deve seguir tomando cuidados como o afastamento de, no mínimo, 2 metros entre as pessoas e a lavagem constante das mãos. “Mesmo com toda essa orientação, o isolamento social é a melhor forma. Fique em casa, e só saia se for estritamente necessário”, alerta Jeanyne Seba.

Desde o início do período de isolamento social, mais de 623 estabelecimentos já foram visitados pela Vigilância Sanitária, como mercados, açougues, padarias, drogarias, e outros.