Em quatro dias de operação, 2497 veículos foram abordados nas barreiras sanitárias que foram montadas pela Prefeitura de Teresina nas três pontes que ligam a capital ao município de Timon, no Maranhão. Juntos, os veículos traziam 2752 pessoas, das quais nove delas apresentaram quadro febril.

O objetivo das barreiras é fazer o controle do estado de saúde das pessoas que entram na capital. Segundo o levantamento, 110 dos veículos abordados, vieram de outras cidades. No entanto, 1607 veículos, o correspondente a 65% do total, são oriundas de Timon e apenas 30% eram de Teresina.

A barreira, que está montada por tempo indeterminado, acontece nos turnos da manhã, tarde e noite. O trabalho envolve agentes da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (STRANS) e da Guarda Municipal. Segundo o comandante da Guarda Municipal, Coronel John Feitosa, os trabalhos estão sendo realizados a contento. “O trabalho tem surtido efeito. A FMS tem colhido os dados que são necessários para a continuidade da operação. Estamos buscando obter resultados para verificar a necessidade da mudança ou não de horários e o aumento do quantitativo de pessoas envolvidas”, ressaltou.

A ação está orientando as pessoas que transitam entre as duas cidades sobre o novo coronavírus, além de ajudar a identificar e encaminhar possíveis casos da doença à rede de atendimento de saúde. As barreiras sanitárias estão montadas na Ponte Metálica, na Ponte da Amizade e na Ponte Nova. Além de sinalizar as vias próximas às pontes, a STRANS está coordenando a saída e entrada dos veículos durante a abordagem, priorizando as recomendações da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

“Todas as pessoas são abordados estão recebendo orientações também, quanto ao uso das máscaras, higienização das mãos, sobre os serviços de saúde, alertando sobre os sintomas e também orientações sobre evitar aglomerações, não andar com carro lotado, manter os vidros abertos”, completou Emanuelle Dias, enfermeira da Gerência de Ações Estratégicas da FMS.