A crise gerada pela Covid-19 tem um forte impacto na vida das pessoas, com mudanças bruscas no dia a dia que afetam também a saúde mental. Para discutir este assunto, o prefeito Firmino Filho conversou com o psiquiatra Luciano Luz em live no Instagram nesta segunda-feira (04).

Durante a conversa, o prefeito questionou o motivo de muitas pessoas não cumprirem o isolamento social, apesar de ser uma medida essencial para conter a contaminação pelo novo coronavírus. O especialista explicou que a negação, um dos mecanismos de defesa do indivíduo, blinda o organismo no primeiro momento. “Só após a negação, é que o indivíduo segue para a contemplação, fase em que ele passa a acreditar que aquilo realmente existe. Mas, infelizmente, algumas pessoas só reagem mediante a concretude da coisa”, acrescentou o especialista.

No final do mês de abril, Teresina apresentou um dos piores índices de isolamento social, quando 43% da população ficou em casa. A estatística pode ter relação com uma reação comum entre as pessoas, que estão sempre buscando alguma recompensa. “Nosso cérebro é movido à novidade, socialização e busca por entretenimento, e para driblar a sensação de estar privado de liberdade, o indivíduo começar a burlar o confinamento. Isso não é linear, porque trabalhamos com recompensas. Assim que conquistamos o que queremos, ficamos satisfeitos”, disse.

Segundo o psiquiatra, neste período de quarentena, as pessoas transitam por momentos em que ficam mais deprimidas, ansiosas e mais irritadas. Para enfrentar essa situação, é importante que elas não se prendam apenas à pandemia, para que não desenvolvam um pensamento obsessivo. “É preciso lidar com outras coisas, se distrair, extrair o que a pessoa tem de criatividade e fazer uma reflexão sobre o que pretende executar depois da pandemia. E, o mais importante, acreditar que com o isolamento, isso logo vai acabar. Vamos instigar a esperança, mas todos precisam contribuir”, ressalta o médico.

O psiquiatra disse ainda que é necessário estar preparado para o período pós pandemia, onde haverá mais pessoas doentes e ainda o agravamento daquelas que já estavam em tratamento. “Teremos um grande aumento nos casos de depressão, nos níveis de ansiedade e teremos que enfrentar alguns desafios no tocante a pensamentos suicidas”, lamentou o médico.

O prefeito Firmino Filho frisou a importância de cuidar da saúde mental das pessoas neste período de quarentena. “Com uma nova rotina e novos hábitos, mais pessoas podem adoecer e doenças psíquicas podem se agravar, por isso é fundamental cuidar não só do corpo, mas também da mente”.

As pessoas que precisam de ajuda nesse período podem contar com três alternativas da Prefeitura de Teresina: psicólogos pelo telefone 0800 291 0084,  assistência nos sete Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) para pessoas com transtornos mentais graves e, ainda, o Provida, específico para atender quem tenta suicídio.