Ascom/Semcaspi

Para amenizar distâncias e preservar os vínculos familiares, idosos residentes das instituições de longa permanência de Teresina passaram a interagir com parentes por meio de vídeochamada. Em razão das restrições de prevenção ao coronavírus, a estratégia foi adotada para manter o contato dos idosos com os familiares após a suspensão de visitas nas unidades.

Em todo o mundo, a internet tem sido uma aliada importante para conectar as pessoas em tempos de distanciamento físico, entretanto, para os idosos do Lar de Sant’Anna esse contato via internet tem sido ainda mais especial. Com os cuidados redobrados para a preservação da saúde física e mental dos idosos no abrigo, a distância tem sido driblada com a tecnologia.

Acostumados com visitas de familiares, voluntários e a presença afetuosa dos muitos funcionários da instituição, os idosos do Lar de Sant’Anna tiveram sua rotina readaptada à nova realidade e, segundo Francisco Soares Neto, psicólogo da unidade, as ligações por vídeo têm sido bastante valiosas para os idosos do abrigo.

“É muito importante para o idoso estar conectado com a família de alguma forma. Esse contato melhora a sociabilidade, a interação com a equipe profissional e com os outros idosos. Eles ficam mais bem humorados, mais dispostos, isso faz muito bem para o emocional deles. É uma forma de manter o elo, já que não se pode ver presencialmente, tocar ou abraçar. Não romper esse vínculo é positivo para minimizar a saudade, a depressão e a tristeza que estão presentes no dia a dia de alguns deles”, explica o psicólogo.

A coordenadora do Lar de Sant’Anna, Maria Zenaide, conta que os funcionários estão trabalhando por escala e atendendo a protocolos rigorosos de higienização. “Todos os funcionários tem trabalhado com aventais, máscaras e toucas. Os idosos sentem muito a falta da movimentação aqui, dos familiares, dos grupos de voluntários que sempre animavam, das festinhas. Eles começaram a sentir falta desses momentos de interação e também dos funcionários”, diz a coordenadora.

“Procuramos manter esse contato para aqueles idosos que têm parentes. É uma estratégia que foi solicitada pelos protocolos e que nós acatamos cem por cento porque achamos altamente valiosa, seja através das chamadas de vídeo ou mesmo por vídeos gravados e ligações. A gente sente que naquele momento eles se sentem reanimados, ficam estimulados, para alguns é como se o familiar tivesse vindo aqui, são muitas experiências interessantes”, finaliza Maria Zenaide.

A equipe multiprofissional que atua no abrigo é formada por terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, psicólogo, nutricionista e assistente social e passou a seguir todos protocolos da Secretaria Municipal de Saúde, Ministério da Saúde e da Vigilância Sanitária desde o último dia 16 de março.

O Lar de Sant’Anna faz parte da rede municipal de assistência social e acolhe a 17 idosos. A rede socioassistencial executa as políticas públicas de atendimento à pessoa idosa, que têm como princípio zelar pelas condições de dignidade, bem estar e proporcionar o envelhecimento saudável. A instituição é administrada pela Ação Social Arquidiocesana (ASA) e mantida pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).