Em reunião virtual com técnicas da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) e coordenadoras dos Serviços de Acolhimento às Mulheres e suas Crianças – Amor de Tia Norte Norte e Sudeste, para alinhar diretrizes de atendimento no período da pandemia a especialista em gênero, Wânia Pasinato, destaca a importância de levar o atendimento do Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) para as mulheres acompanhadas por essas duas unidades.

“Seria interessante levar o Centro de Referência para dentro do Amor de Tia. Colocar o serviço à disposição para qualquer dúvida, mesmo que mínima. Tentar criar esse canal que quebre essa resistência, que quebre essa vinculação do Centro à realização de uma denúncia. Elas precisam sentir essa aproximação e sentir que o serviço tem capacidade de ajudar e tem suporte pra isso”, afirma Wânia Pasinato.

Para a especialista nesse momento é importante pensar em diferentes estratégias de abordagem para alcançar essas mães que vivenciam a problemática da violência doméstica. Para isso, ela defende também a criação de vídeos com uma linguagem mais íntima, com psicólogas do Centro de Referência, que possam expressar uma maior compreensão e cuidado com as mães.

Durante o diálogo as profissionais puderam destacar como atualmente estão sendo realizadas as atividades mesmo à distância nessas unidades, as estratégias utilizadas para o desenvolvimento das tarefas e também como estão trabalhando a questão do enfrentamento de problemas como violência doméstica com as mães acompanhadas.

Segundo a Coordenadora do Amor de Tia Norte, Aline Heira, para o período de isolamento, a unidade articulou a produção de vídeos de enfrentamento à violência doméstica com números e canais de denúncias, vídeos de contação de histórias para as crianças e de economia doméstica, que foram socializados em um grupo de whatsapp a qual essas mulheres estão inseridas. Além disso, como parte desse acompanhamento, essas mulheres também foram beneficiadas com a distribuição de cestas básicas.

“Todas estão cientes e acompanhando o material repassado por nós. Até o momento tivemos apenas um caso de violência. Estamos sempre orientando e encaminhando os canais de denúncias. Mas além da violência doméstica durante esse período, tivemos também os cuidados de auxiliar nas recomendações de saúde por conta do covid-19, dando todo o suporte necessário, proporcionando também entretenimento para elas e os filhos. Todas elas têm consciência que não estão sozinhas”, pontua Aline Heíra

Já de acordo com a coordenadora do Amor de Tia Sudeste, Maria de Lourdes Mendes, a unidade tem algumas mulheres que sofrem com o problema de violência, mas optam por não realizar a denúncia e nem entrar em contato com a rede de apoio.

“Tem duas mães que eu estou acompanhando de perto, todos os dias elas me ligam. Tem outras mulheres que não querem entrar em contato com o Centro de Referência Esperança Garcia. Eu sempre peço que elas pelo menos ouçam a central de apoio, as psicólogas, mas em alguns momentos é bem difícil. Já tentamos de todas as formas, então o acompanhamento que fazemos é ouvir, mas claro que sempre repassamos aos profissionais do CREG”, desabafa a coordenadora do Amor de Tia Sudeste.