Ascom/Semcaspi

A prática de atividade física tem sido uma aliada para as pessoas em situação de rua abrigadas no estádio Lindolfo Monteiro há quase 50 dias. Os acolhidos estão recebendo aulas de pilates, com o objetivo de proporcionar bem-estar e incentivar a permanência deles no espaço, evitando que retornem ao ambiente das ruas, onde estariam mais vulneráveis aos coronavírus.

Leandro de Sousa é uma das pessoas que está vivendo no abrigo. Ele diz que a prática de atividade física o tem ajudado a ser perseverante. “Eu vim para cá buscando uma mudança e aqui encontrei pessoas queridas que ajudaram a gente a ir para outro patamar. Com a atividade física, o dia a dia da gente está sendo bom, estamos crescendo mais, com outros pensamentos, outros planos de um dia sair daqui diferentes e deixar esse estresse das ruas. Cada dia aqui é uma vitória para gente, porque a gente está lutando, perseverando”, disse.

A educadora física Doralice Miranda faz parte da equipe multiprofissional que atua no Lindolfo Monteiro. Ela explica que usa o pilates como estratégia para tornar a prática de exercício mais acessível ao público. “Um caso isolado me surpreendeu, um dos acolhidos tem um problema em uma das pernas e perguntou se tinha alguma atividade que ele poderia fazer. Eu o coloquei na turma e mudei a minha estratégia de aula planejada para aquele dia. A partir daí comecei a dar aula de pilates, que é uma atividade que não requer tanto esforço físico e pode ser realizada por qualquer pessoa, até mesmo os mais impossibilitados”, afirma.

De acordo com Doralice, exercícios físicos também servem como uma terapia alternativa para trabalhar os sintomas de abstinência dos assistidos. “A atividade física proporciona melhoria na autoestima e na sensação de bem‐estar, proporciona prazer e relaxamento e, assim, interfere de maneira positiva no tratamento da dependência química. Ajuda ainda na redução das alterações neuroquímicas, do desejo e da compulsão, dos distúrbios do humor, dos níveis de estresse e reduz as dificuldades de relacionamento social e afetivo decorrentes do uso de drogas”, diz a professora.

Em condição de rua há cerca de seis meses, Carlos Vinícius fala das mudanças que já observou em si mesmo durante a estadia no Lindolfo. “Graças às atividades da professora a gente deixou o sedentarismo, a gente passou a se movimentar melhor, a ganhar um novo ritmo de vida, até nossa aparência mudou. Com as atividades que trouxe, ela nos propôs uma nova visão de vida, somos novas pessoas. Eu agradeço a oportunidade de estar aqui no Lindolfo Monteiro, eu saí das ruas e hoje estou me transformando em uma nova pessoa devidos às atividades e tudo o que é ensinado aqui”, declarou.

Além da assistência de abrigo, alimentação e saúde, também são realizadas atividades de lazer para que o tempo ocioso da estadia seja preenchido. O cronograma de atividades do abrigo é variado para atender a diversas preferências. Durante toda a semana, são ofertadas oficinas de pintura, artesanato, palestras educativas, leitura, jogos e atividades físicas. O assistente social responsável pelo abrigo, Edson Araújo, ressalta que as atividades propostas têm como principal foco combater a evasão às ruas.

“O que temos buscado com todas essas atividades é preencher ao máximo o espaço livre que eles têm lá dentro e sempre trazer algo benéfico para a saúde deles, como os exercícios, palestras sobre alimentação saudável e riscos do uso de drogas, até para combater a abstinência que eles vivenciam. Se eles não ocuparem a mente, tende a correr o risco de desistir da permanência no Lindolfo. Esse é nosso desafio, fazer com que eles permaneçam”, conclui.

A estrutura montada no Estádio Lindolfo Monteiro pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) conta com alojamentos, refeitório, banheiros, atendimento em saúde, assistência social e estande administrativo. Atualmente, existem 39 pessoas acolhidas no abrigo, mas o espaço possui capacidade para atender até 75 pessoas.

A Prefeitura de Teresina já atende a população em situação de rua através de vários projetos de assistência social e saúde, por meio do Albergue Casa do Caminho, Centro Pop e o Consultório na Rua. Com a disseminação da Covid-19, a intenção é que essa população permaneça em um espaço adequado com estrutura e segurança necessária e possa estar resguardada dos ricos de contágio.