Mais de 13 mil atendimentos foram realizados nas Unidades Básicas de Saúde que dão assistência exclusiva para casos de síndromes gripais leves, em Teresina. Do total de pacientes atendidos, 10.564 foram indicados a adotar medidas de isolamento domiciliar ou acompanhamento ambulatorial. Já 582 pessoas receberam prescrição de tratamento, conforme o protocolo municipal, e outras 364 foram encaminhadas para serviços de urgência.

Entre os sintomas apresentados com maior ocorrência durante os atendimentos estão febre, tosse, dores de cabeça, garganta e musculares. As comorbidades mais freqüentes são doenças crônicas cardíacas e respiratórias, além de obesidade. Mais de 8.700 pessoas atendidas não apresentaram enfermidades.

A região com maior número de atendimentos registrados é a zona Centro-Norte (36,2%), seguida das zonas Sudeste (25,4%), Sul (20,9%) e Leste (17,5%). Para Kledson Batista, diretor de Atenção Básica da Fundação Municipal de Saúde (FMS), a queda na taxa de isolamento social na capital pode ser um indicador para o aumento do número de atendimentos realizados nas unidades de saúde.

“As demandas aumentaram muito nas UBS destinadas para o atendimento de pessoas com síndromes gripais. Esses dados podem ser um reflexo das baixas taxas de isolamento, as aglomerações e a falta de distanciamento social entre as pessoas. Temos uma média alta de atendimentos por dia”, comenta o diretor.

De acordo com a faixa etária, o maior número de atendimentos foram entre pessoas de 20 a 59 anos (9.551), seguida da faixa de 60 anos ou mais (1.160), pessoas de 11 a 19 anos (753), menores de cinco anos (414) e de 5 a 10 anos (211). Entre os dados, pessoas do sexo feminino foram maioria nos atendimentos, cerca de 54,7%.

Ao todo, 21 UBS utilizam o “Fast-track”, protocolo do Ministério da Saúde para agilizar os atendimentos, que acontecem todos os dias da semana, das 7h às 19h, inclusive domingos e feriados.