Teresina apresentou uma redução no número de pessoas infectantes para a Covid-19 e queda do R0 (R-zero) para menor que 1, segundo dados da nona etapa da pesquisa de investigação sorológica realizada pela Prefeitura de Teresina. O prefeito Firmino Filho, alertou que, apesar de positivos, os números devem ser visto com cautela por serem dados estatísticos e que é necessário avaliar se será mantida a constância das informações nas próximas semanas.

De acordo com a sondagem, a cidade possui 133.532 pessoas positivadas para a doença, e desse número, 34.594 estão com o vírus ativo. Na etapa anterior esse número de infectantes foi de 41.340. As informações sobre a pesquisa, realizada entre os dias 12 e 14 de junho, foram apresentadas nesta quarta-feira pelo prefeito Firmino Filho em videoconferência com a imprensa.

“Temos indícios de boas notícias. Apesar da cidade ter apresentado um crescimento no número de positivados nesta nona etapa da pesquisa sorológica, com um número de casos 40 vezes maior ao de confirmados oficiais, tivemos uma redução significativa no número de pessoas infectantes. Os casos diminuíram de 41.340, dados da oitava sondagem, para 34.594 nesta semana. Este é um bom sinal em relação à progressão da doença e em relação ao que vínhamos observando”, explicou Firmino.

Já a taxa de reprodução do vírus, o R0 (R-zero), pela primeira vez ficou abaixo de 1. “Nesta etapa tivemos o R0 de 0,83. Se esse índice se confirmar nas próximas sondagens é que diremos com certeza se houve ou não essa queda do R0. Mas reafirmamos que essa é uma luta diária e temos que fazer um esforço para que a taxa de isolamento volte a crescer e a gente saia mais rápido dessa crise. Se houver a falsa sensação de segurança poderemos caminhar para um desastre. Mas se continuarmos com essa tendência de queda nas taxas, poderemos reavaliar com mais segurança a abertura das atividades econômicas”, avaliou o prefeito.

Quanto à distribuição do vírus pela cidade, a pesquisa, que é realizada em parceria com o Instituto Opinar, demonstrou que a zona Sul precisa de uma atenção especial em relação ao isolamento social, pois apresenta 42% dos casos positivados. A zona Leste aparece em seguida, com 25%. A zona Norte apresentou uma queda em relação à oitava etapa e nesta sondagem representa 22% das pessoas positivas para a Covid-19. A zona Sudeste continua na tendência de redução e nesta pesquisa aparece com 11% dos casos.

Em relação à idade, a faixa etária mais infectada é de 25 a 34 anos, que representa 31% dos positivados. Em seguida aparecem as pessoas entre 15 e 24 anos, que são 19% dos casos. Nas pessoas com idade entre 45 a 54 anos o índice de positivados está em 17%. Logo abaixo, com 14%, estão os adultos com 35 a 44 anos. As crianças e adolescentes nas faixas de 0 a 14 anos estão entre os 11%, em seguida, com 6%, as pessoas de 55 a 69 anos, e seguindo a tendência das últimas sondagens, os maiores de 70 anos permanecem entre os 3% dos casos atestados positivos.

“A realidade da doença, mesmo com alguns dados positivos nesta última sondagem, é dura e a população precisa se conscientizar. Muitas pessoas politizaram a questão do isolamento social e precisamos mostrar um choque de realidade para que cada um assuma sua responsabilidade. Aparentemente estamos numa situação que traz alguma expectativa positiva, mas ao mesmo tempo estamos em ponto crítico no que diz respeito à ocupação de leitos de UTI. Portanto, é necessário um esforço concentrado nas próximas semanas para termos um crescimento do isolamento e para que a gente possa sair mais rápido e sair bem dessa situação, que ainda inspira cuidados. Não podemos brincar com essa doença”, destacou Firmino Filho.

Confira AQUI os resultados da pesquisa.