Ludmila Carvalho é enfermeira na UPA Renascença e há cerca de um mês foi infectada pela Covid-19. Depois de uma internação, uma recuperação difícil e um período de isolamento, ela já está de volta ao trabalho, mas conta que passou por momentos de dúvida e ansiedade sobre sua recuperação. Assim como Ludmila, cerca de 2.010 pessoas já se recuperaram da doença em Teresina e estão aos poucos retomando à vida normal.

No momento da consulta médica, o paciente de Covid-19 recebe instruções sobre o isolamento domiciliar, que deve ser de 14 dias. Segundo o infectologista Kelsen Eulálio, membro da Comissão de Operações em Emergências (COE) da Fundação Municipal de Saúde (FMS), o prazo foi estabelecido com base em evidências clínicas e epidemiológicas segundo as quais a transmissão da Covid-19 acontece no máximo em até 14 dias do início dos sintomas. “Estudos mostram que após esse prazo não há mais risco de transmissão. Por isso, se a pessoa estiver totalmente recuperada, pode retomar à vida normal”, afirma ele.

O médico explica ainda que, de acordo com o protocolo atualmente adotado para acompanhamento dos casos, não há necessidade de se realizar retestagem para confirmar a cura da doença após o período de isolamento. “Sabemos que, mesmo depois do período de transmissão, ainda é possível que restos do material genético ou proteínas do vírus ainda estejam presentes, o que pode gerar um resultado positivo no teste de laboratório. Mas isso não significa dizer que você esteja no período de transmissão e que possa provocar novas infecções em outras pessoas. Do mesmo modo, não há uma recomendação de aguardar o surgimento de anticorpos do tipo IgG – que aparecem após algum tempo de infecção – nos testes sorológicos para o retorno ao trabalho”, esclarece o infectologista.

A literatura desenvolvida desde o descobrimento da doença também se mostra inconclusiva sobre uma eventual imunidade e a possibilidade de reinfecção. “O que sabemos de fato nesses seis meses de pandemia é que a reinfecção, se realmente existir, é um fenômeno extremamente raro. Mas recomendamos que, mesmo as pessoas que já tiveram Covid-19, tomem todos os cuidados como qualquer outra, até mesmo para evitar levar o vírus para outras pessoas por meio das mãos e do toque em superfícies ou objetos contaminados”, orienta Kelsen.

Ele explica que a Covid-19 pode trazer sequelas dependendo da gravidade da infecção. “A Covid-19 causa inflamação e fibrose nos pulmões, além de trombose nos vasos pulmonares, o que pode diminuir a capacidade respiratória e levar a uma diminuição da função, com cansaço fácil e maior dificuldade para a realização de atividade física. Ela também pode causar problemas musculares pela inflamação dos músculos e pelo período de imobilização em internações longas, além de já termos descrições de comprometimento cardíaco, entre outros”, enumera o infectologista.

A enfermeira Ludmila Carvalho faz questão de seguir as orientações dos órgãos de saúde e conta que segue tomando todas as medidas recomendadas, como a lavagem de mãos, limpeza de superfícies e uso de máscaras. “Até hoje, mesmo pesquisando e lendo sobre o assunto, ainda não me sinto totalmente segura para sair do isolamento. Por isso, estou tomando todas as medidas de prevenção em relação a mim e às pessoas ao meu redor, como meus pais, que são idosos, meu namorado e as pessoas mais próximas”, conta.

Ela chegou a ter 50% do pulmão comprometido, mas não sofreu sequelas. “Não tenho mais nenhum sintoma respiratório, o que me deixa mais tranquila em relação a isso, mas continuo me cuidando”.