Os profissionais que vão atuar na Unidade de Acolhimento Emergencial Lar da Fraternidade participaram, na manhã deste sábado (08), de uma capacitação no auditório da Ação Social Arquidiocesana (ASA). No encontro, foram repassadas informações sobre como será feito o acolhimento dos idosos vindos de outros abrigos que estejam em tratamento para a Covid-19 e apresentarem sintomas leves ou sejam assintomáticos para a doença, não necessitando de internação hospitalar.

“Todos os idosos serão monitorados por uma equipe formada por 36 profissionais, entre técnicos da Fundação Municipal de Saúde (FMS), cuidadores e demais servidores que estarão trabalhando no espaço. A capacitação teve como objetivo explicar como será o atendimento desse público quando chegar ao Lar e as medidas que devem ser tomadas, caso ocorra uma possível evolução da doença”, explicou Janaína Carvalho, secretária de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

A coordenadora do novo espaço, Ana Maria Almeida, disse que uma equipe formada por um médico geriatra e enfermeiro fará, de forma permanente, uma busca ativa nos sete abrigos assistidos pela Prefeitura. Esses profissionais realizarão consultas de rotina e testagem, a fim de reconhecer os idosos com quadro leve de Covid-19 e encaminhá-los para fazer isolamento no Lar.

“Esses idosos permanecerão no Lar até o restabelecimento da saúde e, só depois desse processo, voltarão ao abrigo de origem. Vamos tentar englobar toda realidade do idoso, para evitar não só uma evolução para Covid-19, como também, para qualquer outra doença que esteja sendo desenvolvida por conta do isolamento social”, disse a coordenadora.

O novo espaço tem capacidade para atender até 25 pessoas e será utilizado exclusivamente para o isolamento social dos positivados. A permanência dos idosos no Lar da Fraternidade será de, no máximo, 14 dias ou de acordo com avaliação da equipe de saúde. Aqueles que apresentam sintomas graves serão encaminhados à rede municipal de saúde.