O hospital do bairro Monte Castelo, zona sul, é exclusivo para pacientes com Covid-19 e tem desenvolvido ações específicas no atendimento mais humanizado. O prontuário afetivo é uma estratégia que está em execução nos leitos de UTI e nas enfermarias clínicas, desde o final de abril.

(Foto: Divulgação/FMS)

Sobre o prontuário afetivo, a psicóloga do hospital, Ana Paula Paixão Mendes, explica que contém dados de preferências do paciente, como time de futebol, comidas, músicas e profissão. “Enquanto prática de humanização, o prontuário afetivo ajuda a resgatar a subjetividade do paciente, facilita o vínculo com as equipes e reflete na melhora das práticas de interação e no atendimento mais humanizado”, relata.

O diretor clínico do Hospital do Monte Castelo, Cícero de Sousa Neto, explica que essa ação é para gerar empatia entre profissionais e pacientes. “Adotamos para aguçar na equipe o sentimento de empatia. Quando a gente começa a conhecer um pouco mais do próximo conseguimos desenvolver a empatia, individualiza o tratamento. Já conseguimos até colocar música na hora do banho do paciente e adequar a dieta ao que o paciente gosta”, diz.

(Foto: Divulgação/FMS)

A psicóloga avalia que o prontuário afetivo também tem se mostrado ferramenta de intervenção psicológica que favorece mais expressividade do paciente, como também da família que se sente mais participativa apesar do distanciamento físico. Assim, minimiza o impacto da hospitalização no contexto da Covid.

Com o impedimento de visitas aos pacientes, a alternativa para manter o contato com a família tem sido com chamadas de vídeo e ligações por telefone.