A Prefeitura de Teresina, através da Agenda Teresina 2030 (Departamento da Secretaria Municipal de Planejamento – Semplan), segue com novas etapas do desafio #MOVETERESINA. Desta vez, foi iniciado o desenvolvimento dos protótipos dos projetos selecionados, ou seja, colocar em prática as ideias que haviam sido criadas e aperfeiçoadas.

O desafio #MOVETERESINA tem como principal objetivo desenvolver soluções digitais para melhoria do transporte público da capital. No mês de abril, a equipe iniciou a primeira etapa, com cerca de duzentos (200) inscritos com acesso a workshops onlines para desenvolvimento de metodologias de gestão de dados, além de um aprofundamento nos principais desafios do sistema de transporte da capital.

“A proposta foi aberta à colaboração de todos aqueles que acreditam poder contribuir para o exercício da cidadania sob forma com ideias e soluções para a melhoria da qualidade e eficiência do transporte público de Teresina, considerando o contexto atual e futuro na forma de 7 desafios”, explica Cíntia Bartz, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

Os trabalhos visam soluções digitais para desafios, como sistema de informação em tempo real; validação dos dados do sistema de transporte; medição dos indicadores de qualidade e desempenho; otimização da rede de transporte público coletivo; certificação dos serviços prestados; controle de cartões com gratuidade; acompanhamento financeiro dos contratos”, explica Cíntia Bartz, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

As três equipes que se destacaram no desenvolvimento de metodologia passaram por treinamento em uma plataforma de desenvolvimento ágil de softwares, o Framework Scrum. O processo continua até o final de outubro com apoio de outras mentorias e treinamentos para finalização dos projetos.

Metodologia

A Metodologia Scrum propõe o desenvolvimento de soluções complexas em pequenas partes a serem desenvolvidas em um curto intervalo de tempo chamado de “sprint”, que no caso do Desafio #moveteresina será de 15 dias. “A Metodologia Ágil orienta a realização de reuniões sistemáticas e com propósitos bem definidos como reuniões rápidas diárias, com cada equipe, com duração máxima de 15 minutos. Ela prevê também a evolução do projeto de forma incremental e iterativa, trazendo resultados melhores e de forma mais rápida”, afirma Ricardo Colares, Coordenador Geral do Desafio.

Projetos classificados

O Otimizador de Rotas da equipe OpTime, propõe um software para otimizar as linhas de ônibus em Teresina, considerando a mudança de rotas e localização de paradas de ônibus ou ainda sugerir a mudança da capacidade ou quantidade dos ônibus por linha. O sistema poderá ser utilizado para replanejamento do sistema, por meio de simulações, visando a redução dos custos operacionais. Quando implantado, o sistema poderá trazer uma redução do tempo das viagens bem como o tempo de espera pelos usuários.

A equipe Prontuário do Busão apresenta um software (aplicativo) voltado para acompanhamento das manutenções dos ônibus, considerando manutenções preventivas, preditivas e corretivas. O aplicativo será operado pelos motoristas para atualizar o estado de conservação e funcionamento do ônibus e possibilitará comunicação com a garagem para cruzamento de informações de manutenções já realizadas visando atestar as condições do veículo e controlar o fluxo das manutenções a serem realizadas. Quando implantado, permitirá o melhor controle do estado de manutenção da frota, redução no número de acidentes e paralisações não programadas da frota e trará maior segurança no transporte de passageiros.

E por fim, a equipe Jaegers propõe o DashBus. Um software para acompanhar indicadores de qualidade e desempenho do sistema de transporte de Teresina, apresentando os principais indicadores de forma gráfica para facilitar a visualização e seu entendimento. O acompanhamento dos indicadores operacionais do sistema se mostra útil não só para a tomada de decisão por parte da gestão pública do transporte, mas também para a população em geral, trazendo maior transparência. O uso de recursos de Inteligência Artificial previsto na proposta, permitirá extrair padrões e informações relevantes acerca da operacionalização do sistema de transporte coletivo, além de possibilitar a identificação de potenciais ameaças, bem como sua mitigação, antes que essas se tornem problemas reais.

Foto: Divulgação (Semplan)