A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), promoveu assembleias nos abrigos de indígenas venezuelanos para debater sobre itens que compõem as cestas básicas deste público. As cestas básicas são distribuídas uma vez por semana as famílias dos abrigos da capital.

As assembleias aconteceram nos três abrigos de indígenas venezuelanos, na semana passada, e contaram com a presença das gerências de Proteção Social Especial e Segurança Alimentar Nutricional.

Segundo Aline Teixeira, secretária executiva do SUAS/Semcaspi, as assembleias tiveram como objetivo discutir com os indígenas venezuelanos, de forma dinâmica e pedagógica, sobre os itens que constam, atualmente, nas cestas básicas.

“Os acolhidos votaram item por item e explicaram como se alimentam nas três principais refeições do dia. Dentre as solicitações, foi proposto a alternância, semanal de produtos. Por exemplo, de biscoitos doces e salgados, de macarrão parafuso e espaguete. Além do retorno do café, item que eles já tinham pedido a suspensão num momento anterior. A nossa preocupação é manter os produtos que, realmente, estão sendo consumidos, para evitar desperdícios”, esclareceu.

Aline Teixeira destacou ainda que haverá alteração no tamanho das cestas básicas a partir do mês de agosto.

“Dentre as pautas que debatemos nas assembleias, foi o tamanho das cestas. As cestas são padrão para as famílias, independente do número de componentes. A Semcaspi está avaliando, juntamente, com as equipes técnicas dos abrigos e com as próprias comissões dos abrigos sobre a quantidade de pessoas por família. A ideia é fazer com que eles recebam cestas básicas proporcionais à quantidade de componentes em cada família assistida”, pontuou.

Foto: Divulgação (Semcaspi)