A Superintendência das Ações Descentralizadas Leste (SAAD-Leste), por meio da Prefeitura Municipal de Teresina (PMT), está disponibilizando banheiros públicos ao II Festival de Pipas de Teresina. O evento acontece no domingo, dia 1º de agosto, a partir das 8h, na avenida Ulisses Marques, por detrás da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Segundo o gerente de Controle e Fiscalização da SAAD-Leste, Francisco Brandão, o órgão visa incentivar a prática esportiva na zona Leste, mas em locais seguros, que possibilitem a prática de soltar pipas com segurança, para realização de festivais.

“A SAAD-Leste incentiva as práticas esportivas saudáveis, mas a segurança dos eventos será tratada como deve ser: com seriedade e responsabilidade. Sabemos que o “Pipódromo”, local adequado para empinar pipas, deve ser estabelecido em um local aberto, que não possua redes de energia elétrica e nem fluxo intenso de carros, ciclistas e pedestres, para não ocasionar acidentes. Além disso, eventos assim têm importante fator socioeconômico, já que existe um comércio de ambulantes, vendas de pipas e acessórios. A ideia é ajudar estas famílias que sofreram e ainda sofrem danos econômicos, em virtude da crise da pandemia.”, explicou Brandão.

SAAD-Leste vai incentivar a prática esportiva na zona Leste em locais seguros. (Foto: Ascom/Saad Leste)

João Ronaldo Araújo, um dos administradores da Associação da Pipa Esportiva de Teresina (APE-THE), informou que esta é a primeira vez que há um apoio real da gestão pública para os eventos desenvolvidos por eles.

“Há 7 anos, iniciamos com um pequeno grupo de pipeiros, para que pudéssemos praticar o esporte e também fortalecer uma amizade. Depois disso, realizamos alguns eventos, mas nunca encontramos alguém do setor público que pudesse nos apoiar. Agora, estamos precisando de uma estrutura, como banheiros públicos, para oferecer uma forma higiênica e confortável de atender visitantes. Também viemos pedir um local apropriado para o evento e tivemos um pronto atendimento da SAAD-Leste. Seguiremos com a determinação da exigência do uso de máscaras e álcool em gel, durante o festival”, afirmou João Ronaldo Araújo.

Antonio Samuel Felipe Soares, também integrante da APE-THE, complementou dizendo que o grupo está buscando ações para a regularização e transformação da imagem da pipa, em algo positivo e de valor aos teresinenses, para sair da clandestinidade e, com isso, evitar acidentes.

“A pipa esportiva é um patrimônio da cidade, onde a sua prática – além de admirada e respeitada – também dá suporte financeiro a muitas famílias. A APE-THE acredita que através desta união, uma conduta apropriada e a regularização da prática, a pipa poderá, finalmente, sair da clandestinidade e da marginalidade, se transformando em um esporte seguro e patrimônio cultural teresinense”, destacou Samuel Felipe.