Com a crise instalada na Venezuela, numa realidade em que 94,5% de sua população vive em pobreza e dois terços em miséria, muitos venezuelanos optaram pelo êxodo do país rumo a novas perspectivas e melhorias de vidas. Com o destino ao país vizinho Brasil, e com alguns, mais precisamente em Teresina, os Venezuelanos seguem com os desafios de serem imigrantes em um novo país, como novos costumes e com uma nova língua.

Em Teresina, os Venezuelanos têm encontrado junto à Prefeitura Municipal de Teresina receptividade, através dos abrigos que visam acolher e assegurar os direitos desses cidadãos.

A Secretaria Municipal de Educação – SEMEC, em parceria com a Secretaria Municipal de da Cidadania, Assistência Social e Políticas integradas – SEMCASP, elaborou um plano, junto a sua equipe de Gerência de Ensino, com Alfabetização Exclusiva para cerca de 170 alunos Venezuelanos. Com didáticas voltadas não só à conversação, o projeto de Alfabetização Especial elaborado pela Semec apresenta uma proposta de agregar, em seu processo de aprendizagem de forma lúdica, ações culturais, dentre outras atividades.

“Visitamos os abrigos e percebemos que existem um número bem distinto para serem alfabetizados, incluindo crianças a adolescentes. Todos querem aprender a se comunicar melhor. Em nossa análise pontuamos que o perfil dessa turma é presencial e já estudamos as possíveis unidades para atendermos às demandas educacionais. Com o avanço da vacinação, em breve será possível”, pontua a Gerente de Ensino da Semec, professora Geane Alves.