A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Planejamento, anunciou mais um avanço na chegada da Casa da Mulher Brasileira em Teresina. É que a Superintendência da Caixa Econômica no Piauí autorizou a licitação para a Casa na capital. De acordo com a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, a previsão é que as obras se iniciem no primeiro semestre de 2022.

“Teresina terá um espaço com todos os órgãos e entidades de defesa da mulher e isso têm sido defendido pelo Prefeito Dr. Pessoa e por nós que compomos a gestão. Temos muita alegria de anunciar esse feito e de trazer esse espaço tão importante para a cidade e para as Teresinenses”, explicou João Henrique Sousa, secretário Municipal de Planejamento.

O anúncio foi feito durante o lançamento da “Campanha Somos” – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres, realizada pela Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

A Casa da Mulher Brasileira de Teresina tem a proposta de ser um espaço de acolhimento e busca facilitar o acesso de mulheres que se encontram em situação de violência à serviços especializados de atendimento, nesse espaço elas vão receber o suporte necessário para enfrentar essa situação de vulnerabilidade social. A Casa terá estrutura para dar suporte desde a recepção dessas mulheres e vai contar também com acompanhamento psicológico disponível para essas mulheres que se encontram em situação de violência.

“Nós precisamos muito desse espaço para acolher, apoiar e dar suporte às mulheres da nossa cidade. Elas pedem socorro e a Casa trará esse amparo que tanto buscamos e estamos prontos para acompanhar de perto a implantação. Estamos ao lado do prefeito Dr. Pessoa para buscar um diálogo mais direto com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos para alavancar o projeto”, explica a secretária Karla Berger.

A implementação da Casa da Mulher Brasileira em Teresina acontece por meio de ações integradas da Superintendência das Acordo Descentralizadas (SAAD) Centro, SMPM e Semplan. A obra contou com um investimento de R $5,9 milhões. O local será um espaço que disponibilizará atendimento e apoio para mulheres em situação de violência doméstica. Atualmente o modelo está implementado em sete capitais: Curitiba, São Paulo, Campo Grande, Fortaleza, São Luis e Boa Vista.

Foto: Divulgação (Semplan)