As equipes de educação ambiental da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) realizaram, na quarta-feira (15), a sensibilização de moradores da zona norte de Teresina sobre o descarte irregular de lixo. Contudo, foram identificados terrenos baldios e casas abandonadas com muros caídos, que foram transformados em locais de acúmulo de lixo a céu aberto.

As ações de sensibilização da comunidade, com abordagem de porta em porta, distribuição de folhetos e divulgação de vinheta em carro de som aconteceram nos bairros Real Copagre e Água Mineral.

Fotos: Ascom Semduh

Nos pontos críticos de descarte irregular de lixo mapeados pela Equipe de Educação Ambiental, a sensibilização foi dividida em três trechos dos dois bairros para a atuação de cada equipe.

“Foi registrado que na região há vários pontos de lixo e há também muitos terrenos/casas vazias que acabam sendo alvos de vandalismo, tendo seus muros depredados, servindo de local para consumo e venda de drogas, além de serem descartados resíduos”, afirma o coordenador de Limpeza Pública da SEMDUH, Fabrício Amaral.

A SEMDUH reforça que a multa para quem não regularizar o terreno acumulador de lixo pode chegar a R$ 5 mil, de acordo com portaria da Secretaria Municipal de Planejamento (SEMPLAN). “Se após a notificação e a aplicação da multa, o proprietário se recusar a limpar o terreno, a Prefeitura fará essa limpeza, mas cobrará do proprietário o valor referente ao serviço, com acréscimo de 20% previsto em lei”, alerta o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Edmilson Ferreira.

Somente no ponto da Rua Batalha com Rua Governador Arthur de Vasconcelos, no bairro Real Copagre, foram retiradas três carradas de material. Nesse mesmo local ainda havia mais resíduos, porém devido aos postes que estão há muito tempo na calçada, não foi possível recolher tudo.As equipes de educação

ambiental foram bem recebidas pelos moradores da região. Os munícipes apoiaram o disk denúncia, o serviço de fiscalização e a aplicação de multas para os infratores. Uma escola da rede particular se demonstrou sensível à problemática e se comprometeu a passar as informações para a comunidade escolar.

O objetivo de todo esse trabalho é reduzir os ‘lixões a céu aberto’, provocados pela própria população, que usa as vias públicas e os terrenos ainda não murados para o descarte de todo tipo de resíduos.

Estes serviços acontecem semanalmente, intercalando todas as zonas da cidade (norte, sul, sudeste, leste e centro). E todos os meses serão listadas novas áreas no cronograma, para que possamos chegar ao maior número de pessoas possível.

Além de causar prejuízos à saúde pública aumentando a proliferação de mosquitos e doenças, jogar lixo em local proibido também entope as galerias e provoca alagamentos durante as chuvas.