Começa nesta segunda-feira (14), em Teresina, a segunda etapa da flexibilização das medidas sanitárias restritivas para a contenção da Covid-19. Segundo o novo decreto n° 22.200, publicado, no dia 7 de março, pelo prefeito Dr. Pessoa, a partir de hoje, será revogada a obrigatoriedade do uso de máscaras durante as atividades ao ar livre, incluindo-se as recreativas e esportivas – exceto naquelas que geram aglomerações (shows, espetáculos, arquibancadas, etc).

Também a partir desta data, a obrigatoriedade do uso de máscara permanecerá em transportes públicos e veículos de pequeno porte destinados ao transporte de passageiros. A flexibilização foi feita de maneira prudente e seguindo o que revelam os indicadores científicos levantados pelo Comitê de Operações Emergenciais (COE) Municipal.

Reunião do COE municipal

“Levamos em consideração olhar científico sobre a pandemia, O COE que tem pessoas preparadas e também o COE municipal que junto ao presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS) nos transmite as informações necessárias para tomarmos as decisões”, disse o prefeito Dr. Pessoa.

O médico, neurologista, virologista (Doutor em Virologia) e membro do COE – Teresina, Marcelo Adriano, explica que a flexibilização do uso de máscaras se dá por meio de estudos baseados, especialmente, em critérios técnicos científicos realizados por instituições e agências de saúde pública mundial.

“A proposta de flexibilização apresentada pelo COE foi baseada especialmente em critérios técnicos científicos da Organização Mundial de Saúde e o Centro para Controle e Previsão de Doenças para os Estados Unidos (CDC), que recentemente publicou diretrizes para normatizar e programar a utilização de medidas de contenção não farmacológicas contra a Covid-19 de acordo com os níveis de transmissão da doença em uma determinada localidade”, esclareceu o profissional.

O município de Teresina ainda dispõe de vários sinalizadores adicionais sensíveis para detectar qualquer mudança no cenário epidemiológico. Dentre esses indicadores está o monitoramento diário dos dados de caso de Covid-19, desde a sua fase inicial, até o desfecho final.

“A programação está sendo estudada diariamente junto aos dados coletados com informações sobre de números de atendimentos por síndromes gripais, os indicadores de internação e o indicador óbito. O próprio decreto inclusive, prevê que retroaja caso seja detectado alguma mudança no importante no cenário no epidemiológico da cidade”, explica Marcelo Adriano.

O médico afirma que a capital do Piauí está na faixa verde, ou seja, faixa que indica baixa transmissão há algumas semanas. E que as medidas tomadas de flexibilização gradual demonstram a cautela em que a gestão está tendo para programar essas mudanças na rotina do teresinense.

PRIMEIRA ETAPA

A primeira etapa começou dia 7. Desde essa data, os eventos, shows, espetáculos e festas poderão ocorrer sem limitação de horários, respeitados o uso de máscaras (mesmo se realizados em ambientes abertos), público admitido de até 70% da capacidade do local e as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

As atividades comerciais e de prestação de serviços – incluindo bares e restaurantes – poderão ocorrer sem limitação de horário, respeitados o uso de máscaras, público admitido de até 70% da capacidade do local e as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

Próximas etapas

A terceira etapa começa dia 21 de março. A partir desta data, será realizado interstício para averiguação da permanência de Teresina na categoria de risco baixo (verde) por mais uma semana, a despeito das medidas de flexibilização implementadas nas etapas anteriores.

Já na quarta etapa, que começa dia 28 de março, a obrigatoriedade do uso de máscara será revogada até mesmo em ambientes fechados, incluindo-se escolas e academias, respeitadas as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

De acordo com o decreto, as recomendações do uso de máscara serão mantidas em indivíduos sob maior risco de desenvolver formas graves de COVID-19 (idosos, gestantes, puérperas, imunocomprometidos, transplantados e portadores de câncer, acidente vascular cerebral, doença renal crônica, doenças pulmonares crônicas, cardiopatia grave, hepatopatia crônica, diabetes mellitus não controlado e obesidade), bem como em indivíduos com indicação médica de manter o uso ou que, por decisão individual, prefira manter o uso.

Também será obrigatório o uso de máscaras nas pessoas com sintomas da doença, que teste positivo ou que teve contato com indivíduo com Covid-19.

A vacinação em Teresina atinge níveis excelentes. Um total de 99,9% da população está vacinada com a primeira dose e 94% com a segunda dose. É um dos melhores índices entre as capitais do país.