A região das hortas comunitárias dos bairros Dirceu II e Parque Poty está recebendo hoje (12) as equipes da Prefeitura de Teresina para uma ação de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a zika, dengue e chikungunya. É o dia D Todos Contra Dengue: “Horta Comunitária Limpa”, que tem por objetivo promover ações de limpeza e educação em saúde para combater o inseto.

A intensificação vem para barrar o aumento nos casos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti – chamadas arboviroses – que ocorre atualmente não só em Teresina como em todo o país. “Estamos atuando em parceria com diversos órgãos para recolher os potenciais criadouros do mosquito como também ensinar as principais formar de prevenção”, explica o gerente de zoonoses da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Paulo Marques.

Além da limpeza, os agentes de endemias da FMS estão dentro das hortas orientando a população que cultiva e frequenta o local, mostrando os pontos vulneráveis, onde é mais fácil a fêmea do mosquito fazer postura de ovos, como tratar a água e como guardar qualquer vasilhame de forma a não acumular água.

Além disso, está disponível no local um estande educativo, onde a população pode saber mais sobre as arboviroses e tirar dúvidas sobre o assunto, para que possam pôr em prática os cuidados de prevenção dentro de suas casas. “O segredo é evitar a reprodução do mosquito antes que eles atinjam a forma adulta, eliminando criadouros”, lembra o gerente de zoonoses.

A infectologista Amparo Salmito, gerente de Epidemiologia da FMS, faz um apelo à população para que contribua na luta contra o Aedes aegypti. “A gente não combate a dengue se a comunidade não nos ajudar. Aquele lixo que não foi fechado direito, ou que foi jogado no quintal, tudo pode virar foco do mosquito. E este ano que a gente tem uma pluviosidade fora do comum, com chuva todo dia, o que aumenta o risco. Então eu faço um apelo a todos que não deixem acumular água parada, pois nós nunca sabemos quem vai desenvolver uma forma grave”, pede a médica.

Paulo Marques frisa a importância do trabalho dos agentes de endemias, e pede a colaboração nas visitas domiciliares. “Pedimos também a todas as pessoas para que recebam nossos agentes, peçam a identidade, escutem, aprendam e repitam tudo que eles orientarem, porque eles têm experiência e vão ensinar vocês”, finaliza.

Fotos: Ascom FMS