Lançamento da 2ª edição do Projeto Florada dos Ipês. Foto : (Ascom/Semcaspi)

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e a Ação Social Arquidiocesana, lançaram, nesta quarta-feira, (22), no auditório Dom Avelar, Bairro de Fátima, zona Leste da capital, a 2ª edição do Projeto Florada dos Ipês: “Fortalecendo o trabalho em rede” em defesa da criança e adolescente. A iniciativa é desenvolvida com as crianças e adolescentes assistidos pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Semcaspi.

O Projeto Florada dos Ipês, que é a continuação da Florada dos IPÊS I, tem o objetivo de fortalecer o trabalho em Rede das Políticas de Assistência Social, Educação e Sistema de Garantias de Direitos, por meio de ações, fortalecimento, prevenção e proteção para intervenções mais qualificadas, integradas e eficazes.
Allan Cavalcante, secretário da Semcaspi, ressalta sobre a parceria com a ASA e a importância do trabalho dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.

“Essa parceria tem dado certo e tem dado muitos frutos. Um exemplo é este projeto que está na sua segunda edição, desenvolvido com serviço de convivência e fortalecimento de vínculos, que traz as famílias para os nossos centros, para os serviços buscando fortalecer os vínculos familiares. Com este serviço temos conseguido atuar na prevenção de violação de direitos. Além de ter toda rede sócio assistencial envolvida nesse serviço, fortalecendo vínculos e dando oportunidades para nossas crianças e adolescentes”, esclareceu.

Para Carmem Simone, secretária executiva da ASA, a segunda edição do Projeto Florada dos Ipês tem como proposta fomentar alinhamentos com a rede de proteção para atuar na prevenção e no enfrentamento das violações de direitos.

“O Projeto Florada dos Ipês, na sua segunda edição, vem justamente consolidar o que já foi feito. No primeiro momento, nós reunimos a rede, ouvimos as crianças, os adolescentes e os autores do sistema de garantias de direitos. Já nesse momento, vamos articular as políticas de educação e assistência social junto com as entidades da sociedade civil, para que a gente possa fazer a prevenção e o enfrentamento das violações dos direitos sexuais das crianças e adolescentes de forma articulada”, pontuou.

Maria Valdeníria Silva, representante da Comissão do Projeto Florada dos Ipês, esclarece que a nova edição do projeto busca propor um trabalho alinhado com todos os integrantes da rede de proteção.

“A segunda edição vem de forma ousada, pois dá uma sacudida na rede de proteção, tendo um olhar amplo do sentimento de proteção, entendendo que a rede necessita permanecer unida, fazendo um trabalho articulado. Estou falando da valorização da causa da infância e da adolescência. Para isso, é preciso que todas as instituições, sem exceções precisam se mobilizar em prol dessa causa, entendendo que a articulação, o fortalecimento de rede e também de trabalho, a necessidade de equipe multiprofissional capaz de compreender estes fenômenos de violência, que acarretam o desenvolvimento do trabalho infantil e do abuso e exploração sexual”, destacou.

OPORTUNIDADE E CONVIVÊNCIA

O pequeno Pedro Emanuel, assistido pelo Centro de Convivência Novos Meninos, garante que o serviço é importante por proporcionar atividades culturais e esportivas.

“O serviço é muito importante, pois algumas crianças não têm condições de ter aula de violão e elas vão para o Centro de Convivência, não assistir só a uma aula, mas receber acolhimento. É muito interessante as propostas das aulas do centro. Eu gosto muito das aulas de violão e judô”, comentou.