FMS recebe doação de 1.250 litros de álcool para as unidades de saúde

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) recebeu uma doação de 1.250 litros de álcool para higienização de mãos e superfícies. A doação é do Instituto Federal do Piauí (IFPI), que produziu o material em parceria com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e foi entregue na última terça (21).

O álcool foi doado em três apresentações: em gel, glicerinado e álcool líquido 70%, em embalagens de 5 litros e 500 ml. Foi produzido nos laboratórios do IFPI, com insumos doados pela Igreja. “Decidimos dividir a doação entre o Estado e o Município, levando em consideração que Teresina acolhe uma grande parte dos pacientes acometidos de Covid-19 do Piauí. Nós entendemos que a estrutura hospitalar é grande e necessita, por isso fizemos a opção de doar”, pontua o reitor do IFPI Paulo Henrique Gomes.

Harley Azevedo, do comitê de assuntos públicos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, explicou que a produção do material faz parte do projeto Mãos que Ajudam, desenvolvido em todo o país. “Além do insumo, que foi repassado para produção do álcool pelo IFPI, nossos membros ajudaram no processo de envase, rotulagem, fechamento, empacotamento e entrega”, disse. O material foi encaminhado para o almoxarifado da FMS, que fará a distribuição de acordo com as necessidades das unidades de saúde de Teresina.

O presidente da FMS, Manoel de Moura, ressaltou a importância da colaboração entre diversos setores da sociedade no combate à Covid-19. “Esse ato de solidariedade tem uma grande relevância social, nesse momento atípico e desafiador que o mundo enfrenta. A FMS e o município de Teresina só têm a agradecer, e enaltece esta parceria”, afirmou o presidente.

Abrigos aplicam testes para controle da Covid-19 entre venezuelanos

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, os abrigos que receberam as famílias venezuelanas em Teresina vêm desenvolvendo diversas atividades informativas e de conscientização, acompanhamento em saúde e a aplicação de testes para detectar a doença. Atualmente, 163 venezuelanos ocupam os abrigos destinados pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas e 54 deles testaram positivo para a Covid-19. Um deles, paciente de 58 anos, veio a óbito e os demais 53 estão curados.

Em abril, a Semcaspi providenciou a transferência de 70 indígenas que estavam no abrigo CSU no bairro Buenos Aires para diminuir a aglomeração de pessoas e depois um outro espaço foi disponibilizado para receber famílias recém chegadas de outros estados, a fim de garantir um isolamento e testagem antes de adentrarem nos 3 acolhimentos disponíveis. “Desde o início da pandemia, as equipes dos abrigos de venezuelanos estão desenvolvendo uma série de ações de conscientização, com a distribuição de máscaras, produtos de higiene, exposição de cartazes na língua materna e palestras. A Semcaspi solicitou, junto à Fundação Municipal de Saúde (FMS), testes rápidos da covid-19. Uma primeira remessa de testagens foi feita em maio e outra em junho. Neste último, dos 78 testes aplicados, 54 deram positivados para a doença, que prontamente foram submetidos ao tratamento de saúde”, afirma Janaína Carvalho, secretária da Semcaspi.

Em uma destas ações, os migrantes receberam cartilhas informativas em sua língua materna “Warao” sobre cuidados e prevenção da doença. A distribuição das cartilhas ocorreu em uma palestra organizada pelas professoras Carmen Lima, Janaína Santos e Lílian Catenacci da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em junho. O material foi traduzido com a ajuda dos indígenas Yovini Eulalio e Ignacio Perez. “Ao final da palestra, os representantes de cada abrigo receberam, além da cartilha, galões de álcool em gel e máscaras. Eles ficaram responsáveis por repassar para as demais famílias as instruções aprendidas na palesta e também distribuírem os itens que receberam”, disse a antropóloga Lílian Castelo Branco, coordenadora do abrigo instalado no antigo prédio do Emater.

Outra atividade realizada no abrigo foi um bate-papo virtual com o indígena Elemir Martins da etnia Guarani Ñandeva, residente do município de Caarapó, em Mato Grosso do Sul. Para a coordenadora do abrigo, o diálogo proporcionou a troca de experiência entre os grupos no que se refere ao enfrentamento da doença de acordo com a crença e a cultura indígena, e também para a maior conscientização quanto aos cuidados recomendados pelas instituições de saúde, aos quais parte tem resistência.

“Através desse diálogo, o Elemir tratou de alguns pontos das estratégias que eles têm adotado para a conscientização entre a comunidade, pois para eles tem sido muito complicado a compreensão, principalmente pelos mais idosos, que não compreendem a gravidade da doença. Então, os mais jovens estão engajados nesse trabalho de conscientização produzindo e distribuindo informações sobre a Covid-19. Fica mais fácil essa troca entre eles mesmos. Na cultura indígena é muito forte a questão da coletividade, então ele mostrou que por conta da doença, infelizmente eles teriam que adotar estas estratégias para que eles possam atravessar esse momento sem tantas perdas”, disse.

Um dos indígenas, com 58 anos, foi internado no HGV no dia 11 de junho e veio a óbito em 14 de julho. “No início dos sintomas, ele resistiu bastante a ir junto com a equipe para os serviços de saúde e a fazer um tratamento, o que gerou o agravamento dos sintomas. A equipe da secretaria acompanhou a família em todo o processo funerário. Todos os demais estão bem e não apresentam mais nenhum sintoma”, informou a secretária da Semcaspi, Janaína Carvalho.

Centro de Convivência “Novos Meninos” oferece aulas remotas de judô


Com as atividades presenciais suspensas, o Centro de Convivência “Novos Meninos” (CCNM) está realizando diversas atividades à distância para dar continuidade aos serviços prestados na instituição, dentre elas o treino de judô tem ganhado destaque entre as crianças. A prática do esporte está sendo ofertada pelo facilitador social Sansei Wendell Barbosa. As aulas acontecem mensalmente, ao vivo, através do Instagram @ccnmoficial.

A assistente social do CCNM, Maria Valdenira, afirma que os serviços de atendimento e acompanhamento familiar são essenciais para a promoção social. Segundo ela, as atividades remotas têm garantido a manutenção dos vínculos e a permanência das crianças no serviço. “O objetivo da instituição é fortalecer vínculos. Desse modo, por conta do distanciamento social, buscamos por reinventar nossas ações a partir da modalidade remota a fim de manter os vínculos com nosso público de crianças, adolescentes e suas famílias. Assim, as aulas remotas de judô têm sido mais uma ferramenta de superação para o enfrentamento das vulnerabilidades”, disse.

Yuan Albert Oliveira de 12 anos tem participado das aulas de judô, ele diz que só ganhou com a prática. “O centro é muito valioso em minha vida. Todas as atividades que realizo lá me trazem grande alegria e responsabilidade. O judô, por exemplo, me ajuda na concentração, no respeito com as pessoas, tenho disciplina e me faz acreditar que sou um grande cidadão. Agradeço demais pelo centro, que mesmo agora na pandemia, consegue estar presente em minha vida e sou muito grato por eles”, disse.

O Centro de Convivência “Novos Meninos” tem por objetivo prestar atendimento integral a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, com o intuito de prevenir riscos e fortalecer a convivência familiar e comunitária através de atividades artísticas, culturais, educativas e esportivas. Atualmente, a instituição atende 120 meninos e meninas, e fica localizada na rua Arlindo Nogueira, 1801 – Centro (Sul), faz parte da rede socioassistencial de Teresina em uma parceria entre Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e Ação Social Arquidiocesana (Asa).

Especialista em educação elogia Teresina em transmissão ao vivo sobre alfabetização

A educação de Teresina é objeto de estudo de diversos especialistas e modelo para redes de ensino de todo o país. Esta semana, o presidente do Instituto Alfa e Beto, João Batista Oliveira, fez uma live no canal do YouTube do Instituto destacando o caso de sucesso na alfabetização da rede municipal de Teresina.

João Batista apresentou dados da educação dos últimos anos, comparando os resultados da capital piauiense com as demais do Brasil. Ao ressaltar aspectos como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), custo aluno e aprendizagem por ciclo de ensino, o especialista contextualiza o cenário de alfabetização das crianças.

“Alfabetização é importante porque é condição necessária para o sucesso escolar. Sem alfabetizar não tem como você ir adiante. Teresina tem feito isso muito bem, com gestão, planejamento e foco”, disse o especialista, que apresentou gráficos sobre a evolução dos resultados.

Os dados de aprendizagem em matemática, por exemplo, mostram Teresina próxima da média nacional em 2005. Já em 2017, a proficiência dos alunos chegou a 248,2 na rede municipal, enquanto o Piauí apresenta média 209,1 e o Brasil 220. Os números crescentes nos gráficos comparativos seguem a mesma linha nos anos iniciais e finais, seja em matemática ou língua portuguesa.

“É preciso que o Brasil saiba que Teresina está no caminho certo e tem feito um esforço notável. Os resultados são impressionantes, comparando tanto com cidades pequenas quanto com grandes cidades. A população só ganha”, declara João Batista. A transmissão ao vivo durou quase duas horas e foi vista por educadores de todo o Brasil.

 

Final de semana terá medidas mais rígidas de funcionamento para serviços e atividades econômicas

Começam nesta sexta-feira (17) as medidas restritivas adotadas pela Prefeitura de Teresina para o funcionamento das atividades econômicas nos finais de semana. As restrições foram implementadas através do Decreto 19.890 para aumentar os índices de isolamento social e reduzir a disseminação do coronavírus, um dos critérios para avançar na reabertura da cidade.

Na sexta (17) estão autorizados a funcionar mercados, supermercados, hipermercados e congêneres; panificadoras e padarias; serviços bancários; casas lotéricas; atividades de distribuição e comercialização de combustíveis; farmácias e drogarias, serviços de saúde; serviços de segurança e vigilância; serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta; órgãos e profissionais de comunicação; situações comprovadas de urgências e emergências.

Os serviços de transportes de cargas estão permitidos de funcionar em Teresina também às sextas-feiras. A determinação consta em novo decreto assinado pelo prefeito Firmino Filho que considera este tipo de atividade fundamental para o abastecimento e pleno funcionamento dos serviços essenciais do município.

Já no sábado (18) e domingo (19), as atividades têm limitação ainda maior, podendo funcionar apenas farmácias e drogarias; serviços de saúde; serviços de segurança e vigilância; serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta e situações comprovadas de urgências e emergências.

Essas medidas mais rígidas de isolamento social também serão aplicadas nos dias 24, 25 e 26 de julho, assim como aconteceu nos finais de semana anteriores. O decreto determina ainda que os serviços públicos como energia elétrica, saneamento básico, funerários, segurança pública, telecomunicações e radiodifusão, além de estabelecimentos que funcionam operando fornos, em turnos ininterruptos de 24h, estão autorizados a funcionar neste período, respeitando as determinações sanitárias para a contenção no novo coronavírus, inclusive, quanto aos atendimentos emergenciais.

A fiscalização das medidas é feita pela Guarda Civil Municipal e vigilância sanitária municipal, em articulação com os serviços de vigilância sanitária federal e estadual, e com o apoio da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (STRANS), da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Secretaria de Transportes – SETRANS/PI. O descumprimento do decreto resulta em aplicação de multa, podendo evoluir para interdição total da atividade e cassação de alvará de localização e funcionamento.

As restrições nos fins de semana são uma forma de reforçar o isolamento social durante o processo de reabertura das atividades econômicas em Teresina. A segunda etapa da Fase 1 da retomada da economia iniciará na próxima segunda (20) com a volta das atividades ligadas aos setores de concessionárias, vendas de peças e automotivo, utilizando o sistema de delivery ou drive-thru. A duração de cada fase do plano de retorno dependerá também do cenário da Covid-19 na cidade.

Fundação Municipal de Saúde recebe 1.100 protetores faciais doados pela UFPI

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) recebeu 1.100 protetores faciais (face shield) nesta quinta-feira (16) como doação da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Os materiais serão disponibilizados para agentes comunitários de saúde e profissionais que realizam testes rápidos da Covid-19 nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Esses equipamentos serão distribuídos nesta sexta-feira (17) para as Regionais de Saúde fazerem a entrega aos profissionais.

A utilização desse equipamento de proteção individual é importante para garantir mais segurança no desenvolvimento das atividades. Emanuelle Dias, gerente de Ações Estratégicas da FMS, explica que esse é um dos equipamentos que são disponibilizados aos profissionais. “Serão muito úteis aos agentes comunitários de saúde que retornam as atividades com as visitas domiciliares e para os profissionais que realizam os testes rápidos da Covid-19 nas UBS”, cita.

O Face Shield, escudo facial ou viseira de proteção hospitalar, como costuma ser chamada a máscara, é um equipamento muito parecido com uma viseira de capacetes, atuando como primeira barreira física de proteção contra a COVID-19. Ela evita a transmissão do vírus que se dá pelo contato próximo, através de gotículas de saliva, tosse, espirro e contato direto com as mãos ou olhos.

Teresina registra o maior índice de isolamento social entre as capitais

Teresina registrou, na quarta-feira (15), a maior taxa de isolamento social do país entre as capitais. O índice foi de 43,9%, segundo a startup InLoco, que realiza esse levantamento diariamente. Os percentuais dessa semana revelam uma leve alta em relação à semana anterior e pode ser explicado, dentre outras medidas, pela interdição de ruas no centro da cidade, onde estava sendo registrada todos os dias uma grande aglomeração de pessoas.

Desde segunda-feira (13), estão interditados os trechos entre as ruas Desembargador Freitas, Paissandu, David Caldas e Avenida Maranhão, impedindo o acesso das pessoas ao centro da cidade, de segunda-feira a sábado, no horário de 6 às 18h.

A startup InLoco também registra o isolamento social por regiões da cidade e mostra que, na quarta-feira, quem mais ficou em casa foi a população da zona leste, com um percentual de 44,60%. Logo depois vem a região centro-norte, com 44,13%, seguida da zona sul, com 43,00%, e da zona sudeste, com 41,75%.

Quando analisado por bairros, os que mais respeitaram o isolamento social foram Ininga (51,16%), Alegre (51,15%), Noivos (51,00%), Santo Antônio (50,85%) e a região da Frei Serafim (50,80%). Ja os bairros onde o menor número de pessoas ficaram em casa foram Parque Juliana (25,00%), Parque Jacinta (35,50%), São Sebastião (38,40%), Vale do Gavião (38,73%) e Bom Princípio (38,77%).

Máscaras de mergulho adaptadas podem evitar intubação de pacientes com Covid-19

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) recebeu 50 máscaras de mergulho adaptadas para tratamento de casos de Covid-19. Os equipamentos serão utilizados em pacientes com dificuldade respiratória e ajudam a evitar o invasivo procedimento de intubação, além de reduzir o risco de propagação do coronavírus pelo ar.

As máscaras estarão disponíveis no HUT, hospitais de campanha e UPAS. “Esses dispositivos, utilizados em conjunto com outros recursos terapêuticos, contribuem para o tratamento respiratório de pacientes que apresentam quadros leves a moderados da Covid-19. Por serem bem acoplados no rosto do paciente, o escape de ar é mínimo, proporcionando o máximo de aproveitamento da terapia ventilatória e o mínimo de risco de contaminação do ambiente pelo coronavírus”, afirma a gerente de fisioterapia do HUT, Danila Vieira.

Ela ressalta que as máscaras também serão usadas no momento de pós extubação, em que o tubo é retirado da traqueia, prevenindo complicações que podem resultar em nova intubação. “Cerca de 17% dos pacientes que já foram intubados apresentam complicações respiratórias e precisam novamente de intubação. Então, os novos dispositivos que conseguimos devem ajudar a diminuir essa taxa”.

O diretor geral do HUT, Rodrigo Martins, explica que esses equipamentos são seguros, eficazes e tem apresentado bons resultados em outras capitais brasileiras. “A nossa gerência de fisioterapia solicitou a doação das máscaras e o pedido foi prontamente atendido pelo projeto Motirõ, que reúne engenheiros e profissionais de saúde. É mais um recurso no enfrentamento contra o Coronavírus, sem custos, que também vai ajudar pacientes de outros hospitais da Prefeitura”.

SDR distribui sementes a 1.500 horticultores de Teresina

Renato Bezerra

Os horticultores de Teresina estão recebendo durante esta semana sementes que serão usadas para reforçar a produção e comercialização dos ítens de horticultura em toda a cidade. A iniciativa da Superintendência de Desenvolvimento Rural (SDR) vai contemplar 1.500 horticultores, distribuídos em cerca de 40 hortas comunitárias da capital.

Serão distribuídas sementes de coentro, quiabo, alface, rúcula, cenoura, beterraba, tomate, salsa, couve e pimentão. A superintendente de Desenvolvimento Rural, Maria Vilani, informa que a iniciativa é uma maneira de incentivar a produção e ajudar os horticultores neste momento de crise ocasionada pela pandemia do novo coronavírus. “Eles também estão sofrendo com esse momento, com a falta de recurso para adquirir sementes e insumos, e essa é uma forma de ajudá-los a manter a produção ativa”, afirmou.

A distribuição teve início nesta segunda-feira (13), pela zona leste da cidade, e segue um cronograma que contempla todas as regiões de Teresina. Até sexta-feira, os horticultores de hortas comunirárias localizadas nas quatro zonas da capital estarão com suas sementes para iniciar a produção de hortifrutis.

Neste período, a superintendente afirma que essa atividade também precisou se reinventar e alguns horticultores, para não parar de vender, aderiram a modalidades como delivery e drive thru, com a comercialização acontecendo na própria comunidade.

Renato Bezerra

Teresina tem isolamento social de 55,7% no domingo

Teresina registrou, no domingo (12), isolamento social de 55,7%, segundo dados da startup InLoco. O índice é superior ao que foi registrado nos demais dias da semana e é resultado de medidas restritivas mais duras, implementadas pela Prefeitura de Teresina durante o final de semana. No sábado (11), com 51,8%, a capital registrou o melhor índice de isolamento social do país.

O levantamento da sturtup também mostra dados por região da cidade e, no domingo, a população que mais respeitou as medidas de isolamento social foi a residente na zona centro-norte, com 56,34%. Em seguida vem a zona sul, com 56,21%; a zona leste, com 55,75%, e a zona sudeste, com 54,22%.

Quando analisados por bairros, os índices de isolamento social foram maiores no Nova Brasília (64,60%), São João (63,90%), Jacinta Andrade (63,15%), Novo Uruguai (62,95%) e Basilar (62,67%). Na outra ponta da tabela, quem menos respeitou as determinações para ficar em casa foi a população dos bairros Socopo (43,60%), Santo Antônio (48,95%), Cabral (50,00%), Flor do Campo (50,57%) e Morros (50,83%).

Durante os finais de semana de julho, algumas atividades estão sendo restringidas com o objetivo de aumentar os índices de isolamento social e diminuir a disseminação do novo coronavírus. Aos sábados e domingos, podem funcionar apenas farmácias e drogarias; serviços de saúde; serviços de segurança e vigilância; serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta e situações comprovadas de urgências e emergências.

Nos últimos dias, Teresina ultrapassou a marca das 500 mortes causadas pela Covid-19, por causa disso, o prefeito Firmino Filho decretou luto oficial de três dias na capital. O ato simbólico é uma forma de expressar pesar e manifestar solidariedade às famílias e amigos das vítimas.