SAAD Norte usa espaço da ponte Estaiada para arte em grafite com profissionais da região

Um grupo formado por cinco grafiteiros da zona Norte de Teresina está executando o trabalho de grafitagem das paredes em concreto da ponte Estaiada, do lado da avenida Marechal Castelo Branco. A temática das pinturas é relacionada ao início do bairro Morro da Esperança, zona Norte da cidade, onde faz alusão aos pescadores, lavadeiras de roupas e ao uso de máscaras na pandemia. O painel principal tem cerca de 500 metros quadrados e tem chamado a atenção de quem passa pelo local.

A ideia de usar o espaço para a grafitagem foi da superintendente da SAAD Norte Ana Paula Santana, que conheceu a arte dos grafiteiros e solicitou a Laercio Sinza, líder do grupo, que aplicassem a arte no espaço.

“Começamos os desenhos na segunda-feira passada e estamos pretendendo finalizar ainda essa semana, vai depender da montagem dos andaimes que as vezes atrasa, mas seguimos com o trabalho. A ideia da superintendente foi bem legal e além de valorizar o local das pinturas, também valorizou a arte de nós, grafiteiros”, relatou Laercio.

Já a superintendente Ana Paula disse que aguarda ansiosa pela entrega do trabalho de grafitagem. “A arte em grafite encanta e chama a atenção de todos. O local estava ocioso e tivemos essa ideia de usar o espaço para uma pintura, foi quando pensei em usar a grafitagem e agora o resultado começa a surgir, beleza e cultura ao mesmo tempo, sem falar que valoriza a história dos moradores da região da zona Norte de Teresina”, pontificou Ana Paula.

A ideia de usar o espaço das paredes de concreto da ponte Estaiada para a grafitagem Foto(Ascom/SAAD Norte)

Prefeitura de Teresina desenvolve projeto da FM Cultura com uso de tecnologia BIM

A rádio FM Cultura passa por uma reforma estrutural e a novidade é a utilização da metodologia BIM (Building Information Modelling) no processo de criação de planta baixa, adotada pela Prefeitura de Teresina na realização de obras. A plataforma, que permite que o planejamento de construção seja realizado de forma virtual e em 3D, auxilia arquitetos e engenheiros da Prefeitura na realização de projetos mais assertivos, reduzindo desperdício de recursos e ganho de produtividade.

Quando vamos fazer o projeto precisamos conversar com todas as pessoas envolvidas, neste caso, por exemplo, já falamos com o diretor da rádio, com o administrador local, com a pessoa responsável pelas instalações e demais envolvidos. Isso nos fornece subsídios para construir o projeto na plataforma BIM. Com isso, você pode acompanhar de forma assertiva todo o processo”, explica Virgínia Moura, arquiteta e urbanista, que coordena o Núcleo do BIM, na Secretaria de Planejamento e Coordenação (Semplan).

A obra da rádio tem como objetivo revitalizar o espaço, instalando materiais para melhoria acústica do ambiente. Com a metodologia, a Prefeitura otimiza tempo e investimento público. “Geramos não apenas o projeto com uma previsão de medidas e materiais, geramos um quantitativo de materiais calculados de forma precisa, com especificações de medidas, tudo organizado no projeto para facilitar o entendimento e reduzir ao máximo desperdício de material e dinheiro público ” afirma Virgínia.

BIM

BIM (Modelagem da Informação da Construção), é uma Metodologia de Processos gerida em uma Plataforma Tecnológica de Informação, que tem como principal objetivo coordenar todo o processo da vida útil de uma edificação possibilitando o registro, controle e monitoramento das informações geradas.

O desenvolvimento dos projetos de uma edificação dentro dessa metodologia permite além do controle das informações, economia, agilidade, eficiência e previsibilidade.

A obra da rádio tem como objetivo revitalizar o espaço, instalando materiais para melhoria acústica do ambiente. Ilustração: Ascom (Semplan)

Documentário marcará os oito anos de criação da Orquestra Sanfônica de Teresina

Foto: Ascom FMC

O ano de 2021 marca um período de reflexão e cuidado devido ao isolamento social desencadeado pelo Covid-19, mas também marca momentos importantes, como o aniversário de oito anos da Orquestra Sanfônica de Teresina. Nesta ocasião, o grupo produzirá um documentário contando a história do seu surgimento, suas produções musicais e momentos marcantes.

Tendo se apresentado por diversas cidades do Piauí e alguns estados do Nordeste, o grupo também organiza o Festival de Sanfonas, evento de grande importância no estado, responsável por trazer ao Piauí diversos artistas nacionais.

O músico Tairo Silva, conta que apesar dos inúmeros pedidos para apresentações, inclusive pedidos vindos de outros estados, a orquestra está se limitando a ensaios remotos. Ele fala ainda que esse documentário servirá também para as novas gerações que poderão seguir o nosso mesmo caminho futuramente.

“Acreditamos que a produção do documentário seja um passo muito importante para a materialização das ações culturais na cidade. É um legado que ficará para os apreciadores do nosso trabalho e servirá de inspiração para os estudantes do instrumento”, afirma Tairo Silva.

A Orquestra Sanfônica de Teresina é um projeto da Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves e trabalha há oito anos no cenário musical piauiense e é um dos principais responsáveis por divulgar e incentivar o estudo do Acordeon no estado.

Aldir Blanc: FMC amplia prazos para execução e prestação de contas de projetos

Através da Portaria de nº 07/2021, publicada nesta sexta-feira (19), no Diário Oficial do Município, da Prefeitura Municipal de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, resolveu ampliar os prazos para execução e prestação de contas dos projetos aprovados por meio da Lei Aldir Blanc. Com essa medida os proponentes terão um maior prazo para desenvolver seus projetos sem ter o perigo de esbarrar nos decretos que proíbem aglomerações ou atividades públicas por conta da pandemia do novo Coronavírus.

Ao todo, 188 projetos foram aprovados, representando mais de R$6,5 milhões de reais em investimentos para os trabalhadores e as trabalhadoras da cultura, iniciativas e espaços culturais de Teresina. Alguns desses projetos ainda não foram executados, pois envolvem atividades que geram aglomerações ou utilização de espaços públicos.

Para Scheyvan Lima, presidente da Fundação Municipal de Cultural Monsenhor Chaves, essa ampliação de prazos dá mais liberdade para que os proponentes possam se adequar a realidade do momento, sem correr o risco de não executar os projetos por conta das medidas de distanciamento social.

“A classe artística foi a primeira a ser afetada com essa pandemia, são inúmeros pais de famílias e jovens que tiveram um alívio financeiro por conta deste edital, por isso resolvemos fazer essas mudanças, a fim de não deixar que mais uma vez esses trabalhadores sejam prejudicados”, comenta Scheyvan Lima.

Com as mudanças publicadas na portaria, os proponentes terão agora até o dia 30 de novembro deste ano para executar seus projetos, já para prestação de contas o prazo vai até o dia 30 de dezembro. As mudanças só foram viáveis após o Parecer Jurídico nº 115/2021 da Procuradoria Geral do Município, o qual manifesta possibilidade jurídica, em tese, da prorrogação dos prazos de execução e prestação de contas dos projetos.

Músico renomado fará bate papo com crianças e adolescentes de projeto popular na sexta (19)

Musico terá conversas com jovens estudantes de música / Foto: Divulgação FMC

Com 11 anos de idade, Flaubert Viana começou a dar os primeiros passos no ramo musical, isso com os ensinamentos obtidos na antiga Banda de Música do bairro Lourival Parente, na zona sul de Teresina, banda que fazia parte do Projeto Banda Escola, até hoje mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC).

O bate papo virtual com o músico Flaubert Viana acontecerá de forma gratuita, na próxima sexta-feira (19/03). Segundo o organizador, crianças e adolescentes de outras bandas do projeto também terão acesso a novas rodas de bate papo com ex alunos.

Hoje, com 36 anos e morando no Estado do Ceará, ele é saxofonista, flautista, arranjador, produtor cultural e técnico de gravações. Também tem trabalhos com diversos artistas de renome nacional, como, por exemplo, Solange Almeida, além de trabalhos em grandes emissoras de televisão.

Desta vez ele volta ao projeto de forma virtual, onde terá uma roda de conversa online com alunos da Banda Heitor Vilas Lobos, projeto da Banda Escola que atende cerca de 45 crianças e adolescentes do bairro Piçarreira, na zona leste da capital. O músico fala com alegria sobre as lições aprendidas com os maestros  Simplício Cunha e Lima Cunha. “Comecei ainda criança e sai de lá um homem preparado para o mercado de trabalho e por isso me sinto honrado em ter essa conversa com essas crianças e adolescentes. Irei compartilhar com eles minhas experiências profissionais e a maneira  como o projeto me ajudou a não entrar no mundo da criminalidade”, comenta Flaubert Viana, que já está de malas prontas para uma nova jornada profissional no Estado do Pernambuco.

A Banda Heitor Vilas Lobos é regida pelo Maestro Micael Fideles. Ele conta que essa iniciativa nasceu da ideia de compartilhar com as crianças e jovens as experiências de quem já passou pelo projeto e que hoje vive da música. “Hoje o mercado musical conta com muitos profissionais oriundos do Projeto Banda Escola, por isso no início do ano iniciamos esse projeto de troca de experiências para que nossos alunos se sintam mais motivados a continuarem nas aulas”, diz Micael Fideles, enfatizando ainda que, com o aumento da criminalidade, a cada dia que passa está mais difícil tirar os jovens do caminho da criminalidade.

FMC irá iniciar processo para pagamentos de 22 projetos da Lei Aldir Blanc

Prefeito Doutor Pessoa se reúne com o presidente da Fundação Municipal de Cultura, Scheyvan Lima (Foto: Romulo Piauilino)

Após análise nos órgãos de fiscalização e controle do município, a Fundação Municipal de Cultura (FMC), irá iniciar o rito para o pagamento de 22 projetos contemplados pelo Edital da Lei Aldir Blanc no município de Teresina. A atual gestão não sabe até o momento o motivo da não liberação destes recursos no ano passado, conforme diz a Lei, porém ao tentar fazer as liberações dos recursos neste ano, não foram encontrados documentos que confirmassem diversos processos realizados no edital.

O atual presidente da Fundação Municipal de Cultura, Scheyvan Lima, conta que é preciso tratar o bem público com responsabilidade e que por isso foi determinado que todo o processo referente ao Edital da Lei Aldir Blanc passasse por uma avaliação dos órgãos de controle e fiscalização do município. “Na administração pública é comum essa burocracia necessária, pois como são recursos públicos, temos que ter zelo”, afirma Scheyvan Lima, informando ainda que nesta manhã esteve na prefeitura para tratar com o prefeito Dr. Pessoa a liberação dos valores.

O músico Fernando Soares é um dos contemplados que ainda não havia recebido os valores, ele conta que ficou muito feliz com a liberação e que agora irá iniciar a gravação de uma música autoral e um clipe promocional. “Somente na minha banda esse projeto vai beneficiar dez músicos que sem esse auxílio, não teriam como dar andamento a esse novo projeto que fará uma homenagem a uma pessoa da cidade que perdeu a vida para a depressão”, comenta Fernando Soares.

Dividida em duas linhas, o edital do programa financiado pelo Governo Federal destinou mais de R$ 6,5 milhões para os trabalhadores e as trabalhadoras da cultura, iniciativas e espaços culturais de Teresina. Dos 188 projetos aprovados, apenas 22 propostas ainda não receberam os recursos, os mesmos deverão ser repassados nos próximos dias.

Dia da Mulher: funcionárias da Fundação Monsenhor Chaves ganham homenagem

Funcionárias da Fundação Monsenhor Chaves ganham homenagem no Dia da Mulher (Foto: Ascom FMC)

Para celebrar o histórico de lutas e avanços das conquistas femininas, comemorado em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a Fundação Cultural Monsenhor Chaves realizou na manhã desta segunda-feira (8) uma homenagem a todas as mulheres que contribuem com o funcionamento da sede e das casas ligadas a instituição. Enquanto recebiam flores, as homenageadas puderam se encantar e se emocionar com o som produzido pelo violino do músico João Neto, membro da Orquestra Sinfônica de Teresina.

A segurança Janiária Porfirio, que presta serviço no Palácio da Música conta que ficou encantada com a surpresa recebida. “Amei receber a rosa porque me senti lembrada. Alguém separou um tempo pra preparar esse carinho mostra que pensa na gente. E uma flor é uma simbologia muito forte com nós mulheres, já que passa beleza, delicadeza e ao mesmo tempo força para florescer sozinha.”, comenta Janiária.

Funcionárias da Fundação Monsenhor Chaves ganham homenagem no Dia da Mulher (Foto: Ascom FMC)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Janara Ribeiro, diretora do Teatro João Paulo II, ressaltou a sua admiração pelas mulheres que buscam romper as barreiras culturalmente impostas para obter a igualdade de gênero. “É nossa luta conjunta, em diferentes áreas, que vai possibilitar a conquista por direitos iguais e mais respeito nos ambientes, principalmente nos espaços de poder e decisão” enfatiza Janara, afirmando ainda que a homenagem prestada nesta manhã é também um grande reconhecimento ao trabalho das guerreiras que trabalham na FMC.

O presidente da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, Scheyvan Lima destacou que a cada dia a mulher vem se destacando profissionalmente. “Somos frutos de uma sociedade machista que sempre teve um ditado machista: por trás de um grande homem, existe uma grande mulher. Na realidade, ela está na frente do homem, ao seu lado ou no lugar que ela quiser estar”, defendeu Scheyvan Lima.

Lei Aldir Blanc: Laisla Maranhão e banda promovem live show neste domingo (7)

Com a aplicação das medidas restritivas por conta da Pandemia da Covid-19, as lives passaram a fazer parte do dia-a-dia dos teresinenses e vários artistas aderiram a esse formato de está próximo ao público sem o colocar em perigo. Neste domingo (7), é a vez do público acompanhar a live de Laisla Maranhão e banda, que ocorrerá às 20 horas no canal da cantora no YouTube.


Laisla Maranhão tem 29 anos e desde a infância, inspirada no pai, já mostrava o seu interesse pela arte de cantar e tocar instrumentos. “Fico feliz por ter sido contemplada no Edital da Lei Aldir Blanc, os recursos recebidos deram um alívio muito bom para mim e meus parceiros de banda neste momento em que praticamente estamos com nossas apresentações reduzidas”, conta Laisla Maranhão, enfatizando ainda que a live tem como objetivo levar música (com mistura de ritmos), alegria, alto astral e saúde emocional para os seguidores e público em geral no conforto e proteção de suas casas.

O projeto é resultado da aprovação no edital para propostas culturais de articulação coletiva da Lei Federal Aldir Blanc de fomento à cultura, desenvolvido pelo Governo Federal e executado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Cultural Monsenhor Chaves. Para assistir a live de Laisla Maranhão você deve seguir a página youtube.com/laislamaranhao.

Mulheres quebram barreiras da masculinidade na sanfona

Foto: Ascom FMC

Em um mercado composto em sua maioria por homens, sendo mais comum a figura masculina no mundo da sanfona, foi necessário que algumas mulheres dessem o pontapé inicial para quebrar a barreira do machismo imbricada no acordeon. Através dos cursos de sanfona oferecidos pelo Palácio da Música de Teresina, desde 2014, muitas mulheres estão conseguindo adentrar no mercado musical.

Isolda Dantas iniciou seus estudos na sanfona no Palácio da Música em 2021, já aposentada. Ela é um exemplo de paciência e mostra que nunca é tarde para realizar um sonho e iniciar uma nova jornada. “Minha família não deixava eu tocar sanfona por eu ser mulher, meu pai tocava pra sustentar a família e isso era encarado só como um trabalho, não como uma arte. Como existia um respeito enorme de filhos para com os pais, nunca me atrevi a tocar nos instrumentos dele. Hoje, estou aposentada e fazendo muitas coisas que não podia fazer por não ter tempo ou permissão. Eu tinha que trabalhar e sustentar a família, pois sempre fui provedora dela.”, conta Isolda Dantas.

Nesta área também acompanhamos casos onde a família inspira as futuras musicistas e os papéis são trocados, onde, de estímulo, os pais passam a serem os estimulados. “Meu pai, Juarez Moura, é sanfoneiro, mas aprendeu a tocar o instrumento sozinho na adolescência, sem técnica e, por isso, não consegue ensinar. As bases do que temos hoje foram construídas sobre o trabalho dele como sanfoneiro. Desde criança vivo cercada pelo acordeom, ouço ele tocando e consertando o instrumento. Por esse motivo me interessei em aprender a tocar sanfona. Ele consegue tocar ouvindo a música, mas sem técnica.”, explica Joaria Moura, que agora, com o acesso à teoria e prática técnica da sanfona, ensina o que aprende a seu pai.

Ainda há certo estranhamento quando mulheres são avistadas tocando sanfona. Mas a música, como toda forma de expressividade artística, existe para diminuir segregações físicas e ideológicas. “Sanfona é o instrumento mais lindo do mundo. Sempre vi os homens tocando e era muito comum, precisava de força e nada melhor que a mulher, para além da sua doçura, completar a beleza deste instrumento. O desejo de tocar sanfona emergiu quando percebi que poderia alcançar corações, almas, lembranças. Quando percebi que poderia emocionar e ser emocionada. Antes, eu já gostava, porque Gonzagão pra mim é indescritível. Mas quando vi, em uma novela, a Lucy Alves tocando, tive a certeza que era o melhor investimento que eu poderia fazer”, exalta a aluna Carol Santos.

Algumas alunas têm um progresso técnico tão grande que ganham destaque perante os professores. Écore Nascimento já era cantora quando resolveu se dedicar também à sanfona. E ela se empenhou com tampo afinco, que em apenas um ano foi convidada pelo maestro Ivan Silva a ser mais um membro da Orquestra Sanfônica Seu Dominguinhos, grupo de sanfona profissional mantido pela Prefeitura de Teresina. “Eu sempre amei estar no meio musical, seja cantando ou só apreciando. Acompanhava o trabalho da Orquestra Sanfônica e aquilo sempre me tocava. Com o surgimento do grupo ‘As Fulô do Sertão’, no qual eu já fazia parte como cantora, veio o último pontapé pra que eu me matriculasse no curso de acordeon, no Palácio da Música. A minha dedicação era proporcional à minha paixão e logo outras portas se abriram. Hoje sou a acordeonista do grupo (As Fulô) e também da Orquestra Sanfônica. Por ser mulher, muitos desafios surgiram, como o peso do acordeon, o preconceito por parte dos músicos mais experientes, etc. De fato, no meio musical, ainda era algo novo na época. Hoje, graças a Deus, temos a oportunidade de poder inspirar outras garotas e mostrar nossa capacidade.” Hoje, além de instrumentista, ela é coordenadora, produtora e única mulher da Orquestra.

O Palácio da Música é mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação de Cultura Monsenhor Chaves. Para mais informações sobre novas turmas, basta acessar o site fcmc.teresina.pi.gov.br ou seguir as redes sociais da Fundação Monsenhor Chaves e do Palácio da Música.

Museu Municipal de Arte Sacra Dom Paulo Libório prepara nova expografia

Fotos: Ascom FMC

Mesmo fechado devido à pandemia da COVID-19, o museu Dom Libório continua com suas atividades internas em funcionamento. Além da limpeza, conservação e preservação do seu rico acervo cultural, a instituição está preparando uma nova expografia que será aberta ao público após a liberação por parte dos órgãos competentes.

A diretora, Maria Fernanda Fernandes, ressalta a importância do museu para a cidade de Teresina e ainda as mudanças que ocorrem com a nova gestão.

“Além da preocupação com a preservação do acervo, precisamos transformar o museu em um espaço dinâmico, um ponto de referência tanto para pesquisadores quanto para o público em geral”, pontua a diretora.

A nova expografia contará com um circuito expositivo organizado em seis salas temáticas, melhorando a distribuição do acervo e expondo objetos da reserva técnica, ainda não conhecidos e expostos ao público.

Além das ações físicas, o museu busca também se aproximar do seu público através das redes sociais, principalmente nesse momento delicado da pandemia onde as visitas presenciais ainda não são possíveis.

“Uma das nossas prioridades é aproximar o público da instituição através de ações nas redes sociais, fazer uma maior divulgação do nosso trabalho e levar o museu até as pessoas, enquanto elas não podem vir até nós”, conta a diretora Fernanda Fernandes.

Mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, o Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório fica localizado na Rua Olavo Bilac, 1481, no cruzamento com a Rua 24 de Janeiro, no Centro de Teresina.