Casa da Cultura de Teresina completa 26 anos com programação virtual ressaltando a memória afetiva

Josy Brito, diretora da Casa da Cultura

Desde 17 de março deste ano a Casa da Cultura de Teresina se encontra de portas fechadas devido à pandemia do novo coronavírus que assolou o mundo. O que não significa que a celebração de seu aniversário, neste 12 de agosto, passará em branco. Pelo contrário, o histórico endereço da Rua Rui Barbosa, reduto da arte piauiense há 26 anos, abrirá suas janelas virtuais para compartilhar com todos a data festiva e extravasar a memória afetiva daqueles cujas histórias se entrelaçam à própria história do lugar.

Através das redes sociais, o público poderá acompanhar uma programação especial pensada para o momento que a humanidade atravessa. Desde exposições de pinturas inéditas a depoimentos de funcionários e frequentadores saudosos, além da exibição de curtas realizados no curso de cinema, a Casa da Cultura será, ao alcance de um clique, a casa de cada um. Com o bordão “Entre, a Casa ainda é sua”, o objetivo é tanto comemorar os 26 anos completados, quanto diminuir, na segurança da conectividade, a ausência do contato presencial numa época de distanciamento social.

Na programação que será postada ao longo dia, uma série de vídeos feitos pela comunidade, instrutores de dança, teatro, música, resgatando a importância dessas quase três décadas de incentivo à cultura do estado piauiense. Bem como alguns curtas realizados pelos alunos do Curso de Cinema Pela Lente, apresentação do Balé da Cidade e grupos de capoeira. Fora a estreia da exposição “Corpos”, do artista plástico Gabriel Arcanjo.

A entusiasta diretora da Casa, Josy Brito, evoca a sinergia do grupo que forma a comunidade, interna e externa, da Casa da Cultura. “Essa verve de potência que aqui a gente tem em todos os segmentos. Nós temos um grupo que adora estar aqui, a comunidade que gosta de se fazer presente”. Durante os 168 anos da cidade, Josy reitera que fazer parte desse patrimônio é continuar possibilitando o “encontro entre público, artista e todas as vertentes juntas”, afirma.

O presidente da FMC, Luis Carlos Alves, destaca que o momento ainda é de cuidados e, por conta disso, vários espaços culturais estão se reinventando com fórmulas que reúnem arte, distanciamento e tecnologia. “Através das lives e dos encontros virtuais, a cultura continua se manifestando na nossa cidade porque os nossos artistas, apesar de estarem em casa, não param. Essa é a força da nossa gente”, destaca.

Até ser transformada na Casa da Cultura como hoje conhecemos, no dia 12 de agosto de 1994, o antigo Casarão da Praça Saraiva, além de residência de João do Rego Monteiro, o Barão de Gurgueia, no século XIX, já foi quartel, enfermaria, seminário da Diocese de Teresina, sede do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e colégio, sendo tombado pelo Departamento do Patrimônio Histórico, Artístico e Natural do Piauí em 1986.

MEMÓRIA AFETIVA

Mantida pela Prefeitura de Teresina por intermédio da Fundação Monsenhor Chaves (FMC), a Casa da Cultura acumula histórias de pessoas que tiveram suas vidas marcadas por todo o trabalho desenvolvido nesses 26 anos de existência. E não somente da parte dos frequentadores, que terminam se tornando assíduos, “de casa”, para não perder o trocadilho – como também dos funcionários. Mesmo aqueles que não trabalham mais por lá.

Caso de Edilene Santos, funcionária da Casa entre 2005 e 2011. “Eu trabalhava ali na administração, mas eu era aquela pessoa muito envolvida com a magia do teatro, da música, da dança, das artes plásticas, do cinema. Vivi bons momentos. Tive a oportunidade de estar perto dos nossos artistas piauienses, construí amizades que até hoje eu encontro e batemos um bom papo”, conta.

Fernando Freitas, instrutor de dança, também possui uma relação com a Casa de muita vivência. “De muito compromisso, muito carinho com todas as pessoas que trabalham nessa Casa e todos que passaram por ela. Queria dizer que, acima de tudo, toda a minha gratidão e todo o meu respeito e meus parabéns pra Casa da Cultura.”

Diretora do balé e instrutora de sapateado, Chica Silva saúda a energia transformadora da Casa. “É um prazer ver a possibilidade que esse lugar tem de nos transformar, criar, desenhar um contexto que é totalmente diferente e possibilitar essa construção de um segmento artístico que é tão importante. Sou grata por fazer parte desse lugar”.

O diretor de teatro Adriano Abreu “reside” há seis anos na Casa com o Coletivo Piauhy Estúdio das Artes. “Nós construímos muitos espetáculos, muitos projetos de sucesso. Aqui residem vários grupos de teatro, de dança, de cinema, de artes visuais. É uma Casa muito importante para cultura do Piauí, pra cultura de Teresina”.

Para o também diretor de teatro Wander Lima, a Casa da Cultura se mistura à sua própria trajetória. “Foi aqui que eu comecei minha história artística e eu tenho certeza que ela também faz parte da vida de muitos teresinenses. A Casa está fazendo 26 anos, é um momento especial para todos nós”.

A memória afetiva proporcionada pela Casa não é vívida apenas naqueles que contribuem no seu dia a dia. O bacharel em Direito e professor de Filosofia  Marcelo Raynã, que foi aluno do curso de cinema ministrado por Monteiro Júnior, tece o fio de suas recordações com o Casarão da Praça Saraiva. “Nem lembro quantas vezes passei diante daquele imponente casarão fincado no coração da cidade. Entre tantas idas e vindas, resolvi entrar. Muitos veem a arte como um objeto. Foi só atravessar os enormes portões de madeira antiga e encarar aquela icônica escadaria para perceber que o objeto na verdade era eu. Um objeto inacabado no interior de uma casa que pulsava, que respirava: um organismo vivo que fala, que dança e que abraça.”

“Cabe a nós enquanto moradores, cidadãos teresinenses, abraçarmos o que a gente tem, cuidarmos do que a gente tem”, defende Moisés Chaves, ator e instrutor de teatro. “A importância da casa é enorme. Então, um exercício de cidadania prazerosa, amorosa com a minha cidade é amar o patrimônio público. Parabéns pra Casa da Cultura de Teresina, como cidadão teresinense que sou, amante da casa. Que ela continue sendo nossa, sua, minha. De todos nós”.

 

Espetáculo online do Balé da Cidade de Teresina ganha nova temporada

Ascom/FMC

O Balé da Cidade de Teresina inicia nova temporada da experiência de dança online com o espetáculo intitulado de “Morada”. As apresentações acontecem ao vivo nos próximos dias 13, 14, 15 e 16 de agosto, às 16h30, através de plataforma de videoconferência.

“O espetáculo é dividido em quatro episódios independentes. A cada dia um episódio diferente é apresentado. Ao adquirir um ingresso, você tem acesso a um link pelo qual poderá assistir todos os dias”, explica a criadora do Morada e coordenadora artística do Balé da Cidade, Janaína Lobo.

O Morada, segundo Janaína Lobo, é uma casa imaginária, construída e mostrada a partir da manifestação da intimidade de cada bailarino, assim como um quebra-cabeça com diversas possibilidades de se montar. É sobre performar o lugar onde sempre vivemos e voltamos, a nossa casa, é dançar a poesia das casas.

Para ter acesso ao Morada, basta acessar o site Sympla (https://www.sympla.com.br/morada-bale-da-cidade-de-teresina__935854), realizar o cadastro e escolher uma das opções de contribuição, que vão de gratuita ao valor de R$ 40. A contribuição é voluntária e solidária. Tudo que for arrecadado pela bilheteria será destinado a ajudar artistas e população LGBTQIA+ através dos grupos Cultura Solidária e Diverse Grupo.

“A semana de estreia foi uma experiência nova para a companhia e para o público que também estava tendo esse tipo de contato conosco pela primeira vez. Decidimos então reapresentar o Morada, e mudamos a ordem dos episódios. Frisamos que cada dia é um episódio diferente e um ingresso vale para todos os dias. Pedimos também que não deixem para adquirir seus ingressos em cima da hora, para que possa acompanhar o momento de dança com mais tranquilidade”, observa Janaína.

Morada é dividido em quatro episódios autônomos, são eles:  13/08: Extrapolar as Paredes; 14/08: Um Voo Azul; 15/08: Plantas e Furacões; 16/08: Ainda Sonhamos Enquanto Vivemos?

Sobre a Companhia

O Balé da Cidade de Teresina é uma companhia pública de Dança Contemporânea que vem atuando no cenário artístico local e nacional, contribuindo com o desenvolvimento e aprofundamento da dança piauiense. Vem aproximando a dança da cidade através da sua atuação compromissada em diferentes ações, como temporadas de apresentações públicas, conversas e formação continuada.

O Balé da Cidade de Teresina conta com 18 bailarinos e é mantido pela Prefeitura Municipal de Teresina, através da Associação dos Amigos do Balé da Cidade de Teresina. Tem direção geral de Chica Silva, coordenação artística de Janaína Lobo e ensaios de Carla Fonseca.  A companhia de dança pode ser acompanhada também pelo Instagram @baledacidadedeteresina e Facebook facebook.com/baledacidadedeteresina.

 

Fundação Monsenhor Chaves inicia elaboração do Plano Municipal de Cultura

A Prefeitura de Teresina iniciou elaboração do Plano Municipal de Cultura, um instrumento central para o planejamento e execução das políticas públicas de cultura em Teresina para os próximos dez anos. Neste momento o foco é construir um diagnóstico da realidade cultural da cidade. Os interessados podem participar através de um questionário que pode ser preenchido  no período de 08 a 27 de agosto.

O questionário está disponível através do link: https://pt.surveymonkey.com/r/diagnosticoculturalteresina. Podem participar artistas, arte educadores(as), grupos culturais, coletivos urbanos, agentes culturais, mestres(as) e grupos das culturas populares e tradicionais, gestores(as) culturais, estudantes, professores(as) e pesquisadores(as) e todos os interessados. Para mais informações, aqueles que desejam participar, podem mandar mensagem para o e-mail: pmcdeteresina@gmail.com.

O Plano pretende possibilitar ao setor cultural e demais áreas a implantação de normas integradas que ajudam no seu desenvolvimento com diretrizes que nortearão as políticas culturais. O documento está sendo elaborado com o aporte financeiro do Projeto Lagoas do Norte, que efetuou o contrato da consultoria responsável pela sua elaboração. O trabalho será coordenado pela Fundação Cultural Monsenhor Chaves (FMC),

“Estamos na fase de construção da realidade cultural de Teresina, através da opinião pública. Esse momento é de extrema importância para a elaboração do plano”, disse Luís Carlos Alves, presidente da FMC.

Teatro do Boi realiza programação online para comemorar aniversário

Durante o mês de agosto, o Teatro do Boi estará com uma extensa programação para a comemoração dos seus 33 anos de contribuição cultural, mas desta vez, através da internet, levando em conta as recomendações de isolamento social devido a pandemia de Covid-19. Serão realizadas diversas lives na rede social (@teatrodoboi) com a participação de pessoas que fazem o espaço e algumas apresentações.

As atividades iniciam nesta segunda, 03, e seguem até o dia 15 de agosto, data de aniversário do Teatro. “Em seus 33 anos de história, o Teatro foi responsável pela iniciação de muitos jovens e formação de diversos artistas da nossa cidade. É um importante instrumento de fomento da cultura e, principalmente do nosso folclore”, destaca Luis Carlos Alves, presidente da Fundação Monsenhor Chaves.

A programação desta semana destaca a história e a importância do Teatro na cidade, com a divulgação de depoimentos de pessoas que contribuem para a preservação do local. Na próxima semana, serão realizadas lives e publicados vídeos sobre as ações do teatro, encerrando com apresentações online de capoeira, dança e declamação de poema.

Localizado no bairro Matadouro e mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Monsenhor Chaves, o Teatro do Boi é uma das mais tradicionais ferramentas culturais da cidade oferecendo diversas atividades como oficinas de dança, teatro, música, artes visuais, capoeira, exposições, bem como a realização de diversos eventos e a apresentação de espetáculos, proporcionando uma das mais fortes expressões de cultura da zona Norte.

Balé da Cidade de Teresina estreia “Morada”

Entre os dias 30 de julho e 02 de agosto, às 16h30, o Balé da Cidade estreia “Morada”, uma experiência em vídeo criada pela artista da dança e coordenadora artística da Companhia, Janaína Lobo. O espetáculo será transmitido pela plataforma de videoconferência Zoom, ao vivo.

““Morada” é uma casa imaginária, construída e mostrada a partir da manifestação da intimidade de cada bailarino, assim como um quebra-cabeça com diversas possibilidades de se montar. É sobre o lugar onde sempre vivemos e voltamos, a nossa casa”, diz a coordenadora.

A apresentação será dividida em quatro episódios: “Plantas e Furações”, “Ainda Sonhamos Enquanto Vivemos?”, “Um Vôo Azul” e “Extrapolar as Paredes”. Os episódios são autônomos, e o espectador poderá escolher quais quer assistir. 

“Estamos vivendo um momento atípico e todos tivemos de nos adaptar a ele. O Balé da Cidade, mesmo tendo um trabalho que sempre foi voltado para o presencial, não deixou de ensaiar e criar neste período de isolamento social. E “Morada” é um acontecimento em dança criado e performando ao vivo”, explica Janaína.

Os ingressos estão disponíveis no Sympla e, ao comprar, o público estará ajudando os grupos Cultura Solidária e Diverse Grupo, respectivamente, organizações filantrópicas que apoiam artistas e pessoas LGBTQI+ afetados pela pandemia. Os interessados devem acessar o link: https://www.sympla.com.br/morada-bale-da-cidade-de-teresina__899427.

“O acesso ao trabalho é via contribuição voluntária. O que for arrecadado com a venda dos ingressos será destinado a instituições filantrópicas voltadas para auxiliar pessoas em situação de vulnerabilidade e estão desassistidas e sem renda devido a pandemia. São várias faixas de contribuição que o público escolhe ao adquirir o seu ingresso”, diz Janaína.

 Sobre a Companhia

O Balé da Cidade de Teresina é uma companhia pública de dança Contemporânea que vem atuando no cenário artístico local e nacional, contribuindo com o desenvolvimento e aprofundamento da dança piauiense. Vem aproximando a dança da cidade através da sua atuação compromissada em diferentes ações, como temporadas de apresentações públicas, conversas e formação continuada.

O Balé da Cidade de Teresina conta com 18 bailarinos e é mantido pela Prefeitura Municipal de Teresina, através da Associação dos Amigos do Balé da Cidade de Teresina. Tem direção geral de Chica Silva, coordenação artística de Janaína Lobo e ensaios de Carla Fonseca.

Classe artística deve se inscrever para participar de editais da Lei Aldir Blanc

A Lei Aldir Blanc vai destinar recursos para a cultura de Teresina com o objetivo de ajudar artistas que ficaram desamparados neste período de pandemia do novo coronavírus. Para isso, todos que participam da cadeia produtiva dos segmentos artísticos e culturais da capital devem se inscrever, online, no Sistema de Cadastro Cultural (Sicac), que já está disponível neste link.

A partir deste cadastro, a Prefeitura de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monselhor Chaves (FMCMC), vai receber os dados que servirão como base para o lançamento de editais que contemplem artistas e espaços culturais da capital. O superintendente da FMCMC, Paulo Dantas, explica que Teresina vai receber R$ 6.555 milhões para investir nestes projetos. “Nós estamos passando por um momento delicado e quem trabalha com cultura foi bastante prejudicado, essa verba vem para ajudar estas pessoas”, afirmou.

Podem realizar o cadastro artistas, produtores, técnicos, curadores, oficineiros e professores de escolas de arte, bem como espaços, grupos e instituições culturais.

Paulo Dantas explica ainda que Teresina ficará responsável pelos editais nas linhas 2 e 3 da Lei. A linha 2 está voltada para espaços artísticos e culturais. Já dentro da linha 3 devem ser realizados editais, chamamentos públicos e prêmios destinados a atividades, produções e capacitações culturais.

A linha 1 da Lei Aldir Blanc fica sob responsabilidade dos estados e prevê que seja concedido auxílio emergencial, com três parcelas de R$ 600 para a classe artística.

Fundação Monsenhor Chaves realiza reunião sobre Plano Municipal de Cultura nesta sexta-feira (03)

Nesta sexta-feira (03), membros da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves(FMC) irão se reunir com representantes do Conselho Municipal de Cultura, através de uma plataforma on-line, para dar continuidade ao Grupo de Trabalho para a construção e consolidação do Plano Municipal de Cultura (PMC). 

O Plano Municipal de Cultura (PMC) é um mecanismo de planejamento de políticas públicas relacionadas à cultura e sua elaboração e execução são realizadas por meio da articulação entre os membros do setor e com ampla participação social. O Plano é responsável por manter coerência com os instrumentos municipais de gestão pública.

Além de um planejamento a longo prazo, o PMC é item fundamental para a eficácia do Sistema Nacional de Cultura (SNC), que promove o desenvolvimento humano, social e econômico com pleno exercício dos direitos culturais.

“A ideia agora é focar na otimização das atividades ao máximo para que possamos divulgar o plano para a sociedade. Os meses subsequentes serão importantes para o desenvolvimento do projeto. De acordo com o cronograma, os deverá ser realizada uma consulta pública sobre os dados levantados até o momento”, afirma o superintendente da FMC, Paulo Dantas.

Conselheiros Municipais de Cultura tomam posse em Teresina

Fiscalizar e acompanhar os trabalhos realizados na área cultural são algumas das funções dos novos conselheiros municipais de cultura de Teresina, que tomaram posse na manhã desta segunda-feira (22). A solenidade, que oficializou a atuação dos novos membros para o biênio 2020/2022, aconteceu de maneira virtual, com a participação do prefeito Firmino Filho, do secretário da Fundação Monsenhor Chaves, Luis Carlos Alves, artistas, imprensa e convidados.

Para o prefeito Firmino Filho a cidade deve estar preparada para a nova realidade que se desenha a partir da pandemia do novo coronavírus. “É um momento difícil que estamos vivendo, a gente sabe que essa crise vai ter impactos em vários setores, e a cidade precisa estar aberta e preparada para essa nova realidade. No âmbito da cultura, temos que estar atentos aos novos potenciais e novas narrativas”. Ainda segundo ele, a cultura tem muitas iniciativas e o Conselho vem para dar continuidade.

“O Conselho é fundamental, pois são muitas as ações e iniciativas culturais. Que o órgão consiga plantar boas sementes e ao longo do tempo essas sementes possam frutificar”, completou o prefeito.

Foram empossados representantes da sociedade civil, eleitos em fóruns setoriais de cultura e representantes do poder público. Eleita entre os artistas, a representante titular do Teatro e Circo, Thallyta do Monte, realizou um discurso em que frisou a importância dos conselheiros e destacou desafios e missão dos novos membros.

“É fundamental que toda classe artística e sociedade em geral se apropriem do Conselho Municipal de Política Cultural e possam participar por meio de seus representantes. No atual contexto em que vivemos, nós conselheiros temos um grande desafio e uma nobre missão de construir, com a classe artística e poder público, políticas culturais para a nossa cidade, de modo democrático, contemplando todos os segmentos sociais”, afirmou Thallyta.

A principal atuação do Conselho Municipal de Política Cultural de Teresina é a construção do Plano Municipal de Cultura e aplicação no município de Teresina dos recursos da Lei Aldir Blanc, projeto de Lei 1075/2020, que prevê auxílio emergencial para o setor cultural durante a pandemia do novo coronavírus. O Conselho Municipal de Política Cultural de Teresina é um órgão colegiado, de formação igualitária entre o poder público e a sociedade civil, com caráter deliberativo, normativo e consultivo.

Representantes Sociedade Civil

Música
Titular: Micael Cruz Fidelis
Suplente: José Marques da Silva Mendes
Dança
Titular: Samuel Alves Nascimento
Suplente: Francisca das Chagas Silva
Artes Visuais
Titular: Suselaine Cabral da Silva Marinho
Suplente: Marysette Pacheco Alves de Oliveira
Teatro e Circo
Titular: Thallyta Castelo Branco de Vasconcelos
Suplente: Gerson dos Santos Carvalho
Patrimônio Imaterial
Titular: Jairo Gomes Araújo
Suplente: Maria do Carmo Teixeira Veloso
Literatura
Titular: João Henrique de Sousa Vieira
Suplente: Alex Sampaio Nunes
Comissão de Cultura da Ordem dos Advogados do Brasil/SECCIONAL PI – OAB
Titular: Thiago Anastácio Carcará
Suplente: Érico Percy Alcântara de Moraes

Representantes Poder Público

Fundação Monsenhor Chaves – FMC
Titular: Paulo Henrique Sousa Dantas
Suplente: José Afonso de Araújo Lima
Secretaria Municipal de Finanças – SEMF
Titular: José de Arimateia Pereira Silva
Suplente: Nilmar Rubens Mendes Leal
Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas – SEMCASPI
Titular: Elizabeth Nogueira da Silva
Suplente: Maria Guadalupe de Araújo Veloso de Lima Freitas
Secretaria Municipal de Educação – SEMEC
Titular: Ana Vitória de Carvalho Santos
Suplente: Silvana Uchôa de Castro
Secretaria Municipal de Economia Solidária de Teresina – SEMEST
Titular: Lorena Veras Sandes Freitas
Suplente: Reis de Maria B. de Sousa
Secretaria Municipal da Juventude – SEMJUV
Titular: Francisco Herbert Viana Marques
Suplente: Samara de Sousa Brito
Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação – SEMPLAN
Titular: Débora Cardoso Cavalcante
Suplente: João Costa da Silva
Secretaria Municipal de Comunicação Social – SEMCOM
Titular: Francisca Pinto Nievinski
Suplente: Adailton Mendes Silva Júnior
Superintendência de Desenvolvimento Urbano – SDU/Centro Norte
Titular: Rômulo Marques Carvalho
Suplente: Karla Beatriz Andrade de Medeiros Carneiro

Projeto Banda Escola realiza lives educativas para o público

Os alunos do Projeto Banda Escola de Teresina nunca interromperam suas atividades, que agora acontecem por meio de plataformas digitais. Com aulas três vezes por semana, com uma hora de duração cada, eles ainda têm acesso a lives semanais que complementam o conteúdo.

“As aulas agora são ministradas por meio de plataformas online. Dividimos as turmas por naipes e níveis. Os alunos com acesso mais difícil à plataforma, por limitações de internet, damos as instruções via whatsapp”, explica Gustavo Cipriano, coordenador do projeto.

Além disso, aos sábados, são exibidas lives pelo Facebook e YouTube do projeto, às 18 horas, com apresentações de bandas infanto juvenis do próprio Banda Escola em festivais, além de bandas de músicas de renome nacional, com comentários ao vivo de convidados profissionais da área.

Às quartas, há lives pelo Instagram, também às 18h, com temas relacionados aos estudos diários em diferentes instrumentos musicais, como percussão, metais, madeiras, entre outros. O conteúdo também é aberto para o público em geral, que pode acessar em @projetobandaescola.

O projeto Banda Escola é executado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, no âmbito das unidades escolares do município. Ele promove espaços lúdicos e de criação, sobretudo para jovens e adolescentes que estejam passando por dificuldades na escola e na comunidade, oferecendo-lhes uma nova perspectiva, possibilidades de socialização e o potencial de iniciação profissional em uma carreira artística na área da música.

O projeto cumpre um importante papel social e educativo ao colocar no mercado novos instrumentistas com sólida formação musical, prática e teórica, desempenhando um papel fundamental para a preservação e continuidade da produção cultural das bandas de músicas em várias cidades do estado, além de tirar as crianças de situações de risco e mantê-las ligadas à educação por meio das artes.