“Caminho da retomada será construído de forma coletiva”, garante Firmino

O prefeito Firmino Filho apresentou nesta sexta-feira, durante videoconferência com jornalistas, sete critérios para a flexibilização do distanciamento social e a retomada das atividades econômicas na cidade. Ele anunciou a realização de uma consulta pública sobre o tema e destacou a importância do engajamento da sociedade civil, do poder público e da iniciativa privada como fundamental para a criação do “novo normal”. Firmino ressaltou também que as pessoas, ao voltarem ao trabalho, devem atuar considerando o risco constante.

“Na próxima semana, vamos abrir uma consulta pública para que a população possa participar e avaliar o planejamento para o retorno das atividades econômicas. Devemos atuar conjuntamente, compartilhando responsabilidades e mitigando riscos associados à Covid-19. É muito importante que possamos trabalhar na construção de uma ordem e orientações de todo o processo. Cada atividade deve ter seus protocolos específicos e cada empresa precisa ter um Plano de Segurança para guiar a rotina e o dia a dia. Para que a gente possa conviver com esse risco, que será permanente nesse novo normal, é essencial atender aos protocolos”, defendeu o prefeito.

Os sete critérios considerados durante o estudo para a retomada das atividades econômicas são: medir e monitorar a taxa de reprodução da doença; reduzir o número de internações; diminuir o número de óbitos; avaliar a capacidade de leitos de observação e enfermaria; considerar capacidade de leitos de UTI; fortalecer a capacidade de testagem; e ampliar a capacidade de rastreamento de contatos.

“Só abriremos quando existir uma segurança maior, com base na avaliação de várias questões, como a diminuição da curva de hospitalização, de casos e de mortes; a oferta de leitos de observação e de UTI, que deve ser de 30%, no mínimo; o fortalecimento da capacidade de rastreamento dos contatos; e o aumento da testagem, estratégia principal para a contenção da disseminação do vírus. O ideal dever ser, no mínimo, 1.000 testes por dia”, detalhou o prefeito.

Além das métricas, as fases de reabertura deverão acontecer conforme a relevância econômica das empresas e suas possibilidades de contaminação, que devem ser medidas conforme a aglomeração e a circulação de pessoas geradas pela atividade. “São sete indicadores e quatro fases, mas essas ações não dependem só do Poder Público. Alguns dependem do setor privado e outros, da sociedade. Devemos fazer tudo com responsabilidade para que não tenhamos retrocessos. E é fundamental que a gente possa assumir e compartilhar responsabilidades e riscos. Cabe ao poder público planejar, colocar visões de futuro e diretrizes para que a sociedade possa trilhar esse caminho. Novos hábitos deverão ser assumidos por toda a sociedade”, ressaltou.

Confira AQUI as métricas  para abertura das atividades econômicas.

Prefeitura lança Guarda Maria da Penha para atender mulheres em situação de violência


A partir de agora, a Guarda Civil Municipal passa a ter também a missão de cuidar das mulheres em situação de violência doméstica. Nesta sexta-feira (29), a Prefeitura lançou o serviço Guarda Maria da Penha, disponibilizando uma equipe exclusiva para fazer o monitoramento das medidas protetivas a 57 mulheres acompanhadas pelo Centro de Referência Esperança Garcia.

Segundo o prefeito Firmino Filho, neste momento em que a pandemia do Coronavírus ameaça a todos, tem sido observado também o aumento da violência doméstica contra a mulher. “Estamos no meio dessa grave crise epidêmica e, infelizmente o seu mais importante instrumento de enfrentamento, que é o isolamento social, tem permitido o aumento da violência contra a mulher. Além do apoio do Centro de Referência Esperança Garcia, estamos oferecendo também o serviço da Guarda Maria da Penha, reforçando o trabalho de enfrentamento desse tipo de violência”, destacou.

A iniciativa será coordenada pela Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas Para Mulheres (SMPM). A equipe é composta por dois guardas: um homem e uma mulher, que foram capacitados para a realização do trabalho.

“O acompanhamento será feito de forma sistemática, com visitas diárias às residências das mulheres assistidas pelo serviço”, explicou a secretária municipal de Políticas para as Mulheres, Macilane Gomes, ressaltando que, inicialmente, serão acompanhadas pela Guarda apenas aquelas mulheres que tiveram a decisão judicial de medida protetiva homologada antes do período de isolamento.

O secretário da Semcaspi, Samuel Silveira, afirma que o projeto é mais um importante instrumento de proteção às mulheres, principalmente nesse momento de isolamento social causado pela pandemia, onde os casos de violência têm se intensificado. “Com a implantação da Guarda Municipal Maria da Penha, estamos ampliando a rede de proteção às mulheres para reduzir os índices de violência doméstica na capital e também construir práticas educativas de respeito e proteção aos direitos das mulheres”, disse.

Desde o início do isolamento social, o Centro de Referência Esperança Garcia modificou sua forma de atendimento às mulheres. A maioria daquelas que precisam de ajuda passou a utilizar o WhatsApp para buscar orientações ou fazer denúncia. “É uma situação em que a mulher está junto com o agressor e o contato pelo WhatsApp facilita essa conversa, essa busca por informações e formas de denúncias”, ressaltou a coordenadora do Centro, Roberta Mara.

O Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência em Teresina, oferecendo assistência social, psicológica e jurídica. Durante o período de isolamento, a unidade realiza atendimentos por ligações ou via Whatsapp pelo telefone: (86) 9 9416-9451, de segunda à sexta, das 8h às 14h.

Teresina registra mais 85 novos casos e ultrapassa os 2.000 infectados

Mais 85 novos casos e seis mortes por Covid-19 em Teresina. É que o registra o boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (28) pela Fundação Municipal de Saúde e pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi). Com esses números, a capital perfaz 75 óbitos e 2.067 pessoas infectadas pelo novo Coronavírus.

Os pacientes com óbito ocorrido são três homens: um, de 72 anos, com hipertensão, diabetes melitus, doença arterial coronariana e adenocarcinoma, que morava na zona Sul e estava internado em hospital da rede privada: outro, de 71 anos, com insuficiência renal, também residente na zona Sul e que estava internado no Hospital Getúlio Vargas; e outro, de 39, com obesidade, que residia na zona Sudeste e estava internado no Hospital Universitário.

Houve ainda três óbitos ocorridos na quarta-feira (27), mas com confirmação por Covid-19 apenas no boletim epidemiológico desta quinta, todos de moradores da zona Sul de Teresina: um homem de 88 anos, com hipertensão e doença pulmonar, que estava internado no Hospital da Primavera; um homem de 55 anos, com hipertensão arterial e diabetes melitus, internado em hospital da rede privada; e uma mulher de 40 anos, com hipertensão arterial, diabetes melitus e obesidade, que estava internada em hospital particular.

Casos de Covid-19 na capital cresceram 87% em um mês

Dados do Painel Covid-19 Teresina indicam que de 24 de abril a 24 de maio houve um aumento de 87% de casos confirmados da doença na capital. Em 24 de abril, existiam 217 confirmações. Em 24 de maio, eram 1.668 pessoas testadas positivas. Até hoje (28), foram notificados 1.982 casos positivos, registrados 69 óbitos causados pelo novo Coronavírus e 463 pessoas estão recuperadas em Teresina.

“Os trabalhos científicos apontam que 80% dos casos de Covid-19 são assintomáticos. Mesmo a pessoa não apresentando sintoma, ela pode estar infectada e ser um transmissora do vírus. É por isso que pedimos que as pessoas de todos os bairros respeitem o isolamento social e fiquem em casa, nesse momento”, enfatiza Amparo Salmito, médica infectologista da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

A pesquisa de investigação sorológica, encomendada pela Prefeitura de Teresina, confirma os dados do Painel Covid-19 e também indica aumento significativo no número de pessoas infectadas com o novo Coronavírus. De acordo com o estudo, de 24 de abril a 24 de maio, houve um aumento de 84% nos casos positivos. Em 24 de abril eram 7.697 positivados, já em 24 de maio o número de positivados era 49.988.

A sexta etapa da pesquisa aponta que, das 49.988 pessoas com a Covid-19, 19.833 estão no estado ativo da doença, portanto, podem transmitir o vírus; outras 23.611 estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade; e 5.667 pessoas já estão imunes à doença. A sondagem revelou ainda que a quantidade de positivados é 40 vezes maior que os 1.260 casos confirmados oficialmente no domingo anterior à pesquisa.

Por meio da pesquisa, realizada em parceria com Instituto Opinar, é possível afirmar também que o vírus já está em toda a cidade, sem diferenciação de regiões. Na última etapa da pesquisa, o número maior de casos está na zona Norte, com 35%. A zona Sul aparece em seguida, com 28%. A zona Sudeste permanece com 23% dos positivados e a zona Leste segue com o menor percentual, de 15%.

Teresina tem 92 novos casos de Covid-19 em um dia e se aproxima dos 2.000 infectados

O boletim epidemiológico de Covid-19 divulgado na quarta-feira (27) registrou a ocorrência de 92 novos casos de infecção pelo novo coronavírus e três mortes causadas pela doença em Teresina, no período de 24 horas. No total, a capital soma 1.982 casos e 69 óbitos desde o início da pandemia de Covid-19.

Dois dos pacientes cujos óbitos foram registrados no boletim epidemiológico eram do sexo masculino: um deles tinha 69 anos, doença pulmonar, residia na zona Sul e estava internado em hospital privado; o outro tinha 71 anos, hipertensão, era residente da zona Sudeste e estava internado no Hospital Getúlio Vargas.

A paciente do sexo feminino faleceu dia 25 de maio, mas só teve a confirmação que foi por Covid-19 nesta quarta-feira (27). Tinha 54 anos, hipertensão e havia sofrido um AVC, residia na zona Norte e estava internada em hospital particular.

Os casos mais graves da doença que levaram a óbito demonstram os dados apontados na sexta etapa da pesquisa de investigação sorológica, que constatou que 68% dos teresinenses que testaram positivo para Covid-19 têm algum tipo de comorbidade. As doenças crônicas mais recorrentes são hipertensão, com 25%; obesidade, com 14%, e diabetes, que aparece em 12% dos entrevistados. O estudo foi encomendado pela Prefeitura de Teresina e realizado entre os dias 22 a 24 de maio, pelo Instituto Opinar.

“A pesquisa traça o perfil da pandemia de Covid-19 em Teresina e revela a necessidade de aumentar a prevenção, sobretudo no caso de pessoas que possuem comorbidades, pelo risco do agravamento da doença. Nossa recomendação é para que as pessoas fiquem em casa o máximo possível e, caso apresentem algum sintoma de Covid-19 – como tosse, dor de garganta e febre – liguem para o Alô Saúde Teresina, por meio do número 0800 291 0084, ou procurem uma das 19 Unidades Básicas de Saúde dedicadas exclusivamente ao atendimento de síndromes gripais”, orienta “Wesllany Santana, do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE), da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS).

Pesquisa identifica quase 6 mil pessoas imunes à Covid-19 em Teresina

A sexta etapa da pesquisa de investigação sorológica em Teresina mostrou que 49.998 pessoas já foram infectadas pela Covid-19 na capital. Desse total, 19.833 estão no estado ativo da doença, portanto, podem transmitir o vírus; outras 23.611 estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade; e 5.667 pessoas já estão imunes à doença. A sondagem revelou ainda que a quantidade de positivados é 40 vezes maior que os 1.260 casos confirmados oficialmente no domingo anterior à pesquisa.

Segundo o prefeito Firmino Filho, desde a quarta etapa da sondagem estão sendo realizados testes que distinguem os dois tipos de anticorpos para o vírus: o IgM e o IgG. “Os anticorpos IgM indicam infecção na fase ativa, recente. Já os anticorpos IgG também são uma resposta ao vírus, porém atuam na fase mais tardia da infecção, indicando já uma possível imunidade instalada contra o vírus. Inicialmente, eram realizados testes rápidos que detectavam os anticorpos totais das pessoas. Mas, passamos a realizar também os testes que fazem essa diferenciação das pessoas que estão infectantes das que foram infectadas há mais tempo, não transmitem mais o vírus e já tem uma defesa instalada. E esses dados são muito importantes e nos dão mais clareza sobre a situação do vírus na cidade e para a nossa tomada de decisões no enfrentamento à doença”, explicou.

Por meio da pesquisa, realizada em parceria com Instituo Opinar, é possível afirmar também que o vírus já está em toda a cidade, sem diferenciação de regiões. Nesta etapa, o número maior de casos está na zona Norte, com 35%. A zona Sul aparece em seguida, com 28%. A zona Sudeste permanece com 23% dos positivados e a zona Leste segue com o menor percentual, de 15%. “Isso mostra a evolução da doença, que iniciou pela zona Leste, depois seguiu para a Sudeste, e ficou por um tempo com a zona Sul apresentando os maiores índices de positivados. E agora, cresce bastante o número de casos pela zona Norte”, informou.

Quanto à faixa etária, a pesquisa mostra que já não há tanta diferença de contaminação entre as idades, com percentuais variando entre 15% e 18%.  O maior percentual está entre as idades de 15 a 24 anos e 35 a 44 anos, sendo de 18%.  Em seguida aparecem as pessoas com idade entre 25 e 34 anos, representando 17 % dos casos.  Na faixa de idade entre 45 e 54 anos o índice de positivados está em 16%. Já o número de casos entre crianças e adolescentes com idade entre 0 e 14 anos está em 11%. “A população maior de 70 anos na cidade corresponde a 3%  e o número de positivados chega a 5%. Isso é preocupante. A vida dos nossos idosos continua sendo colocada em risco”, lembrou Firmino.

Sobre a taxa de propagação do novo Coronavírus em Teresina, esta etapa da pesquisa apresentou crescimento e está em 1,89. “Em relação à taxa de reprodução do vírus, o conceito denominado de R0 (R-zero), que corresponde ao número médio de contágio causado por cada pessoa, houve crescimento considerável. A média mundial varia entre 2% e 2,5%, segundo a Organização Mundial de Saúde, e o ideal, que nos garante uma segurança para a flexibilização na quarentena, é que esta taxa esteja menor do que 1. Portanto, precisamos perseverar, fortalecer as medidas preventivas e volto a afirmar que a nossa grande arma continua sendo o isolamento social”, destacou o prefeito Firmino Filho.

A pesquisa leva em consideração uma população estimada em 864.845 habitantes em Teresina.  Os números da sondagem são baseados pelos índices positivos dos testes para Covid-19, e são levadas em consideração comorbidades ou doenças prévias, além do quadro atual de saúde do entrevistado. Também são apresentadas as características demográficas coletadas. A última etapa da sondagem aconteceu entre os dias 22 e 24 de maio.

Confira AQUI os dados da pesquisa.

Teresina registra 10 mortes por Covid-19 e chega a 1.890 casos da doença

O boletim epidemiológico desta terça-feira (26) aponta um novo recorde no registro de óbitos por Covid-19 em Teresina: foram 10, nas últimas 24 horas. De acordo com o documento divulgado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), foram registrados 69 novos casos de Covid-19. A capital totaliza 1.890 pessoas infectadas com o novo Coronavírus e 66 mortes decorrentes dessa infecção.

Entre os óbitos ocorridos nesta terça (26) estão um homem de 63 anos, sem comorbidades, residente na zona Norte de Teresina, que estava internado no Hospital Getúlio Vargas; e um homem de 59 anos, também sem comorbidades, residente na zona Sul, que estava internado no Hospital do Parque Piauí.

Houve também registro de óbitos ocorridos na segunda (25), mas só notificados na terça-feira: uma mulher de 82 anos, com hipertensão arterial e diabetes, residente na zona Norte, que estava internada no Hospital Mariano Castelo Branco; um homem de 69 anos, com doença cardiovascular, morador da zona Leste, internado no Hospital Getúlio Vargas; uma mulher de 67 anos, com hipertensão arterial e diabetes, que residia na zona Norte e estava internada em hospital particular; e um homem de 69 anos, com diabetes e doença cardiovascular, residente na zona Leste e que estava internado em hospital privado.

O boletim epidemiológico registrou ainda mortes do último dia 24 de maio, cuja confirmação por Covid-19 se deu apenas agora: um homem de 62 anos, com hipertensão arterial, morador da zona Sul, com óbito notificado pela UPA do Promorar; um homem de 55 anos, sem comorbidades, residente da zona rural leste de Teresina, que estava internado no Hospital Universitário; uma mulher de 85 anos, com doença cardiovascular, moradora da zona Leste, internada em hospital privado; e um homem de 47 anos, com hipertensão arterial e diabetes, residente na zona Norte, que estava internado no Hospital do Buenos Aires.

O documento fez também a correção em uma notificação de óbito ocorrida na segunda-feira (25): uma das vítimas – uma mulher de 47 anos, com hipertensão arterial e obesidade – constava como moradora da zona Leste, mas foi comprovado que ela era, na verdade, da cidade de Lima Campos, no Maranhão, razão pela qual seu óbito não deve ser computado para a capital do Piauí.

Teresina registra mais sete mortes e ultrapassa os 1.800 casos confirmados de Covid-19

Teresina tem 50 novos casos e sete óbitos por Covid-19 em 24 horas. É o que aponta o boletim epidemiológico da Fundação Municipal de Saúde (FMS) e da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), divulgado na noite desta segunda-feira (25). A capital do Piauí totaliza agora 1.821 pessoas infectadas e 57 mortes pelo novo Coronavírus.

Entre os óbitos por Covid-19 ocorridos nesta segunda-feira (25) e registrados no boletim epidemiológico estão um homem de 76 anos, com histórico de hipertensão arterial, residente na zona leste da cidade e que estava internado em hospital particular; uma mulher de 65 anos, com hipertensão e diabetes, residente na zona norte e que estava internada no Hospital Getúlio Vargas; e uma mulher de 47 anos, com hipertensão arterial e obesidade, residente na zona leste, que estava internada no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela.

O boletim epidemiológico registrou duas mortes ocorridas no domingo (24): um homem de 16 anos, com osteossarcoma, residente na zona sul, que estava internado em hospital da rede privada; e uma mulher de 84 anos, com hipertensão arterial e diabetes, residente na zona norte, que estava internada no Hospital Getúlio Vargas.

O documento registrou também uma morte ocorrida sábado (23): uma mulher de 49 anos, com doença cardiovascular e diabetes, residente na zona sul, que estava internada no Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

De acordo com o boletim epidemiológico, foi registrado ainda um óbito ocorrido dia 20 de maio, mas cuja confirmação por Covid-19 só se deu agora: uma mulher de 73 anos, com doença cardiovascular e diabetes, residente na zona sudeste, que estava internada no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela.

“Os dados nos mostram o agravamento e o aumento do número de casos. Isso significa que o vírus está se propagando de forma muito veloz entre nós. Precisamos reforçar as medidas de prevenção. O esforço tem que ser de todos e de cada um. Sei que não é fácil dizer para as pessoas ficarem em casa e que muitos precisam sair para trabalhar. Mas todos nós precisamos nos esforçar ainda mais, aumentar a frequência de higienização das mãos com água e sabão, reduzir ao máximo o contato com outras pessoas. Temos que fazer todo o possível para reduzir a disseminação da infecção”, comenta Wesllany Santana, do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE), da Fundação Municipal de Saúde de Teresina.