Prefeito e secretários municipais aderem à Campanha do Laço Branco de Teresina

O prefeito Dr. Pessoa e os secretários municipais de Teresina aderiram à Campanha Laço Branco – Homens pelo fim das Violências em solenidade no Salão Nobre da Prefeitura de Teresina nessa segunda-feira (06), organizada pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM). A campanha tem como objetivo educar e sensibilizar homens pelo fim das violências contra as mulheres em Teresina.

Durante a cerimônia, o prefeito pontuou a importância do ato para envolver o secretariado por mais políticas integradas que possam atender as necessidades das mulheres e combate às violências. “A gente entende que lutar contra à violência é uma urgência e uma das nossas prioridades”, destacou o prefeito. “Não queremos que nenhuma mulher passe por violências, seja ela de qual for e que elas saibam que Teresina é um local para elas serem protegidas”, frisou.

Ainda durante a solenidade, o prefeito reforçou a chegada da Casa da Mulher Brasileira (CMB). A proposta prevê a construção de uma estrutura do modelo tipo II, e custará cerca de R$ 5,9 milhões. O serviço inovará a política pública na cidade por integrar, ampliar e articular os equipamentos públicos disponibilizados para as mulheres em situação de violência de gênero na capital.

Solenidade da Campanha Laço Branco. Fotos: Rômulo Piauilino

Karla Berger, secretária da SMPM, reforça que o momento é para colocar a atuação do homem pelo fim das violências praticadas contra as mulheres – sejam elas cisgêneras, transgêneras e travestis. Dessa forma, é uma oportunidade de colocar os homens como vigilantes do seu comportamento e dos demais.

“Um momento muito unânime e precioso para que possamos finalizar o ano com uma proposta de sensibilidade e articular parcerias com as outras secretarias para projetos e ações pensadas na mulheres”, destaca Karla. “Essa ação não fica apenas dentro dessa sala, mas gera a oportunidade de conhecerem cada vez mais nossas ações e como integrá-las”, pontua.
Após a solenidade na Prefeitura Municipal, a SMPM realizou um segundo momento no plenário da Câmara dos Vereadores de Teresina, em solenidade promovida pelo vereador Evandro Hidd. No local, vereadores e os homens presentes foram convocados a estarem presente nas ações e parcerias que podem beneficiar os serviços de enfrentamento à violência de gênero na capital.

“A busca pela equidade é feita por homens e mulheres. Observar e mudar os papéis de gênero é uma oportunidade de tornar Teresina uma capital mais segura para todas”, destaca a secretária. “Mais para isso, lembramos que somos uma gestão integrada com o povo, portanto, é uma luta que é fortalecida quando estamos juntos”, finaliza Karla.

Laço Branco: Semec e SMPM em parceria contra a desigualdade nas escolas municipais

Na manhã desta segunda-feira (6), o Secretário Municipal de Educação, Professor Nouga Cardoso participou a convite da SMPM – Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres – da solenidade de lançamento da Campanha Laço Branco “Homens Pelo Fim das Violências Contra as Mulheres”, no Salão Nobre do Palácio da Cidade.

A Secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Karla Berger, fez uso da simbologia das fitas brancas como elo de compromisso entre os gestores e a campanha.

“Nós, gestores públicos, temos o dever de proteger e agir em defesa das mulheres. Dentro da solenidade da Ação – Laço Branco – nossa equipe compartilhou junto aos Secretários os princípios que fomentam e possíveis ideias de execução para ação’’, finaliza a Secretária.

O Secretário de Educação de Teresina, Professor Nouga Cardoso, se comprometeu com o projeto, e afirmou ainda o seu desejo de levar não só esta ação para as rotinas administrativas da SEMEC, como também expandi-las para as unidades de Ensino.

“É de suma importância estarmos aqui reiterando o nosso compromisso com as políticas de proteção das mulheres. A SEMEC apoia totalmente esta causa e está à disposição para juntos a SPPM, elaborarmos atividades em nossas unidades escolares, com estudantes de todas as idades. O assunto é sério e indispensável na construção dos cidadãos do amanhã ”, finaliza o Secretário.

Estiveram presentes no Salão Nobre, o Prefeito de Teresina, Doutor Pessoa, o Vice Prefeito e Secretário de Finanças, Robert Rios, o Presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque e do Secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcelo Eulálio.

Sobre a campanha

Sinalizada pela ONU como uma das maiores iniciativas em combate à violência contra mulher, com o diferencial de ter sua abordagem direcionada ao público masculino, a campanha Laço Branco nasceu em 1989 e segue disseminando seus ideais de igualdade através de ações que buscam promover equidade de gênero e superação das desigualdades entre homens e mulheres.

Prefeito Dr.Pessoa sanciona lei que impede nomeação de condenados pela Lei Maria da Penha para cargos públicos

O Prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, sancionou um Projeto de Lei que impede condenados na Lei Maria da Penha de assumirem cargos na administração pública do município. De acordo com a proposta, a medida é válida tanto para funcionários efetivos como cargos comissionados. Publicada no Diário Oficial dia 25 de novembro.

Além disso, a vedação é para os casos de pessoas com condenação em decisão transitada em julgado, ou seja, que não têm mais condição de recorrer, até o comprovado cumprimento da pena.

“A sansão desta lei é mais uma medida de combate a violência contra a mulher, pois mostramos para a sociedade que agressores não passarão impunes na gestão municipal”, ressaltou Dr. Pessoa.

A secretária Karla Berger frisou a importância das leis de proteção à mulher em Teresina. Segundo a secretária, os números violência doméstica crescem por causa do entendimento machista da sociedade. Portanto, é importante que haja dispositivos jurídicos e políticos que possam alterar esse entendimento em prol da vida das mulheres.

“É importante que a sociedade entenda que a violência deve ser combatida em todos os âmbitos. Dessa forma, limitar agressores aos âmbitos públicos é uma forma de preservar a dignidade e honra das vítimas. Crimes como esses não podem passar impune e devem conscientizar a sociedade”, destaca a secretária da SMPM.

A Lei entrará em vigor a partir de 90 dias após a publicação, em fevereiro de 2020, e é de autoria da vereadora Thanandra Sarapatinhas.

Centro de Referência à Mulher em Situação de Violência

Em Teresina, as mulheres que estão em situação de violência podem contar com o Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia (Creg), veiculado à Prefeitura de Teresina através da SMPM. O local atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idades de 18 a 59 anos.

O espaço oferece assistência jurídica, social e psicológica, além de ofertar Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics) e cursos de capacitação profissional.

“O CREG é o local de apoio à mulher, onde ela pode encontrar atendimento jurídico, psicológico e social, para que ela consiga sair da situação de violência em que vive. O centro não é um local de denúncia, mas sim de atendimento para que ela saia do ciclo de violência”, afirmou a secretária da SMPM, Karla Berger.

As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço. Além disso, as mulheres acompanhadas pelo CREG que possuem Medida Protetiva são monitoradas pela Guarda Maria da Penha, visando a sua proteção e contribui para o empoderamento da mesma

Onde encontrar o Creg?

Rua Benjamin Constant, 2170 , Centro Norte. Segunda a sexta, das 08h00 às 17h00.

(86) 3233-3798/99416-9451

Onde denunciar?

Na capital, as mulheres também podem procurar as Delegacias da Mulher, localizadas nas regiões Centro Sul, Sudeste e Norte, pelos respectivos telefones: (86) 3233-2323 / (86) 3220-3858 / (86) 3216-1572 / (86) 99454-3940.

Prefeitura anuncia aprovação para Construção da Casa da Mulher Brasileira em Teresina

A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Planejamento, anunciou mais um avanço na chegada da Casa da Mulher Brasileira em Teresina. É que a Superintendência da Caixa Econômica no Piauí autorizou a licitação para a Casa na capital. De acordo com a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, a previsão é que as obras se iniciem no primeiro semestre de 2022.

“Teresina terá um espaço com todos os órgãos e entidades de defesa da mulher e isso têm sido defendido pelo Prefeito Dr. Pessoa e por nós que compomos a gestão. Temos muita alegria de anunciar esse feito e de trazer esse espaço tão importante para a cidade e para as Teresinenses”, explicou João Henrique Sousa, secretário Municipal de Planejamento.

O anúncio foi feito durante o lançamento da “Campanha Somos” – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres, realizada pela Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

A Casa da Mulher Brasileira de Teresina tem a proposta de ser um espaço de acolhimento e busca facilitar o acesso de mulheres que se encontram em situação de violência à serviços especializados de atendimento, nesse espaço elas vão receber o suporte necessário para enfrentar essa situação de vulnerabilidade social. A Casa terá estrutura para dar suporte desde a recepção dessas mulheres e vai contar também com acompanhamento psicológico disponível para essas mulheres que se encontram em situação de violência.

“Nós precisamos muito desse espaço para acolher, apoiar e dar suporte às mulheres da nossa cidade. Elas pedem socorro e a Casa trará esse amparo que tanto buscamos e estamos prontos para acompanhar de perto a implantação. Estamos ao lado do prefeito Dr. Pessoa para buscar um diálogo mais direto com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos para alavancar o projeto”, explica a secretária Karla Berger.

A implementação da Casa da Mulher Brasileira em Teresina acontece por meio de ações integradas da Superintendência das Acordo Descentralizadas (SAAD) Centro, SMPM e Semplan. A obra contou com um investimento de R $5,9 milhões. O local será um espaço que disponibilizará atendimento e apoio para mulheres em situação de violência doméstica. Atualmente o modelo está implementado em sete capitais: Curitiba, São Paulo, Campo Grande, Fortaleza, São Luis e Boa Vista.

Foto: Divulgação (Semplan)

Secretaria da Mulher realiza abertura da “Campanha Somos” – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou nesta quinta-feira (25) a abertura da “Campanha Somos” – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres. A solenidade aconteceu no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vereadores de Teresina.

A Campanha visa a promoção do acesso à informação acerca do que são e como se dão as violências contra as mulheres. Ao longo da programação dos 21 Dias de Ativismo pelas Mulheres, serão divulgados os canais da rede de enfrentamento e canais de denúncia existentes em Teresina de acolhimento à mulher em situação de violência.

Fotos: Ascom SMPM

De acordo com a Secretária Karla Berger, o foco da campanha é buscar mulheres teresinenses, contemplando sua pluralidade de raça e etnia, classe social, identidade de gênero e sexual, orientação sexual e geração. Segundo Karla, será um momento de chamarmos atenção da cidade pelo engajamento de todas e todos pelo fim das violências.

“A Campanha Somos representa uma luta histórica de mulheres que lutaram para que momentos como esses fossem realizados”, frisa Karla. “Temos travado batalhas difíceis, mas que vêm sendo olhadas pelo olhar sensível do Dr.Pessoa. Nosso prefeito tem diariamente pegado nas nossas mãos e dando todo o apoio possível para que a gente possa lutar com as ferramentas certas por uma política que cuida das nossas mulheres”, destacou durante discurso de abertura da solenidade.

Ainda durante o evento, o Secretário de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN), João Henrique, anunciou mais um avanço na chegada da Casa da Mulher Brasileira em Teresina. A Superintendência da Caixa Econômica no Piauí autorizou a licitação para a Casa da Mulher Brasileira em Teresina.

“Temos certeza que será um projeto muito positivo para a cidade, de forma ímpar direcionado às figuras femininas teresinenses”, pontua o secretário. “Precisamos reforçar essa luta pelas mulheres e combater a violência dentro e fora de casa. Teresina terá um espaço com todos os órgãos e entidades de defesa da mulher e isso tem sido defendido pelo prefeito e por nós que compomos a gestão”, reforçou João Henrique Sousa, secretário Municipal de Planejamento.

A implementação da Casa da Mulher Brasileira em Teresina acontece por meio de ações integradas da Superintendência das Acordo Descentralizadas (SAAD) Centro, SMPM e Semplan. A obra contou com um investimento de R $5,9 milhões. O local será um espaço que disponibilizará atendimento e apoio para mulheres em situação de violência doméstica.

Secretaria da Mulher realiza abertura da Campanha Somos – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou nesta quinta-feira (25) a abertura da “Campanha Somos” – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres. A solenidade aconteceu no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vereadores de Teresina.

A Campanha visa a promoção do acesso à informação acerca do que são e como se dão as violências contra as mulheres. Ao longo da programação dos 21 Dias de Ativismo pelas Mulheres, serão divulgados os canais da rede de enfrentamento e canais de denúncia existentes em Teresina de acolhimento à mulher em situação de violência.

De acordo com a Secretária Karla Berger, o foco da campanha é buscar mulheres teresinenses, contemplando sua pluralidade de raça e etnia, classe social, identidade de gênero e sexual, orientação sexual e geração. Segundo Karla, será um momento de chamarmos atenção da cidade pelo engajamento de todas e todos pelo fim das violências.

” A Campanha Somos representa uma luta histórica de mulheres que lutaram para que momentos como esses fossem realizados”, frisa Karla. “Temos travado batalhas difíceis, mas que vêm sendo olhadas pelo olhar sensível do Dr.Pessoa. Nosso prefeito tem diariamente pegado nas nossas mãos e dando todo o apoio possível para que a gente possa lutar com as ferramentas certas por uma política que cuida das nossas mulheres”, destacou durante discurso de abertura da solenidade.

Ainda durante o evento, o Secretário de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN), João Henrique, anunciou mais um avanço na chegada da Casa da Mulher Brasileira em Teresina. A Superintendência da Caixa Econômica no Piauí autorizou a licitação para a Casa da Mulher Brasileira em Teresina.

“Temos certeza que será um projeto muito positivo para a cidade, de forma ímpar direcionado às figuras femininas teresinenses”, pontua o secretário. “Precisamos reforçar essa luta pelas mulheres e combater a violência dentro e fora de casa. Teresina terá um espaço com todos os órgãos e entidades de defesa da mulher e isso tem sido defendido pelo prefeito e por nós que compomos a gestão”, reforçou João Henrique Sousa, secretário Municipal de Planejamento.

A implementação da Casa da Mulher Brasileira em Teresina acontece por meio de ações integradas da Superintendência das Acordo Descentralizadas (SAAD) Centro, SMPM e Semplan. A obra contou com um investimento de R $5,9 milhões. O local será um espaço que disponibilizará atendimento e apoio para mulheres em situação de violência doméstica.

Secretaria da Mulher vai realizar campanha de combate à violência de gênero em Teresina

Os números de violências contra as mulheres no contexto da pandemia de Covid-19 aumentaram consideravelmente. Somente nos últimos meses, houve oito vítimas de feminicídio. Em razão desses números, a Prefeitura de Teresina através da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realiza a “Campanha Somos” – Todos Pelo Fim das Violências Contra às Mulheres.

A atividade visa a promoção do acesso à informação acerca do que são e como se dão as violências contra as mulheres. Ao longo da programação dos 21 Dias de Ativismo pelas Mulheres, divulgaremos a rede de enfrentamento e canais de denúncia existentes em Teresina de acolhimento à mulher em situação de violência.

O foco da nossa campanha é buscar mulheres teresinenses, contemplando sua pluralidade de raça e etnia, classe social, identidade de gênero e sexual, orientação sexual e geração. De acordo com a secretária Karla Berger, será um momento de chamarmos atenção da cidade pelo engajamento de todas e todos pelo fim das violências.

Esperamos com esta campanha buscar comunicar e alcançar todas as zonas da cidade, incluindo as comunidades da zona rural para que as mulheres em situação de violência de gênero possam procurar os serviços da SMPM e todos os órgãos judiciais e de apoio às vítimas de violência”, declarou a secretária.

A solenidade de abertura vai acontecer no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vereadores de Teresina, às 9h, nesta quinta-feira (15). O Prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, estará presente na abertura da Campanha Somos.

 

Mulheres em situação de violência de gênero podem procurar serviços da SMPM

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) está realizando entre os dias 20 de novembro a 10 de dezembro a campanha dos 21 Dias de Ativismo – Pelo Fim das Violências Contra as Mulheres. Acontecendo internacionalmente desde 2003, os dias serão temáticos, para poder contemplar o enfrentamento às mais diversas formas de violência cometidas contra as mulheres.

Saiba mais: Secretaria da Mulher vai dar início aos 21 Dias de Ativismo pelo Fim das Violências contra as Mulheres AQUI

Neste domingo (21), a SMPM destaca os serviços oferecidos às mulheres em situação de violência de gênero – tema do 2° dia conforme o calendário temático da Campanha. A técnica da SMPM, Gabriela Rodrigues, explica que gênero se refere aos atributos particulares da feminilidade e masculinidade. Nesse sentido, entende-se que o gênero é uma construção social que não decorre de aspectos naturais.

“Em outras palavras, as características sociais entre homens e mulheres, que definem os seus papéis e responsabilidades dentro de uma sociedade, não são estabelecidas pelo sexo – como determinação biológica – mas influenciadas pela cultura”, explica Gabriela. “Ou seja, gênero é um elemento subjetivo que se refere a ser menino ou menina, homem ou mulher em uma determinada sociedade”, finaliza.

Dessa forma, a violência de gênero pode ser definida como qualquer tipo de agressão física, psicológica, sexual ou simbólica contra alguém em situação de vulnerabilidade devido a sua identidade de gênero ou orientação sexual. Os dados são alarmantes, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) uma em cada três mulheres em todo o mundo já foram vítimas de alguma violência de gênero durante a sua vida.

A Secretária da Mulher, Karla Berger, destaca que a Prefeitura de Teresina através da SMPM possui serviços específicos para atender mulheres que possam estar em situação de violência de gênero na capital: Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia (Creg)

“Atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idade de 18 a 59 anos, oferecendo assistência jurídica, social e psicológica”, destaca Karla. “As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço”, complementa a secretária.

Onde encontrar o serviço?
R. Benjamin Constant, 2170 – Centro Norte
Segunda à Sexta, das 08:00 às 17:00
(86) 3233-3798 / 99416-9451

Além desse serviço, a Secretária da Mulher dispõe do Serviço de Atendimento Integral às Mulheres e suas Crianças: Florescer. Karla frisa que em Teresina possuem três unidades, localizadas na Zona Norte, Sudeste e Zona Rural de Teresina.

Nos espaços, mulheres em situação de vulnerabilidade social, residentes em Teresina, que tenham crianças na faixa etária de 1 ano a 2 anos e onze meses, possuem acesso à qualificação profissional, do acesso à informação e a serviços de saúde e justiça, além de acolher e realizar atividades de desenvolvimento psicossocial com suas crianças.

“No início de 2022, uma nova unidade será instalada na Zona Sul de Teresina”, destaca Karla. “A sede será inaugurada no bairro Promorar”, finaliza.

Saiba mais sobre o Serviço Florescer: Serviço Florescer é símbolo de acolhimento às mulheres e suas crianças em Teresina AQUI

Campanha dos 21 Dias de Ativismo – Pelo Fim das Violências contra as Mulheres

As ações fazem parte de uma importante mobilização pelo combate a todas as violências cometidas contra mulheres – seja ela física, psicológica, patrimonial, matrimonial ou no meio virtual. De acordo com a Secretária da SMPM, Karla Berger, as ações são um momento de engajamento da população e órgãos de apoio às mulheres que estão em situação de violência.

Karla explica que neste ano, durante a atual gestão da Prefeitura de Teresina, a Secretária da Mulher vai aderir ao calendário nacional de 21 dias – comumente, outros órgãos e repartições utilizam 16 dias. “Aderimos aos 21 dias pois consideramos que o ativismo se inicia no Dia da Consciência Negra (20) e vai até o dia Internacional dos Direitos Humanos (10)”, reforça a secretária.

As atividades e ações serão divulgadas através do site oficial da SMPM e das redes sociais: Twitter, Instagram e YouTube.

Secretaria da Mulher vai dar início aos 21 Dias de Ativismo pelo Fim das Violências contra as Mulheres

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) vai realizar entre o dia 20 de novembro a 10 de dezembro a campanha dos 21 Dias de Ativismo – Pelo Fim das Violências Contra as Mulheres. A campanha acontece internacionalmente desde 2003 e durante todos os dias citados, a SMPM através das suas atividades vem reforçar a importância dessa luta.

Foto: Ascom SMPM

As ações fazem parte de uma importante mobilização pelo combate a todas as violências cometidas contra mulheres – seja ela física, psicológica, patrimonial, matrimonial ou no meio virtual. De acordo com a Secretária da SMPM, Karla Berger, as ações fazem parte de um momento de engajamento da população e órgãos de apoio às mulheres que estão em situação de violência.

Karla explica que neste ano, durante a atual gestão da Prefeitura de Teresina, a Secretária da Mulher vai aderir ao calendário nacional de 21 dias – comumente, outros órgãos e repartições utilizam 16 dias. “Aderimos aos 21 dias pois consideramos que o ativismo se inicia no Dia da Consciência Negra (20) e vai até o dia Internacional dos Direitos Humanos (10)”, reforça a secretária.

Ainda conforme a técnica da SMPM, Gabriela Rodrigues, o racismo, sexismo e machismo se expressam na sociedade de diversas formas contra as mulheres – sejam elas cisgêneros, transgêneros e travetis. Por isso, a Secretaria deverá seguir um calendário temático ao longo de toda a programação para poder abarcar e engajar a população sobre o assunto.

“A luta pelo fim da violência contra mulheres deve considerar a raça, etnia, identidade de gênero e orientação sexual”, destaca Gabriela. “Além disso, considera como os ciclos da vida e outros aspectos determinantes em suas vivências”, reforça a técnica.

As atividades e ações serão divulgadas através do site oficial da SMPM e das redes sociais: Twitter, Instagram e YouTube.

Assista ao vídeo da SMPM para saber mais sobre a campanha dos 21 Dias de Ativismo AQUI .

Confira temas:

21/11 – Violências de gênero contra mulheres
22/11 – Assédio e importunação sexual
23/11 – Violências e Ciclos da Vida
24/11 – Como não ser machista, racista, sexista – Educação não-sexista
25/11 – Dia internacional de não violência contra as mulheres e enfrentamento à violência doméstica/familiar
26/11 – Feminicídio e transfeminicídio
27/11 – Segurança no espaço público para mulheres / acesso à cidade
28/11 – Violência sexual – incluir a violência matrimonial
29/11 – Violência obstétrica
30/11 – Dia do estatuto da terra/Violências de gênero contra mulheres no espaço rural
01/12 – Dia Internacional de luta contra o HIV/AIDS
02/12 – Violências contra Lésbicas, Bissexuais e Transexuais
03/12 – Dia internacional da pessoa com deficiência / Discriminações contra mulheres com deficiência
04/12 – Dia da propaganda / Violência em meios digitais/virtuais/Violência de gênero nos meios de comunicação/publicidade
05/12 – Bullying e relações de gênero
06/12 – Homens pelo fim da violência contra mulheres – Campanha Laço Branco
07/12 – Violência psicológica
08/12 – Autonomia econômica como instrumento de enfrentamento à violência
09/12 – Dia internacional contra a corrupção/Violência política de gênero
10/12 – Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Direitos Humanos das Mulheres

Planejamento familiar e direitos reprodutivos são temas debatidos em oficina no Florescer Norte

Os debates sobre sexualidade e corpo feminino ainda são considerados tabus em nossa sociedade. Essa situação causa o pouco  acesso e conhecimento de mulheres acerca do assunto, elevando o índice de mulheres com doenças sexualmente transmissíveis e gravidez na adolescência.

Pensando nisso, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres  (SMPM) realizou nesta quarta-feira (17) uma roda de conversa com as mulheres do serviço florescer Norte sobre planejamento familiar, direitos reprodutivos femininos e infecções sexualmente transmissíveis (IST’S).

Fotos: Ascom SMPM

Durante a palestra, a enfermeira Márcia Viana ressaltou a importância das mulheres conhecerem o próprio corpo para que possam se prevenir de forma adequada. Ainda na roda de conversa, foi ressaltado  como as ações  diminuem o risco de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada.

“As mulheres precisam conhecer o próprio corpo, se olhar, para entender a sua própria saúde”, destacou a enfermeira. “Com ações e incentivo a essas ações, é possível reduzir números de doenças que tanto afetam a vida do gênero feminino”, conclui.
A Secretária da SMPM, Karla Berger, reforça que o tabu sobre sexualidade feminina precisa ser quebrado para que mais mulheres tenham acesso à informações. Karla frisa que para isso, é importante a divulgação do conhecimento dos direitos reprodutivos e formas de contracepção.

“A mulher moderna está cada vez mais livre no que diz respeito à sexualidade, por isso, é necessário o debate sobre planejamento familiar”, declara Karla. “Direitos reprodutivos femininos e doenças  sexualmente transmissíveis sejam tratados com normalidade e de forma educativa e informativa”, frisa.

É o caso de Sâmia Letícia, participante ativa do Serviço Florescer há um ano, na unidade zona Norte. A mulher relata que conheceu o serviço por intermédio de amigas, e que o serviço tem sido de muita importância em sua vida, e principalmente, no seu processo de empoderamento como mulher.

“É sempre bom estar aqui, para que eu possa me tornar uma mulher forte e dar exemplo para meu filho”, reforça a mulher. “Ter vindo hoje aqui significa muito para mim, é parte da minha construção como uma mulher mais empoderada, aprendi muito com a palestra”, comenta.