Servidoras da SMPM participam de formação sobre direitos das mulheres trans e travestis

As servidoras e funcionárias da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) participaram na manhã desta segunda-feira (18) da capacitação mensal oferecida pelo Grupo de Convivência de Travestis e Transexuais (GPTrans), veiculada à Superintendência de Direitos Humanos – Gerência de Enfrentamento à LGBTfobia – SASC, chamada “Respeitar é preciso”. A capacitação, realizada no Centro de Formação Odilon Nunes, contou com a presença de representantes dos direitos LGTQIA+ e funcionárias dos serviços da SMPM.

Durante a ocasião foi alinhado como melhorar o atendimento às mulheres trans e travestis no Serviço Florescer e no Centro de Referência Esperança Garcia (Creg). Além disso, foi debatido sobre a legislação vigente na capital para proteger todas as mulheres em situação de vulnerabilidade e violência de gênero.

Neste mês, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu que a Lei Maria da Penha se aplica aos casos de violência doméstica ou familiar contra mulheres transexuais. O colegiado considerou que a lei trata de violência baseada em gênero, e não no sexo biológico.

A decisão do STJ é inédita e abre precedente para que outros casos semelhantes tenham o mesmo entendimento. Embora alguns tribunais inferiores já tenham decisões parecidas, ainda há muitos casos em que as medidas protetivas e demais dispositivos da Lei Maria da Penha são negados às mulheres trans.

A secretária Gabriela Rodrigues reforça que as capacitações qualificam os serviços da capital para ampliar o debate sobre direitos humanos. “Trouxemos todas as funcionárias dos serviços para que a gente possa atender cada vez mais mulheres, sejam elas cis ou trans, mas saibam que podem contar com nossos atendimentos”, reforça a secretária.

Para a coordenadora do Creg, Roberta Mara, o propósito da capacitação é suprir as carências de conhecimento e termos, além de saber do que há de instrumento legal para atender o segmento específico. “Sabemos da dificuldade em direcionar, pois não há equipamento público específico para atender a demanda trans”, explica a coordenadora. “Mas mesmo que incipiente o momento foi de valia acerca do que há de conquista e também para sabermos das terminologias, logo trabalhamos com gênero”, finaliza.

Foto: Divulgação (SPMP)

Assistente social da SEMDUH ganha prêmio pelo atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica

O prêmio entregue pelo Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência (CREG), por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), à assistente social Liana Nunes, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) pode ser comparado à música “Casinha Branca”, de Roberta Campos. Nos versos, ela pede “eu queria ter na vida simplesmente/ Um lugar de mato verde/ Pra plantar e pra colher/ Ter uma casinha branca de varanda/ Um quintal e uma janela/ Para ver o sol nascer”.
.
A premiação foi entregue à servidora depois que várias mulheres, que receberam unidades habitacionais da Prefeitura de Teresina, relataram ter sido bem acolhidas e orientadas durante o processo para conseguir a casa própria, saindo, assim, da situação de violência doméstica.

“A SEMDUH tem parceria com o CREG para disponibilizar moradias às mulheres vítimas de violência. Essas vítimas que chegam à Secretaria para dar entrada no processo e receber uma casa são atendidas diretamente pela Liana. E, na maioria das vezes, essas mulheres dizem que nossa servidora sabe escutar e tratar cada indivíduo com carinho”, afirma a coordenadora de Habitação da SEMDUH, Valdinete Ulisses.

Segundo a gestora, o prêmio é muito importante por dois motivos. Primeiramente, expressa um agradecimento à SEMDUH pela parceria com o Centro na entrega de moradias a essas mulheres vítimas de violência. Em segundo lugar, é uma premiação especial porque também reconhece uma profissional que é sensível à causa dessas mulheres, no sentido de fazer as coisas acontecerem da forma mais eficiente e ágil possível, mas sem esquecer que está lidando com pessoas que têm sentimentos e emoções.

Para a assistente social homenageada, o evento se faz importante porque reafirma que o serviço prestado por esses órgãos está acontecendo, está sendo eficiente e que toda a equipe está conseguindo êxito.

“Eu faço a escuta, oriento, vejo a documentação, muitas vezes a documentação tem que ser reavaliada. Então, fazemos um dossiê e enviamos para outro órgão avaliar se tem a possibilidade de disponibilizar uma moradia. A decisão sendo favorável, assim que surge um imóvel reintegrado, fazemos a entrega para essa mulher”, explica a assistente social Liana Nunes.

Atualmente, não há programa habitacional aberto em Teresina. As moradias entregues a essas mulheres são provenientes de reintegração de posse da Caixa Econômica Federal, quando algum imóvel já entregue pelo projeto Minha Casa Minha Vida está irregular. A Caixa faz a reintegração da unidade, disponibiliza os dados para a Secretaria, que avalia a lista de espera e as prioridades para a concessão do imóvel a uma nova família.

Segundo Liana, mães de crianças com microcefalia, decisões judiciais para entrega imediata de um imóvel ou mulheres vítimas de violência doméstica têm prioridade na lista de espera para a garantia da casa própria. A Lei Municipal 5445, de 12 de novembro de 2019, dispõe que deve ser reservado no mínimo 5% das unidades habitacionais dos programas implementados em Teresina prioritariamente para mulheres em situação de medida protetiva ou que estejam sendo acompanhadas em espaços especializados de atendimento à mulher.

Liana conta que foram entregues imóveis para 21 mulheres em situação de medida protetiva. Porém, a falta de um programa habitacional (que depende de recursos do Governo Federal) faz com que o processo para conseguir um imóvel seja apenas por meio da reintegração, o que pode demorar um pouco.

“Então, nesse processo todo, elas têm muito contato com a gente aqui. Ficam ligando, ou eu entro em contato. Porque eu sempre explico ‘olha vai ter que aguardar um pouquinho porque tem que surgir a vaga’. Então essa relação, possibilitou um grande contato com essas mulheres e isso as fez reconhecer, de certa forma, meu trabalho”, comenta Liana.

Ainda de acordo com a servidora, um dos mecanismos que aprisiona mulheres à situação de violência doméstica é a falta de uma casa própria. Muitas vezes, o agressor é o único provedor da família. O atendimento oferecido pela SEMDUH e pelo CREG dá a essas mulheres, acima de tudo, o empoderamento. Segundo Liana, a entrega de uma casa possibilita à vítima o fim do ciclo de violência.

Durante o evento de aniversário de sete anos do Centro de Referência, no dia 31 de março, Liana recebeu a premiação e comemorou juntamente a sete mulheres que já foram atendidas por ela e que já estão morando em suas casas próprias. Uma delas discursou durante a entrega do prêmio.

“Ela explicou detalhe por detalhe o meu atendimento, desde a forma como eu olho, a forma como eu converso, e ela ainda disse assim ‘você é uma técnica que trabalha com empatia, com acolhimento. Olha para a gente e não pergunta o porquê, o que aconteceu, e se a gente quiser falar, não julga’. Então assim, para mim foi muito, muito gostoso, saber de tudo isso. Ativou a minha fogueira interna para continuar fazendo o que eu faço”, conta emocionada Liana.

A assistente social explica que todas as mulheres que chegam e precisam passar pelo seu atendimento vêm munidas de uma medida protetiva, muitas delas já foram agredidas física e psicologicamente. São mulheres altamente fragilizadas que assumem uma postura de defesa. Então Liana trabalha conta que é um grande desafio tentar dar forças para essa vitima que se vê em uma situação sem rumo, sem perspectiva de melhora e muito amedrontada.

Segundo a servidora, além de explicar como o processo burocrático funciona, seu atendimento é voltado para potencializar nessas mulheres a importância do acompanhamento pelo CREG, que oferece assistência jurídica, social e psicológica, além de práticas interativas e complementares em saúde e cursos de capacitação profissional. Ela enfatiza para a mulher que não se trata só do dinheiro, não é só a casa, não é só o trabalho, mas é o seu feminino, a sua alma, é o seu amor.

“Tentava enfatizar também que elas podem amar novamente, encontrar um parceiro interessante, que vai partilhar a vida com elas, mas que, naquele momento, era importante elas se cuidarem, se curarem. Porque o que eu mais percebia era a dificuldade delas falarem que a pessoa que ela amou hoje era a pessoa que ela tinha mais medo, né? Então, assim você usar a palavra, usar o acolhimento para dar força a essa mulher”, afirma Liana.

Liana também destaca como ficou surpresa ao receber o prêmio. Para ela, é uma questão pessoal, porque também é mulher, e se solidariza com o sofrimento de sua colega, que está passando por uma situação difícil. Então, seu trabalho, segundo ela, a leva a ajudar outras mulheres.

“Eu fiquei muito feliz porque eu não imaginava que as mulheres me viam como uma pessoa que fazia tanta diferença na vida delas. Porque a gente trabalha arduamente, eu pelo menos amo o que eu faço, mas os desafios diários são muito difíceis. Então esse reconhecimento é muito bom por saber que eu sou um instrumento de transformação de alguém e de acolhimento também. Isso não tem preço, não tem preço”, finaliza a assistente social.

Semec, Semplan e SMPM articulam implementação do Projeto Ler Brincando

Uma parceria entre Secretaria Municipal de Educação (Semec), Secretaria Municipal de Planejamento (Semplan) e Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) vai implementar em Teresina o Projeto Ler Brincando, estabelecido dentro do programa de governo do prefeito Dr. Pessoa.

O Projeto Ler Brincando consiste na promoção de atividades de leitura para crianças e adolescentes das escolas públicas municipais. Para isso, utilizará o espaço das próprias escolas e deverá envolver também as famílias dos alunos.

“Esta reunião de hoje foi de alinhamento e atribuições de cada uma das secretarias no desenvolvimento do projeto. Inicialmente será implementado com as crianças atendidas pelo Serviço Florescer, da SMPM, que atende mulheres em situação de vulnerabilidade social e crianças. Até 2023 deve se expandir para outras unidades de ensino da Rede Municipal de Educação de Teresina, atingindo um público maior”, explica o secretário executivo de Ensino da Semec, Kleytton dos Santos.

Com o Projeto Ler Brincando, espera-se que haja uma melhoria da habilidade de leitura, interpretação e escrita dos alunos da rede pública municipal de Teresina.

Foto: Ascom Semec

Conselho Municipal dos Direitos da Mulher recebe doação de cestas básicas da Semest

A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Economia Solidária de Teresina (Semest), realizou nesta sexta-feira (08), a doação de 120 cestas básicas para o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Teresina. As cestas serão destinadas para mulheres em situação de vulnerabilidade social nas comunidades em que o Conselho atua.

Foto: Ascom Semest

Na oportunidade, a presidente do Conselho, Cleide Holanda, parabenizou os trabalhos desenvolvidos pela pasta. “A Semest vem fazendo um trabalho belíssimo na nossa Capital. Vamos distribuir essas cestas para pessoas carentes e eu gostaria de parabenizar a Secretaria e dizer que podem contar com Conselho Municipal do Direito da Mulher”, falou.

A gerente de projetos, Aline Almeida, destacou a importância do olhar para projetos como esse. “É necessário um olhar sensível para as questões sociais, buscando contribuir com projetos que deem assistência para pessoas em situação de vulnerabilidade. Como suplente do Conselho vi a possibilidade dessa parceria agregar de forma singela a nossa intenção em manter uma gestão integrada com o povo, como é o desejo do nosso prefeito Dr. Pessoa”, destacou.

Abertas as inscrições do Prêmio Teresa Cristina para empresas privadas

A Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres – SMPM, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo – SEMDEC, abrem as inscrições do “Prêmio Teresa Cristina – Práticas inovadoras, que promovam a inserção, permanência e a valorização da mulher no mercado de trabalho”. A premiação foi instituída por meio do Decreto nº 22.223, de 14 de março de 2022 e publicado no Diário Oficial do Município nº 3.231, de 15 de março de 2022.

A 1ª Edição do Prêmio Teresa Cristina tem por objetivo conhecer e incentivar práticas inovadoras relacionadas às políticas públicas para mulheres desenvolvidas por empresa públicas e privadas, no âmbito da cidade de Teresina e levará em conta as empresas públicas e privadas que possuam práticas e desenvolvam programas que assegurem os direitos humanos das mulheres e promovam a equidade de gênero no ambiente de trabalho.

Anualmente, o prêmio será concedido a todas as empresas entre micro, pequenas, médias e grandes empresas que desenvolverem diretrizes voltadas para políticas públicas voltadas para a igualdade de gênero.

As inscrições para o prêmio são gratuitas e deverão ser realizadas no período de 01 de abril de 2022 a 01 de maio de 2022, de forma on-line por meio de ficha de inscrição. A lista das empresas e instituições selecionadas para receber o prêmio será apresentada ao público, em agosto de 2022, com premiação entregue durante programação em alusão ao aniversário de Teresina.

As inscrições para o prêmio seguem até às 23h59 do dia 1° de maio de 2021.

INSCRIÇÕES NO LINK ABAIXO: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScsZQIAt_9jBGjhoaWh_Duht0RhSbOmsG39OfKz9zlVckfkgg/viewform

Quem foi Teresa Cristina?

Uma grande mulher, esposa de Dom Pedro II, mãe da princesa Isabel e inspiração para a transferência da capital do Piauí de Oeiras para Teresina.

Religiosa, generosa, amante das artes e das pessoas. Assim se caracterizou Teresa Cristina. Com um legado de herança no amor e respeito ao próximo, as mulheres teresinenses também herdaram força da imperatriz Cristina.

Foto: Divulgação (SMPM)mLHER

Prefeitura de Teresina lança 1ª edição do Prêmio Teresa Cristina

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), lançam na noite de quinta-feira (31), a primeira edição do “Prêmio Teresa Cristina” que foi criado pelo Decreto nº 22.223, 14 de março de 2022. O prêmio visa ressaltar a importância da equidade de gênero e da autonomia social e econômica das mulheres. A solenidade de lançamento ocorre às 19h no teatro do Sesc Cultural, bairro Noivos, zona Leste.

Considerando a realidade de desigualdade entre homens e mulheres no âmbito do emprego, o prêmio objetiva incentivar e reconhecer, as práticas desenvolvidas por empresas privadas, instituições públicas em Teresina, que corroborem para inserção, permanência e valorização de mulheres no mercado de trabalho formal. A certificação será concedida anualmente.

No mês da mulher, o lançamento do prêmio traz o nome de Teresa Cristina. Uma grande mulher, esposa de Dom Pedro II, mãe da princesa Isabel e inspiração para a transferência da capital do Piauí de Oeiras para Teresina. Religiosa, generosa, amante das artes e das pessoas. Assim se caracterizou Teresa Cristina. Com um legado de herança no amor e respeito ao próximo, as mulheres teresinenses também herdaram força da imperatriz Cristina.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em Teresina, com uma população estimada de 871.126 habitantes, 53,25% da população é feminina, de acordo com o último censo. Nesse reflexo, pesquisa da rede LinkedIn revelou em 2021 que as mulheres no Brasil ainda ocupam poucos cargos de liderança e recebem remunerações menores que os homens ocupando os mesmos postos. O exemplo para mudar essa realidade está na inserção de mais mulheres nos ambientes de trabalho.

Com o “Prêmio Teresa Cristina”, a Prefeitura Municipal assegura a igualdade para as mulheres. Esse é mais um compromisso assumido pela gestão para dar cumprimento em 2022 a um maior número de atividades inclusivas destinadas as teresinenses. Ele será concedido a todas as empresas entre micro, pequenas, médias e grandes empresas que desenvolverem diretrizes voltadas para políticas públicas voltadas para a igualdade de gênero.

As inscrições para o prêmio são gratuitas e deverão ser realizadas no período de 01 de abril de 2022 a 01 de maio de 2022, de forma on-line por meio de ficha de inscrição. O edital do prêmio será lançado na noite do dia 31 de março. A lista das empresas e instituições selecionadas para receber o prêmio será apresentada ao público, em agosto de 2022, com premiação entregue durante programação em alusão ao aniversário de Teresina.

Solenidade:
Data: 31 de março de 2022, às 19h.
Local: Sesc Cultural, Noivos, zona Leste de Teresina
Informações: Ascom SMPM (3233-3961)

Mulheres em situação de rua recebem serviços e participam de roda de conversa da SMPM

A equipe da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), levou na manhã de terça-feira (29), uma roda de conversa sobre os serviços oferecidos pela Secretaria, para mulheres que vivem em situação de rua atendidas pelo Centro POP, da Prefeitura de Teresina. Além disso, foram doados roupas, calçados e kits com absorventes e preservativos.

 

Foto: Ascom SMPM

Na ação, ao todo 28 kits foram distribuídos, somado a isso ouve um momento de escuta dessas mulheres. “O intuito é apresentar os serviços da secretaria da mulher. Muitas dessas mulheres, por viverem nas ruas, acabam naturalizando o processo da violência, e resolvemos explicar os tipos de violência e como elas podem buscar os mecanismos de apoio com o Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia (Creg)”, relatou Danyela Batista, do apoio técnico da articulação da SMPM.

O encontro também proporcionou informação e cuidados com a saúde da mulher. “Foi mais uma troca de experiências, aproveitamos o momento para falar e prevenir a pobreza menstrual, onde disponibilizamos absorventes para essas mulheres que muitas vezes não têm condição de adquirir com recursos próprios”, frisou Danyela Batista.

Mulheres podem procurar serviços

A secretária da Mulher, Karla Berger, destaca que a Prefeitura de Teresina junto com a SMPM possui serviços específicos para atender mulheres que possam estar em situação de violência capital, e um deles é o Creg.

“Contamos com o Creg que atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idade de 18 a 59 anos, oferecendo assistência jurídica, social e psicológica”, destaca Karla. “As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço que fica no Centro de Teresina”, complementa a secretária.

SMPM dialoga com homens acompanhados pelo projeto Reeducar do MPPI

O projeto é constituído por grupos de homens em processos judiciais, envolvidos no cenário de violência contra as mulheres Fotos(Ascom/SMPM)

A Secretaria da Mulher e a 10ª Promotoria de Justiça de Teresina realizaram, na manhã desta terça-feira, 29, roda de conversa com a quinta turma do projeto Reeducar, que acompanha homens envolvidos no contexto da violência doméstica contra a mulher. O encontro ocorreu na sede do Ministério Público do Piauí (MPPI), na zona Leste de Teresina.

O projeto é constituído por grupos de homens em processos judiciais, envolvidos no cenário de violência contra as mulheres e tem o intuito de sensibilizá-los quanto ao reconhecimento do ato.

Este é o oitavo encontro do módulo, onde cerca de dez homens participaram. O técnico Marcus Magalhães, do núcleo de Planejamento, da secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres de Teresina (SMPM), debateu o tema sobre masculinidade. Os participantes receberam um laço branco como ato de empatia e tolerância no enfrentamento a qualquer violência ao público feminino. A origem da Campanha Laço Branco surgiu no Canadá.

“A proposta do Reeducar é desconstruir essa cultura machista e levar aos participantes a não reincidência no comprometimento de situações de violência”, comentou a promotora de justiça Amparo Paz, titular da 10ª Promotoria de Justiça de Teresina, coordenadora do projeto.

A psicóloga e assessora de promotoria do MPPI, Cynara Veras, explica que, no decorrer do ano, ocorrem nove encontros onde a equipe multidisciplinar do projeto, em parceria com outras instituições e órgãos, abordam diversos temas o que têm contribuindo para o grupo. A primeira turma do projeto iniciou suas atividades em outubro de 2016. “Trabalho as diferentes experiências que eles vivem para garantir que as mulheres não sejam violentadas”, conta.

Thatyana Lima, do Núcleo de enfrentamento da SMPM, conta que um dos objetivos é fazer com que os homens que participaram da iniciativa não voltem a se envolver em contextos de violência doméstica ou familiar.

O projeto Reeducar conta com a parceria da Campanha Brasileira Laço Branco, que vem sendo desenvolvida pela Prefeitura Municipal de Teresina (PMT), por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

SMPM inicia projeto de atendimento odontológico para mulheres em situação de violência e vulnerabilidade

Tornar as pessoas mais feliz através do autocuidado. Essa é a proposta do Projeto “Sorriso a curva mais bonita do corpo”, que a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) em parceria com a rede de clínicas odontológicas Coife Odonto Teresina iniciaram na manhã desta sexta-feira (26). Os atendimentos odontológicos beneficiaram, primeiramente, as mulheres em situação de violência acolhidas pelos Centro de Referência Esperança Garcia- CREG.

As assistidas receberam os serviços clínicos voltados para a promoção da saúde, com ações para prevenir doenças bucais na sede da rede no Centro. “Estou em busca, a cada dia, de melhorias para nosso serviço e sinto-me feliz por ajudar a levantar a autoestima, proporcionando qualidade de vida para as nossas mulheres”, afirma a secretária da Mulher, Karla Berger.

O gerente administrativo da Coife Odonto, Jonathan Emanuel, explica que a rede de franqueados disponibilizará profissionais para realizarem os procedimentos de avaliação inicial, aplicação de flúor e higienização. Para ele, quem participa do programa, não só receberam o seu sorriso de volta, mais sua autoestima, a vontade de voltar a vida.

“Essa ação faz muito bem e sempre estamos promovendo esse tipo de atendimento tanto nos bairros como no interior. Temos seis franqueados, sendo cinco em Teresina e uma no Maranhão”, justificou.

“Nós mulheres que somos vítimas de violência doméstica, quanto mais tivermos profissionais com esse olhar de cuidado, nos sentiremos amparadas”, relatou Rosana Freitas* que há oito meses é atendida no CREG.

A coordenadora de monitoramento dos Florescer, Caroline Leal reforça que os atendimentos de aplicação de flúor também serão estendidos para todos os filhos das assistidas nos serviços. “Caso a mulher necessite fazer procedimentos após essa avaliação, a empresa irá fornecer um valor diferenciado para ela que está em situação de vulnerabilidade ou enfrentando alguma situação de violência”.

Os serviços clínicos serão disponibilizados também nas quatro unidades do serviço Florescer que atende mulheres em situação de vulnerabilidade social e suas crianças na faixa de 1 a 2 anos e onze meses, atingindo cerca de 500 mulheres.

O cronograma dos atendimentos odontológicos segue sendo realizados das 8 às 12h nas sedes do Florescer Norte nos dias: 29/03, Salobro: 30/03, Sudeste: 31/03 e Sul: 01/04.

*Nome fictício no intuito de preservar a imagem da assistida no CREG.

Foto: Divulgação (SMPM)

Teresina Cuida de Você terá orientações para casamento comunitário em parceria com TJ

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), realizará neste sábado, (26), de 8h às 12h, no Cras Sudeste II, zona Sudeste da capital, a 4ª edição do Teresina Cuida de Você. Dentre as novidades da edição está a inauguração do Cras Sudeste II e orientações para o casamento comunitário, em parceria com o Tribunal de Justiça, que acontecerá no mês de maio.

A meta é levar mais de 100 serviços, da iniciativa pública e privada, de forma descentralizada ao público, com serviços: Cadúnico; Abrace Nós, Criança Feliz; de orientações sobre assistência militar e doação de sangue, além da realização de testagem rápida para sífilis e assistência militar.

Allan Cavalcante, secretário da Semcaspi, comenta sobre as parcerias que se renovaram, para melhor atender as necessidades das regiões que recebem o programa.

“A última edição do Programa Teresina Cuida de Você aconteceu em dezembro do ano passado e este mês vamos retomar, com a 4ª edição. Esta iniciativa já tem parceiros fixos e estamos de portas abertas para novas parcerias. Todo mês, de acordo com as temáticas, nós podemos ofertar serviços diferentes ou serviços que se adequam a aquela região, tendo em vista as demandas daquela população”, ressaltou.

Segundo Karol Pinheiro, coordenadora do programa Teresina Cuida de Você, haverá ações em parceria com a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), alusivas ao mês da mulher.

“Na perspectiva do mês da mulher, nós temos nossa parceria com a Secretaria da Mulher, como já vinha acontecendo, mas de forma mais ativa. Com mais serviços, a secretaria vai levar os serviços deles como: o Florescer, Creg, o Departamento Estadual de Proteção à mulher, o Procon, o Núcleo de Defesa da Mulher em Situação de Violência e a Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência, além de orientações jurídicas voltadas para mulher”, ressaltou.

O Cras Sudeste II fica localizado na Rua Breno Teodomiro de Carvalho, no Bairro Itararé, zona sudeste da capital.

AÇÕES PARA MULHERES

Além das ações para o público geral, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) vai levar serviços especiais para o público feminino, em alusão ao mês das Mulheres, como: Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência (TJ); Núcleo de Defesa da Mulher em Situação de Violência (Defensoria Pública); Procon; Departamento Estadual de Proteção a Mulher; Publicização Florescer e CREG; Orientações Jurídicas às Mulheres.