Quase metade dos teresinenses cumpriram o isolamento social no domingo (06)

Neste domingo (06), Teresina ocupou o terceiro lugar no ranking das capitais do país no índice de isolamento social, com 49,72%. Isso mostra que quase metade da população está atendendo ao apelo feito pela administração pública para conter a epidemia da Covid-19.

Os dados são da startup InLoco, que também o índice de isolamento social por regiões da cidade. No domingo a região com o melhor número foi a leste (50,05%), em seguida a centro-norte (50,02%), em terceiro a sul (49,88%) e por último a sudeste (49,16%).

Já entre os bairros, os que mais cumpriram o isolamento social foram São João (62,30%), Vale Quem Tem (61,20%), Ininga (58,75%) e Distrito Industrial (58%). Já os bairros onde se obteve os menores percentuais de pessoas que ficaram em casa foram São Sebastião (40,10%), Buenos Aires (42,20%), Real Copagre (42,50%) e Santa Maria (42,62%).

Teresina registra mais sete óbitos e 456 novos casos de Covid-19

Teresina registrou mais 456 novos casos e sete óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas. Segundo dados divulgados nesta sexta-feira, dia 14, pelo Comitê de Operações Emergenciais em Saúde Pública (COE) da Fundação Municipal de Saúde (FMS), a capital contabiliza 21.674 casos confirmados e 824 óbitos pelo novo Coronavírus.

Os novos óbitos notificados ocorreram nos dias 12, 13 e 14 de agosto. Entre os óbitos confirmados, quatro eram do sexo masculino e três do sexo feminino. Apenas dois pacientes não apresentavam comorbidades. Os demais tinham doenças como obesidade, neoplasia, doença renal, doença cardíaca e hipertensão arterial. Os pacientes tinham entre 50 e 87 anos.

A Prefeitura de Teresina está acompanhando, através de pesquisas, a evolução da Covid-19 na capital. De acordo com os dados da 17ª Pesquisa de Investigação Sorológica, realizada entre 07 a 09 de agosto, a cidade possui 11.502 pessoas com o vírus ativo e na fase de transmissão do Coronavírus. O R-zero, que é taxa de transmissibilidade da doença, também aumentou, e após três semanas seguidas com tendência de queda, nesta semana chegou a 1,09.

Após análise desses indicadores e recomendação do Centro de Operações de Emergência (COE), o prefeito Firmino Filho assinou um novo decreto determinando a continuidade das restrições para o funcionamento das atividades econômicas nos próximos dois finais de semana (15 e 16 de agosto, e 22 e 23 de agosto). “É importante ressaltar que a doença não desapareceu, então precisamos ter muita precaução e continuar com os cuidados, especialmente porque estamos na fase de transição, reabrindo as atividades econômicas”, lembra o prefeito.

Teresina registra 289 novos casos de Covid-19 e seis óbitos

Teresina registrou 289 novos casos de Covid-19 nesta quinta-feira (13), além de seis mortes. É o que revela o boletim do Painel Epidemiológico elaborado diariamente pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Desde o início da pandemia até agora, a capital registrou um total de 21.218 casos e 817 mortes em decorrência da doença.

Os novos óbitos notificados ocorreram nos dias 11, 12 e 13 de agosto. Foram cinco homens e uma mulher, com idades entre 67 e 84 anos. Apenas uma pessoa não tinha comorbidade. As demais tinham doenças como obesidade, diabetes, neoplasia, doença renal, doença cardíaca e hipertensão arterial.

O distanciamento social é uma das principais formas de prevenção ao novo Coronavírus. Por recomendação do Centro de Operações de Emergência (COE), a Prefeitura de Teresina determinou a continuidade das restrições para o funcionamento das atividades econômicas nos próximos dois finais de semana. Em reunião realizada na manhã desta quinta-feira (13) com o prefeito Firmino Filho, os integrantes do Comitê destacaram que seria mais prudente manter as restrições considerando que foi registrado um crescimento de 11,8% nos atendimentos relacionados à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nas últimas duas semanas.

Após a avaliação dos dados relacionados à pandemia na cidade, o prefeito assinou o decreto nº 19.995 detalhando o que pode funcionar aos sábados e domingos. Com o novo decreto, nos próximos dois finais de semana (15 e 16 de agosto, e 22 e 23 de agosto) estão autorizados a funcionar apenas as seguintes atividades e estabelecimentos: farmácias e drogarias; serviços de saúde; serviços de segurança e vigilância; serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta, água e gás de cozinha; órgãos e profissionais de comunicação; serviços e rituais religiosos; situações comprovadas de urgências e emergências.

Teresina registra 412 novos casos de Covid-19 e 11 óbitos

Teresina registrou 412 novos casos de Covid-19 nesta quarta-feira (12), além de 11 mortes. É o que revela o boletim do Painel Epidemiológico elaborado diariamente pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Desde o início da pandemia até agora, a capital registrou um total de 20.929 casos e 812 mortes em decorrência da doença.

Os novos óbitos notificados ocorrerem nos dias 27 de julho, 5, 6, 10, 11 e 12 de agosto. Foram sete homens e quatro mulheres, com idades entre 60 e 89 anos. Todos tinham comorbidades, como doença neurológica crônica, doença cardiovascular, diabetes, doença pulmonar crônica, hipertensão arterial e tabagismo.

O prefeito Firmino Filho apresentou ontem, 12, em videoconferência, os resultados da 17ª rodada da pesquisa sorológica, feita entre os dias 07 e 09 de agosto em todas as zonas de Teresina. O levantamento expõe que 20% da população já foi infectada pelo novo Coronavírus. O estudo diz ainda que o índice de infectados recentes subiu 4%. A pesquisa também mostrou o aumento na taxa de transmissibilidade, ficando um pouco acima de 1. Na rodada anterior da pesquisa a taxa estava em 0,85, passando para 1,09 no levantamento mais atual.

HUT registra aumento de 11% no atendimento às vítimas de quedas

O Hospital de Urgência de Teresina registrou aumento de 11% no número de vítimas de quedas que deram entrada na unidade de saúde em julho deste ano. Ao todo, 448 pessoas sofreram acidentes domésticos deste tipo, a maioria delas idosos e crianças.

O levantamento divulgado, nesta quarta-feira (12), pelo Setor de Estatística do HUT compara os registros de quedas de julho com o mês anterior, que teve 405 atendimentos. Já no primeiro semestre deste ano, foram 3.408 vítimas atendidas na unidade de saúde. Os tipos mais comuns são quedas no mesmo nível (64%), por diferença de alturas (19%) e de sofá, rede ou cama (6%).

Durante o isolamento social, período em que crianças e idosos passam mais tempo em casa, é preciso redobrar os cuidados. “A ideia é proporcionar um ambiente doméstico seguro. Quem tem idoso em casa, deve evitar tapetes e objetos soltos no chão, deixar uma lâmpada acesa à noite para facilitar o direcionamento pelos corredores, implantar corrimãos. Já as crianças gostam de pular em camas e sofás, subir em árvores, e isso requer atenção maior dos pais”, explica Ayrana Aires, ortopedista do HUT.

O diretor geral do HUT explica qual o procedimento deve ser adotado em casos de traumas. “Dependendo da gravidade, a pessoa pode ir à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) mais perto de casa. Porém, em situações mais graves, deve acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que vai encaminhar o paciente ao HUT para receber os devidos cuidados”, orienta Rodrigo Martins.

O aumento na quantidade de traumas, tais como acidentes domésticos, de trânsito e quedas, reflete diretamente na taxa de ocupação dos leitos não covid. Segundo a direção geral do HUT, o cenário pode se agravar ainda mais já que outros hospitais permanecem com cirurgias suspensas.

“À medida que se amplia a flexibilização, observamos o aumento de vítimas de trauma, sendo que a maioria delas necessita de cirurgias. Porém, esses procedimentos eram feitos em outras unidades da rede pública de saúde, que permanecem sem receber pacientes não covid. Para se ter uma ideia, cerca de 25% das pessoas que dão entrada no HUT são do interior do Estado. Em tempos de coronavírus, é mais um desafio que estamos enfrentando no maior hospital do Piauí”, alerta o diretor geral.

Mais de 80% das pessoas com Covid-19 tiveram alta do Hospital do Monte Castelo

Rômulo Piauilino

Um levantamento divulgado nesta quarta-feira (12), pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), aponta que 80% das pessoas com quadro moderado ou grave da Covid-19 apresentaram melhora e tiveram alta médica no Hospital do Monte Castelo. Somente no mês de julho, foram atendidos 146 pacientes com a doença. Após a prestação da assistência em saúde, 117 puderam retornar para casa e 26 foram transferidos para outras unidades.

A Fundação também mostrou o perfil das pessoas atendidas naquele estabelecimento de saúde, direcionado para casos suspeitos ou confirmados da Covid-19. Do total de pessoas com a doença, 51% eram do sexo masculino e 51% idosos. As doenças crônicas mais frequentes foram: hipertensão (pressão alta), diabetes, obesidade, cardiopatia e asma, presentes em mais de 84% dos pacientes atendidos.

“O Hospital do Monte Castelo tem infraestrutura necessária para tratamento de pessoas com Covid-19 e conta com uma equipe qualificada, além disso, a gestão adotou todos os protocolos de assistência. Esses elogios também são feitos pelos pacientes que lá se encontram e recebem atendimento de excelência. Temos muitos casos de êxito na cura clínica da Covid-19”, ressalta a médica intensivista e diretora clínica do Hospital, Ana Tecla.

O Hospital do Monte Castelo, localizado na zona Sul de Teresina e administrado pela FMS, foi preparado para atender exclusivamente casos de internação clínica de pacientes com suspeita ou confirmação da Covid-19. O local tem 50 leitos, sendo 43 de internação e 7 de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), disponíveis para atender casos regulados de outros estabelecimentos de saúde.

Teresina registra mais 11 mortes por COVID-19

Teresina registrou 458 novos casos de Covid-19 na última terça-feira (11), além de 11 mortes. É o que revela o boletim do Painel Epidemiológico elaborado diariamente pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Desde o início da pandemia, a capital registrou um total 20.517 casos e 801 mortes em decorrência da doença.

Dos novos óbitos notificados, um ocorreu dia 30 de maio, oito ocorreram dia 10 de agosto e dois no dia 11 de agosto. Foram nove homens e duas mulheres, com idades entre 58 e 92 anos. Todos tinham comorbidades, como doença cardiovascular, obesidade, esquizofrenia, doença neurológica, doença pulmonar crônica e hipertensão arterial.

O agravamento do quadro de saúde de pessoas internadas devido à COVID-19 exige utilização de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Na capital, existem 371 leitos de UTI exclusivos para atender pessoas com COVID. A taxa de ocupação destas UTIs está em 63,88%.

Até o dia 11 de agosto a rede pública de saúde realizou 124.650 atendimentos a síndromes gripais e a rede particular atendeu 65.238 casos. Ao todo 7.372 pessoas estavam com quadro de síndrome respiratória aguda grave, ou seja, precisando de internação. Destas, 4.895 foram internadas na rede pública de saúde e 2.477 na rede privada.

Teresina registra mais de 40 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em crianças

De janeiro a agosto deste ano, Teresina registrou 43 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em crianças menores de 13 anos, sendo seis deles de Influenza A H1N1 e 37 de Covid-19. Os dados do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEPGripe) acendem um alerta sobre a baixa procura pela vacina contra a gripe e em relação à adoção de medidas de prevenção para evitar a disseminação do novo Coronavírus neste público.

O último balanço da Fundação Municipal de Saúde (FMS) apontou que a cobertura vacinal contra a gripe, causada pelos vírus Influenza A H1N1, H3N2 e Influenza B em crianças de seis meses a seis anos, está em 59.76%. A quantidade de casos este ano já ultrapassa o registrado durante todo o ano passado, quando quatro casos de Influenza foram confirmados, sendo um caso de Influenza H3N2 e três casos de Influenza B.

A diretora de Vigilância em Saúde da FMS, Amariles Borba, reforça que as crianças fazem parte do grupo de risco para a Inluenza, pois estão em desenvolvimento e o seu sistema imunológico encontra-se em formação. “Estudos epidemiológicos nacionais e internacionais mostram que as crianças, principalmente as menores de 5 anos, são as que mais desenvolvem a forma grave de doença viral respiratória e têm complicações que levam ao óbito”, alerta.

Em Teresina, a FMS segue imunizando pessoas pertencentes aos grupos prioritários da campanha de vacinação contra a gripe nas Unidades Básicas de Saúde que não realizam atendimentos relacionados às síndromes gripais. Nestes locais, uma série de cuidados estão sendo tomados para reduzir os riscos de contaminação pelo novo Coronavírus e garantir segurança à população na ida às salas de vacinação durante a pandemia.

Walfrido Salmito, médico infectologista da FMS, explica que a vacina da gripe não tem eficácia contra o novo Coronavírus, e que mesmo com evidências de que a Covid-19 afete com menos frequência e menor gravidade as crianças em relação aos adultos, as medidas de prevenção são necessárias e os cuidados com esta faixa etária precisam ser reforçados.

“É importante que as crianças tenham hábitos de higiene, usem máscaras a partir dos dois anos de idade e respeitem o isolamento social. Embora não façam parte do grupo de risco para Covid-19, elas podem ser infectadas pelo novo Coronavírus. A maioria não apresenta sintomas, mas as que têm sintomas devem buscar atendimento médico”, orienta o infectologista.

Lar da Fraternidade começa a receber idosos positivados por Covid-19

A Unidade de Acolhimento Emergencial do Lar da Fraternidade começa a receber, a partir de hoje (11), idosos que residiam em outras Instituições de Longa Permanência (ILP) da rede socioassistencial de Teresina e foram positivados para o Covid-19.  O objetivo é oferecer um isolamento seguro e confortável, necessário para que se evitem novos contágios nessas unidades.

O espaço conta com 25 leitos, equipe formada por enfermeiras, técnicos de enfermagem e cuidadores e será gerenciado pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi). “Já estamos com o serviço à disposição da sociedade e já temos a previsão de receber três idosos nesse primeiro dia. Os nossos leitos são 25, mas não desejamos preenchê-los e torcemos para que nossos idosos não se contaminem”, informa Mara Beatriz, coordenadora do Lar da Fraternidade dentro de seu novo eixo de atuação.

O idoso referenciado tem de ser assintomático ou possuir sintomas leves, não sendo necessária nenhuma intervenção médica mais agressiva.  Essa condição será reavaliada pela equipe de saúde a cada três horas, de forma criteriosa, de forma que se identifique rapidamente qualquer evolução súbita.  Se observada, é realizado um encaminhamento para a rede hospitalar. “A rede municipal em sí, é interligada e muito organizada”, explica Ana Maria Almeida, enfermeira à frente da equipe. “Com a criação do Lar, tendo esse apoio, serão vários braços dentro da própria Fundação Municipal de Saúde que podemos contar”, afirma.

A FMS vem fazendo parte da articulação desde o seu início, tendo cedido o espaço, que a princípio receberia um hospital de campanha, e garantindo todos os profissionais do Serviço de Atenção Básica. A Semcaspi se responsabiliza pelo fornecimento de alimentação, produtos de higiene e limpeza e pelo encaminhamento de cuidadores, que farão o acompanhamento dos idosos em suas atividades diárias e tratamento. Os impactos psicológicos tanto do diagnóstico positivo como do isolamento também serão objetos da atenção desses colaboradores.

“É feita toda uma elaboração da assistência da enfermagem para abranger tanto a parte psicológica quanto a parte clínica, e reduzir as sequelas. O idoso já vem de um isolamento de quase quatro meses, já que os abrigos não estão podendo receber visitas. Vamos tentar equilibrar tanto sua saúde, quanto seu emocional, para que possamos devolvê-lo, após os 14 dias, com o mínimo de sequelas psicossociais possíveis”, ressalta Ana Maria.

 

Teresina registra 243 novos casos de COVID-19

Teresina registrou 243 novos casos de Covid-19 na última segunda-feira (10), além de quatro mortes. É o que revela o boletim do Painel Epidemiológico elaborado diariamente pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Desde o início da pandemia, a capital registrou um total de 20.059 casos e 790 mortes em decorrência da doença.

Dos novos óbitos notificados, um ocorreu dia 6 de julho, um no dia 19 de julho, um no dia 9 de agosto e outro no dia 10 de agosto. Foram dois homens e duas mulheres, com idades entre 27 e 78 anos. Todos tinham comorbidades, como doença neurológica, diabetes, obesidade e hipertensão arterial.

Uma das estratégias de contenção da disseminação do novo coronavírus é o rastreamento de contatos. Teresina conta com oito Centros de Rastreamento e Testagem (CRT), que são espaços específicos para a realização de testagem, mediante agendamento, dos contatos de pacientes que receberam o diagnóstico positivo de Covid-19.

O objetivo dos CRTs é concentrar, em pontos espalhados pela cidade, a testagem de pessoas assintomáticas que moram com pacientes diagnosticados nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) através do teste laboratorial do Lacen realizado nos hospitais. Também estão sendo direcionadas para estes locais as pessoas que contactaram a FMS por meio do serviço Testa Teresina, conforme orientação recebida durante atendimento via whatsapp.

Todos os testes são feitos exclusivamente mediante agendamento prévio, dando prioridade ao local mais próximo onde o paciente foi atendido. “Após o diagnóstico, a FMS entrará em contato por telefone com o paciente testado positivo para marcar de forma organizada o teste rápido de seus contatos domiciliares”, esclarece o diretor de Atenção Básica do órgão, Kledson Batista.

O diretor ressalta, porém, que apenas farão testagem nos CRTs as pessoas que, apesar da convivência, não apresentaram sintomas gripais. “Os contatos sintomáticos serão testados nas UBSs, onde também receberão atendimento médico”, destaca Kledson.