SDUs demarcam espaços em feiras livres e orientam colaboradores


A feira livre é um dos setores de comércio autorizados a funcionar neste período de pandemia em Teresina. Para evitar aglomerações nesses locais, as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada região da cidade implantaram uma nova distribuição e organização das barracas, deixando mais espaço livre para circulação. Com essa medida, as pessoas que vão fazer compras podem circular com mais segurança.

O superintendente Executivo da SDU Centro Norte, Márcio Sampaio, ressalta que organização das barracas nas feiras livres está sendo realizada de acordo com as orientações a Organização Mundial de Saúde (OMS). “Fizemos a demarcação nos Mercados do São Joaquim e do Mafuá. Estamos trabalhando para a segurança de todos que circulam e que trabalham no local. Além da organização e higienização, levamos uma pessoa da FMS para explicar para os colaboradores dos mercados a necessidade dessas medidas para a saúde de todos”, acrescenta.

A engenheira Araci Parente, da SDU Centro Norte, explica que a demarcação foi feita nas áreas de feiras livres para evitar que as pessoas que estão fazendo compras fiquem muito próximas uma das outras. “Organizamos as barracas para que as pessoas possam fazer as compras com mais tranquilidade e segurança”, acrescenta.

Araci reforça que, além da demarcação, os feirantes receberam as orientações de limpeza e de organização no acondicionamento do lixo. “Conversamos com todos eles e mostramos a importância de todas as medidas para evitar a disceminação do Covid 19”, explica.
A engenheira explica que conta com a colaboração dos feirantes no sentido de respeitar a delimitação previamente marcada. “Mostramos ainda a importância de nova organização nas feiras. Além disso, ressaltamos a necessidade do uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), assim estaremos nos protegendo e cuidando também da segurança das pessoas que vão às compras. Vamos fazer também um trabalho de fiscalização a fim de assegurar a proteção de todos”, alerta.

Já na zona Sudeste, as feiras livres dos bairros Dirceu I e Renascença, que já tiveram os espaços demarcados, são alvos constantes de fiscalização. Os agentes da Gerência de Controle e Fiscalização (GCF), em parceria com a Guarda Municipal, fazem vistorias nos locais, orientando sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras, higienização das mãos e superfícies e distanciamento entre barracas, vendedores e clientes.

Além disso, assistentes sociais da Gerência de Habitação também fizeram o cadastro socioeconômico dos barraqueiros e monitoram a situação das famílias. “Como se trata de uma atividade essencial, que possui permissão para funcionamento, é muito importante que estejamos atentos ao cumprimento das normas nas feiras. O objetivo principal é evitar aglomeração e promover a conscientização tanto de barraqueiros quanto de consumidores”, alerta Isaac Meneses, superintendente da SDU Sudeste.

Em quatro meses SDUs recolheram quase 80 mil toneladas de lixo irregular

O descarte irregular de lixo em ruas e avenidas da cidade é um dos fatores responsáveis pela obstrução da passagem de águas naturais e entupimento de galerias e bueiros, por isso o trabalho das equipes de limpeza das Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) é essencial. Durante a pandemia, o cronograma de limpeza urbana é executado normalmente durante todos os dias.

Somente no período de janeiro a abril, as SDUS  recolheram 79.651,91 mil toneladas de lixo descartado irregularmente em áreas públicas.  A SDU Centro/Norte recolheu 17.299,56 mil toneladas de lixo na região, sendo 10.040,27 coletados manualmente e 7.259,28 toneladas recolhidas de forma mecanizada. Já a SDU Sudeste recolheu um total de 14.263,01, sendo 3.412,60 coletados manualmente e 10.850,41 de maneira mecanizada.

Na zona Leste o total da coleta, nos quatro primeiros meses do ano, foi 27.200 toneladas de lixo sendo 5.863,79 manual e 10.151,06 mecanizada. Já na SDU Sul, no mesmo período, recolheu 20.889,34 sendo 11.421,18 manual e 9.468,16 de maneira mecanizada.

O superintendente executivo da SDU Centro Norte, Márcio Sampaio, avalia que houve um crescimento na quantidade de lixo recolhido de forma mecanizada nas áreas de transbordo. Isso é resultado das famílias estarem mais tempo em casa, e assim gerando mais lixo. “Estamos com o nosso pessoal sempre atento nesse trabalho de coleta, mas é preciso que as pessoas colaborem e nos informem os pontos mais críticos”, disse.

O gerente de Serviços Urbanos da SDU Centro Norte, José Neto, enfatiza que o trabalho de coleta e limpeza faz parte do trabalho diário da gerência, mas é preciso que a população evite depositar lixo de maneira irregular, especialmente neste período de pandemia em que as pessoas, por estarem mais tempo em casa estão gerando mais lixo. “Mesmo agora estamos trabalhando todos os dias para coletar lixo e assim proporcionar uma melhor qualidade de vida para os moradores da região”, enfatiza o gerente.

Segundo o gerente de Serviços Urbanos da SDU Sudeste, Isaú Pereira, durante a pandemia foi notado um aumento no volume de lixo irregular. “Era esperado que, com as medidas de isolamento social em casa, houvesse redução na quantidade de lixo em ruas e espaços públicos. Mas essa diminuição não aconteceu, permanecendo o descarte irregular e frequente em ruas, avenidas, terrenos baldios e galerias”, destaca o gerente.

O lixo gerado pela população, que é descartado de forma irregular em ruas e avenidas da cidade é considerado, ainda, um dos fatores responsáveis pela obstrução da passagem de águas naturais e entupimento de galerias e bueiros, o que causa transtornos, principalmente em período chuvoso.

Dentre os serviços desempenhados pelos integrantes da equipe estão a manutenção de viveiros, serviços de poda de árvores, capina e também o processo de transplantio em alguns pontos considerados áreas verdes.

A população precisa colaborar para evitar o acúmulo ou descarte irregular. A participação da comunidade é fator importante para evitar o acúmulo ou descarte irregular de lixo em áreas de proteção ambiental. O cidadão também pode ajudar e informar casos de depósito irregular através do aplicativo Colab.

Praças, ruas e avenidas recebem limpeza das SDUs nesta segunda-feira (11)


A Prefeitura de Teresina está intensificando a programação de limpeza pública em praças, ruas e avenidas da capital. O esforço integra uma das ações dos órgãos municipais de promover a limpeza de grandes áreas verdes e públicas da cidade, além de agir na manutenção de viveiros, serviços de poda de árvores, capina e também o processo de transplantio em alguns bairros.

Na zona Leste, as praças que recebem os serviços de capina e poda estão localizadas na Rua Manoel Nogueira Lima, próximo à Vice-Prefeitura, bairro Jóquei Clube, bem como nas Avenidas Nossa Senhora de Fátima e João Antônio Leitão. Além das praças, 11 bairros da região Leste também são contemplados com a limpeza nesta segunda-feira (11). São eles: Ininga, Piçarreira, São João, São Cristóvão, Zoobotânico, Santa Isabel, Jóquei, Pedra, Morada do Sol, Fátima e Planalto Uruguai.
As avenidas Presidente Kennedy, Coronel Costa Araújo, Homero Castelo Branco, Dom Severino, Avenida dos Ipês, Raul Lopes, Zequinha Freie e a Avenida Lindolfo Monteiro são alguns dos pontos que recebem as ações de limpeza da SDU Leste.

Sobre os serviços desempenhados, o gerente de Serviços de Urbanos Leste, Renato Lopes, explica que a ação é feita por etapas para garantir a manutenção de todos os espaços públicos da região. “A gerência de limpeza destina frentes de trabalho para realizarem a manutenção de viveiros e serviços de poda de árvores. Estamos atuando de forma cautelosa e respeitando as recomendações do órgão de saúde para proporcionar uma melhor qualidade de vida para os moradores da região”, declarou.

Na zona Sul, as equipes iniciaram os trabalhos dessa semana em locais como na Praça da Integração, no Parque Piauí; e nas praças Gentil Macedo e das Palmeiras, no conjunto Saci. Além disso, espaços como o campo de Futebol da comunidade Salobro e a área verde do Vamos Ver o Sol também terão essa ação. “Limpeza é um serviço essencial e por isso estamos mantendo o mesmo ritmo, obedecendo nossa programação”, lembrou o superintendente da SDU Sul, Paulo Roberto.

As avenidas Henry Wall de Carvalho e Getúlio Vargas, e ruas como a Costa Rica (Cristo Rei), Jornalista Zilma Martins (Saci), Rua Adad (Torquato Neto), entre outras estão recebendo as equipes de capina e varrição também integram as ações da região Sul. O órgão está utilizando ainda uma roçadeira mecanizada para limpeza uma ampla área verde no Torquato.

A SDU Sudeste também segue com a programação diária de limpeza urbana. Dirceu I e II, Renascença, São Sebastião, Parque Jurema e Loteamento Manoel Evangelista são alguns dos bairros que recebem os serviços.
Já na SDU Centro Norte, as equipes estão fazendo limpeza nos seguintes bairros: Matinha, Ilhotas, Cabral, Centro, Jacinta Andrade, Mafrense, Matadouro, Santa Maria, Primavera, São Joaquim, Matadouro e Parque Alvorada. Além disso, há ainda equipes nas praças do Hospital e da Igreja da Primavera, bem como atuando nas áreas de transbordo das Avenidas Boa Esperança, Batalha e nas ruas Campo Maior e Jim Borralho.

SDUs fazem o acompanhamento de filas em agências lotéricas da cidade

Dando continuidade às ações de combate ao novo coronavírus, os profissionais das Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) estão organizando as filas de pessoas nas agências lotéricas de Teresina. A medida segue a recomendação do decreto da Prefeitura de manter o distanciamento mínimo de dois metros entre as pessoas e filas nos bancos, lotéricas e instituições financeiras a fim de evitar aglomerações.

Nas zonas norte e centro, foram colocadas equipes de reforço em 25 pontos onde podem surgir aglomerações, sendo 19 casas lotéricas e seis correspondentes bancários, nos turnos manhã e tarde. Segundo a gerente de obras da SDU Centro Norte, Patrícia Santos, é feito um monitoramento diário desses pontos e caso seja identificado um local com maior fluxo, a equipe reforça o trabalho educativo.

Patrícia explica ainda que nos locais de menor movimento há uma pessoa para orientar, e nos dez pontos com maior fluxo foram colocadas duas pessoas para realizar esse trabalho, todas devidamente identificadas. “Além dessas equipes, estamos com carro de som nos bairros orientando as pessoas a se posicionarem da maneira correta nas filas. Disponibilizamos ainda o áudio para que as casas lotéricas e correspondentes bancários coloquem no sistema interno de som desses locais”, diz.

Já na zona leste, segundo o gerente de Controle e Fiscalização da SDU Leste, Lupércio Medeiros, as orientações estão acontecendo nas agências de maiores fluxos da região. “Atuamos nas casas lotéricas das Avenidas Dom Severino, Presidente Kennedy, além dos bairros São João e Vila Maria. A fila da casa lotérica do Shopping Riverside também terá as orientações dos nossos agentes”, explica.

Na zona sul, o trabalho de organização das filas foi iniciado pela agência localizada na Avenida Airton Senna, no bairro Porto Alegre, e em outros pontos considerados grandes polos de atendimento, que são o Saci, Parque Piauí, Promorar e Bela Vista. O superintendente da SDU Sul, Paulo Roberto, afirma que a ação será ampliada para todas as 16 lotéricas da zona sul e seus correspondentes bancários.

Na zona sudeste, a SDU da região convocou terceirizados que estavam trabalhando em sistema home office para atuar na organização das filas. Cerca de 20 colaboradores fazem a demarcação das posições nas loterias e correspondentes bancários da zona sudeste, respeitando o distanciamento mínimo de dois metros e orientando para o uso de máscaras. As equipes estão devidamente uniformizadas com coletes reflexivos e equipadas com máscaras e álcool em gel.

Com a disponibilização do auxílio emergencial, as agências lotéricas tiveram aumento no fluxo de pessoas nas últimas semanas, causando aglomerações. Tal cenário pode contribuir, consideravelmente, para o aumento da proliferação do novo coronavírus. Para reverter essa situação e amenizar os riscos de contaminação, o prefeito Firmino Filho havia se reunido, na última quinta-feira (30), com os representantes das quatro SDUs, solicitando o acompanhamento por parte dos agentes de fiscalização para manter a organização e o distanciamento entre as pessoas.

SDU Centro Norte inclui 46 famílias no Programa Família Solidária

De janeiro a abril deste ano a Superintendência de Desenvolvimento Urbano SDU Centro-Norte incluiu 46 famílias, que viviam em áreas ribeirinhas e de risco, no Programa Família Solidária. Essas pessoas moravam no Leonel Brizola, Parque Wall Ferraz, Nova Brasília, Dilma Rousseff, Poti Velho, Padre Humberto, Cristalina, Parque Stael, Vila Apolônia e Parque Brasil I, II e III.

De acordo com a gerente de habitação da SDU Centro Norte, Valmira Rodrigues, a adesão dessas famílias ao programa foi resultado de muitas visitas e diálogos. “Fazemos o trabalho de monitoramento o ano inteiro, por isso temos conseguido aumentar a quantidade de famílias beneficiadas pelo programa. Até hoje, já conseguimos acrescentar mais 17 famílias. Com isso, somamos o total de 46 beneficiadas”, enfatiza.

Valmira também explica que esse trabalho é feito em parceria com a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e tem conseguido garantir a segurança de muitas pessoas. “Essa ação garante moradia temporária para essas famílias por um período de seis meses a um ano, proporcionando um local digno para eles”, disse.

As assistentes sociais e técnicos fazem um trabalho diário nessas áreas e contam com a colaboração das lideranças comunitárias no sentido de conversar com as famílias para aceitarem a adesão ao programa. “Acompanhamos a rotina de vida dessas pessoas e por isso quando conseguimos fazer adesão das famílias ao programa é uma grande conquista’’, acrescenta.

A dona de casa Adriana Conceição da Silva, 36 anos, que reside no Parque Brasil I, relata que desde que foi incluída no Programa Família Solidária, há dois meses, está mais segura, pois a casa onde morava corria risco de alagamento no período chuvoso.  “Morava na minha casa com meus dois filhos, um de nove anos e o mais novo de três meses, e toda vez que chovia ficava com medo, mas desde que vim para o programa estou mais tranquila”, enfatiza.