Defesa Civil já atendeu 160 famílias que vivem sob risco de desabamento este ano

Neste período chuvoso, a Defesa Civil do Município já atendeu 160 famílias que vivem em imóveis sob risco de desabamentos. Deste total, em torno de 15 já desabaram. Somente em  três dias deste mês, 116 famílias foram removidas dos locais de risco. A zona sudeste concentra 59% dos casos de desabrigamento, seguido da zona sul com 27%.

As famílias vítimas de enchentes estão sendo incluídas no programa Cidade Solidária, que dá apoio financeiro às pessoas que tiveram suas residências comprometidas por conta de desabamentos, alagamentos, transbordamento de rios ou lagoas, como também incêndios.

A Defesa Civil está fazendo um trabalho conjunto com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano de cada uma das quatro regiões de abrangência e os CRAS – Centros de Referência em Assistência Social.

Nesta segunda-feira (30), a ação foi concentrada nas ruas Veras de Holanda e Saturno, no bairro Porto do Centro. Foi encontrada uma residência em condições precárias e outro imóvel próximo a uma galeria desabou.

De acordo com o secretário Samuel Silveira, da Semcaspi (Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas), a Defesa Civil vem fazendo um trabalho de forma coordenada e segue um protocolo.

“Nós montamos um Comitê de Gerenciamento de Crise que funcionará na sede da Semcaspi, buscando o atendimento e abrigamento de famílias vítimas da subida do nível dos rios. As equipes de trabalho serão compostas por representantes dos CRAS e dos CREAS junto com os assistentes sociais das SDUs, estabelecendo pontos emergenciais de atendimento como o transporte de pessoas que estão em área de risco. Definimos ainda o alargamento dos plantões da central do número 153 até a meia noite e participação do Corpo de Bombeiros depois das 18h, quando houver chamado para a Defesa Civil”, disse.

A Prefeitura de Teresina disponibiliza para a população o número 153, canal direto de contato com a Defesa Civil Municipal. A ligação para o número é gratuita e permite que os teresinenses solicitem ao órgão o monitoramento, que pode ajudar na identificação e remoção das áreas de risco.

CRAS voltam a funcionar para atender beneficiários que receberão ajuda do governo

Os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) voltaram a funcionar nesta segunda-feira (31) para tirar dúvidas e realizar o atendimento dos cidadãos que irão receber o pagamento do auxílio que o governo federal destinará a trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus. A proposta foi aprovada na Câmara Federal e será votada no Senado. Pelo texto já aprovado, o cidadão receberá um auxílio de R$ 600 para conseguir manter a família durante a quarentena.

Ainda de acordo com o texto da proposta, poderão receber o benefício aqueles trabalhadores que não têm carteira assinada, microempreendedores individuais e desempregados, que tenham mais de 18 anos e se enquadrem nos critérios do CadÚnico (Cadastro Único), que é o registro de pessoas de baixa renda para que possam receber benefícios sociais.

O secretário Samuel Silveira, da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), convoca os servidores dos CRAS para o atendimento a esses beneficiários.

“A população tem no CRAS um apoio e informações sobre esse auxílio. Nesse momento de crise, não estamos medindo esforços para que os benefícios cheguem a quem mais precisa. Estamos fazendo um pedido para cada trabalhador do SUAS para que faça um esforço a mais, que defenda ainda com mais bravura aqueles vulneráveis e que nesse momento em que a cidade pede um pouco mais do nosso esforço que possamos estar juntos”, afirma Samuel Silveira

Trabalhadores autônomos podem se inscrever no Teresina Solidária para receber auxílio

O Teresina Solidária está fazendo cadastro de famílias chefiadas por trabalhadores autônomos para receberem cestas básicas durante a quarentena instituída para conter o novo coronavírus. A iniciativa foi idealizada pela Prefeitura de Teresina para atender às necessidades básicas desses trabalhadores contando com a solidariedade da população.

De acordo com o presidente da Prodater, Eduardo Aguiar, o acesso a esse auxílio ocorre através de um cadastro no site da Prefeitura [www.teresina.pi.gov.br]. Na página, o cidadão acessa o link TERESINA SOLIDÁRIA – REQUERIMENTO DE CESTA BÁSICA, e preenche o formulário com os seguintes dados:

1 – nome do responsável pelo núcleo familiar

2 – CPF (apenas números)

3 – Ocupação do responsável familiar

4 – Endereço completo (com pontos de referência)

5 – Telefone

6 – Quantidade de membros da família

7 – Quantos membros possuem atividade produtiva

8 – Quantos dias sem trabalhar

9 – Membros aposentados

10 – Membros que recebem Bolsa Família ou BPC (Benefício de Prestação Continuada)

11 – Renda mensal (sem vírgula)

12 – Nome completo e CPF de cada membro da família (separados por vírgula)

Com base nessas informações, os cadastros passam a ser analisados pela equipe de assistentes sociais e as cestas são entregues em seguida.

“É importante responder o formulário com as informações corretas e completas para que as equipes de assistência social do município possam avaliar e localizar as famílias”, ressalta Eduardo Aguiar, presidente da Prodater.

A plataforma foi desenvolvida através de parceria entre as secretarias de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), Fundação Wall Ferraz (FWF), Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e Prodater.

Colab

Também está disponível no Colab, aplicativo utilizado pela Prefeitura de Teresina como Ouvidoria, um questionário sobre a pandemia. A intenção é que, com base nas respostas dos cidadãos, a Prefeitura consiga mapear o avanço da doença na cidade.

Teresina Solidária passa a receber doações em dinheiro

Além das doações de alimentos e cestas básicas, a campanha Teresina Solidária está disponibilizando uma conta bancária do Banco do Brasil para receber doações em dinheiro. É mais uma alternativa para as pessoas que desejam ajudar os trabalhadores autônomos que suspenderam suas atividades em cumprimento às medidas de combate ao novo coronavírus.

Quem tiver interesse em doar qualquer quantia, pode depositar no Banco do Brasil na conta “Conta PMT Teresina Solidária”, Agência 3791-5, conta corrente 9.854-0, CNPJ 06.554.869/0001-64.

“Depois do lançamento do Teresina Solidária, várias pessoas nos procuraram manifestando seu desejo de ajudar, mas não poderiam fazer isso por meio de uma cesta básica e tinham desejo de fazer através da doação de um recurso financeiro. E pensando nas circunstância, geramos uma conta da Prefeitura para receber exclusivamente esse tipo de doação, com destinação própria para o Teresina Solidária. É a cidade, mais uma vez, abraçando a vontade de fazer mais pelo próximo”, disse Samuel Silveira, da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

O Teresina Solidária está recebendo as doações de gêneros alimentícios e cestas básicas desde sábado (28) em dois pontos de recolhimento, no horário das 8h às 13h, no Centro Paroquial de Fátima, localizado na Praça D. Avelar – Bairro de Fátima, e no depósito da Semcaspi, na Rua Pedro Freitas, nº 1995 – Bairro São Pedro.

Os donativos serão entregues às famílias pela rede de solidariedade cumprindo todo o protocolo de higienização das equipes da organização, formadas por servidores do município e representantes de entidades de assistência social. Todo o trabalho dos envolvidos na ação está sendo feito por escala e com uso de equipamentos de proteção individuais recomendados pelos órgãos de saúde.

As famílias que desejarem requerer o benefício, podem acessar a plataforma de cadastro que será disponibilizada no site da Prefeitura (www.teresina.pi.gov.br), colocando suas informações socioeconômicas básicas. As declarações passarão pela análise de técnicos da Semcaspi.

Prefeitura mantém atendimento e proteção de pessoas em situação de rua contra o coronavírus

O atendimento às pessoas em situação de rua e de vulnerabilidade social foi reorganizado em Teresina para manter a atenção e protegê-las da disseminação da covid-19. A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) está garantindo a distribuição de refeições do Restaurante Popular e do Centro Pop, evitando as aglomerações de pessoas, e a distribuição de itens de higiene pela Casa do Caminho.

Os abrigos de funcionamento 24 horas, direcionados a crianças, idosos e venezuelanos, permanecem ativos, reorganizados apenas por novas normas de higienização e segurança em combate à covid-19.

A Semcaspi está utilizando um veículo para levar essa alimentação até as pessoas. “Estamos evitando aglomerações e fazendo isso de uma maneira individual”, explica o secretário da Semcaspi, Samuel Silveira. Ainda segundo o gestor, é necessário manter o atendimento a essas pessoas, que dependem do poder público para ter acesso a serviços básicos.

A Casa do Caminho disponibiliza acolhida noturna, higienização, alimentação e articulação com a rede socioassistencial para garantir a proteção social às pessoas que estão em situação de rua. “Estamos tomando todos os cuidados necessários para que esses abrigos, que funcionam em confinamento, não possam proliferar o Coronavírus internamente”, afirma.

O projeto Consultório de Rua, que circula pela cidade fazendo atendimento na área de saúde para essa população em situação de rua, continua ativo. Esta equipe é formada por médico, enfermeiro, assistente social, psicólogo e redutor de danos. A equipe atende todas as demandas desses usuários, e quando necessário, encaminha para outros serviços da rede.  São  atendimentos  voltados para controle das doenças sexualmente transmissíveis, tuberculose, pneumonia, doença de pele, e relacionados a saúde mental, dentre outros.

O secretário explica também que a Semcaspi está atenta às orientações acerca do enfrentamento ao coronavírus em Teresina e vai adaptando os serviços de acordo com a necessidade. Ele anuncia que a Secretaria vem estudando novas medidas e a partir da próxima semana vai fazer sua implementação.

Prefeitura cria Programa Teresina Solidária para arrecadar alimentos durante pandemia

A Prefeitura de Teresina lançou, nesta sexta-feira (27), uma ação de apoio emergencial destinado aos trabalhadores autônomos, que suspenderam suas atividades em cumprimento a medida de combate ao novo Coronavírus. Chamada de Teresina Solidária, a iniciativa pretende mobilizar a população, a partir deste sábado (28), para fazer doações de gêneros alimentícios e cestas básicas através de uma plataforma que vai articular as ações do poder público municipal e da sociedade civil.

“Essa crise afetou principalmente os trabalhadores autônomos e pessoas de baixa renda. Precisamos apoiar essa parcela da população que mais precisa de ajuda nesse momento”, ressaltou o prefeito Firmino Filho.

As famílias poderão requerer o benefício a partir de amanhã (sábado) por meio de uma plataforma de cadastro que será disponibilizado no site da Prefeitura (www.teresina.pi.gov.br), colocando suas informações socioeconômicas básicas. As declarações passarão pela análise de técnicos da Secretária Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI).

Quem quiser ajudar, seguindo as orientações de prevenção, pode levar suas doações a partir de amanhã (28) em dois pontos de recolhimento, no horário das 8h às 13h: o Centro Paroquial de Fátima, localizado na Praça D. Avelar – Bairro de Fátima e o depósito da SEMCAPI, na Rua Pedro Freitas, nº 1995 – Bairro São Pedro. Todo o trabalho dos envolvidos na ação será feito por escala e com uso de equipamentos de proteção individuais recomendados pelos órgãos de saúde.

“Os donativos serão entregues às famílias pela rede de solidariedade cumprindo todo o protocolo de higienização pelas equipes da organização, formadas por servidores do município e representantes de entidades de assistência social”, afirma o secretário Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas , Samuel Silveira

Para a coordenadora do comitê, Janaína Carvalho, a ação é de extrema importância nesse momento de mudança na rotina das famílias. “Muitos trabalhadores perderam a capacidade de provisão das suas famílias. Os efeitos do atual contexto apresentado exigem de todos nós uma sensibilidade e uma atitude de solidariedade”, ressalta.

O trabalho de mobilização e divulgação será feito pelas redes sociais, imprensa e ainda contará com o apoio de entidades não-governamentais, líderes religiosos e com o Teresina Transforma, plataforma de voluntariado que já conta com 700 inscritos (teresinatransforma.pmt.pi.gov.br). Para mais informações, foram disponibilizados os telefones: (86) 3131-4729 e (86) 3131-4730.

A coordenação do programa está a cargo de um comitê formado pelas secretarias de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), Fundação Wall Ferraz (FWF), Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e Prodater. Nesta ação, a sociedade civil e ONG´s serão representadas pela Associação Social Arquidiocesana (ASA).

Mais de 230 famílias teresinenses recebem apoio através do Programa Cidade Solidária

Famílias acometidas por enchentes, incêndios, alagamentos e outros infortúnios seguem contando com atendimento emergencial por parte do Programa Cidade Solidária. Segundo o mais recente levantamento divulgado pela Gerência de Proteção Social Básica (GPSB) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), 231 famílias estão inclusas em um dos dois eixos de atuação do projeto de acolhimento: Residência Solidária e Família Solidária. Devido às circunstâncias atuais de pandemia, o plano de trabalho da articulação, que busca evitar as situações de aglomeração causadas pelo acolhimento coletivo vem assumindo nova relevância.

Segundo Kania Brito, coordenadora da GPSB da Semcaspi, os números correspondem à última folha de pagamento do mês de fevereiro. A previsão é que estes se elevem ainda mais, em decorrência das fortes chuvas que vêm acometendo a capital. “Estamos aguardando os cadastros das novas famílias atendidas, que serão enviados pelas Superintendências de Desenvolvimento Urbano”, explica Kania.

As novas famílias poderão ou indicar uma família para realizar o seu acolhimento, mediante recebimento de bolsa, ou direcionar auxílio-aluguel para família locadora de uma nova residência segura. O período de quarentena vem dando preferência a operacionalização do segundo caso. O cadastro pode ser realizado após solicitação de visita da Defesa Civil Municipal, que identifica as situações de risco e realiza as remoções, juntamente com a equipe dos CRAS e das SDUs.

Os Centros de Referência em Assistência Social fazem parte da equação identificando as demais necessidades do grupo familiar; caso se identifique o cenário das mesmas, também são oferecidas cestas básicas, kits acolhimento e kits de limpeza. Embora os servidores da Semcaspi e suas unidades, entre elas os CRAS, cujos atendimentos de natureza coletivas estão em suspensão, estejam funcionando em escala de trabalho para manutenção dos serviços essenciais à população, as equipes que operam o Cidade Solidária seguem trabalhando na normalidade, sendo tomadas as devidas medidas de segurança.

“Nossas equipes seguem em atividade, articuladas com as SDUs, para oferecer o atendimento essencial que essas famílias precisam. Estamos garantindo sua dignidade frente a esses infortúnios, adotando as medidas de higienização e distanciamento necessárias para que nossos colaboradores e usuários estejam seguros”, explica o secretário da Semcaspi, Samuel Silveira. “Pedimos que o resto da população continue cumprindo as medidas de quarentena, de forma que aqueles que têm de continuar na rua, atendendo à população, corram menos risco”.

A Defesa Civil também segue suas atividades, em plantão, para assegurar que as famílias possam seguir a quarentena em residências seguras. A população pode solicitar a Defesa através de ligação gratuita para o 153. Também se pode conhecer mais sobre o Cidade Solidária por meio do número (86) 3215-7593 ou do site e das redes sociais da Semcaspi e da Prefeitura de Teresina

 

Covid-19: Abrigos fazem trabalho de conscientização com os Venezuelanos

Ascom\Semcaspi

Técnicos da Fundação Cajuína responsáveis pela manutenção dos abrigos do CSU do Buenos Aires e do Piratinga, que estão acolhendo os venezuelanos em Teresina, fizeram uma série de atividades para explicar sobre o trabalho de prevenção devido à pandemia da Covid-19.

Nos últimos dias, os profissionais estiveram nos espaços colocando cartazes com ilustrações na língua original da etnia “Warao” e ministraram palestras explicando sobre a pandemia e as medidas tomadas pelo município. As equipes contaram com o apoio da Antropóloga Lilia Gabriela Castelo Branco e do professor venezuelano, Yovini Eulálio, que é morador de um dos abrigos.

De acordo com Mayra Veloso, gerente de Proteção Social Básica (GPSB) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), as atividades diárias que estão sendo desenvolvidas nos abrigos fazem parte das medidas de conscientização da doença que foram tomadas pelo poder público nos últimos dias na cidade de Teresina.

“Cada abrigo tem uma equipe específica que faz o monitoramento diário das atividades que necessitam ser desenvolvidas dentro dos espaços. Estamos fornecendo toda a estrutura necessária para que seja feita da melhor forma possível e consiga fazer esse trabalho de prevenção com os venezuelanos“, disse a gerente.

Os venezuelanos tiveram acesso às informações sobre a doença através de vídeos e métodos de prevenção por meio de aulas de higienização das mãos, explicações sobre o isolamento social e de atendimento médico aos que apresentarem algum sintoma da doença.

“Nós mostramos vídeos e eles também tiveram acesso a outras informações com os venezuelanos que estão sendo acolhidos em outros estados. Fizemos ainda as palestras no espanhol e o professor Yovini Eulálio fez a tradução para a língua original deles, para que todos compreendessem o que estava sendo ministrado e adotassem uma nova rotina de cuidado e prevenção”, disse Maria Gorete, coordenadora do abrigo Piratinga.

Além das palestras, vários materiais explicativos foram espalhados pelos abrigos para que haja uma interiorização maior das informações e as crianças receberam alguns brinquedos educativos para manter as atividades lúdicas dentro dos espaços.

“Explicamos a proibição na entrada de pessoas que não foram chamadas pela coordenação dos abrigos e de maneira bem interativa sobre como se deve manter as mãos higienizadas, porque alguns deles ainda saem para comprar algum produto nos estabelecimentos comerciais da região. A equipe também conversou com eles sobre a necessidade de uma ajuda médica emergencial, caso algum sintoma seja constatado dentro do abrigo. Apesar da resistência inicial, eles acolheram todas as informações, perceberam a gravidade da pandemia e demonstraram cooperação”, explicou Ana Luiza Martins, coordenadora do Abrigo do CSU no bairro Buenos Aires.

Os migrantes indígenas da etnia Warao chegaram a Teresina no dia 13 de maio de 2019 e estão refugiados devido à crise econômica e política na Venezuela. Atualmente, 193 venezuelanos estão sendo acolhidos nos dois abrigos.

Guarda Municipal interdita mais de 950 estabelecimentos abertos de forma irregular

 

Ascom/ SEMCASPI

O levantamento feito pela Guarda Civil Municipal (GCM) apontou que nos últimos dois dias 396 estabelecimentos foram fechados em Teresina. Desde sábado (21), 959 foram interditados pelas equipes da GCM que estão trabalhando em toda a zona urbana da cidade. Os dados mostram ainda que foram feitas 823 denúncias pela população através do aplicativo “Colab”, telefones e redes sociais da Prefeitura de Teresina.

Acompanhando pessoalmente as abordagens, o secretário Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), Samuel Silveira, afirmou que algumas pessoas seguem desrespeitando o Decreto Municipal 19.540 e ainda não conseguiram compreender a necessidade do isolamento social como forma de prevenção do Covid-19.

“A gente tem reforçado em todas as abordagens a necessidade do cidadão de ficar em casa. É preciso evitar qualquer tipo de aglomeração que possa fazer a propagação do vírus. Nós colocamos todas as ferramentas que temos por meio da tecnologia a disposição da população para que possa denunciar”, disse o secretário.

Os estabelecimentos que não respeitarem o decreto do prefeito Firmino Filho estão sujeitos a fechamento permanente através da cassação do alvará e a aplicação de multa.

“Não esperamos chegar a uma medida drástica como essa de fechamento permanente dos estabelecimentos, mas pedimos a colaboração das pessoas para que assim a gente consiga evitar a propagação do vírus em nossa cidade”, explicou.

Para formalizar a denúncia, a população pode utilizar o aplicativo de celular “Colab” e os telefones 153, (86) 3215-9317 ou falar diretamente com o WhatsApp da Guarda Municipal, por meio do número (86) 99438-0254.

O decreto municipal determina a suspensão do funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais, de serviços e industriais, bem como as atividades da construção civil, com exceção apenas de alguns serviços essenciais. O decreto estabelece, ainda, que fica permitido o funcionamento de setores administrativos de alguns estabelecimentos, desde que seja realizado remoto e individualmente. Farmácias, supermercados e os serviços de saúde permanecerão abertos, assim como os deliverys. Os postos de gasolina deverão funcionar das 7h às 19h, com a suspensão do funcionamento das lojas de conveniência localizadas nesses locais. A intenção é manter todos que podem estar em casa durante esse momento de calamidade seguros das várias e fáceis formas de contágio pelo Covid-19.