Semcaspi expediu mais de 7.300 cartões do Passe Livre no ano de 2020

Mesmo com a pandemia da Covid-19, a Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), expediu 7.334 cartões do Passe Livre, no período de janeiro a dezembro de 2020. Os cartões Passe Livre garantem a gratuidade no transporte público de Teresina para idosos e pessoas com deficiências.

Segundo os dados do Núcleo de Cidadania da Semcaspi, no ano de 2020, foram contemplados com o cartão Passe Livre, tanto de 1ª via, quanto de 2ª via, 4.635 idosos e 2.699 pessoas com deficiências.

De acordo com a secretária da Semcaspi, Eliana Lago, mesmo com a pandemia da Covid-19, os números de expedição do Passe Livre são considerados satisfatórios, tendo em vista os cinco meses de atividades suspensas.

“Nos meses de fevereiro e março de 2020, que antecederam a pandemia, a gente percebe um número bem elevado de expedição de cartões do Passe Livre. Só em fevereiro, foram 1.913 e março 1.491. Com retorno das atividades, o número caiu significativamente. E em setembro, foram apenas 761 expedições de cartões. Já em dezembro, foram 802 expedições, sendo o mês com maior percentual de expedição do Passe Livre registrado no segundo semestre do ano”, esclareceu a secretária.

Para a secretária Eliana Lago, a proposta para o ano de 2021 é aumentar este número, possibilitando que o público-alvo, os idosos e pessoas com deficiências, seja contemplado de forma mais ampla.

“Pretendemos ampliar este número e estamos fazendo os atendimentos com base nos protocolos de segurança contra a Covid-19 para eliminar as chances de transmissão da doença entre nossos assistidos. Na gestão do Doutor Pessoa, o cuidar das pessoas tem sido uma das principais metas e vamos seguir esta proposta com muita responsabilidade”, ressaltou.

O aposentado Domingos Lima, 67 anos, morador do Bairro Poti Velho, zona Norte, conta que, apesar de preferir andar de bicicleta, o benefício ajuda bastante quando precisa se deslocar para lugares mais longes de sua região.

“Eu adoro andar na minha bicicleta, mas claro que têm locais muito longe que não dá para ir pedalando. O Passe Livre melhora e muito a nossa vida. Ainda mais em um momento de crise como este que estamos vivendo”, destacou.

No ano de 2020, foram contemplados com o cartão Passe Livre, tanto de 1ª via, quanto de 2ª via Foto(Ascom/Semcaspi)

Saiba como expedir a carteira do Passe Livre

Os interessados em obter o benefício do Passe Livre devem se dirigir a uma das 19 unidades do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), apresentando o RG, CPF e comprovante de residência. O público-alvo é de idosos a partir de 65 anos, e pessoa com deficiências.

Para as pessoas com alguma deficiência, seja física, auditiva, intelectual ou mental, visual ou múltipla, além dos documentos, como: RG, CPF e comprovante de residência, deve apresentar o laudo médico, que comprove a deficiência e ter renda familiar per capita de até um salário mínimo a meio salário por pessoa.

Em seguida, o solicitante, que preencher aos requisitos necessários para obter o benefício, terá o atendimento agendado pelo CRAS, para a expedição da carteira do Passe Livre, na sede da Semcaspi, que fica localizada na Rua Álvaro Mendes nº 861 (Centro/Sul).

Secretária da SEMCASPI, Eliana Lago

Semcaspi faz diagnóstico setorial para melhorar estruturas nos CRAS

A Prefeitura de Teresina por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), iniciou na manhã desta terça-feira, (12/01), visitas para realização de diagnóstico setorial nas sedes do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Foram visitadas as unidades: CRAS Norte I; CRAS Norte II; e o CRAS Norte V.

A iniciativa visa fazer um levantamento das demandas e saná-las, em prol de um melhor atendimento ao público e melhores condições de trabalho aos servidores.

Segundo a secretária da Semcaspi, Eliana Lago, as visitas estão sendo realizadas para que as condições estruturais das sedes dos CRAS sejam melhoradas, a fim de criar um ambiente mais saudável, funcional e eficaz.

“A gente acredita que melhorar a estrutura física dos CRAS é de suma importância, tanto para os servidores quanto ao público que é atendido. Na gestão do Doutor Pessoa, a ideia é ouvir as demandas e solucionar os problemas. Muitas vezes, são situações simples, como ar-condicionado quebrado, falta de computador, vazamento, necessidade de retelhamento e até de uma pintura”, ressaltou a secretária.

Para a gerente do CRAS II, Milce Borges, esta articulação entre a Semcaspi e os CRAS vai possibilitar um amplo diálogo e principalmente, a solução para os problemas nas estruturas físicas, que as sedes enfrentam diariamente.

“Esta aproximação vai ajudar as equipes a compreender sobre por onde caminhar e se o que estamos fazendo está sendo satisfatório. Queremos realizar muitos atendimentos, mas também queremos qualidade naquilo que entregamos ao público assistido. Tenho certeza que com este olhar sensível da Prefeitura, vamos conseguir”, pontuou Eliana Lago.

De assistido a voluntário

Carlos Augusto Rodrigues da Silva, de 26 anos, conhecido como Carlinhos, além de ser um dos assistidos e um dos voluntários, deu nome ao CRAS II “Carlos Augusto Rodrigues da Silva”, localizado no Mafrense, zona Norte de Teresina, bairro onde mora. Ele, que tem hidrocefalia e anomalia no corpo, conta que foi no CRAS que conseguiu se sentir incluído na sociedade.

“Muito mais do que ser homenageado pelo CRAS, acredito que com as ações de inclusão, a gente passa a ter representação na sociedade. Além de eu ser assistido, eu procuro incentivar e motivar outras pessoas que também precisam se sentir incluídos e entender seus direitos”, destacou Carlos Augusto.

Semcaspi visita conselhos tutelares para ouvir demandas e propõe melhorias nas sedes

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), realizou na manhã desta segunda-feira, (11), visitas às sedes dos conselhos tutelares de Teresina para ouvir demandas. A ideia é compreender as necessidades e carências, em busca de melhorar o atendimento ao público.

A equipe da Semcaspi visitou o II Conselho Tutelar, localizado no bairro Dirceu Arcoverde; III Conselho Tutelar, no bairro Vermelha; I Conselho Tutelar, na região Centro/Norte; V Conselho Tutelar, no bairro Santa Maria da Codipi. O Conselho Tutelar IV foi o único que não foi visitado por estar, temporariamente, fechado devido aos casos da Covid-19.

De acordo com a secretária da Semcaspi, Eliana Lago, dentre as demandas encontradas estão: falta de computadores e internet, manutenção na estrutura física e segurança nas sedes.

“Foi muito importante estas visitas porque conseguimos melhor apurar o que os conselhos tutelares realmente precisam para funcionar com mais agilidade e praticidade. A gestão do Doutor Pessoa se propõe, exatamente, a isso, queremos ouvir as demandas e resolvê-las. Acredito que o trabalho em conjunto e o alinhamento dos objetivos que buscamos vão contribuir para melhor atender o público que busca o apoio dos conselhos”, ressaltou.

Para Teleno Nobre, conselheiro tutelar do bairro Santa Maria da Codipi, são demandas que têm dificultado o trabalho dos conselheiros e que são de fácil resolutividade.

“Para que possamos atuar da melhor forma possível, é preciso melhorar nossas condições de trabalho, que vão desde o material, a estrutura física e própria segurança das equipes dentro das sedes.

Diariamente, vivenciamos situações delicadas que exigem muito da gente e sem a devidas estruturas, o trabalho se torna bem complexo e fica comprometido. Este olhar mais atento que a Prefeitura de Teresina está nos dando tem mostrado comprometimento e é de suma importância para que o nosso público seja atendido dentro do esperado”, destacou.

O conselheiro Teleno Nobre ressaltou ainda a necessidade de ampliar o número de conselhos tutelares em Teresina. “Com base no Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), para cada 100 mil habitantes é necessário um conselho e em Teresina deve ter, no mínimo, oito”, finalizou.

Semcaspi e Fundação Wall Ferraz oferecerão capacitação profissional aos venezuelanos

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), realizou na manhã deste sábado, (09), visitas aos abrigos, onde estão os migrantes venezuelanos, com o intuito de verificar as atuais condições de vida e as demandas das famílias. Foram visitados os abrigos: CSU no Bairro Mocambinho e Piratinga, no Bairro Poti Velho, ambos localizados na zona Norte da capital.

(Foto: Ascom)

Na ocasião, foi firmada uma parceria entre a Semcaspi e a Fundação Wall Ferraz para a realização de oficinas de procedimentos estéticos, como cortes de cabelo e manicure.

De acordo com a secretária da Semcaspi, Eliana Lago, dentre as principais demandas das famílias venezuelanas estão: melhorias na estrutura física dos abrigos, acesso às escolas para crianças e adolescentes, e ainda, incentivo aos adultos para trabalhos, como obtenção de renda.

(Foto: Ascom)

“Estamos fazendo um levantamento das condições destas famílias, buscando diálogo a fim de compreender as reais necessidades, como forma de promover cidadania e dignidade. A ideia é viabilizar meios para que estas pessoas possam melhor viver na nossa capital, tirando elas da ociosidade. Inicialmente, vamos oferecer oficinas de capacitação profissional aos jovens e adultos, para que eles tenham um ofício”, esclareceu a secretária.

Segundo o presidente da Fundação Wall Ferraz, Maycon Silva, a partir desta semana, serão iniciados os processos de mobilização para a instalação das oficinas nos abrigos de famílias venezuelanas.

(Foto: Ascom)

“Nós identificamos a possibilidade da parceria entre a Fundação e a Semcaspi. E por meio do diálogo que realizamos com as famílias venezuelanas, foi pensado em uma oficina de cortes de cabelo e manicure. Para o momento, a oficina é mais viável de ser praticada e também possibilita um retorno mais rápido e prático”, pontuou o presidente da Fundação.

As famílias venezuelanas, que são indígenas da etnia Warao, chegaram em Teresina no dia 13 de maio de 2019, devido à crise econômica e política na Venezuela. Os três abrigos, juntos, possuem um total de 229 venezuelanos, dentre mulheres, homens e crianças.

Prefeitura intensifica monitoramento 56 áreas de riscos com risco de alagamento ou deslizamento em Teresina

Com o início do período chuvoso, a Prefeitura de Teresina tem intensificado o monitoramento das áreas vulneráveis a desastres, como alagamentos e deslizamentos, existentes em todas as zonas da cidade, através dos agentes de Defesa Civil da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

Fonte: Defesa Civil Municipal / Semcaspi

“Temos fortalecido o trabalho de monitoramento das 56 áreas de risco mapeadas, que são constantemente visitadas por nossas equipes. Nesses locais, verificamos a situação, que geralmente está relacionada a problemas com a obstrução de galerias e bueiros ou aumento do volume dos rios”, explica Antônio Linhares, agente da Defesa Civil Municipal.

Agentes da Defesa Civil Municipal (Foto: Rafael Sérgio / Semcom)

Neste sentido, a Prefeitura de Teresina tem dado ênfase às políticas públicas preventivas. Além da constante vigilância da situação nestas localidades, equipes das Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) também realizam a limpeza de bueiros e galerias.

Eliana Lago, titular da Semcaspi (Foto: Rômulo Piauilino / Semcom)

Da mesma forma, a Semcaspi elabora um plano para prestar assistência em caso de qualquer eventualidade. “Temos o olhar de cuidar de pessoas, que é a marca da gestão do prefeito Doutor Pessoa, desenvolvendo projetos junto as comunidade vulneráveis”, enfatizou a titular da pasta, Eliana Lago.

Vila Bairro Segurança: Prefeitura de Teresina e Fórum Nacional de Segurança apresentam livro sobre programa

Os resultados do Programa Vila Bairro Segurança (VBS) já estão, a partir desta quinta-feira (31), disponíveis à população através de um e-book que foi produzido pela Prefeitura de Teresina em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Criado em 2018, o programa teve como objetivo promover ações de prevenção e combate à violência nos 13 bairros que compõem o Projeto Lagoas do Norte. O livro está disponível no site da Semcaspi.

Durante sua execução, o Vila Bairro Segurança possuiu duas frentes de atuação. A primeira com medidas preventivas através dos projetos “Meu Bairro é Vivo”, “Sou Capaz”, “Teresina pela Paz” e “Educando para Prevenir”. E a segunda, nas medidas protetivas que foram desenvolvidas através dos projetos “Teresina Protege” e “Blitz Sufoco”. Visando a promoção dessas intervenções sociais de forma multissetorial, o programa contou com um trabalho integrado realizado pela Guarda Municipal de Teresina (GCM) em parceria com equipes de órgãos como Polícia Militar, Vara da Infância e Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (STRANS).

“Ao integrar diversas ações e atores sociais que atuam nas políticas públicas, o programa valorizou as dimensões territoriais e cenários socioeconômicos da área inicial definida para o seu primeiro momento de execução, que foi o território de abrangência do Parque Lagoas do Norte. O projeto buscou discutir e implementar ações na área da segurança pública no âmbito da gestão municipal e atender os anseios mais relevantes da população”, destaca a secretária de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), Janaína Carvalho.

A publicação aborda o Vila Bairro Segurança partindo do ponto de sua criação, o cenário vivenciado pelos moradores do Lagoas do Norte antes da implantação do programa e o legado deixado para o setor de segurança municipal. O material foi elaborado pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e pela Secretaria Municipal de Planejamento (Semplan). Os dados foram organizados pelo Fórum Brasileiro de Segurança.

O coordenador de projetos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, David Marques, explica que a publicação do e-book sobre o programa Vila Bairro Segurança sintetiza todo o processo de implantação na região de Lagoas do Norte e apresenta um modelo de articulação das várias frentes do poder público para pensar a prevenção à violência nos próximos anos.

“Muito foi feito até aqui. E esta publicação tem como objetivo reunir a experiência desenvolvida neste período, apontando alguns desafios do futuro, como a consolidação das metodologias utilizadas em seus principais projetos, o fortalecimento de uma equipe técnica responsável pelo programa e das instâncias de governança da política pública”, disse o coordenador.

De acordo com os dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública, depois da implantação do programa, a região teve redução de 50% nos crimes violentos letais intencionais, queda de 39,29% nos roubos de veículos e 20% nos furtos em vias públicas.

“O Vila Bairro Segurança teve como ponto de partida as problemáticas levantadas pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública no ano de 2016. Depois desse primeiro levantamento, a gente construiu as frentes de atuação do programa. O livro vai legitimar que todas as ações integradas obtiveram êxito. Nós conseguimos aumentar a sensação de segurança na região do Lagoas do Norte”, disse a assessora técnica da Semcaspi, Débora Ferraz.

Os 13 bairros assistidos pelo programa foram Acarape, Aeroporto, Alto Alegre, Itaperu, Mafrense, Matadouro, Mocambinho, Nova Brasília, Olarias, Parque Alvorada, Poti Velho, São Francisco e São Joaquim.

Nosso Lar oferece acolhimento aos idosos em situação de vulnerabilidade social

Ascom/Semcaspi

Inaugurada em julho deste ano, a Instituição de Longa Permanência (ILP) “Nosso Lar” foi criada com o objetivo de acolher os idosos que se encontravam em situação de vulnerabilidade social devido a pandemia da Covid-19. O espaço tem a capacidade de atender até 15 pessoas com idade acima de 60 anos e oferece atividades pedagógicas, de cognição e de educação física, levando em consideração a idade de cada um e mantendo o distanciamento como recomenda os órgãos de saúde.

De acordo com a coordenadora do Nosso Lar, Lorena Moura, os idosos chegam ao local após triagem feita pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), onde são realizados exames e ainda passam por um isolamento de 14 dias para garantir que não haja a contaminação dentro da Instituição.

“Os idosos que estão hoje na Instituição já haviam sido acolhidos no inicio da pandemia da Covid-19, no Estádio Lindolfo Monteiro, pela Semcaspi. Como é um público de risco, todos eles foram trazidos pra cá, onde recebem acolhimento de forma permanente”, disse a coordenadora.

Jonas Gomes Martins Mendes da Silva, de 62 anos, morador do Nosso Lar desde outubro, relata que foi bem acolhido no espaço e que possui uma realidade completamente diferente do que vivia antes de chegar na Instituição.

“Aqui eu tenho quarto com ar-condicionado, boa alimentação, psicólogo. Recebemos ajuda para cuidar dos nossos assuntos particulares quando precisamos. Não tenho do que reclamar. É uma nova vida e eu agradeço por tudo que estou vivendo”, disse seu Jonas.

Lorena Moura relata que, atualmente, 10 idosos estão recebendo acolhimento no espaço e que, para diminuir os impactos do isolamento social, os profissionais definiram uma grade de atividades com dinâmicas em grupos, para que eles entendam seu valor na sociedade.

“Os idosos recebem atendimento físico e psicológico, com médicos, enfermeiras, cuidadores, psicólogos, cozinheiros, assistentes sociais e da diretoria técnica. Nós buscamos dar uma maior dignidade a eles, através de atividades integrativas. Temos um lar bem dinâmico, e posso dizer que somos uma família”, explica.

A instituição está localizada na Rua Batista, N° 1735, bairro Mafuá. Mais ações de natureza emergencial articuladas durante a pandemia podem ser conferidas no site e nas redes sociais da Semcaspi.

Programa Criança Feliz realiza cerca de 4 mil atendimentos em 2020

Com o objetivo de fortalecer as políticas públicas na primeira infância das crianças de famílias em situação de vulnerabilidade social em Teresina, o Criança Feliz realizou, neste ano, a média de 4 mil atendimentos por mês de 1.900 famílias cadastradas no programa. Os dados são da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Polícias Integradas (SEMCASPI).

Criado em 2016, o programa tem como diretriz promover o crescimento integral de crianças de zero a seis anos de idade através do apoio e acompanhamento das famílias inseridas nos seguintes critérios: gestantes, beneficiários do programa Bolsa Família e do Beneficio de Prestação Continuada (BPC) e crianças de até 06 anos em serviços de acolhimento. Em Teresina, o Criança Feliz ainda contempla as ações integradas com os serviços de Proteção e Atendimento Integral a Família, o PAIF, ofertados por 12 unidades do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) e possui a colaboração da Fundação Padre Antônio de Civeiro (Funaci), que executa os recursos e operacionaliza as atividades sob supervisão do município.

A coordenadora do “Criança Feliz” na Semcaspi, Elizabeth Nogueira, explica que os profissionais que executam o programa foram capacitados no método específico do “Cuidados para o Desenvolvimento da Criança (CDC) do Ministério da Cidadania do Governo Federal e realizam visitas domiciliares para a aplicação de atividades que incentivam o desenvolvimento infantil, levando em consideração o contexto familiar. Durante o período de Pandemia, os atendimentos foram realizados por meio de ligação telefônica, envio de vídeos com atividades, além de orientação sobre cuidados com saúde para a prevenção da Covid-19.

“Desde o ano em que o município fez a adesão ao programa nós tivemos diversos avanços. Apesar de não ser obrigatório, nós optamos por visitadores que possuem qualificação adequada para realização dos atendimentos. A gente fez ainda a integração das ações do programa com os CRAS de cada território para alcançar de forma rápida e eficaz o público. No contexto da Pandemia, foi necessário desenvolver uma nova estratégia de operacionalização do programa por meio do formato remoto para que as famílias não tivessem os seus atendimentos interrompidos”, disse a coordenadora.

No ano de 2019, o método executado no município de Teresina foi avaliado pelo Ministério da Cidadania como excelente por cumprir todas as metas estabelecidas pelo Governo Federal. Larissa Rêgo, Assistente Social e responsável pela Divisão de Articulação e Acompanhamento da Rede Assistencial da GPSB da Semcaspi, explica que o município vem sendo modelo de execução das atividades e metas previstas pelo programa em todo o país.

“A articulação do programa Criança Feliz com as equipes de Proteção e Atendimento Integral à Família, o PAIF, nos territórios vem sendo um modelo de execução no país. É o acompanhamento integral das gestantes e crianças, dando esse reforço ao desenvolvimento da primeira infância”, afirmou a Assistente Social.

Para o ano de 2021, Larissa conta que a meta é continuar avançando na política da assistência social do município. “O programa segue esse modelo de territorialização previsto pela política de assistência social. Cada CRAS vai permanecer tendo como meta acompanhar o público de 160 famílias e contando com um supervisor macro no território, 05 visitadores e um carro que continuará dando apoio no deslocamento dos profissionais”, finalizou.

Em Teresina, os Centros de Referência em Assistência Social (Cras) contemplados com o Programa Criança Feliz são no Território Norte: os Cras Norte II, Cras Norte III e Cras Norte V; Território Leste: os Cras Leste I, Cras Leste II e Cras Leste III; Território Sul; Cras Sul II, Cras Sul III E Cras Sul IV; Território Sudeste; Cras sudeste I, Cras Sudeste II e Cras Sudeste III. Para mais informações, acesse: semcaspi.teresina.pi.gov.br

Projeto “Muda Junto Natal” reúne voluntários e realiza entrega de cestas básicas

Ascom/Semcaspi

Voluntários da plataforma online “Teresina Transforma” realizaram na tarde desta quarta-feira (23), a entrega de 60 cestas básicas as famílias em situação de vulnerabilidade dos bairros Nova Brasília, Portal da Alegria, Conjunto Manoel Evangelista, Vila Babilônia e Ininga. A ação faz parte do projeto “Muda Junto Natal”.

De acordo com a coordenadora do Teresina Transforma, Débora Ferraz, o projeto diversificou as ações para alcançar os mais vários públicos na cidade e contou com o apoio da iniciativa privada. “Além das famílias voluntárias que organizaram as cestas e as entregas, tivemos a participação das empresas privadas que fizeram a doação de refrigerantes. Nós ficamos felizes com as ações que aconteceram durante essa semana. Conseguimos chegar a 180 crianças e, agora, 60 famílias poderão comemorar o Natal com tranquilidade”, disse a coordenadora.

A servidora pública Franciana Beleense, uma das organizadoras da ação, disse que a arrecadação dos alimentos foi feita entre amigos e as famílias Beleense e Lopes. Para ela, a parceria com o Teresina Transforma possibilitou a diversificação dos mantimentos das cestas básicas.

“Fizemos um levantamento das famílias mais vulneráveis em todas as regiões de Teresina. Buscamos atender as crianças que participam de escolinhas de futebol nas áreas mais carentes e outras famílias que foram apontadas pelas lideranças que apoiaram a ação. Nós ficamos com a consciência tranquila, porque nesse período natalino as famílias terão uma ceia e poderão comemorar, dentro de suas casas, essa data tão especial”, explica.

Esta é a quarta ação “Muda Junto” deste ano, que já realizou mobilizações voltadas às doações de sangue, campanha do Outubro Rosa e entrega de brinquedos. A plataforma Teresina Transforma é um projeto criado pela Associação Incubadora Porto Social, que tem sua base em Recife. Na capital piauiense é operacionalizada pela Prefeitura de Teresina através da Semcaspi, desde dezembro de 2019.

Para saber como ser um voluntário, como cadastrar seu projeto social ou conhecer mais sobre a articulação, a população pode entrar em contato por meio do número (86) 3221-2266, acessar o Instagram @Teresina.Transforma ou a plataforma do programa no endereço https://teresinatransforma.pmt.pi.gov.br

Teresina Transforma realiza “Muda Junto Natal”


A plataforma de voluntariado online “Teresina Transforma” realizou, nesta terça-feira (22), a ação “Muda Junto Natal”. O evento aconteceu no Instituto Ana, que promove ações para crianças em situação de vulnerabilidade na região do Portal do Alegria, na zona Sul de Teresina.

O evento foi marcado com a entrega de brinquedos, lanches, teatro de fantoches e outros momentos de lazer. Todo o material foi adquirido por doação dos servidores da Prefeitura de Teresina e através de parceria com a iniciativa privada.

“O Instituto Ana foi escolhido depois de um mapeamento que fizemos na plataforma do Teresina Transforma para saber qual projeto teria atividades durante esse período natalino. Além dessa ação, nós vamos fazer também com o projeto Dois Sorrisos, do Parque Vitória, em que 150 crianças serão alcançadas pelo Muda Junto Natal”, explicou a coordenadora do Teresina Transforma, Débora Ferraz.

A coordenadora do Instituto Ana, Fátima Zumbi, agradeceu a escolha e destacou que a parceria foi muito importante, já que a ação levou alegria para as crianças da região. “A palavra que resume esse evento é gratidão. Tivemos a oportunidade de fazer uma manhã cheia de alegria para as crianças do Portal da Alegria”, pontuou.

Esta é a terceira ação “Muda Junto” deste ano, que já realizou mobilizações voltadas às doações de sangue e a campanha do Outubro Rosa. A plataforma Teresina Transforma é um projeto criado pela Associação Incubadora Porto Social, que tem sua base em Recife. Na capital piauiense é operacionalizada pela Prefeitura de Teresina através da Semcaspi, desde dezembro de 2019.

Para saber como ser um voluntário, como cadastrar seu projeto social ou conhecer mais sobre a articulação, a população pode entrar em contato por meio do número (86) 3221-2266, acessar o Instagram @Teresina.Transforma ou a plataforma do programa no endereço https://teresinatransforma.pmt.pi.gov.br.