#MeninasOcupam: jovem é secretária da Semdec por um dia em Teresina

Andressa Ferreira, de 18 anos, realizou a ocupação na Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (Semdec) de Teresina.  A menina fez parte da campanha “Meninas Ocupam”, uma realização da ONG Plan International através da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM). A campanha acontece mundialmente, em torno de 70 países, e na capital vai acontecer durante todo o mês de outubro, em alusão ao Dia da Menina.

Na sua manhã como secretária simbólica, Andressa destacou projetos que possam auxiliar os jovens no mercado de trabalho na cidade de Teresina – com ênfase a cursos que envolvam o marketing digital. “Será uma excelente forma de desenvolver jovens e meninas para um futuro profissional”, pontua em sua carta. “E também ensinar os jovens e crianças acerca dos impactos da desinformação e das fake news”, destaca.

(Foto: Ascom/SMPM)

A Secretária da SMPM, Karla Berger, destacou a importância dos projetos que visam o fortalecimento e inclusão para as mulheres no mercado de trabalho. Segundo ela, Teresina é uma capital onde a presença do gênero feminino é muito forte no comércio, na internet, nos espaços público e privados, por isso, além da permanência, é necessário formas de garantir esse crescimento para as gerações futuras.

“Cuidar das nossas meninas e mulheres é uma tarefa de várias gestões, afinal, somos uma gestão integrada”, complementa. “O projeto Meninas Ocupam tem sido muito importante para entrar em contato com uma geração de meninas que tem Teresina como seu suporte e referência para os próximos anos”, finaliza.

A Campanha “Meninas Ocupam” acontece desde 2016, realizado pela Plan International. A ONG tem como parceira a Prefeitura de Teresina, com a ocupação de cargos públicos em diversas repartições públicas e privadas.

(Foto: Ascom/SMPM)

Sobre a Plan International

A Plan International é uma organização humanitária e de desenvolvimento não governamental e sem fins lucrativos, que promove os direitos das crianças e a igualdade para as meninas. A pobreza, violência, exclusão e discriminação ainda são problemas sociais que mais afetam no mundo, por isso, a ONG atual para proteger os direitos de meninas em situação vulnerável.

A ONG chegou ao Brasil em 1997 e, desde então, vem se dedicando a garantir os direitos e promover o protagonismo das crianças, adolescentes e jovens, especialmente meninas, por meio de seus projetos, programas e ações de incidência e de mobilização social.

Outubro Rosa: mulheres atendidas pelo Serviço Florescer na zona Norte recebem orientações sobre o câncer de mama

No mês de outubro, é desenvolvido a campanha Outubro Rosa para promover um alerta às mulheres para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero. Pensando nisso, a Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou nesta quarta-feira (20), uma manhã com orientações sobre a prevenção ao câncer para as mulheres atendidas pelo Serviço Florescer localizado na Zona Norte de Teresina.

No encontro, a enfermeira Márcia Viana, do Serviço Social do Comércio (Sesc), conversou com as mulheres sobre a importância do autocuidado e a necessidade de fazer exames e visitas periódicas ao médico, além do exame de mamografia. A profissional apontou a seriedade do assunto, tendo em vista que no mundo, o câncer de mama é o que mais incide entre as mulheres. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, apenas em 2020 foram cerca de 2,3 milhões de novos casos, o que representa 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres.

Ainda durante a palestra, Márcia demonstrou através de próteses como as mulheres poderiam realizar o autoexame das mamas e torná-lo rotina. Entre as dicas, ela cita que é necessário identificar os nódulos, volume mamário irregular, aspecto ou coloração suspeita nos mamilos, como também secreções, sangue e inchaço nas axilas e mamas.

“A gente pode evitar 100% o câncer? Não. Mas podemos descobrir previamente para tratar”, declarou a enfermeira. “O objetivo do auto exame é alertar para qualquer sintoma, mas não substitui a presença de um profissional, por isso é importante procurar um profissional. E claro, o exame de mamografia”, ressalta.

Daiane Ribeiro, atendidas pelo Serviço Florescer Norte há dois anos, ressaltou que a roda de conversa lhe ensinou muitas coisas sobre o seu corpo. Dentro do serviço, ela destaca que é uma oportunidade para poder ter conhecimentos sobre saúde que não há de forma acessível.

“O serviço tem sido muito importante tanto para nós quanto para nossos filhos. O carinho do florescer conosco é muito importante e hoje aprendemos muito sobre auto cuidado”, frisa a mulher. “Isso é importante porque podemos repassar esse conhecimento para outras mulheres”, pontua Daiane.

Durante o mês de outubro, todas as unidades do Serviço Florescer foram atendidas com a palestra educativa do câncer de mama. De acordo com a psicóloga da SMPM, Nathalie Ciarlini, o objetivo é que todas as mulheres atendidas pelo serviço tenham acesso ao tema. “Estamos sempre buscando informações que possam trazer melhorias na vida das mulheres. Por isso, é importante levar até um serviço palestras com uma linguagem que elas entendem, interagem e que possuem impacto nas suas vidas”, frisa.

Foto: Divulgação (SMPM)

Outubro Rosa: Mulheres atendidas pelo Serviço Florescer da Zona Rural recebem orientações sobre o câncer de mama

No mês de outubro, é desenvolvido a campanha Outubro Rosa para promover um alerta às mulheres para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero. Pensando nisso, a Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou nesta terça-feira (19), uma manhã com orientações sobre a prevenção ao câncer para as mulheres atendidas pelo Serviço Florescer do Povoado Salobro, localizado na zona Sudeste de Teresina.

No encontro, a enfermeira Márcia Viana, do Serviço Social do Comércio (Sesc), conversou com as mulheres sobre a importância do autocuidado e a necessidade de fazer exames e visitas periódicas ao médico, além do exame de mamografia. A profissional apontou a seriedade do assunto, tendo em vista que no mundo, o câncer de mama é o que mais incide entre as mulheres. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, apenas em 2020 foram cerca de 2,3 milhões de novos casos, o que representa 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres.

Ainda durante a palestra, Márcia demonstrou através de próteses como as mulheres poderiam realizar o autoexame das mamas e torná-lo rotina. Entre as dicas, ela cita que é necessário identificar os nódulos, volume mamário irregular, aspecto ou coloração suspeita nos mamilos, como também secreções, sangue e inchaço nas axilas e mamas.

“A gente pode evitar 100% o câncer? Não. Mas podemos descobrir previamente para tratar”, declarou a enfermeira. “O objetivo do auto exame é alertar para qualquer sintoma, mas não substitui a presença de um profissional, por isso é importante procurar um profissional. E claro, o exame de mamografia”, ressalta.

(Foto: Ascon/ SMPM)

Durante o mês de outubro, a unidade do Serviço Florescer da Zona Sudeste recebeu a palestra. A unidade do Florescer da  Zona Norte ainda deve receber a mesma roda de conversa. De acordo com a psicóloga da SMPM, Nathalie Ciarlini, o objetivo é que todas as mulheres atendidas pelo serviço tenham acesso ao tema. “Estamos sempre buscando informações que possam trazer melhorias na vida das mulheres. Por isso, é importante levar até um serviço palestras com uma linguagem que elas entendem, interagem e que possuem impacto na suas vidas”, frisa.

(Foto: Ascon/ SMPM)

Sobre o Florescer

Em Teresina, mulheres em situação de vulnerabilidade social, residentes em Teresina, que tenham crianças na faixa etária de 1 a 2 anos e onze meses, podem acessar o Serviço de Atendimento Integral às Mulheres e suas Crianças: Florescer.

O objetivo é empoderar mulheres, através do fortalecimento de vínculos sociais e familiares, da qualificação profissional, do acesso à informação e a serviços de saúde e justiça, além de acolher e realizar atividades de desenvolvimento psicossocial com suas crianças.

Unidades:

Florescer Norte

Rua Antonio Pedro, 629 – Matadouro

Florescer Sudeste

Rua Santa Luzia, S/N – Alto da Ressurreição

Florescer Zona Rural

Povoado Salobro

#MeninasOcupam: criança de 8 anos é Secretária da Educação por um dia 

Vivian, de 8 anos, mora na Zona Rural de Teresina. Ela ocupou nesta segunda-feira (18) o maior cargo da Secretaria de Educação (Semec) de Teresina. A menina fez parte da campanha “Meninas Ocupam”, uma realização da ONG Plan International através da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM). A campanha acontece mundialmente, em torno de 70 países, e na capital vai acontecer durante todo o mês de outubro, em alusão ao Dia da Menina.

Na sua manhã como Secretária Simbólica, Vivian destacou projetos que possam auxiliar na educação de meninas e meninos nas escolas do município voltada para redes sociais. Em sua carta, escrita à mão, ela entregou ao Secretário Nouga Cardoso propostas de ensino digital.

“Crianças, principalmente as meninas, são as que mais sofrem assédio, violência doméstica e abusos”, destacou a secretária simbólica. “Isso deve ser trabalhado nas escolas também”, frisou Vivian.

(Foto: Ascom / SMPM)

A Secretária da SMPM, Karla Berger, destacou a importância dos projetos de educação para as meninas. Segundo ela, é a partir da geração de crianças e suas demandas que se pode fortalecer as demandas de forma articulada com outros setores. “Cuidar das nossas meninas é uma tarefa de várias gestões, afinal, somos uma gestão integrada”, complementa.

Durante a visita, o Secretário Nouga Cardoso acompanhou o dia de Vivian. Segundo ele, a menina ajuda a melhorar a política educacional voltada para o gênero feminina – com ênfase as meninas que vivem na Zona Rural de Teresina. “Nosso trabalho é de buscar sempre oferecer a melhor educação para essas crianças, respeitando as individualidades e formando cidadãos mais conscientes”, destaca o secretário.

A Campanha “Meninas Ocupam” acontece desde 2016, realizado pela Plan International. A ONG tem como parceira a Prefeitura de Teresina, com a ocupação de cargos públicos em diversas repartições públicas e privadas.

(Foto: Ascom / SMPM)

Sobre a Plan International 

A Plan International é uma organização humanitária e de desenvolvimento não governamental e sem fins lucrativos, que promove os direitos das crianças e a igualdade para as meninas. A pobreza, violência, exclusão e discriminação ainda são problemas sociais que mais afetam no mundo, por isso, a ONG atual para proteger os direitos de meninas em situação vulnerável.

A ONG chegou ao Brasil em 1997 e, desde então, vem se dedicando a garantir os direitos e promover o protagonismo das crianças, adolescentes e jovens, especialmente meninas, por meio de seus projetos, programas e ações de incidência e de mobilização social.

Secretaria da Mulher participa de evento voltado para erradicação do trabalho infantil realizado pela Comissão Aepeti

A Secretária de Políticas Públicas para Mulheres esteve presente em um evento desta sexta-feira (15) da Comissão Municipal das Ações Estratégicas do Programa de Enfrentamento ao Trabalho Infantil (Aepeti). No encontro, a equipe técnica da SMPM realizou uma roda de conversa sobre violência doméstica e a participação da pasta dentro da rede de enfrentamento a violência contra à mulher. Comissão faz parte da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

Além disso, foi debatido sobre os direitos da mulher e como acessar os serviços em Teresina. A psicóloga Joseli Barbosa ressaltou sobre os serviços de atendimento social, psicológico e jurídico fornecidos pelo Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia.

A atividade tinha como objetivo debater sobre estratégias de ações do programa de erradicação do trabalho infantil. Participaram cerca de 36 pessoas, entre homens, mulheres, crianças e adolescentes moradores do bairro Dirceu, zona Sudeste de Teresina.

“Desde criança, a menina já possui seus direitos voltados à perspectiva de gênero”, destaca Joseli. “O contato com as famílias é importante para que eles tenham consciência de qual serviço procurar quando uma menina tem seus direitos cerceados ou sofre algum tipo de violência”, frisa.

A coordenadora da Comissão da Aepeti, Franciana Beleense, informou que a ação da SMPM possui bastante pertinência, uma vez que as pessoas atendidas pela comissão enfrentam diversas vulnerabilidades sociais.

Ainda conforme Franciana Beleense, outras ações devem acontecer para atender outras zonas da cidade. “Precisamos levar mais ações como essa para a população. A gente tem que mostrar que toda mulher, criança e adolescente tem seus direitos e que eles não podem ser violados”, destaca.

Mulheres atendidas pelo Serviço Florescer participam de Workshop sobre mercado de trabalho

A pandemia da covid-19 e as mudanças no mercado de trabalho trouxeram novos desafios para quem deseja conseguir um emprego. Pensando nisso, na manhã desta quarta-feira (13), as mulheres atendidas pelo Serviço Florescer, na zona Norte de Teresina, participaram do Workshop do Balcão do Trabalhador. O evento foi realizado em parceria com a Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e a Fundação Wall Ferraz (FWF).

Fotos: Ascom SMPM

Durante a capacitação, foram abordados temas como marketing pessoal, autocuidado e identificação profissional. A secretária da SMPM, Karla Berger, reforça que essa atividade tem como principal objetivo fazer com que as mulheres passem por um treinamento sobre como se comportar durante uma entrevista de emprego e como se inserir no mercado de trabalho.

“É ciente pela nossa pasta que a dependência financeira ainda é o que mais dificuldade que uma mulher se empondere. Portanto, atividades como essa garantem que elas possam sair de um ciclo de violência e se reestruturar financeiramente, com filhos ou outros membros familiares que dependam dela”,  analisa Karla Berger.

É o caso de Fernanda Alves, que participa há dois anos do Serviço Florescer na zona Norte. Com dois filhos, ela está à procura de um emprego e após a capacitação, já se sente mais preparada para entrevistas e seleções. “Achei a palestra muito produtiva. Consegui identificar meus pontos negativos e positivos, agora é só aplicar quando a oportunidade certa aparecer”, destaca a mulher.

O palestrante da capacitação, Átila Araújo, destaca que hoje em dia o mercado exige qualificações cada vez maiores. Por isso, a capacitação pontua não apenas o conhecimento técnico, mas outras habilidades importantes para quem deseja conseguir um emprego formal. “Precisamos ser diferentes, mas para isso temos que nos perceber, saber do que gostamos, com que queremos trabalhar, para ter um olhar direcionado”, complementa.

Creg realiza mais de 1800 atendimentos às mulheres em situação de violência doméstica no último trimestre de 2021 em Teresina

Em setembro, foram realizados 1826 atendimentos às mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero em Teresina. Os dados foram contabilizados pelo serviço Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), um serviço vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM). O local realiza atendimento às mulheres que vivem em situação de violência na capital.

“O CREG é o local de apoio à mulher, onde ela pode encontrar atendimento jurídico, psicológico e social, para que ela consiga sair da situação de violência em que vive. O centro não é um local de denúncia, mas sim de atendimento para que ela saia do ciclo de violência”, afirmou a secretária da SMPM, Karla Berger.

Segundo os dados, setembro contabilizou em torno de 316 atendimentos. Atualmente, esse foi o mês com maior número de solicitação dos serviços em 2021. Segundo a coordenadora do centro de referência, Roberta Mara, esse aumento se deve por conta das campanhas de incentivo á denúncia e combate à violência doméstica na capital em agosto, quando ocorreu as ações do Agosto Lilás – mês de alusão à Lei Maria da Penha e enfrentamento a violência contra à mulher.

Roberta pontua que o crescimento dos números de procura pelo serviço é um indicativo positivo, uma vez que demonstra que mais mulheres estão rompendo o ciclo de violência. Em contrapartida, o mês de janeiro, que apresentou 39 atendimentos, significa um silêncio das mulheres em situação de violência.

Além disso, a pandemia da covid-19 ainda demonstra seus impactos no número de atendimentos. Isso porque, com a flexibilização do isolamento social e acesso aos locais públicos, mais mulheres estão tendo conhecimento e acesso à rede de enfrentamento à violência.

“Constatamos um aumento considerável na procura do atendimento, pois as mulheres em situação de violência, se permitiram buscar ajuda, uma orientação, uma indicação, um atendimento profissional, muito antes de fazerem a denúncia”, frisa Roberta. “O CREG faz parte da rede de atendimento, e por isso acreditamos que as mulheres teresinenses sintam-se mais à vontade de nos procurarem”, reforçou a coordenadora.

Atendimentos realizados de janeiro a setembro:

Janeiro: 39
Fevereiro: 217
Março: 149
Abril: 131
Maio: 234
Junho: 281
Julho: 217
Agosto: 252
Setembro: 316

Sobre o Creg

O Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idades de 18 a 59 anos. O espaço oferece assistência jurídica, social e psicológica, além de ofertar Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics) e cursos de capacitação profissional.

As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço. Além disso, as mulheres acompanhadas pelo CREG que possuem Medida Protetiva são monitoradas pela Guarda Maria da Penha, visando a sua proteção e contribui para o empoderamento da mesma
Onde encontrar o Creg?

Rua Benjamin Constant, 2170 , Centro Norte. Segunda a sexta, das 08h00 às 17h00.
(86) 3233-3798/99416-9451

Onde denunciar?

Na capital, as mulheres também podem procurar as Delegacias da Mulher, localizadas nas regiões Centro Sul, Sudeste e Norte, pelos respectivos telefones: (86) 3233-2323 / (86) 3220-3858 / (86) 3216-1572 / (86) 99454-3940.

Mulheres atendidas pelo Florescer Sudeste recebem orientações sobre o câncer de mama

No mês de outubro, é desenvolvido a campanha Outubro Rosa para promover um alerta às mulheres para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero. Pensando nisso, a Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou nesta segunda-feira (11), uma manhã com orientações sobre a prevenção ao câncer para as mulheres atendidas pelo Serviço Florescer na zona Sudeste de Teresina.

No encontro, a enfermeira Márcia Viana, do Serviço Social do Comércio (Sesc), conversou com as mulheres sobre a importância do autocuidado e a necessidade de fazer exames e visitas periódicas ao médico, além do exame de mamografia. A profissional apontou a seriedade do assunto, tendo em vista que no mundo, o câncer de mama é o que mais incide entre as mulheres. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, apenas em 2020 foram cerca de 2,3 milhões de novos casos, o que representa 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres.

Ainda durante a palestra, Márcia demonstrou através de próteses como as mulheres poderiam realizar o autoexame das mamas e torná-lo rotina. Entre as dicas, ela cita que é necessário identificar os nódulos, volume mamário irregular, aspecto ou coloração suspeita nos mamilos, como também secreções, sangue e inchaço nas axilas e mamas.

“A gente pode evitar 100% o câncer? Não. Mas podemos descobrir previamente para tratar”, declarou a enfermeira. “O objetivo do auto exame é alertar para qualquer sintoma, mas não substitui a presença de um profissional, por isso é importante procurar um profissional. E claro, o exame de mamografia”, ressalta.

Marley de Oliveira, uma das mulheres atendidas pela sede, esteve durante a palestra e relata que o auto exame não era do seu conhecimento. Além de ter tido acesso à informação sobre como ter acesso aos atendimentos de saúde, a mulher ressaltou que se sentiu mais estimulada para cuidar da sua saúde. “Com a palestra de hoje eu entendi que autoestima é eu também estar com meu corpo, minha saúde mental e física”, destaca. “Eu mereço cuidar de mim”, finaliza.

Durante o mês de outubro, as outras duas sedes do Serviço Florescer – Zona Norte e Zona Rural, no Povoado Salobro – devem receber a mesma roda de conversa. De acordo com a psicóloga da SMPM, Nathalie Ciarlini, o objetivo é que todas as mulheres atendidas pelo serviço tenham acesso ao tema. “Estamos sempre buscando informações que possam trazer melhorias na vida das mulheres. Por isso, é importante levar até um serviço palestras com uma linguagem que elas entendem, interagem e que possuem impacto na suas vidas”, frisa.

Sobre o Florescer

Em Teresina, mulheres em situação de vulnerabilidade social, residentes em Teresina, que tenham crianças na faixa etária de 1 a 2 anos e onze meses, podem acessar o Serviço de Atendimento Integral às Mulheres e suas Crianças: Florescer.

O objetivo é empoderar mulheres, através do fortalecimento de vínculos sociais e familiares, da qualificação profissional, do acesso à informação e a serviços de saúde e justiça, além de acolher e realizar atividades de desenvolvimento psicossocial com suas crianças.

Unidades:

Florescer Norte
Rua Antonio Pedro, 629 – Matadouro

Florescer Sudeste
Rua Santa Luzia, S/N – Alto da Ressurreição

Florescer Zona Rural
Povoado Salobro

Psicóloga da SMPM destaca benefícios da escuta qualificada para saúde mental de mulheres em situação de violência

Dentro do ciclo de violência doméstica ou de gênero, muitas mulheres acabam não conseguindo romper o contato com o agressor por não terem como manifestar a violência ou comunicar à família e pessoas próximas sobre as agressões vividas. Nesse sentido, um dos processos para poder acolher a mulher em situação de violência é a escuta qualificada.

De acordo com Joseli Barbosa, psicóloga da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), o ato é uma escuta empática para compreender o sofrimento de forma cuidadosa e sem julgamentos. Segundo a psicóloga, a escuta é fundamental para a saúde mental das mulheres, seja para aquelas que sofrem algum tipo de violência, quanto para aquelas que vivem duplas jornadas de trabalho, afazeres domésticos, maternidade e outros fatores que afetam diretamente a vida do gênero feminino.

“Ouço muitos relatos e percebo que muitas querem apenas alguém para ouvi-las, um momento só delas, alguém que as acolham e compreenda sem julgamentos”, destaca a profissional, que realiza escutas especializadas para as mulheres atendidas nos três Serviços Florescer, coordenado pela SMPM. “A escuta, é um diálogo com essas mulheres que trazem diferentes demandas, desde os vários tipos de violências e abusos, até outros sofrimentos mentais como depressão e ansiedade provocadas por fatores econômicos e financeiros”, ressalta.

Apesar dos benefícios e impactos positivos na vida das mulheres, a escuta psicológica não substitui a terapia, tendo em vista que é uma intervenção de acolhimento, dando a possibilidade de quem a procura de ser ouvida e acolhida. Porém, existem algumas limitações na escuta, devido ela não se configurar como psicoterapia. Em casos que precisem tratamento mais intenso, as mulheres são aconselhadas e encorajadas a realizarem os encaminhamentos para o tratamento psicológico pelos órgãos da saúde do município.

Joseli destaca que em relação às mulheres que sofrem violência doméstica, muitas chegam fragilizadas para o atendimento. Isso porque, muitas estão/estiveram repetidas vezes dentro do ciclo de violência – principalmente por não reconhecem a violência psicológica como uma agressão. “Com essas mulheres é necessário estabelecer ainda mais um vínculo de confiança, pois muitas delas querem apenas desabafar e relatam medo de denunciar, sendo necessário mais de um encontro para convence-las a procurar a ajuda”, explica a psicóloga.

Procure o Creg

Além dos serviços especializados em saúde mental, é fundamental o acompanhamento fornecido por serviços especializados da Rede de Atendimento à Mulher em Situação de violência, como o Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), que contribuem no enfrentamento à situação de violência e fortalecimento da autonomia dessas mulheres.

O serviço atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idade de 18 a 59 anos, oferecendo assistência jurídica, social e psicológica, além de ofertar Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) e cursos de capacitação profissional.

As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço. As mulheres acompanhadas pelo CREG que possuem Medida Protetiva são monitoradas pela Guarda Maria da Penha. Este atendimento visa a sua proteção e contribui para o empoderamento da mulher.

Onde nos encontrar?

R. Benjamin Constant, 2170 – Centro Norte
Segunda à Sexta, das 08:00 às 17:00
(86) 3233-3798 / 99416-9451

Foto: Divulgação (SMPM)

#MeninasOcupam: adolescente que sonha em ser enfermeira é Diretora da FMS por um dia

Rayllana, de 18 anos, mora na Zona Rural de Teresina e sonha em ser enfermeira. Nesta sexta-feira (8), ela foi Diretora da Atenção Básica da Fundação Municipal de Saúde (FMS). A jovem fez parte da campanha “Meninas Ocupam”,  uma realização da ONG Plan International através da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM). A campanha acontece mundialmente, em torno de 70 países, e na capital vai acontecer durante todo o mês de outubro, em alusão ao Dia da Menina.

Na sua manhã como Diretora simbólica, Rayllana contou que desde que sofreu um acidente que fraturou sua perna, se interessou cada vez mais pela área médica. “Ajudar as pessoas, ajudar as meninas – principalmente – é uma das minhas metas para um mundo melhor”, ressalta a adolescente. “Ser diretora por um dia vai me trazer um bom aprendizado. Significa dizer que consigo”, complementa.

Durante a visita, Raylanna sugeriu ações voltadas para combater a pobreza menstrual. Entre as medidas, ela cita projetos na distribuição de absorventes para meninas da zona Rural de Teresina e a construção de projetos que possam orientar essas meninas. As sugestões foram ouvidas pela Diretora  Laurimary Caminha e a Articulação da SMPM.

A Secretária Karla Berger pontua que esse momento é pertinente por gerar um contato com as meninas para saberem o que a nova geração pensa sobre as políticas para mulheres e formas de trazer melhorias para equidade e combate às violências de gênero. “É pertinente esse momento. São jovens múltiplas, com ideias e demandas diferentes. É um momento único e que ajuda na criação dos nossos projetos”, destaca Karla.

A Campanha “Meninas Ocupam” acontece desde 2016, realizado pela Plan International. A ONG tem como parceira a Prefeitura de Teresina, com a ocupação de cargos públicos em diversas repartições públicas e privadas.

Sobre a Plan International

A Plan International é uma organização humanitária e de desenvolvimento não governamental e sem fins lucrativos, que promove os direitos das crianças e a igualdade para as meninas. A pobreza, violência, exclusão e discriminação ainda são problemas sociais que mais afetam no mundo, por isso, a ONG atual para proteger os direitos de meninas em situação vulnerável.

A ONG chegou ao Brasil em 1997 e, desde então, vem se dedicando a garantir os direitos e promover o protagonismo das crianças, adolescentes e jovens, especialmente meninas, por meio de seus projetos, programas e ações de incidência e de mobilização social.