Centro de Referência à Mulher em Situação de Violência atende 04 casos em período de isolamento

O isolamento social neste período para a contenção da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) faz com que as pessoas passem mais tempo juntas em casa, o que pode ser positivo, porém, para mulheres que já vivem em um ambiente de violência a redução do convívio social pode agravar essa situação.

Para a contenção desta problemática, o Centro de Referência à Mulher em Situação de Violência Esperança Garcia vem disponibilizando profissionais no serviço de teleatendimento para orientações em caso de violência doméstica e durante essa primeira semana já foram atendidos quatro casos.

Do total de casos registrados, dois foram por violência doméstica em flagrante, enviados para orientações e participações em atividades. Outro caso, enviado pelo Ministério Público, recebeu orientação psicológica e posteriormente foi encaminhado para o Centro de Referência da Assistência Social (CRAS). No último caso, foram realizadas demais orientações e assistências básicas.

A Secretária de Políticas para as Mulheres, Macilane Gomes, alertou sobre a importância de enfrentamento à violência durante o período de isolamento social, enfatizando o dever de todos contribuírem nessa luta também.

“Neste momento, infelizmente, além de enfrentar a pandemia, temos que enfrentar também a violência contra as mulheres. Temos recebido denúncias pelo CREG durante o período de isolamento. Nosso Centro tem esse papel de escuta, oferecendo assistência às mulheres, seja psicológica, social ou jurídica, articulando uma rede de atendimentos. Nosso apelo é que as pessoas que presenciarem alguma situação de violência, ou até mesmo as mulheres que estão passando por isso, que por favor acionem nosso serviço”, destacou Macilane.

O Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência na cidade de Teresina, oferecendo assistência psicossocial e de assessoria jurídica. Durante o período de isolamento social, a unidade está realizando atendimentos via WhatsApp ou por ligações, pelo número (86) 99416 94511,de segunda a sexta, das 8h às 14h.

 

Secretaria da Mulher suspende atendimentos e atende demandas por telefone ou email

Os serviços internos da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM), e de unidades vinculadas como Amor de Tia e Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), foram suspensos nesta segunda-feira (23) como medida preventiva à disseminação do coronavírus. Os atendimentos e demandas solicitadas à SMPM ao longo desses 15 dias devem ser enviados pelo e-mail: smpm.gabinete@gmail.com, ou pelo telefone: (86) 99470-8798.

Para a secretária de Políticas para as Mulheres, Macilane Gomes, são extremamente necessárias as medidas de isolamento social que estão sendo adotadas nesse momento de crise, se tornando um ato de consciência de preservação da própria vida e do outro.

“É uma chamada importante, um ato de consciência, uma atitude radical de isolamento social. Mesmo com as medidas adotadas, sabemos também da importância de alguns serviços estarem funcionando, como o CREG, que atende mulheres em situação de violência. Por isso, estamos disponibilizando todos os contatos para qualquer demanda que possa surgir, não podemos deixar essas mulheres desamparadas”, afirmou a secretária.

Os profissionais que fazem parte do Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), espaço que atende mulheres em situação de violência, estarão disponíveis para os atendimento de segunda a sexta, de 8h às 14h. O contato pode ser feito via whatsapp ou ligação, através do número: (86) 994169451.

Segundo a coordenadora do Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), Roberta Mara, as mulheres que estão em isolamento social e que sentirem necessidade de qualquer tipo de atendimento ou orientação quanto a violência de gênero, devem imediatamente entrar em contato.

“Sabemos que esse isolamento social pode reforçar ainda mais as ocorrências de violência doméstica. Nosso centro não pode parar, por isso nossos profissionais continuam atendendo e orientando caso haja necessidade”, finalizou Roberta Mara.

Segunda edição do Selo Dona Saló é adiada

Como medida preventiva ao Coronavírus, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) adiou a da 2° Edição do Selo Dona Saló, que aconteceria nesta quarta-feira (18), no Teatro do Boi. O evento que certificaria as empresas privadas em Teresina que desenvolvem programas ou ações em prol da igualdade de gênero será realizado em data a definir. As informações serão divulgadas nas redes sociais da instituição.

A determinação de adiamento veio após reunião realizada com o Prefeito Firmino Filho, que definiu um plano de ação para conter a disseminação do novo Coronavírus em Teresina. Foram adiados também os demais eventos que geram uma maior aglomeração de pessoas.

Segundo a Gerente de Articulação e Transversalidade da SMPM, Adriana Carvalho, todas as empresas que participaram do processo de seleção e concorriam à concessão do Selo foram notificadas do adiamento.

“Estamos seguindo as recomendações que foram enviadas pela Prefeitura de Teresina, suspendendo temporariamente eventos que tenham uma maior aglomeração de pessoas. Agora vamos aguardar novas recomendações para estabelecer um novo agendamento dessas atividades”, explica.

O Selo Dona Saló – Empresa promotora de igualdade de gênero, é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), em parceria com a Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Representantes da SMPM participam de Oficina para construção de diagnóstico sobre perfil da mulher piauiense

Representantes da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) participaram da Oficina Setorial Qualitativa, atividade que tem como objetivo elaborar o Diagnóstico do Perfil da Mulher Piauiense no contexto atual. A Oficina aconteceu em Teresina, mas deve cumprir agenda em vários municípios do estado.

O documento elaborado durante todas as oficinas também servirá de base para a construção do I Plano Estadual de Políticas Públicas para as mulheres no estado do Piauí. O diagnóstico possui uma dinâmica participativa, buscando dialogar com o poder público local e sociedade civil.

A Oficina tem a finalidade de fortalecer a participação social, expressar novas perspectivas de realidade das mulheres, evidenciando problemas, riscos e causas. Também propõe uma coleta de dados que possa proporcionar uma base para o sistema de avaliação e assim contribuir para a elaboração de novas políticas públicas para as mulheres no Piauí.

Segundo a assessora técnica da SMPM, Ana Patrícia Oliveira, esse é um momento histórico para o estado do Piauí. “O Piauí avança a passos largos na contribuição de políticas públicas para as mulheres e caminha para a elaboração do seu primeiro plano estadual. É com muita satisfação que afirmamos que a SMPM teve a oportunidade de contribuir para esse projeto com suas experiências e proposições de ideias”, declarou.

A consultora do Consórcio CON&SEA/CEALMA/IDESA, organização que está à frente da produção das oficinas juntamente com a Coordenadoria Estadual de Políticas para as mulheres, destacou a contribuição da SMPM durante as atividades e em como é importante somar forças para elaboração desse documento.

“Queremos um diálogo conjunto, onde todos contribuam para a elaboração desse perfil da mulher piauiense. A SMPM participou ativamente com uma contribuição bastante significativa. É uma secretaria especializada, que tem grandes projetos. A expectativa era realmente essa”, declarou a consultora.

O Diagnóstico será elaborado após o cumprimento de etapas como oficinas, técnicas quanti-qualitativas, entrevistas semiestruturadas e questionários, entre outras metodologias.

 

Empresas promotoras de igualdade de gênero serão reconhecidas com Selo Dona Saló

Ascom/ SMPM

Na próxima quarta-feira (18), a partir das 19h, será realizada a 2ª edição do Selo Dona Saló. O evento, que será realizado no teatro do Boi, faz parte da Agenda Março Mulher 2020 e tem como objetivo certificar empresas privadas em Teresina que desenvolvam programas ou ações em prol da igualdade de gênero.

“As empresas inscritas para esta edição do Selo passaram por um intenso processo de avaliação. Das inscritas, 12 empresas foram selecionadas para um questionário final onde os funcionários detalharam as atividades desenvolvidas nas empresas. Também foram realizadas visitas técnicas para avaliar a execução da política de igualdade de gênero no âmbito do trabalho”, esclarece a Gerente de Articulação e Transversalidade da SMPM, Adriana Carvalho.

Na edição de 2019, a empresa Botica foi uma das certificadas. A empresa desenvolveu grandes projetos de valorização da mulher no mercado de trabalho, ações de enfrentamento à violência de gênero e fomentou a qualidade de vida da mulher no ambiente de trabalho.

“Temos o Selo Dona Saló como um grande reconhecimento de todo o trabalho que a gente vem desenvolvendo. Trabalhamos das mais diversas formas, tendo como grande norteador o respeito às pessoas, independente de gênero, cor ou orientação sexual. É uma honra trabalhar com pessoas e batalhar para ter um espaço mais igualitário”, destacou a representante Mara Serra, coordenadora de Recursos Humanos da empresa Botica.

Na 1ª edição do Selo, a empresa Botica ganhou na categoria de médias empresas, que certifica organizações de médio porte. Ao concorrer o certificado, o grande diferencial da empresa foi a intensa divulgação entre funcionários do aplicativo Salve Maria, plataforma digital que recebe denúncias anônimas de violência contra a mulher.

A empresa de Radiologia Ultra X, concorre ao certificado do Selo Dona Saló nesta edição. Representantes da organização ressaltaram a experiência de participar e da importância de obter esse reconhecimento.

“A equipe Ultra X é composta em sua grande maioria por mulheres, que ocupam diversos cargos de chefia e liderança. Apoiamos projetos que valorizem as mulheres no mercado de trabalho e ficamos honrados por sermos lembrados para concorrer a esse certificado tão significativo”, avaliou a representante da Ultra X, Sara Rocha.

As empresas que passaram pelo processo de avaliação serão anunciadas somente no dia 18 de março. O Selo Dona Saló – empresa promotora de igualdade de gênero, será concedido a pelo menos nove empresas.

Dona Saló

O Selo Dona Saló é assim denominado como reconhecimento e homenagem à Senhora Maria Salomé Silva Rabelo, proprietária da conhecida “Casa Saló”, referência no comércio de variedades em nossa Capital da década de 60 até os anos 2000. Dona Saló, como era conhecida, foi exemplo de trabalho, luta e tenacidade, dessas mulheres que não se curvam às dificuldades, como tantas outras mulheres teresinenses vencedoras. Obstinada pelo trabalho, mas igualmente dedicada à família, Dona Saló foi uma mulher à frente do seu tempo.

O Selo é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SEMDEC), em parceria com a Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Campanha recolherá itens de higiene e beleza para mulheres em situação de rua

Ascom/SMPM

Recolher doações de materiais de higiene e beleza para mulheres em situação de rua da capital. Esse o objetivo da Campanha #PARAELAS, promovida pela Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, em parceria com o Consultório na Rua, durante as atividades do Teresina em Ação, que acontece neste sábado (14), das 08h às 13h, na Praça Camila Pereira de Abreu, bairro Nova Teresina.

“As pessoas podem doar uma bolsa, por exemplo, e colocar utensílios de higiene e beleza dentro, como absorvente, creme dental, sabonete, maquiagem, esmalte, entre outros. A gente pede também peças íntimas, temos uma grande dificuldade de coletar esse material, as mulheres em situação de rua têm uma grande carência disso”, informa a enfermeira Marina Leite, que faz parte da equipe do Consultório na Rua, acrescentando que as doações serão recolhidas no sábado, durante o Teresina em Ação..

Para a 29ª edição do Teresina em Ação, que será especial às mulheres pela passagem do Dia da Internacional da Mulher, foi desenvolvida também uma parceria com a Plan Internacional, organização não governamental que defende os direitos das crianças, adolescentes e jovens, com foco na promoção da igualdade de gênero. A organização levará material informativo sobre menstruação.

“É um tema muito importante, especialmente para as adolescentes, que estão tendo acesso a essa realidade agora e não tem muita informação sobre o assunto. A equipe estará tirando todas as dúvidas, explicando todo o processo e cuidados que devem ser tomados durante esse período”, explica a gerente de Articulação e Transversalidade da SMPM, Adriana Carvalho.

Durante todo o trabalho, serão apresentadas ainda as campanhas desenvolvidas pela SMPM, como “Não te dei liberdade”, ação de enfrentamento ao assédio e importunação sexual de mulheres. A comunidade vai poder conhecer também um pouco do trabalho desenvolvido na campanha “Elas inspiram”, ação que busca valorizar histórias de mulheres inspiradoras que desenvolveram trabalhos importantes na cidade.

Na oportunidade, também serão divulgados telefones e endereços dos serviços oferecidos pela SMPM, como Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), que atende mulheres em situação de violência em Teresina, e o Serviço Amor de tia, que atende integralmente mulheres e crianças em situação de vulnerabilidade na capital.

O Teresina em Ação é uma iniciativa da Prefeitura de Teresina que tem como objetivo principal oferecer gratuitamente serviços e orientações para a população. As atividades acontecem sempre aos sábados e já possui mais de 28 edições em diferentes bairros da capital.

SMPM leva campanha “Não te dei liberdade” para funcionários do Tribunal de Justiça-PI

 

Ascom/ SMPM

A campanha “Não te dei liberdade”, de enfrentamento ao assédio e importunação sexual de mulheres em Teresina, foi apresentada nesta quarta-feira (11) aos funcionários do Tribunal de Justiça do Piauí. A atividade aconteceu em parceria entre a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) e a Coordenadoria da Mulher do TJ-PI.

De acordo com a assistente social da SMPM, Lidiane Oliveira, é muito importante conscientizar as mulheres sobre o poder da denúncia e como é perigoso o silenciamento dos casos. “Quando alguém silencia, automaticamente naturaliza a prática, e isso não pode acontecer. É muito significativo estarmos dialogando dentro desse espaço, pois o TJ-PI concentra muito cargos de poder e sabemos que historicamente esses cargos são exercidos por homens, então é importante alertar e passar essa mensagem”, destacou.

A representante da Coordenadoria da Mulher do TJ-PI, Leina Mônica, enfatizou o papel significativo da rede de apoio às mulheres abranger todos os tipos de violações, não só de casos extremos como de violência doméstica.

“Para além das preocupações com os crimes de violência doméstica, temos que nos preocupar com outros tipos de violência também, como o assédio e a importunação sexual. Fizemos essa parceria com a secretaria e deixamos o convite para todos os Tribunais de Justiça do país entrarem nessa causa também e levar esse conhecimento para os espaços de trabalho”, pontuou Leina.

A abordagem no Tribunal de Justiça foi realizada em diferentes departamentos do órgão, onde foi feito o diálogo com funcionários apresentando as principais ideias da campanha. Foram entregues também materiais informativos e a apresentação do Centro de Referência Garcia (CREG), unidade que atende mulheres em situação de violência na capital.

Observatório Mulher Teresina: SMPM realiza alinhamento técnico com o Observatório do Senado Federal

Ascom/SMPM

A Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) apresentou para o Observatório do Senado Federal as metodologias que estão sendo desenvolvidas pelo Observatório da Mulher Teresina, visando implantar uma metodologia que atenda as especificidades da capital. O encontro está acontecendo em Brasília-DF, desde esta segunda-feira (09), e será concluído nesta terça-feira (10).

Segundo a Secretária Municipal da SMPM, Macilane Gomes, após a apresentação dos documentos, o Coordenador Nacional do Observatório da Mulher, Henrique Marques, concordou com as propostas apresentadas e o feedback foi bastante positivo.

“Ficamos muito felizes. Ele destacou o avanço de atuação que tivemos dentro do município de Teresina. Já temos o link de acesso ao observatório, foram mapeadas as leis municipais como produto do observatório, temos uma participação efetiva nas conferências de políticas públicas, tentamos criar uma estratégia de comunicação através dos sistemas de monitoramento da Prefeitura, são vários avanços”, elencou a Secretária.

Entre os encaminhamentos da reunião, foi estabelecida a utilização da plataforma Simmap (Sistema de Monitoramento de ações, projetos e programas) como ferramenta de monitoramento das políticas públicas executadas. Também será feito um diálogo com a Câmara Técnica e o Núcleo de Pesquisa em Gênero da Universidade Federal do Piauí (UFPI), para alinhamento de propostas e meios de execução.

O Observatório Mulher Teresina (OMT) é um projeto que tem o caráter técnico e científico para produzir dados que irão subsidiar o planejamento e execução das políticas públicas para mulheres, além de monitorar as ações de enfrentamento a violência contra a mulher em âmbito local, assim como verificar a efetividade da lei Maria da Penha.

Agenda Março Mulher: atividade trabalha autoestima de mulheres vítimas de violência

Ascom/ SMPM

O bem-estar físico e emocional é um dos principais instrumentos trabalhados em mulheres vítimas de violência. No trabalho da autoestima, as mulheres executam atividades para se sentirem melhor com a aparência e assim conquistar mais confiança.

A oficina de Automaquiagem realizada no Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), nesta segunda-feira (09), foi pensada com esse objetivo. A atividade faz parte do cronograma de ações da Agenda Março Mulher 2020, programação que traz inúmeras atividades como palestras e rodas de conversa em alusão ao mês da mulher.

A maquiadora Naiara Torres, da Fundação Wall Ferraz, comandou a atividade com as mulheres vítimas de violência atendidas pelo CREG e comentou como o exercício de automaquiagem pode ajudá-las na conquista da autoestima.

“Quando elas passam por essa situação de violência, a maioria a perde a vaidade, e a maquiagem ajuda na recuperação dessa autoestima, fazendo com que  elas se sintam bonitas novamente, e a partir do momento que você se sente bonita de novo, você passa a não deixar que outra pessoa te diga o contrário”, afirmou a profissional.

A dona de casa Rosana Santos, frequenta o Centro há um ano e seis meses e falou um pouco sobre a experiência da aprendizagem. “Aprendi bastante nesse curso. Eu só sabia o básico de maquiagem. E maquiagem é algo que mexe com tudo, com a pele, sorriso, olhar. Tudo isso influencia na hora que você olha no espelho, em como vai se sentir”, declarou.

Quem também se mostrou muita satisfeita com a atividade foi à aposentada Brígida da Silva, 55 anos, que frequenta o espaço há cerca de três anos. “Todo esse trabalho é muito importante pra gente, mexe muito com a autoestima. Juntou um pouco com o que eu já sabia de maquiagem, então só agregou conhecimento. Gostei muito desse exercício, espero que tenha mais vezes”, contou a aposentada.

Para a participação na atividade as mulheres foram presenteadas com um quite básico de maquiagem composto por lápis de olho, sombra, pó compacto e batom.

As próximas atividades,  do cronograma de ações da Agenda Março Mulher 2020 no Centro de Referência acontecem nesta sexta-feira (13), no Parque da Cidadania, às 08h30. Será o Dia Holístico: Tempo de Cuidar, com atividades de yoga, reiki e meditação. Já no dia 17 de março, às 08h30, será realizada uma aula de zumba do projeto “Mulheres que Dançam”, na sede do CREG, que fica localizado na Rua Benjamin Constant, 2170, Centro/Norte.