Covid-19: Abrigos fazem trabalho de conscientização com os Venezuelanos

Ascom\Semcaspi

Técnicos da Fundação Cajuína responsáveis pela manutenção dos abrigos do CSU do Buenos Aires e do Piratinga, que estão acolhendo os venezuelanos em Teresina, fizeram uma série de atividades para explicar sobre o trabalho de prevenção devido à pandemia da Covid-19.

Nos últimos dias, os profissionais estiveram nos espaços colocando cartazes com ilustrações na língua original da etnia “Warao” e ministraram palestras explicando sobre a pandemia e as medidas tomadas pelo município. As equipes contaram com o apoio da Antropóloga Lilia Gabriela Castelo Branco e do professor venezuelano, Yovini Eulálio, que é morador de um dos abrigos.

De acordo com Mayra Veloso, gerente de Proteção Social Básica (GPSB) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), as atividades diárias que estão sendo desenvolvidas nos abrigos fazem parte das medidas de conscientização da doença que foram tomadas pelo poder público nos últimos dias na cidade de Teresina.

“Cada abrigo tem uma equipe específica que faz o monitoramento diário das atividades que necessitam ser desenvolvidas dentro dos espaços. Estamos fornecendo toda a estrutura necessária para que seja feita da melhor forma possível e consiga fazer esse trabalho de prevenção com os venezuelanos“, disse a gerente.

Os venezuelanos tiveram acesso às informações sobre a doença através de vídeos e métodos de prevenção por meio de aulas de higienização das mãos, explicações sobre o isolamento social e de atendimento médico aos que apresentarem algum sintoma da doença.

“Nós mostramos vídeos e eles também tiveram acesso a outras informações com os venezuelanos que estão sendo acolhidos em outros estados. Fizemos ainda as palestras no espanhol e o professor Yovini Eulálio fez a tradução para a língua original deles, para que todos compreendessem o que estava sendo ministrado e adotassem uma nova rotina de cuidado e prevenção”, disse Maria Gorete, coordenadora do abrigo Piratinga.

Além das palestras, vários materiais explicativos foram espalhados pelos abrigos para que haja uma interiorização maior das informações e as crianças receberam alguns brinquedos educativos para manter as atividades lúdicas dentro dos espaços.

“Explicamos a proibição na entrada de pessoas que não foram chamadas pela coordenação dos abrigos e de maneira bem interativa sobre como se deve manter as mãos higienizadas, porque alguns deles ainda saem para comprar algum produto nos estabelecimentos comerciais da região. A equipe também conversou com eles sobre a necessidade de uma ajuda médica emergencial, caso algum sintoma seja constatado dentro do abrigo. Apesar da resistência inicial, eles acolheram todas as informações, perceberam a gravidade da pandemia e demonstraram cooperação”, explicou Ana Luiza Martins, coordenadora do Abrigo do CSU no bairro Buenos Aires.

Os migrantes indígenas da etnia Warao chegaram a Teresina no dia 13 de maio de 2019 e estão refugiados devido à crise econômica e política na Venezuela. Atualmente, 193 venezuelanos estão sendo acolhidos nos dois abrigos.

Teresina terá 100 novos abrigos de passageiros para usuários do transporte coletivo

Ascom/Strans

Bairros de todas as zonas de Teresina e também o Centro serão atendidos com 100 novos abrigos para usuários dos ônibus. Na construção destes espaços, a Prefeitura de Teresina vai empregar recursos próprios da ordem de R$ 2,4 milhões. O processo está na fase de licitação e, quando concluído, será contratada empresa para que a construção aconteça nos próximos meses.

A estrutura dos abrigos é de aço galvanizado, que oferecem mais resistência às intempéries e tem espaço específico para cadeirantes, banco e estrutura coberta.

O superintendente da Strans, Weldon Bandeira, ressalta que é um investimento da política de desenvolvimento urbano de Teresina e que os abrigos estão conforme as necessidades da população. “São três modelos de abrigos diferentes em suas dimensões para melhor adequação a cada situação do espaço da área de calçadas e proporcionar mais conforto para os usuários. Irá beneficiar grande parte das avenidas e ruas de Teresina, declara.

O engenheiro José Lopes, da Gerência de Engenharia de Tráfego, informa que muitos locais onde serão instalados os novos abrigos são para atender as solicitações da comunidade. “Recebemos solicitações para instalações de abrigos, pois temos um clima muito quente e as paradas precisam oferecer o conforto de um espaço coberto e com adequação para atender também os deficientes físicos”, adianta.

Secretário discute situação dos venezuelanos em Teresina com representante do MPF

Ascom/Semcaspi

O secretário municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), Samuel Silveira, recebeu na tarde desta quinta-feira (23) a visita do antropólogo do Ministério Público Federal (MPF), Márcio Martins dos Santos. Junto com a gerente de Proteção Social Especial da Semcaspi, Mayra Sousa, eles trataram sobre a situação dos refugiados venezuelanos indígenas Warao, que estão residindo no abrigo do CSU do bairro Buenos Aires, que é coordenado pela Semcaspi, e no Piratinga, ambos na zona Norte de Teresina.

No encontro, o representante do MPF buscou informações sobre o acolhimento humanitário e assistência institucional aos migrantes por parte da Prefeitura de Teresina e a receptividade dos venezuelanos com os serviços no aspecto da atenção social, à saúde e à segurança alimentar que são ofertados pelo poder público.

“Nós estamos percorrendo todos os estados que estão abrigando os venezuelanos para a elaboração de um relatório antropológico sobre a situação dos refugiados, a acolhida nesses lugares e o acesso as políticas públicas”, disse Márcio Martins.

Samuel Silveira apresentou o planejamento para continuidade do acolhimento humanitário e as dificuldades de diálogo com os venezuelanos, já que alguns continuam praticando a mendicância e a infração das regras de convivência que foram definidas dentro do abrigo coordenado pela Semcaspi.

“Foi um encontro muito proveitoso, porque notamos que o trabalho executado na cidade de Teresina está inserido no contexto dos demais municípios brasileiros. Deixamos em aberto para que, caso haja sugestão de qualquer outro lugar que esteja com a mesma situação que a nossa, que a gente possa ajustar e prestar de maneira plena nosso dever humanitário e institucional”, disse o secretário da Semcaspi.

Entre as novidades apresentadas na reunião, o secretário anunciou que o recurso do governo federal foi repassado para o município e que uma empresa está sendo contratada para formação de equipes e acompanhamento dos venezuelanos.  “O recurso financeiro é de suma importância, porque vai garantir a estabilização e inserção destes refugiados, adultos e crianças, na comunidade através do mercado de trabalho e na escola”, finaliza o secretário Samuel Silveira.

Os venezuelanos chegaram a Teresina no dia 13 de maio de 2019 e estão refugiados devido à crise econômica e política na Venezuela. O número deles na capital está em 187 divididos entre os dois abrigos.

Reunião discute regras nos abrigos dos venezuelanos em Teresina

Ascom/Semcaspi

Representantes da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI) estiveram reunidos na manhã desta terça-feira (09) com os coordenadores dos abrigos CSU do Buenos Aires e Piratinga para discutir a aplicação de algumas orientações solicitadas pelo Ministério da Cidadania do Governo Federal com os venezuelanos.

A chefe de Divisão de Média Complexidade da Semcaspi, Layla Paiva, informou que as regras serão estabelecidas e deverão ser cumpridas, mantendo um diálogo diário, mas respeitando a cultura dos migrantes.

“A coordenação do abrigo está construindo uma rotina para eles, onde diariamente terão momentos de conversas com explicação sobre as regras institucionais, reforçando, por exemplo, que não será permitida entrada de venezuelanos alcoolizados e nem a entrada de bebida alcoólica no abrigo e que não podem sair com as crianças” disse.

Para reforçar a necessidade de aplicação dessas regras, a gerente de Proteção Social Especial da Semcaspi, Daguimar Barbosa, esteve no abrigo para dialogar com os migrantes e repassar o posicionamento do município.

“Estivemos lá para informá-los que essas orientações serão repassadas diariamente para eles. Nossa intenção é manter as ações educativas dentro do abrigo e nas ruas, para que eles consigam se adaptar a essa nova realidade”, explicou a gerente.

Como parte da construção desse diálogo, enfermeiros da Fundação Municipal de Saúde estiveram no abrigo do CSU do Buenos Aires para quantificar o número de crianças que precisam de vacinação, avaliar o estado de saúde delas e levar algumas orientações para os adultos. Os abrigos possuem uma comissão formada por uma equipe multidisciplinar composta por assistentes sociais, agentes de proteção social, organizações não governamentais e representantes poder público.

Transferência dos venezuelanos para novo abrigo acontece nesta quinta-feira

Os 115 venezuelanos que estão refugiados em Teresina serão transferidos para um novo abrigo na manhã desta quinta-feira (04). Os migrantes serão acomodados no Centro Social Urbano do bairro Buenos Aires, localizado na Rua Crisipo Aguiar. A chegada deles está prevista para às 8h.

“Estamos cumprindo uma obrigação humanitária e institucional que é acolher os venezuelanos. Desde a chegada deles, temos prestado, juntamente com a sociedade civil, igreja, governo e ONGs, toda a assistência necessária, distribuindo kits de limpeza, higiene, alimentação, além de disponibilizarmos espaços para eles ficarem abrigados”, explica o secretário municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira.

Com a mudança, os venezuelanos que estão nos abrigos do KM7, Pastoral de Rua e sede do MP3 serão remanejados para o CSU do Buenos Aires, que é mais espaçoso e foi reformado para recebê-los. Já o grupo de migrantes do Piratinga permanecerá no local. Dessa forma, o número de abrigos passará de cinco para dois. Esses espaços foram cedidos pelo Governo e serão administrados pela Prefeitura de Teresina.

De acordo com a chefe de divisão de Média Complexidade da Semcaspi, Layla Paiva, a mudança deve melhorar o atendimento na área da saúde e assistência aos migrantes. “O processo de mudança facilitará o fornecimento do serviço básico por parte das nossas equipes de assistentes sociais e agentes de proteção social”, reforça.

Os venezuelanos chegaram em Teresina no dia 13 de maio. Os migrantes são indígenas da etnia Warao e estão refugiados devido à crise econômica e política na Venezuela. O número deles na capital já chegou a 206 no mês passado, mas alguns já migraram para outras cidades. Cerca de 40% são crianças e adolescentes. Os migrantes não sabem ler, não falam português e possuem dialeto e religião própria.

Reunião define mudança nos abrigos dos venezuelanos em Teresina

Ascom/Semcaspi

Representantes da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) participaram, na tarde desta terça-feira (25), de uma reunião para discutir as mudanças nos abrigos que estão recebendo os migrantes venezuelanos da etnia Warao em Teresina. Atualmente, 206 venezuelanos estão cadastrados pela Prefeitura de Teresina.

O encontro foi organizado pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e contou também com representantes da Secretaria Estadual de Assistência Social (Sasc), Defensoria Pública, Câmara Municipal de Teresina, Caritas Arquidiocesana, Pastoral de Rua e do Movimento Pela Paz na Periferia (MP3).

A Chefe de Divisão de Média Complexidade da Semcaspi, Layla Paiva, explicou que os migrantes que estão acolhidos no Mocambinho, Pastoral de Rua e na Sede do MP3 serão transferidos para o prédio do Centro Social Urbano do bairro Buenos Aires.

“São cerca de 100 pessoas que serão transferidas para esse novo espaço, que foi oferecido pelo Governo do Estado. O local está passando por reforma, mas deve ser entregue no domingo. E no dia seguinte, a Semcaspi vai fazer essa locomoção em parceria com a Pastoral de Rua e MP3. Estamos articulando também a parte estrutural dos abrigos”, disse Layla Paiva.

O encontro discutiu ainda a redução e a responsabilidade de coordenação dos abrigos que ficará com os educadores indicados pela Semcaspi.

“Os venezuelanos que estão nos abrigos do KM7 e Poti Velho serão acomodados no CSU do Buenos Aires. Dessa forma, deixará de ser cinco abrigos e, agora, serão apenas três. Isso facilitará o fornecimento do serviço básico. Nós já temos representantes em dois abrigos, mas com a mudança, nossas equipes ficarão responsáveis por oferecer toda assistência nos três lugares”, finalizou.

Na reunião ficou definido que um seminário, com a participação de representantes da Funai de Manaus e antropólogos, deve ser oferecido nos próximos dias no intuito de trocar experiências e se trabalhar as formas de abordagem e diálogo com os venezuelanos.