Teresina registra queda de 83% no número de casos de dengue

Ascom/ FMS

Como resultado de um intenso trabalho realizado pelo município, Teresina está apresentando um baixo risco para infestação por Aedes aegypti. O número de casos de dengue teve queda de 83% em comparação ao mesmo período do ano passado. Dados da Fundação Municipal de Saúde (FMS) apontam que, neste mês de junho, o índice de infestação predial foi de 0,9%. O número está muito abaixo do que foi registrado no segundo levantamento do ano realizado em março, que era de 3%.

Teresina registrou, de 1°janeiro a 22 junho deste ano, 558 casos confirmados de dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti e não foi notificado nenhum óbito desde o começo de 2020. “Temos trabalhado para reduzir o índice de infestação do mosquito, realizando visitas domiciliares, recolhimento de pneus e o esgotamento dos ovos do mosquito em pontos estratégicos. Mas acreditamos também que a sanitização da área externa de espaços públicos, que possuem grande fluxo de pessoas, pode ter sido um dos fatores que possibilitaram a interrupção no ciclo biológico do Aedes aegypti”, informa a gerente de Zoonoses da FMS, Oriana Bezerra.

Ela explica que o Aedes é um vetor muito sensível a odores. “O produto usado na sanitização, um composto de hipoclorito de cálcio, que contem cloro, pode ter ajudado na interrupção do desenvolvimento biológico do mosquito, matando as larvas do transmissor. É importante enfatizar que a sanitização por si só não impede a proliferação do mosquito. É preciso que a população tenha consciência de manter suas casas livres de criadouros, evitando a existência de focos do Aedes”, alerta Oriana.

Segundo dados da Gerência de Zoonoses, este ano já foram retirados 270 mil ovos do mosquito, que também causa a zica e a chikungunya. “Pelas condições climáticas de Teresina, um ovo do mosquito pode passar para a fase adulta em apenas cinco dias”, explica a diretora de Vigilância em Saúde da FMS, Amariles Borba, ressaltando que, este ano, Teresina não registrou nenhum caso de zica, entretanto foram confirmados 59 casos de chikungunya.

A zona Norte da capital lidera em casos de dengue. Os dez bairros com maior números de casos são: São Joaquim (25), Mocambinho (20), Primavera (17), Mafrense (17), Parque Brasil (16), Buenos Aires (16), Matadouro (13), Parque Alvorada (12), Água Mineral (11) e Real Copagre (10).

Teresina está em médio risco para infestação do Aedes aegypti

Teresina está em médio risco de infestação pelo mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. É o que indica o segundo Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2020, divulgado hoje (26) pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Segundo a pesquisa, o Índice de Infestação Predial (IIP) – a relação entre o número de imóveis positivos para o mosquito pelo total pesquisado – da capital foi de 3,0. A pesquisa, feita entre os dias 16 a 20 de março, foi realizada em todos os bairros da capital, que foram divididos em 32 estratos.

“Nós da Gerência de Zoonoses estamos com nossas atividades normais, intensificando sempre todas as ações relacionadas ao controle do Aedes. Mesmo com a pandemia do coronavírus, as pessoas precisam continuar mantendo os cuidados para não acumular água em casa e também prevenir a proliferação do mosquito causador da dengue, zika e chikungunya”, alerta Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da capital.

Ela reforça que as pessoas precisam abrir a porta para os agentes de endemia, que estão em campo. “Solicitamos que as pessoas recebam os agentes de endemia para vistoria dos imóveis. Mantendo a distância de 2 metros entre o agente e os moradores, e a higiene básica das mãos, o trabalho dos agentes continua. Eliminando os possíveis criadouros e tratando”, diz ela.

Durante o LIRAa, que é feito quatro vezes ao ano, os agentes de endemias da FMS percorrem os imóveis em busca de focos em potenciais criadouros. São enviados os índices de focos por meio da identificação tanto de larvas, como da forma adulta do inseto. Os dados obtidos servirão como base para o desenvolvimento de estratégias de combate ao Aedes aegypti e trabalhos educativos voltados à prevenção da dengue, zika e chikungunya.

Teresina tem baixo risco de infestação pelo Aedes aegypti, aponta levantamento

Ascom/FMS

Teresina registra baixo risco de infestação pelo mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. É o que indica o primeiro Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2020, divulgado nesta sexta-feira (17), pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Segundo a pesquisa, o Índice de Infestação Predial (IIP) – a relação entre o número de imóveis positivos para o mosquito pelo total pesquisado – da capital foi de 0,7%.

A pesquisa, feita entre os dias 08 e 14 de janeiro, foi realizada em todos os bairros da capital, que foram divididos em 32 estratos. Durante o LIRAa, que é feito quatro vezes ao ano, os agentes de endemias da FMS percorrem os imóveis em busca de focos do mosquito em potenciais criadouros. São enviados os índices de focos por meio da identificação tanto de larvas, como da forma adulta do inseto. Os dados obtidos servirão como base para o desenvolvimento de estratégias de combate ao Aedes aegypti e trabalhos educativos voltados à prevenção da dengue, zika e chikungunya.

“Este resultado de 0,4% é fruto do trabalho de rotina dos agentes de endemias e das ações de intensificação que são realizadas durante todo o ano, como a Faxina nos Bairros”, comenta Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS. A Faxina acontece todos os sábados em dois bairros de diferentes zonas da cidade. Neste sábado (18) será a vez dos bairros Samapi e Alto Alegre, zonas Leste e Norte respectivamente.

Na Faxina nos Bairros, os moradores dos locais são orientados pelos agentes de saúde a fazer uma limpeza dentro de suas casas e depositar o lixo na calçada no sábado, quando ele será recolhido pelas equipes da SDU. “Pedimos especial atenção para o lixo que não é recolhido pela limpeza regular, como eletrodomésticos e móveis de grande porte”, diz a gerente. Ainda no sábado, a equipe da FMS faz uma caminhada educativa, orientando a população sobre medidas preventivas de combate à dengue, zika e chikungunya e os males trazidos por estas doenças. As equipes se reúnem em um ponto de encontro a partir das 8h da manhã e de lá iniciam o percurso.

No Samapi, o ponto de encontro será na Capela Nossa Senhora das Graças, e será percorrido o quadrante formado pelas ruas José Torquato Viana, rua Apolo XI e Avenida Maria Antonieta Burlamaqui. Já no Alto Alegre, o ponto de encontro será no CMEI Anita Ferraz, com percurso no quadrante formado pelas ruas Castelo do Piauí, Amarante, Pescador Raimundo Salvino, Sapucaia e João Isidoro França.

“É bom ressaltar que o período chuvoso está iniciando e que a oferta de potenciais criadouros deve ser reduzida, ou seja, as pessoas devem ser vigilantes nos seus ambientes residenciais, de trabalho, de lazer e religiosos, e com isso retirar todo e qualquer depósito que possa acumular água e se transformar num criadouro. A responsabilidade é de todos”, alerta Oriana Bezerra.

Bairros Cidade Jardim e Aroeiras recebem mutirão de combate ao Aedes aegypti

Com a proximidade do período chuvoso é importante evitar o acúmulo de lixo que pode gerar criadouros do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Para evitar isso, a Prefeitura de Teresina e a população se unem na Faxina nos Bairros, ação semanal de limpeza e educação em saúde, que neste sábado (07) estará nos bairros Aroeiras (zona Norte) e Cidade Jardim (zona Leste).

A ação é uma iniciativa da Fundação Municipal de Saúde (FMS), com a colaboração das Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada área. “A ideia é que toda a população dedique um dia da semana para verificar todos os possíveis focos do mosquito, fazendo uma limpeza geral em sua residência e impedindo a reprodução do Aedes”, comenta Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS. Nos dias que antecedem a Faxina, os moradores são avisados pelos agentes de saúde e endemias a fazer uma limpeza em suas casas e orientados a depositar nas calçadas todo o material inservível para que seja coletado pela equipe de limpeza, especialmente aqueles de grande porte que não são recolhidos pela limpeza regular.

As equipes se encontram em um local e percorrem um quadrante determinado para a limpeza. Simultaneamente, ocorre uma caminhada educativa, em que os profissionais da FMS dão orientações aos moradores sobre as principais formas de combate ao mosquito.

No Aroeiras, zona norte, as equipes se encontrarão no Portal do Nova Teresina, de lá percorrem o quadrante formado pelas avenidas Caçapava, Josué de Moura Santos, Rua Projetada e Rua Xexeu. Já no bairro Cidade Jardim, o quadrante percorrido será formado pelas ruas Joel Loureiro, Alterosa, Avenida Presidente Kennedy e Avenida Josué de Moura Santos, tendo como ponto de encontro no Cemitério Santa Mônica.

“Solicitamos aos moradores destas áreas que a partir de hoje já coloque todo esse material que serve para acumular água e não tenha utilização pelos moradores nas calçadas. Para que no sábado a prefeitura retire todos esses materiais e possa permanecer com os ambientes livres de criadouros”, diz Oriana Bezerra.

A atividade foi iniciada com o intuito de incrementar as ações de controle vetorial da FMS e desde então contribuiu para redução em torno de 50% da incidência de casos de dengue, chikungunya e zika em Teresina. A principal ação para prevenção dessas doenças é evitar o nascimento do mosquito da dengue, já que não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação.

 

Bairros Vermelha e Comprida recebem mutirão de limpeza neste sábado (09)

A Prefeitura de Teresina promoverá, neste sábado (09), um mutirão de limpeza e educação com o objetivo de acabar com os criadouros do Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como a zika, dengue e chikungunya. A ação é parte do projeto Faxina nos Bairros e é fruto de uma parceria entre a Fundação Municipal de Saúde (FMS) e as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada região. Nesta edição, serão beneficiados os bairros Comprida (zona Sudeste) e Vermelha (zona Sul).

Durante a semana, os moradores dos locais são orientados pelos agentes de saúde a fazer uma limpeza dentro de suas casas e depositar o lixo na calçada no sábado, quando será recolhido pelas equipes da Superintendência. “Pedimos especial atenção para o lixo que não é recolhido pela limpeza regular, como eletrodomésticos e móveis de grande porte”, diz Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS.

Ainda no sábado, a equipe da FMS fará uma caminhada educativa, orientando a população sobre medidas preventivas de combate às doenças e os males trazidos por elas. As equipes se reúnem em um ponto de encontro a partir das 8h da manhã e, de lá, iniciam o percurso. No Comprida, o ponto de encontro será a Escola Municipal Mario Quintana e o percurso será as ruas 2, Monsenhor Raul Pedreira, Moisés Castelo Branco e 4, do Parque Alexandria. Na Vermelha, será feito o trajeto das ruas Henrique Dias, 21 de Abril, Riachuelo, João Cabral, Oeiras, Gilbués, Murilo Braga e Avenida Pedro Freitas, sendo o ponto de encontro o Tribunal de Contas do Estado.

Com a colaboração da população, a FMS tem centrado suas ações em evitar o descarte irregular de lixo pela cidade, evitando o acúmulo de água, que favorece criadouros do mosquito. “As pessoas precisam ficar atentas e criar o hábito de manter suas residências e arredores sempre limpos. As atitudes rotineiras trazem muitos benefícios à saúde, não apenas em evitar zika, dengue e chikungunya, como também outras doenças decorrentes de falta de higiene”, alerta Oriana Bezerra. “Mesmo com o fim da época de chuvas, não devemos nos descuidar com o depósito de água em objetos que nas residências. Por isso, pedimos a ajuda de todos nessa luta”, finaliza a gerente.

Levantamento indica baixo risco de infestação do Aedes aegypti em Teresina

Teresina está em baixo risco para uma epidemia de dengue, zika ou chikungunya. É o que diz o quarto e último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti divulgado hoje (10) pela Fundação Municipal de Saúde (FMS).

A pesquisa, realizada entre os dias 30 de setembro e 04 de outubro, registrou um Índice de Infestação Predial (IIP) – a relação entre o número de imóveis positivos para o mosquito pelo total pesquisado – de 0,2% na capital. “O resultado servirá de base para que o Ministério da Saúde faça uma análise e divulgue quais cidades estão em situação de risco para uma eventual epidemia de dengue, zika e chikungunya”, explica a gerente de Zoonoses da FMS, Oriana Bezerra.

Para Oriana Bezerra, a boa classificação ratifica o trabalho intenso que a FMS tem realizado no combate ao Aedes aegypti. “Ela é fruto do trabalho de rotina dos agentes de endemias, bem como das ações de intensificação que são realizadas durante todo o ano, como a Faxina nos Bairros”, diz a gerente, referindo-se à atividade semanal de limpeza e educação que a Prefeitura de Teresina promove em diferentes zonas da cidade.

A gerente de Zoonoses chama atenção para que a população não deixe de tomar os cuidados básicos de combate ao mosquito, mantendo assim os bons índices. “Não podemos, de forma alguma, deixar de lembrar a importância da manutenção de nossos ambientes, sejam de trabalho, de lazer ou então residencial e espaços públicos, para que não tenham potenciais criadouros ou os próprios criadouros do Aedes. Temos que manter essa vigilância com objetivo de iniciarmos 2020 sem problemas nos nossos ambientes”, finaliza a gerente.

Ação de prevenção ao Aedes é realizada no Promorar e Bom Princípio neste sábado (21) 

A reprodução do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, não escolhe o bairro ou casa. Ele precisa apenas de locais com água parada. Por isso, o cuidado para evitar a sua proliferação deve ser feito por todos. O projeto Faxina nos Bairros, atividade semanal da Prefeitura de Teresina, promove, neste sábado (21), visita aos bairros Promorar e Bom Princípio, zonas Sul e Sudeste da capital, a partir das 8h da manhã.

O projeto é uma ação de limpeza e educação organizada pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) em parceria com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada área. “A ideia é que toda a população dedique um dia da semana para verificar os possíveis focos do mosquito, fazendo uma vistoria geral em suas residências e impedindo a reprodução do mosquito”, comenta Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS.

Durante a semana, os moradores são avisados pelos agentes de saúde e endemias a fazer uma faxina em suas casas e depositar nas calçadas todo o material inservível para que seja coletado pela equipe, especialmente aqueles de grande porte que não são recolhidos pela limpeza regular.

Os grupos se encontram em um local e de lá saem percorrendo um quadrante determinado para a ação. Na zona sul, será o quadrante formado pela avenida deputado Ulisses Guimarães, Rua Odilon Nunes, BR 316 e avenida Palmeiras. Ponto de partida: CAIC. Já na zona sudeste,  será aquele formado pela Avenida Camilo Filho, Rua 03, Rua da Congregação Assembleia de Deus e Rua Projetada. Ponto de partida: CMEI do Recanto dos Pássaros.

“Solicitamos aos moradores destas áreas que, a partir de hoje, já coloque todo esse material que serve para acumular água e não tenha utilização pelos moradores nas calçadas, para que no sábado a prefeitura retire e possa favorecer ambientes livres de criadouros”, diz Oriana Bezerra.

A atividade veio com o intuito de incrementar as ações de controle vetorial da FMS e, desde então, contribuiu para redução em torno de 50% da incidência de casos de dengue, chikungunya e zika em Teresina. A principal ação para prevenção dessas doenças é evitar o nascimento do mosquito da dengue, já que não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação.