SEMPLAN realiza workshop online para discutir projeto de adaptação climática

A equipe da Agenda Teresina 2030, departamento da secretaria municipal de planejamento ligado a projetos de sustentabilidade, realizou na última quarta-feira (09) um workshop online, com profissionais e acadêmicos ligados às áreas urbanísticas e ambientais para discutir um projeto de sustentabilidade para os municípios que compõem a Região Integrada de Desenvolvimento Econômico (RIDE) da Grande Teresina.

O projeto, que será financiado pelo GEF, fundo global para o meio ambiente, envolve diversas ações visando à adaptação da região às mudanças climáticas, como criação de unidades de conservação, transformar as hortas comunitárias em agroecológicas, criar uma zona de baixa emissão de carbono entre Teresina e Timon, entre outras.

Participaram do workshop arquitetos, engenheiros, biólogos, ambientalistas, estudantes, agricultores e pessoas em geral interessadas em sustentabilidade. O objetivo do evento foi ouvir essas pessoas para melhorar o projeto, fazendo uma construção colaborativa com pessoas que já trabalham ligados a essa área.

“Nós temos uma proposta inicial, com diretrizes e projetos viáveis que possam integrar os municípios dessa região para desenvolver uma estratégia de adaptação às mudanças climáticas. Nós apresentamos esse plano para os participantes e ouvimos as contribuições deles para aprofundar essa proposta, uma forma de ouvir a população para construirmos esse projeto juntos”, explica Cíntia Bartz, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

“Achei o workshop uma iniciativa muito boa para despertar uma discussão que precisa ser feita. Muitas vezes a gestão não tem conhecimento de certas demandas que a sociedade civil tem e isso acaba passando despercebido na elaboração das políticas públicas”, conta o urbanista e pesquisador de planejamento urbano, Mário Pacheco.

Curso online da Agenda Teresina 2030 ensina como a cidade pode reagir a desafios

As duas primeiras edições do Curso de Ensino à Distância (EAD) da Agenda Teresina 2030 instigou diversos urbanistas, servidores públicos, estudantes e o público em geral sobre questões relacionadas à resiliência urbana. Com o tema “Tornando Teresina resiliente aos desafios: de pandemias às mudanças climáticas”, os participantes refletiram como a gestão pública pode se preparar para estresses corriqueiros e até problemas graves e inesperados, como a pandemia do Coronavirus.

O curso teve quatro módulos, sendo os dois primeiros mais básicos, abordando alguns conhecimentos e conceitos sobre as mudanças climáticas e os acordos feitos por governos ao redor do mundo para combater estes problemas. Os dois últimos módulos abordarão as estratégias urbanas adotadas em relação a estas questões e a análise de riscos, que envolvem choques, estresses e desafios, incluindo a pandemia de Covid-19.

Naelle Galvão, uma das participantes do curso EAD, relata sua experiência e conta que a divulgação desses conhecimentos torna a cidade mais preparada. “Eu adorei o curso, a forma de abordagem foi bastante didática e acessível. Eu acredito que tudo parte do conhecimento e da educação, e a medida em que cursos como esse são ofertados para a população, nós podemos nos preparar melhor para enfrentar desafios, como os que temos enfrentado. Minhas expectativas foram atendidas, e me sinto muito grata por ter tido essa oportunidade de aprender”, relata a participante.

Lorena Moura, arquiteta, urbanista e professora universitária, mostra a mesma opinião. “Vi no curso uma oportunidade de atualização e de entender um pouco melhor a relação crise climática, cidades, cidadãos e pandemia. Foi além do que eu esperava: a construção das aulas nos fez ter uma visão do macro ao micro – da situação do planeta até a realidade da cidade de Teresina. Estamos caminhando para uma cidade mais resiliente, mas é claro que depende muito dos cidadãos e o curso é uma oportunidade de disseminação de conhecimento. Nós, os alunos, podemos impactar mais pessoas e essa rede só aumenta”.

Agenda 2030

A Agenda 2030 é o departamento da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN) responsável pela promoção e monitoramento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU na Prefeitura de Teresina.

Agenda Teresina 2030 lança desafio de conscientização sobre violência doméstica durante o isolamento social

A Agenda Teresina 2030, departamento da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN), lançou em seu Instagram o “Desafio ODS 5”, com o objetivo de incentivar as pessoas a compartilharem o seu conhecimento sobre violência doméstica e conscientizar os seguidores a fazerem denúncias sobre qualquer suspeita de mulheres vivendo nesta situação. (mais…)

Workshop da Agenda Teresina 2030 encerra com propostas para mulheres vulneráveis

Ascom/Semplan

O workshop Mulheres pelo Clima, realizado durante a última semana pela Agenda Teresina 2030 para estimular o protagonismo feminino nas ações para as mudanças climáticas, encerrou-se na sexta-feira. Além de palestras ministradas aos participantes e comunidades em geral, o encontro foi responsável pela elaboração de propostas de ações que viabilizem o protagonismo das mulheres mais penalizadas com as mudanças climáticas em Teresina.

De acordo com a ONU, as mulheres são as mais vulneráveis aos efeitos causados pelas mudanças climáticas. Com isso em mente, o workshop Mulheres pelo Clima buscou trazer especialistas em urbanismo e questões de gênero para discutir a realidade de grupos mais afetados por essas questões na capital piauiense, como as horticultoras, ceramistas e recicladoras.

Após uma semana de imersão na realidade dessas mulheres e palestras realizadas em parceria com a ONU Habitat e a universidade holandesa Fontys, os participantes foram divididos em grupos que pensaram soluções de como tornar melhor a vida destas mulheres, como aplicativos para aproximar o trabalho delas com a população em geral, reorganização do espaço de trabalho, planejamento de longo prazo, etc.

“Muitas mulheres em Teresina trabalham com atividades que são diretamente afetadas pelas mudanças climáticas. As horticultoras têm longos períodos de seca ou de calor intenso, as ceramistas não terão material no futuro, então é importante trabalhar com elas. Isto pode ser um pontapé inicial para o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para estes grupos”, comentou, Pepijn Verpaalen, coordenador do departamento de urbanismo da Universidade Fontys que palestrava no workshop.

Para o Prefeito Firmino Filho, o projeto busca trazer processos de conscientização em relação a questão climática e a questão de gênero, trabalhando diretamente com esses grupos de mulheres. “A ideia é buscar desenvolver projetos, construídos de baixo para cima, e que esses projetos possam se viabilizar ao longo do tempo”, comentou o prefeito de Teresina.

“Teresina conseguiu engajar pessoas de várias frentes de atuação da sociedade civil e chegar a três ideias para sonhar com um futuro melhor para essas mulheres. Agora é trabalhar para transformar isso em um movimento mais amplo, para amplificar o Programa Mulheres pelo Clima”, completou Flávia Maia, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

Para Ana Régia Noleto, participante do workshop, a semana intensa resultou em muitos aprendizados. “Nós aprendemos muito com os facilitadores sobre a sabedoria da cidade, de construir uma cidade inteligente. Envolver as pessoas para alcançar os objetivos da cidade e observar quais são as necessidades das mulheres, para planejar Teresina visando benefícios em longo prazo”, afirmou.

Agenda Teresina 2030 realiza aula aberta sobre urbanismo sustentável

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Municipal de Planejamento e Coordenação – Semplan e da Agenda Teresina 2030, promoveu uma aula aberta sobre Urbanismo Sustentável para refletir os desafios urbanos relacionados às mudanças climáticas, na capital e no mundo.

A aula aberta aconteceu no Palácio da Música e foi ministrada por dois pesquisadores holandeses, indicados pela Embaixada do Reino dos Países Baixos no Brasil; e uma representante do Programa das Nações Unidas Para os Assentamentos Humanos – a ONU HABITAT.

Com dados da Agência Espacial Americana, a NASA, sobre o aumento mundial da temperatura do ar e a recente classificação de Teresina como bioma semiárido, a intenção da prefeitura é promover uma troca de experiências e conectar as iniciativas de urbanismo nos modais de sustentabilidade feitos na Holanda, com as soluções desenvolvidas pela Agenda 2030 para o futuro da capital.

Para a Coordenadora da Agenda Teresina 2030, Flávia Maia, a questão da sustentabilidade e das mudanças climáticas não devem ser interpretadas apenas como desafios locais. “Essa aula está sendo muito proveitosa nesse sentido de ampliação da consciência sobre essas mudanças. Nós tivemos uma grande adesão da comunidade acadêmica, em especial, os estudantes universitários. Esse é um público muito interessante de se alcançar porque eles são os multiplicadores do conhecimento, são pessoas que de uma forma, ou de outra, estão engajadas no planejamento da cidade”, comentou.

É fato que as transformações climáticas são uma realidade permanente na agenda dos governos ao redor do mundo. Por isso, as iniciativas para aproximação da sociedade com a temática são muito importantes.

A professora universitária e diretora do centro de tecnologia da UFPI, Nícia Formiga, incentivou a participação dos seus alunos na aula. “É muito importante que eles participem sempre dessas iniciativas que a cidade traz, pois não podemos mais falar em cidades sem pensar na sustentabilidade”, comentou.

Após acompanhar o processo de elaboração do Novo Plano de Ordenamento Territorial de Teresina (PDOT), o aluno do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Piauí, Arthur Pedrosa, sentiu interesse em acompanhar as ações da Agenda Teresina 2030. “Estar numa aula aberta como essa permite que a gente fique atualizado, coerente com as vertentes e ideias que o urbanismo vai formulando. Uma coisa interessante da Agenda Teresina 2030 é ter a participação popular como um dos grandes critérios, pois a cidade só vai crescer e ter soluções de urbanismo adequadas se houver a opinião popular presente”, finalizou.

PMT prolonga inscrições para workshop sobre mudanças climáticas e empoderamento feminino

O workshop “Stadslab Master Class”, que pretende capacitar profissionais para a elaboração de projetos de enfrentamento às mudanças climáticas com enfoque no empoderamento feminino, teve o período de inscrições prolongado. Os candidatos podem se inscrever gratuitamente enviando o formulário preenchido e uma carta de motivação para semplan.agenda2030@gmail.com até o dia 31 de agosto.

O evento é resultado de uma parceria firmada entre a Prefeitura de Teresina e a universidade holandesa Fontys University, especializada em intervenções urbanas. A capacitação acontece de 13 a 18 de outubro e faz parte do programa Mulheres Pelo Clima, desenvolvido pela Agenda Teresina 2030, departamento da Secretaria Municipal de Planejamento (Semplan) que trabalha com os objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU.

Serão 30 vagas, sendo 15 para profissionais locais e 15 para profissionais de outros estados e países, sendo necessário o domínio da língua inglesa para participar. O programa envolve aulas, visitas de campo e trabalhos em equipe. Os participantes serão selecionados com base nos seus currículos, no conteúdo da carta e ordem de inscrição. Um e-mail será enviado para notificar as pessoas selecionadas.

Teresina será a primeira cidade da América Latina a sediar este workshop. O projeto pretende evidenciar os desafios e oportunidades a grupos de meninas e mulheres no enfrentamento da crise socioambiental, em um contexto de clima extremamente quente. Além disso, busca aproximar e desenvolver relações de confiança entre jovens arquitetos, profissionais de áreas relacionadas e a comunidade local. A ideia é promover a liderança feminina em comunidades vulneráveis, como uma medida de adaptação aos riscos e ameaças associados às mudanças climáticas.

Para baixar o formulário de inscrição, clique aqui.

Teresina firma parceria com universidade holandesa sobre mudanças climáticas

A Prefeitura de Teresina firmou parceria com a universidade holandesa Fontys, especializada em intervenções urbanas. O acordo foi feito para a realização de um workshop que capacita profissionais para a elaboração de projetos para enfrentar mudanças climáticas com um enfoque de gênero. O workshop “Stadslab Master Class” acontece entre os 13 e 18 de outubro e faz parte do programa Mulheres Pelo Clima, desenvolvido pela Agenda Teresina 2030, departamento da Secretaria Municipal de Planejamento (Semplan). A pauta é voltada para o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Teresina será a primeira cidade da América Latina a sediar este workshop. Na capital piauiense, o projeto pretende dar visibilidade aos desafios e oportunidades a grupos de meninas e mulheres no enfrentamento da crise socioambiental em um contexto de clima extremamente quente. Além disso, busca aproximar e desenvolver relações de confiança entre jovens arquitetos e profissionais das áreas correlatas e a comunidade local. A ideia é promover a liderança feminina em comunidades vulneráveis, como uma medida de adaptação aos riscos e ameaças associados às mudanças climáticas.

“O objetivo da nossa aliança é promover o desenvolvimento urbano com foco na equidade de gênero e na transversalidade da mudança do clima. Nós reconhecemos o desafio da mudança do clima e a vulnerabilidade de mulheres a questões climáticas em grupos específicos. Por isso, buscamos ajuda especializada para desenvolver e construir resiliência para esse grupo de mulheres”, destaca Gabriela Uchoa, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

A participação no workshop é gratuita e o programa envolve aulas, visitas de campo e trabalhos em equipe. Serão 30 vagas, sendo 15 para profissionais locais e 15 para profissionais de outros estados e países. Os candidatos podem se inscrever enviando o formulário preenchido e uma carta de motivação para semplan.agenda2030@gmail.com até o dia 23 de agosto. Os participantes serão selecionados com base nos seus currículos, no conteúdo da carta e ordem de inscrição. Serão notificados sobre o seu status até 30 de agosto.

“O que nós buscamos nesse workshop é um intercâmbio de conhecimento. Profissionais locais e de outras cidades e países trarão os saberes de outras práticas, de outros lugares, para que possamos buscar novas soluções para problemas que enfrentamos aqui”, conclui Mariana Fiuza, Urbanista da Agenda Teresina 2030.

Teresina é apresentada como exemplo de smart city no Congresso das Cidades

Ascom Semplan

A coordenadora da Agenda Teresina 2030, Gabriela Uchôa, foi uma das palestrantes do último dia do Congresso das Cidades, que aconteceu nesta quarta-feira (08) no Atlantic City Club. Gabriela falou sobre como o conceito de Smart City (cidades inteligentes) podem ser aplicados em cidades em desenvolvimento, superando desafios como a falta de recursos.

O conceito de Smart City pode ser entendido como o uso da tecnologia para melhorar a infraestrutura urbana e tornar as cidades mais eficientes e com mais qualidade de vida para a população. Nos países em desenvolvimento, o uso desta estratégia esbarra em alguns desafios adicionais, mas que podem ser superados com uma boa gestão.

“Apresentamos o modelo que a gente construiu utilizando esse conceito em Teresina. Nossa cidade pode ensinar tanto em um contexto de desafios, pelas próprias condições climáticas que apresenta, quanto na questão de pouca arrecadação, e como podemos usar a tecnologia e a inovação para superar esses desafios”, explica Gabriela.

O uso desta estratégia traz diferentes benefícios para a cidade, não só na aplicação direta em projetos a serem executados nos centros urbanos, como na obtenção de dados que permitam conhecer melhor os problemas enfrentados e também como superá-los.

“A população ganha com uma cidade mais consciente, que sabe seu diagnóstico, sabe o rumo que deve ir e quais as políticas em que deve avançar. Traz a possibilidade de termos mais projetos, construir mais parcerias para tocar projetos que vão beneficiar diretamente a população”, diz a palestrante.

“Foi muito importante ver como esses conceitos podem ser aplicados na nossa realidade. Nós conhecemos as inovações e os benefícios do uso da tecnologia para a gestão pública, mas muitas vezes parece algo muito distante da gente. Aqui foi mostrado que é possível”, explica Letícia Oliveira, estudante que acompanhou a palestra.

Espaço Futuro

A Agenda Teresina 2030 esteve presente nos três dias de Congresso das Cidades com o stand batizado de espaço futuro. Além de mostrar diversos projetos executados pela Prefeitura de Teresina, o espaço convidou os frequentadores a refletirem sobre diversas questões relacionadas à sustentabilidade.