Decreto regulamenta segunda etapa da retomada das atividades econômicas para dia 20

A Prefeitura de Teresina publicou decreto com a nova data da segunda etapa da Fase 1 do processo de retomada econômica de Teresina, que será iniciada no dia 20 de julho e não mais dia 13. O adiamento foi definido depois que foram observados baixos níveis de isolamento social nos dias 06 e 07 de julho, os primeiros dias da primeira etapa da reabertura da cidade.

Com o decreto, fica estabelecida para o dia 20 a reabertura das atividades ligadas aos setores de concessionárias, vendas de peças e automotivo, utilizando o sistema de delivery ou drive-thru. No último dia 06 de julho foram retomadas as atividades dos setores da indústria, da construção civil, da agropecuária, pesca, agricultura e algumas atividades técnicas. A duração de cada fase do plano de retorno dependerá também do cenário da Covid-19 na cidade.

“Fomos obrigados a fazer essa alteração de datas devido ao desrespeito aos decretos municipais. A nossa fiscalização flagrou vários comércios atuando de forma clandestina no Centro da cidade, com grande aglomeração de pessoas, o que coloca em risco toda a nossa estratégia de retorno das atividades. Sem o isolamento social mais forte, não temos como prosseguir com esse planejamento de reabertura. Não podemos colocar em risco a vida da população”, ressalta o prefeito Firmino Filho.

Somente esta semana, a Guarda Civil Municipal já fechou 111 estabelecimentos funcionando de forma irregular, em desacordo com os novos decretos que estabelecem a retomada das atividades econômicas em Teresina. Como medida para reforçar o isolamento social na cidade, a partir da próxima segunda-feira, 13, a Prefeitura também vai isolar algumas ruas do Centro da cidade, restringindo a circulação de veículos.

Decreto 19.902

Prefeito adia segunda etapa da reabertura de Teresina para dia 20 de julho

O prefeito Firmino Filho informou nesta quarta-feira (08) que a segunda etapa da Fase 1 do processo de reabertura econômica da cidade será no dia 20 e não mais no dia 13 de julho, como estava previsto inicialmente. Ele explicou que o adiamento é necessário devido ao desrespeito aos decretos que restringem o funcionamento de alguns estabelecimentos, em especial do Centro da cidade. Nos últimos dias, a região vem registrando grande movimentação.

“Iniciamos o processo de reabertura das atividades econômicas com um protocolo a ser seguido, mas vimos muitas empresas funcionando de forma clandestina, especialmente no Centro da cidade, e muita gente circulando. Esse desrespeito está colocando em risco a única estratégia que temos para fazer a cidade sair dessa crise. Se não houver bom senso, podemos ter mais mortes, mais sofrimento e mais fechamento. O interesse coletivo tem que ser colocado acima dos interesses individuais”, alertou o prefeito.

Como forma de reduzir a movimentação no Centro, a Prefeitura também estuda restringir a circulação de carros na região. Ele ressalta que equipes da Guarda Municipal estão reforçando a fiscalização, mas a colaboração das pessoas para aumentar os índice de isolamento social é essencial para o sucesso da reabertura.  “Precisamos retomar nossas atividades, mas de forma gradativa e segura. Se não for assim, pode haver aumento do contágio da Covid-19 e seremos obrigados a retroceder ainda mais no processo de reabertura. Não podemos banalizar o sofrimento e a morte. Vamos continuar defendendo a preservação da vida da nossa população”, garantiu.

A primeira fase da retomada das atividades econômicas traçada pela Prefeitura de Teresina foi iniciada na última segunda-feira, dia 06, contemplando os setores da indústria, da construção civil, da agropecuária, pesca, agricultura e algumas atividades técnicas. A segunda etapa, que foi adiada para o dia 20 de julho, contemplaria o início das atividades ligadas aos setores de concessionárias, vendas de peças e automotivo, utilizando o sistema de delivery ou drive-thru.

Decreto determina isolamento mais rígido em Teresina em todos os finais de semana de julho

O prefeito Firmino Filho publicou decreto estabelecendo que haverá restrições para o funcionamento das atividades econômicas em Teresina durante todos os finais de semana do mês de julho. O objetivo é melhorar os índices de isolamento social, evitando a disseminação da Covid-19, um dos critérios para avançar na reabertura da cidade. Assim, as medidas serão aplicadas nos dias 10, 11 e 12; nos dias 17,18 e 19; e nos dias 24, 25 e 26, todos de julho de 2020.

O descumprimento do decreto por qualquer estabelecimento, serviço e atividade que esteja em funcionamento ou que não esteja permitido funcionar resultará na aplicação de multas, intervenção total da atividade e cassação de alvará de localização e funcionamento.

“Ainda vamos precisar conviver com esse vírus por um bom tempo. E o nosso esforço para mantermos o isolamento social ainda é a melhor maneira de conseguir conter o avanço da doença na nossa cidade. Tivemos bons índices de isolamento social no último fim de semana, que chegou a 56,5%, mas precisando melhorar mais. Precisamos lembrar que a pandemia não acabou e não podemos banalizar a morte. Nada pode ser mais importante que a vida, daí a necessidade de medidas mais restritivas”, disse o prefeito.

De acordo com o Decreto 19.890, assinado nesta segunda-feira (06), estão autorizados a funcionar nos dias de sexta-feira as seguintes atividades e estabelecimentos: mercados, supermercados, hipermercados e congêneres; panificadoras e padarias; serviços bancários; casas lotéricas; atividades de distribuição e comercialização de combustíveis, biocombustíveis, gás liquefeito de petróleo e demais derivados do petróleo; farmácias e drogarias, serviços de saúde; serviços de segurança e vigilância; serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta; órgãos e profissionais de comunicação; situações comprovadas de urgências e emergências.

Já nos dias de sábado e domingo, as atividades seguem com limitação ainda maior de funcionamento. Nestes dois dias poderão funcionar apenas farmácias e drogarias; serviços de saúde; serviços de segurança e vigilância; serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta e situações comprovadas de urgências e emergências.

O Decreto determina ainda que os serviços públicos como energia elétrica, saneamento básico, funerários, segurança pública, telecomunicações e radiodifusão, além de estabelecimentos que funcionam operando fornos, em turnos ininterruptos de 24h, estão autorizados a funcionar neste período, respeitando as determinações sanitárias para a contenção no novo Coronavírus, inclusive, quanto aos atendimentos emergenciais.

Decreto 19.890

Transporte público de Teresina volta a funcionar na terça com frota reduzida

O transporte público de Teresina voltará a funcionar a partir da próxima terça-feira, dia 7, com 70% da frota de ônibus circulando nos horários de pico, ou seja, de 6h às 9h e de 16h às 19h horas. Nos demais horários, a frota será reduzida em 30%. O serviço será retomado após intermediação do Ministério Público do Trabalho para garantir o fim da greve dos motoristas e cobradores, que durou mais de 50 dias.

Com o objetivo de evitar aglomerações, o serviço volta a funcionar com restrições na primeira fase da retomada das atividades econômicas. De acordo com a Strans (Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito) todos os terminais permanecerão fechados e o atendimento será feito com percursos diretos entre os bairros e o Centro da cidade.

Para evitar o aumento na circulação de pessoas nesta primeira etapa, Strans também vai manter suspensos o passe do estudantil e a gratuidade dos idosos. “O fluxo de passageiros será monitorado constantemente. Em caso de necessidade de ampliação da demanda para os serviços autorizados a funcionar, as ordens de serviços poderão ser revistas, aumentando a quantidade de ônibus em circulação”, explicou o superintendente da Strans, Weldon Alves, ressaltando que, desde o início da pandemia, o transporte público da capital vinha atendendo cerca de 10 mil pessoas diariamente.

A Strans vai garantir também a sanitização diária de todos os veículos, estações de embarque e desembarque de passageiros, além das paradas de ônibus abertas de todas as zonas da cidade. Outra medida será a disponibilização de álcool em gel para todos os operadores dos veículos. A todos os passageiros será exigido o uso de máscaras dentro dos veículos e dos equipamentos públicos destinados ao transporte coletivo.

Firmino ressalta medidas de segurança para a retomada da economia na capital

Em participação na live “Caminhos para uma retomada sustentável: Segurança e Saúde no Ambiente de Trabalho”, promovida pelo Plantão Trabalhista, na noite desta terça-feira (30), o prefeito Firmino Filho comentou sobre as medidas adotadas pela gestão pública no enfrentamento da Covid-19 e os parâmetros utilizados pela Prefeitura para a retomada das atividades econômicas em Teresina.

Segundo o prefeito, a situação da capital é confortável em relação a outras capitais do país porque a Prefeitura adotou medidas de controle e propagação da Covid-19 com antecedência, e que os critérios para a retomada econômica no município dependem de vários fatores, que estão sendo avaliados pela equipe técnica da Prefeitura. “Cada cidade está estudando estabelecer suas próprias regras para esse retorno. Estamos investindo em estudos, como as pesquisas sorológicas, que possam nos dar um apanhado de dados sobre a evolução da Covid-19 em Teresina. Através de medidas como a melhoria da qualidade dos testes realizados e o aumento da capacidade de rastreio de pessoas infectadas, nós podemos estabelecer algumas métricas seguras para a volta das atividades econômicas na capital”, ressaltou.

Como uma das medidas que visam conter a propagação do novo Coronavírus no município, a Prefeitura de Teresina determinou aos estabelecimentos comerciais, industriais, de prestação de serviços, órgãos e instituições públicas em funcionamento façam a testagem de diagnósticos para a Covid-19 de seus funcionários. Além dos testes, os estabelecimentos deverão fazer, no mínimo a cada três dias, o preenchimento de formulário de avaliação quanto ao estado de saúde dos seus trabalhadores.

O auditor Fiscal do Trabalho, Marcelo Nascimento, que também participou da live, ressaltou que o Ministério tem realizado fiscalizações nas empresas com o objetivo de proteger os trabalhadores que já se encontram em atividade. “O Plantão Fiscal, onde recebemos denuncias de trabalhadores, está recebendo muitas demandas, principalmente dúvidas em relação a seguranças de quem continua trabalhando em atividades do serviço essencial. É preciso que o poder público esteja junto ao setor empresarial para que seja feita a fiscalização de forma correta para proteger a vida dos trabalhadores e a dos clientes”, disse.

O prefeito Firmino reforçou também importância do cumprimento das medidas de isolamento social para a realização efetiva da retomada do dia 06. “A partir da próxima quinta-feira (02) até domingo, 05 de julho, a Prefeitura de Teresina vai intensificar as medidas de isolamento social na cidade, restringindo o funcionamento de algumas atividades. Essas medidas buscam conter o avanço da disseminação do Coronavirus e preparar a cidade para o retorno das atividades econômicas na próxima segunda (06)”, comentou Firmino.

COE aprova proposta da Prefeitura de Teresina para retomada das atividades no dia 6 de julho

Em carta aberta à população, o Comitê de Operações Emergenciais (COE) da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS) se mostrou favorável à primeira etapa do planejamento de retomada das atividades econômicas na capital. Segundo o documento, a aprovação foi fundamentada em critérios relacionados à propagação da Covid-19 e à estrutura de atendimento do sistema de saúde, mas faz o alerta de que a colaboração da população é fundamental para evitar aumento do número de infectados e de óbitos, o que obrigaria o município a voltar atrás nas medidas de flexibilização adotadas.

A carta relaciona os principais requisitos atendidos para o início da retomada das atividades em Teresina. “O número de reprodução básico (R0) / efetivo (Rt) da infeção por SARS-CoV-2 manteve-se em torno da unidade (1.0) ao longo das últimas semanas; o número de casos novos notificados manteve-se estável nas duas últimas semanas, a despeito da expressiva ampliação da testagem na população; o número de óbitos registrados também manteve-se estável nas duas últimas semanas; a taxa de ocupação de leitos clínicos (enfermaria e observação) manteve-se abaixo de 70% no mesmo período; a taxa de ocupação de leitos de terapia intensiva manteve-se em torno de 70% nas duas últimas semanas, considerando-se a rede municipal, estadual e federal, sob grande ampliação da oferta de leitos e com expectativa de maior expansão nos próximos dias”.

O COE também citou outros dados para validar a proposta de retomada das atividades econômicas apresentada pela Prefeitura, como a desaceleração da taxa de crescimento da infecção pelo novo coronavírus nas últimas duas semanas e o número de testes realizados diariamente nas unidades básicas, hospitais e outros serviços de saúde, que alcançou o patamar recomendado pelas autoridades sanitárias internacionais. Também destacou o rastreio e a testagem dos contatos de casos confirmados de Covid-19, que estão em pleno funcionamento, com ampla equipe constituída para realização destas atividades.

A carta divulgada pelo Comitê ressalta, porém, que os dados disponíveis até agora indicam que Teresina está em pleno pico da epidemia, o que permite o surgimento de muitos casos novos a cada dia, com óbitos, e o risco de colapso do sistema hospitalar. “Portanto, é necessário que a população reforce as medidas de distanciamento social, quarentena, higiene pessoal e do ambiente, uso de máscaras e todos os demais cuidados relacionados à prevenção da infecção pelo novo coronavírus”, acrescenta o texto do documento.

De acordo com planejamento da Prefeitura de Teresina, a reabertura das atividades econômicas será de forma gradual, responsável e precisa ter participação da população para que a retomada não tenha retrocesso. “A colaboração da população é fundamental para que a reabertura das atividades econômicas seja viabilizada de forma segura, sem retorno de aumento de casos e óbitos que obrigue retrocesso indesejável nas medidas de flexibilização adotadas. É necessário que todos acatemos as recomendações das autoridades de saúde reforçando medidas de distanciamento social e de prevenção da transmissão; isso possibilitará que a travessia desse período delicado de nossas vidas transcorra com sucesso e tranquilidade”, encerra a carta aberta.

Carta aberta COE

PMT apresenta ao COE proposta de reabertura em Teresina no dia 6 de julho

A Prefeitura de Teresina apresenta hoje ao COE (Centro de Operações em Emergência) do município a proposta da primeira fase da retomada das atividades econômicas em Teresina. De acordo com o que foi planejado, a reabertura está marcada para o próximo dia 6 de julho e vai começar pelos setores da indústria, agropecuária e construção civil. A segunda etapa, com início previsto para 13 de julho, atende as empresas ligadas aos setores de concessionárias, vendas de peças e automotivo. As informações foram repassadas prefeito Firmino Filho, durante videoconferência com a imprensa na tarde desta segunda-feira, 29, quando explicou todo o processo de reabertura da cidade, que se dará em quatro fases.

Ele ressaltou que a aprovação do COE, órgão ligado à FMS (Fundação Municipal de Saúde), é muito importante para avançar no planejamento elaborado pela Prefeitura. “A equipe do COE está acompanhando todos os critérios necessários para uma retomada segura e pode validar a proposta que foi elaborada para iniciarmos a reabertura no dia 6”, adiantou.

Pelo que foi planejado pela Prefeitura, a primeira fase da abertura deve acontecer em duas etapas por questões epidemiológicas e foram organizadas para diminuir o impacto da aglomeração nos primeiros dias do retorno. “Estamos sendo bastante cautelosos nessas primeiras fases para que possamos avançar nas semanas seguintes. Esperamos a colaboração de todos para melhorar as taxas de isolamento e, assim, reduzir também o número de infectados pelo Coronavírus, além do número de mortos e a ocupação de leitos de UTI, que está em torno de 80%”, disse o prefeito.

As fases seguintes de retomada das atividades econômicas estão previstas para os dias 20 de julho, 03 de agosto e 17 de agosto. A Prefeitura vai informar os setores que estarão autorizados a reabrir em cada uma das etapas, levando em consideração um estudo sobre as características da economia local feito pela equipe da Agenda 2030, da Secretaria Municipal de Planejamento, e pela Universidade Federal do Piauí.

“É importante ressaltar que essa retomada terá condicionantes. O primeiro é o cumprimento do decreto de testagem por parte das empresas, cuja nova formulação foi publicada em 25 de junho. A segunda condição é que todas as empresas elaborem planos de segurança e de comunicação das medidas de proteção direcionada para os seus trabalhadores e clientes. A terceira exigência é o atendimento dos protocolos gerais da cidade e específicos de cada setor que irá reabrir”, explicou o prefeito Firmino Filho.

O prefeito acrescenta que, de acordo com o planejamento, todas as fases são sucessivas e têm níveis de restrição diferenciados. A Prefeitura vai divulgar como cada setor deve funcionar em termos da quantidade de pessoal, dos dias da semana e das horas por dia. Será verificada ainda, a cada 14 dias, os dados epidemiológicos na cidade antes de definir qualquer avanço para a etapa seguinte. “Cada passo vai depender do cenário da pandemia. Havendo crescimento do número de infectados e a sobrecarga no sistema de saúde, não podemos avançar”, alertou Firmino Filho, convocando a todos a cumprirem as medidas de isolamento social e os cuidados de higiene.

COE divulga nota e diz que Teresina não atingiu critérios para reabertura das atividades econômicas

Teresina ainda não atingiu os critérios para o início da reabertura gradual das atividades econômicas e para flexibilização do distanciamento social recomendado pela Organização Mundial de Saúde. A análise foi feita em nota divulgada, nesta terça-feira (09), pelo Centro de Operações em Emergências (COE) em Saúde Pública COVID-19 da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS).

Em reunião na noite da última segunda-feira (08), os integrantes do COE fizeram uma análise do cenário epidemiológico atual e suas projeções. Foram avaliados dados como taxa de reprodução (R0), número de casos notificados, quantidade de óbitos, taxa de ocupação de leitos de UTIs, testagens e rastreamento.

Na nota, o COE ressalta que, nos últimos 14 dias, a taxa de reprodução do vírus, o R0, mantém-se persistentemente acima de 1,0, o que indica que a epidemia ainda se encontra na fase de ascensão e expansão. Também informou que o número diário de casos notificados de Covid-19 manteve-se crescente, ainda sem horizonte de estabilização. “Os inquéritos sorológicos sequenciais (semanais) realizados pela FMS mostram número crescente de infectados a cada etapa realizada, sem desenhar, ainda, horizonte de platô (estabilização)”, informa a nota.

De acordo com o Comitê, o número de óbitos confirmados por Covid-19 tem tendência de crescimento e a taxa de ocupação de leitos de UTI manteve-se acima do limite de segurança máxima recomendado, que é de 70%, para garantir assistência para quem precisa. O COE também apontou que há escassez de profissionais especializados para compor as equipes de plantão na rede hospitalar do município, que está sendo ampliada.

Os integrantes do COE ressaltam ainda que existe limitação no suprimento de insumos e medicamentos essenciais à assistência de pacientes em estado crítico, devido à crise mundial de abastecimento. Também alertaram que Teresina ainda não atingiu a testagem ampla recomendada. “O rastreio e a testagem dos contatos de casos confirmados de Covid-19 iniciaram há duas semanas e ainda não foram suficientes para mapear todos os indivíduos possivelmente infectados por eles”, informou a nota.

“É importante destacar também que a rede hospitalar de Teresina sofre impacto da demanda por assistência médica de pacientes oriundos das cidades do interior do Piauí e de Estados vizinhos. Como resultado, pode sofrer um colapso devido à falta de leitos de UTI na maioria dos municípios do Estado. Portanto, levando em consideração todos os aspectos avaliados, a recomendação do COE é pela manutenção das medidas restritivas e reavaliação de todos os critérios para flexibilização a cada semana ou antes, caso surjam indicadores epidemiológicos suficientes para ampliá-las ou distendê-las”, explica Wesllany Sousa Santana, uma das coordenadoras do COE.

“Caminho da retomada será construído de forma coletiva”, garante Firmino

O prefeito Firmino Filho apresentou nesta sexta-feira, durante videoconferência com jornalistas, sete critérios para a flexibilização do distanciamento social e a retomada das atividades econômicas na cidade. Ele anunciou a realização de uma consulta pública sobre o tema e destacou a importância do engajamento da sociedade civil, do poder público e da iniciativa privada como fundamental para a criação do “novo normal”. Firmino ressaltou também que as pessoas, ao voltarem ao trabalho, devem atuar considerando o risco constante.

“Na próxima semana, vamos abrir uma consulta pública para que a população possa participar e avaliar o planejamento para o retorno das atividades econômicas. Devemos atuar conjuntamente, compartilhando responsabilidades e mitigando riscos associados à Covid-19. É muito importante que possamos trabalhar na construção de uma ordem e orientações de todo o processo. Cada atividade deve ter seus protocolos específicos e cada empresa precisa ter um Plano de Segurança para guiar a rotina e o dia a dia. Para que a gente possa conviver com esse risco, que será permanente nesse novo normal, é essencial atender aos protocolos”, defendeu o prefeito.

Os sete critérios considerados durante o estudo para a retomada das atividades econômicas são: medir e monitorar a taxa de reprodução da doença; reduzir o número de internações; diminuir o número de óbitos; avaliar a capacidade de leitos de observação e enfermaria; considerar capacidade de leitos de UTI; fortalecer a capacidade de testagem; e ampliar a capacidade de rastreamento de contatos.

“Só abriremos quando existir uma segurança maior, com base na avaliação de várias questões, como a diminuição da curva de hospitalização, de casos e de mortes; a oferta de leitos de observação e de UTI, que deve ser de 30%, no mínimo; o fortalecimento da capacidade de rastreamento dos contatos; e o aumento da testagem, estratégia principal para a contenção da disseminação do vírus. O ideal dever ser, no mínimo, 1.000 testes por dia”, detalhou o prefeito.

Além das métricas, as fases de reabertura deverão acontecer conforme a relevância econômica das empresas e suas possibilidades de contaminação, que devem ser medidas conforme a aglomeração e a circulação de pessoas geradas pela atividade. “São sete indicadores e quatro fases, mas essas ações não dependem só do Poder Público. Alguns dependem do setor privado e outros, da sociedade. Devemos fazer tudo com responsabilidade para que não tenhamos retrocessos. E é fundamental que a gente possa assumir e compartilhar responsabilidades e riscos. Cabe ao poder público planejar, colocar visões de futuro e diretrizes para que a sociedade possa trilhar esse caminho. Novos hábitos deverão ser assumidos por toda a sociedade”, ressaltou.

Confira AQUI as métricas  para abertura das atividades econômicas.

Prefeitura estuda com setores econômicos de Teresina protocolo para retomada de atividades

Depois de ouvir cerca de 25 entidades representativas de trabalhadores e empresários no último mês, a Prefeitura de Teresina iniciou um planejamento para a retomada das atividades econômicas. Nesta terça-feira, representantes do Comitê Gestor de Medidas para Enfrentamento da Pandemia do Coronavírus apresentaram aos vereadores os resultados das primeiras discussões para a elaboração de um protocolo de flexibilização.

O professor Washington Bonfim, membro do Comitê, apresentou aos vereadores a base do planejamento que está sendo elaborado pela Prefeitura de Teresina. “Para o funcionamento dos negócios, é necessário pensar na segurança da população, que tem sido a preocupação fundamental do prefeito. E o principal trabalho do Comitê tem sido essa conversa com a sociedade para sejam criados protocolos específicos para as diversas categorias.  Já dialogamos com mais de 20 categorias, e a ideia é que cada setor desenvolva seu plano de segurança de abertura, pois para abrir a atividade econômica para o novo normal é essencial ter também uma nova forma de se relacionar nas atividades comerciais”, afirmou.

Bonfim explicou que alguns eixos deverão ser levados em consideração na criação do protocolo de abertura das atividades. “Questões como distanciamento social, higiene pessoal, limpeza e higienização de ambientes, comunicação das medidas que estão sendo tomadas, além do monitoramento das condições de saúde dos funcionários são aspectos que deverão ser levados em consideração para garantir a segurança das pessoas”, disse.

Na conversa com os vereadores, foi destacado também que Teresina vive atualmente o distanciamento social ampliado e que a Prefeitura de Teresina tem avaliado as possibilidades do distanciamento social seletivo, que permite a abertura das atividades econômicas. “Quanto mais a gente testar, rastrear e isolar os positivados, mais bem sucedidos seremos na abertura das atividades com segurança. Então, é muito importante continuarmos monitorando a taxa de reprodução do vírus, e a questão da testagem dos trabalhadores, tanto da iniciativa pública quanto privada, é fundamental para que possamos fazer a ampliação de funcionamento das atividades econômicas. E essa transição só será possível quando critérios de segurança forem rigorosamente observados pelas empresas”, informou.

Variáveis como impacto econômico e baixo risco de contaminação dos setores econômicos também estão sendo analisadas para a elaboração do protocolo. “Compartilhamos com todos da ansiedade por um cronograma, mas estamos nos cercando dos cuidados para fazer disso uma experiência bem sucedida. A Prefeitura de Teresina considera a vida das pessoas o seu principal ativo, inclusive do ponto de vista econômico”, acrescentou Francisco Canindé, secretário municipal de Finanças.

A reunião foi conduzida pela líder do prefeito na Câmara Municipal de Teresina, vereadora Graça Amorim. Participaram da discussão, além do professor Washington Bonfim, o secretário municipal de Educação, Kleber Montezuma, e o secretário municipal de Finanças, Francisco Canindé, que também integram o Comitê Gestor de Medidas para Enfrentamento da Pandemia Coronavírus.