Casa da Cultura recebe hoje palestrante internacional

Teresina recebe, nesta sexta-feira (25), o palestrante Vincenzo Cammarata, que vai falar sobre a Descolonização Linguística e Literária através da Ancestralidade oral Bantu. O evento acontece na Casa da Cultura de Teresina, às 18h e tem entrada gratuita.

Dentre os temas abordados na palestra, estão a tradição oral de origem bantu na narrativa breve angolana, a oralidade e descolonização literária em Angola e o poder da palavra na literatura angolana contemporânea.

Esta é a primeira vez de Vincenzo Cammarata no Piauí. O pesquisador de doutorado do King’s College London (Departamento SPLAS – Spanish Portuguese and Latin American Studies), licenciou-se em Mediação Linguística para as Instituições, as Empresas e o Comércio (Mediazione Linguistica per le Istituzioni, le Imprese e il Commercio) na Università della Tuscia e é mestre em Tradução Audiovisual (Screen Translation) pela Sheffield University.

Ao longo da sua carreira profissional, dentro e fora da academia, Vincenzo tem adquirido várias competências no que se refere à comunicação oral e escrita nos idiomas italiano, inglês, espanhol e português, nos seguintes âmbitos: turismo, aviação, informática, saúde, economia e marketing.

Exposição traz homem pré-histórico em argila para Casa da Cultura

Ascom/FMCMC

O Piauí abriga o berço do homem americano com os sítios arqueológicos mais antigos das Américas no Parque Serra da Capivara. E essa foi inspiração para o escultor Gilderlino Paes Landim compor as suas obras que integram a exposição “O Imaginário do Homem Pré-Histórico em argila”, aberta nesta quinta-feira, 19, na Casa da Cultura de Teresina com entrada franca.

A exposição tem curadoria de Cristovão Braga e traz diversas peças que mostram o imaginário do que seria o homem pré-histórico com traços delicados e detalhados da rotina, ferramentas e relações pessoais. As obras em argila trazem figuras realistas com uma técnica própria do artista.

Gilderlino nasceu e se criou no povoado Sitio do Mocó, município de Coronel José Dias, no Sul do Piauí, um lugar cercado de belezas de rochas e de pinturas rupestres. O seu trabalho já circulou várias cidades, sendo bastante apreciado pelos visitantes.

A exposição fica aberta na Galeria Lucílio Albuquerque até o dia 03 de outubro. A Casa da Cultura é mantida pela Prefeitura de Teresina por meio da Fundação Monsenhor Chaves, e fica localizada na Rua Rui Barbosa, em frente à Praça Saraiva. Além das exposições, oferece várias oficinas, como a de dança contemporânea, jazz, sapateado, dança do ventre, teatro e cinema, bem como abriga o Balé da Cidade de Teresina.

“Corpo Brinquedo” é tema do Projeto 6ª às 6

Nesta sexta-feira (6), o Projeto 6ª às 6 irá apresentar a proposição “Corpo Brinquedo”, da bailarina Hellen Mesquita. Em sua proposição, Hellen vê o corpo como um brinquedo com inúmeras possibilidades e inesgotáveis maneiras de mexer e brincar.

“É a partir do corpo que conhecemos o mundo. O corpo é o nosso primeiro brinquedo, onde descobrimos o pé, as mãos, sensações, movimentos. É essa vivência inventiva, brincante”, explica Hellen.

O Projeto 6ª às 6, do Balé da Cidade, tem o apoio da Associação dos Amigos do Balé da Cidade de Teresina, que propõe criações, interações, debates e abre espaço para que os artistas façam parte da dança na cidade. Além disso, o espaço é usado para a divulgação dos trabalhos feitos por essas companhias, assim como para a aproximação e a formação de público, com a apresentação de processos artísticos criados em poucos encontros e que ocupam os ambientes da Casa da Cultura.

A ideia surgiu em 2014 e de lá para cá vem se repensando e se atualizando, voltando a cada ano com algo novo, mais maduro. A primeira apresentação deste segundo semestre de 2019 será no próximo dia 6 de setembro, às 18h, na Casa da Cultura. A entrada é franca.

Sobre a Companhia

O Balé da Cidade de Teresina é uma companhia pública de dança Contemporânea que vem atuando no cenário artístico local e nacional, contribuindo com o desenvolvimento e aprofundamento da dança piauiense. Seu papel tem sido aproximar a dança da cidade à população, através da sua atuação compromissada em diferentes ações, como temporadas de apresentações públicas, conversas e formação continuada.

Conta, atualmente, com 18 membros e é mantido pela Prefeitura Municipal, através da Associação dos Amigos do Balé da Cidade de Teresina. Tem direção de Chica Silva, coordenação artística de Janaína Lobo e ensaios de Carla Fonseca.

Testes para curso de cinema na Casa da Cultura iniciam nessa terça-feira

A partir dessa terça-feira, 27, iniciam os testes para o curso de cinema na Casa da Cultura de Teresina. As aulas serão ministradas pelo jornalista, escritor e realizador audiovisual, Monteiro Júnior, a partir do dia 14 de setembro, e a seleção dos alunos inicia a partir das 9h, nos dias 27, 28 de agosto, 03, 04, 10 e 11 de setembro.

Mantida pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, a Casa da Cultura promove diversos cursos de dança, teatro, artes visuais, capoeira e cinema, além de exposições permanentes e eventos de circulação. Com quase 10 anos no espaço, o curso de cinema já ajudou a formar uma enorme plateia de amantes da sétima arte.

O curso acontece aos sábados, de 9h às 12h, vai de 14 de setembro a 14 de dezembro e aborda quatro eixos do cinema: linguagem, roteiro, direção e montagem. Para Monteiro, o objetivo é acentuar a visão crítica dos alunos sobre o que se vê na telona. “A missão do curso sempre foi formar espectadores técnicos”, destaca.

Durante os testes, será realizado um bate-papo com os interessados para avaliação. “É uma conversa simples sobre cinema e o interesse pelo curso para conhecermos mais os nossos alunos e desenvolvermos um trabalho mais interessante”, finaliza.

Confira as datas dos testes:

– 27/08 (terça)

– 28/08 (quarta)

– 03/09 (terça)

– 04/09 (quarta)

– 10/09 (terça)

– 11/09 (quarta)

Casa da Cultura comemora 25 anos de incentivo à arte

Ascom/ FMC

Há 25 anos, a capital piauiense passou a contar com um espaço de concentração de arte. Um casarão antigo que abriga cursos, exposições e, principalmente, promove a cultura com a profissionalização de novos artistas. Essa é a Casa da Cultura de Teresina, que aniversaria nesta segunda-feira (12) com uma vasta programação.

Mantida pela Prefeitura de Teresina por meio da Fundação Monsenhor Chaves, a Casa da Cultura fica localizada na Rua Rui Barbosa, em frente à Praça Saraiva e oferece várias oficinas, como a de dança contemporânea, jazz, sapateado, dança do ventre, além de teatro e cinema, onde abriga também o Balé da Cidade de Teresina.

A diretora da casa, Josy Brito é uma das apaixonadas pelo local e destaca a importância do espaço para a cidade. “O certo é que quem aceita o nosso convite e passa por aquelas portas nunca mais é o mesmo. Na verdade, cada vez que uma pessoa faz desta Casa sua casa, a história é reescrita. Com a licença poética de João Guimarães Rosa, “o mundo torna a começar”. A história de cada um é resinificada e vemos a arte cumprir lindamente o seu papel social em todo o seu potencial transformador. No entanto, esses mesmos rostos, corpos e histórias transformados são também agentes transformadores. Nas nossas salas, são eles que ditam que cara a música tem, quem são os corpos que dançam, como eu falo das minhas dores através do desenho, da pintura”, frisa.

Para brindar o aniversário deste ano, a casa aposta em sua função transformadora e promoverá um workshop sobre Pesquisa e História com o poeta, escritor e historiador Paulo Machado, bem como uma apresentação do Grupo de Flauta Doce Orquestra. Tudo a partir das 19h com entrada franca.

De casa do Barão à morada da cultura

Construído na última metade do século XIX, o espaço já foi morada do Barão de Gurgueia, seminário, escola e hoje é uma junção de história, educação e cultura. Localizada na Rua Rui Barbosa, no centro da cidade, a Casa da Cultura de Teresina completa 25 anos se consolidando como uma referência da produção artística com cursos de teatro, dança, cinema e exposições.

A Casa da Cultura é sem dúvidas, o imóvel que mais carrega marcas da história e da cultura da capital piauiense. Edificada por João do Rêgo Monteiro, o Barão de Gurguéia, em um esforço para a consolidação de Teresina como a capital juntamente com o conselheiro Saraiva.

Em um passeio pela casa é possível sentir em cada viga e portal, nos corredores e nas salas hoje ocupadas pela arte, um pouco da nossa história. Desde as telhas à fachada reajustada, se tem um pouco das mudanças da capital que se moderniza.

Ela foi construída em meados de 1870 como uma das primeiras edificações importantes da cidade e, após a morte do Barão de Gurgueia, em 1913, o prédio foi vendido à Diocese de Teresina, passando a funcionar como Seminário. Logo depois, o Seminário foi fechado e o edifício passou a ser residência episcopal, sofrendo alterações na fachada frontal e em seguida abrigou o Colégio Pedro II.

Com o reconhecimento da importância do edifício para a capital, foi feita uma proposta de tombamento, enquadrando na política de preservação dos imóveis de valor histórico e tornando-se um bem com proteção legal. Com isso, foi cedido à Prefeitura de Teresina e restaurado em 1993, se tornando a Casa da Cultura, que recebeu uma nova reforma em 2010.

Casa da Cultura apresenta mostra de resultados nessa terça-feira

A Casa da Cultura de Teresina está comemorando 25 anos. E como todos os anos, o mês de agosto é pura festa, com uma vasta programação que inicia nesta terça, dia 6, a partir das 18h30, com a mostra das oficinas do espaço com dança, teatro e artes visuais.

Mantida pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Monsenhor Chaves, a Casa da Cultura fica localizada na Rua Rui Barbosa, 348, no Centro da capital. Além de abrigar um museu e um rico acervo, o espaço oferta diversas oficinas de arte.

As apresentações desta terça-feira iniciam com uma Roda de Capoeira na entrada da Casa da Cultura, seguida pela exibição do documentário “Instantes – Um Olhar sobre o Balé da Cidade de Teresina”, e da apresentação dos alunos da oficina “Projeto Impar”, da instrutora Anita Gallardo.

A criançada também terá espaço, com a apresentação da oficina de Teatro Infantil, do instrutor Valdifran Soares, e a coreografia “O Ladrão da Alegria”, seguido da oficina de Ballet Adulto e a coreografia “O Quadro”, do coreógrafo Fernando Freitas. Na sequência, a Cia José Nascimento (grupo residente da casa) apresenta a sua versão de “O Quadro”, sob orientação do coreógrafo José Nascimento.

A oficina de balé contemporâneo também se apresenta na Mostra com a coreografia “Chuva”, de Fernando Freitas, seguida da Oficina de Dança do Ventre da Companhia Izabell Lins, com a coreografia “Moderna Feeno”. Logo em seguida, a Oficina de Sapateado apresenta “Cantando na Chuva”, da coreógrafa Chica Silva, e a coreografia “Tinha que respirar, agora”, da Oficina de Contemporâneo comandada por Fernando Freitas.

O teatro terá espaço no palco com a peça “Faces em Desconcertos”, de Silmara Silva, seguido da coreografia “Sete Véus”, da Oficina de Dança do Ventre, e a Oficina de Jazz com “One, Two, Tacha, Tach”, de Fernando Freiras. O encerramento é com o Balé da Cidade de Teresina com a coreografia “Tacaticatum”, da coreógrafa Jeciane Sousa.

Trópico de Câncer: Exposição de Jader Damasceno celebra a brasilidade com cores e formas

Ascom/FMCMC

Acontece na Casa da Cultura de Teresina, de 8h às 18h, a exposição “Trópico de Câncer” do artista visual Jader Damasceno. Com entrada gratuita, a mostra teve sua abertura na noite da última segunda-feira (08) e ficará aberta para visitação até 31 deste mês.

Natural de Oeiras, Jader, que também atua como jornalista, se considera um “sujeito solar”, por isso o uso de cores quentes em suas produções que celebram a brasilidade. “São minhas memórias afetivas em relação ao nosso povo. São histórias que foram contadas para mim e que leio em livros de história e literatura”, conta.

Segundo o artista, suas telas partem de dois pontos: da ligação do que é humano e do que é divino. “É minha constituição energética e todos nós carregamos um pouco de tudo isso”, afirma.

Mantida pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultural Monsenhor Chaves (FMC), a Casa da Cultura é um espaço acessível a todos e ajuda artistas locais a terem os seis trabalhos apresentados.

Segundo a diretora do centro histórico, Josy Brito, exposições como a de Jader Damasceno só a engrandecem a cultura no estado. “É um prazer receber a Trópico de Câncer. Estamos tendo uma receptividade muito boa por parte do público e a expectativa para que mais pessoas venham ver é altíssima, já que ocorre até o final de julho”, disse.

As cores têm movimento: exposição do talentoso João Elyo chega a Casa da Cultura

Ascom/FMCMC

Acontece na Casa da Cultura, de 8h às 18h, a exposição de arte “As cores têm movimento” do jovem artista esperantinense João Elyo. Com entrada gratuita, a mostra teve sua abertura na última sexta-feira (28) e ocorre até 15 de julho, trazendo, além das cores e traços, uma mostra de que não existe limites para a arte quando o talento supera o preconceito de quem tem down.

Com apenas 9 anos, o talentoso João pinta quadros de arte abstrata repletos de cores e traços modernos. Essa não é a primeira vez que ele apresenta suas obras na capital. Ainda este ano, no mês de maio, os trabalhos do pequeno foram exibidos ao público no Centro Cultural Clube dos Diários de Teresina.

As primeiras pinturas de João foram feitas nas paredes, móveis e no chão de sua casa. Na escola, ele sempre mostrou um maior interesse em passar o tempo pintando. Percebendo o incrível talento do filho, os pais Elenilza Araújo e Jailson Castro investiram neste surpreendente dom do menino que, atualmente, pinta no mínimo três vezes por semana.

A mãe Elenilza Araújo não esconde o orgulho que sente todas as vezes que o pequeno artista expõe as obras. “É muito gratificante. Ele já está na sua terceira exposição e, pelo fato de ser uma criança com Síndrome de Down e ter algumas limitações, para a gente já é uma vitória. É uma felicidade muito grande.”, conta entusiasmada.

Museu de Arte Sacra e Casa da Cultura recebem programação da Semana de Museus

Teresina recebe uma programação especial em alusão à 17ª Semana de Museus – temporada de eventos que acontece em todo o Brasil, entre os dias 13 e 19 de maio de 2019. Na capital piauiense, vários espaços serão movimentados com oficinas, exibição de filmes e visitas guiadas, entre os dias 15 e 18 de maio, no Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório e na Casa da Cultura.

Com o tema Museus como Núcleos Culturais: o Futuro das Tradições, a 17ª Semana de Museus propõe um debate sobre o papel dos museus como centros emanadores e, igualmente, receptores de práticas, costumes e pensamentos de nossa cultura. O coordenador de museus municipais da Fundação Monsenhor Chaves, Alisson Carvalho, explica que a proposta é a divisão temática entre os museus do Piauí, de Arte Sacra e da Casa da Cultura.

“Objetivando contemplar a diversidade cultural piauiense e extraindo o máximo de conteúdo do tema proposto em consonância com os museus, dividimos a estrutura do evento em três macro temas: as tradições piauienses, cujo conteúdo será voltado para as tradições presentes nos municípios piauienses e abarcando a produção científica na qual tenha como objeto de pesquisa as manifestações que acontecem fora do perímetro urbano e rural de Teresina; as tradições teresinenses, com foco de pesquisas e grupos que estejam circunscritos na cidade Teresina; a tradição cristã no Piauí e como ela se conecta à história e estrutura a sociedade piauiense”, destaca Alisson.