Coleta seletiva: mais de 350 condomínios já foram visitados pelas equipes de Educação Ambiental

A Coleta Seletiva em Teresina está avançando, graças ao aumento da fiscalização nos condomínios da capital. Somente este ano, foram visitados 354 condomínios e 70 deles já iniciaram o recolhimento do lixo reciclável.

“Esses 70 condomínios representam apenas 20% do total visitado. É pouco, mas já é um começo significativo. Como vamos ampliar as fiscalizações, esse número tende a subir expressivamente nos próximos meses. Lembramos que a coleta seletiva em condomínios é lei e precisa ser cumprida, pois traz benefícios para toda a sociedade”, pondera o Secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Edmilson Ferreira.

A coordenadora de Educação Ambiental e Coleta Seletiva da CTA, Jeanne Leal, afirma que, neste mês de março, três novos condomínios por dia solicitam a coleta seletiva. “Quando um síndico entra em contato conosco, nós vamos até o local, conversamos com a administração e com a equipe de limpeza. É importante que nossas equipes sejam recebidas para que possamos tirar todas as dúvidas sobre a implantação da coleta seletiva, a separação dos materiais, o armazenamento, o agendamento e o recolhimento”, afirma.

A Lei da Coleta Seletiva nos condomínios atende a uma exigência da Lei Nacional de Resíduos Sólidos. Está previsto que o condomínio arque com as despesas referentes à aquisição das lixeiras específicas e dos sacos plásticos. A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), realiza o recolhimento sem taxas.

“Nós temos materiais para enviar à administração dos condomínios, para que sejam repassados aos moradores. Nesses materiais damos todas as orientações necessárias para que a coleta seletiva aconteça corretamente. Enfatizamos que o recolhimento é gratuito e depende da demanda de cada condomínio, podendo ser semanal ou quinzenal”, reforça Jeanne.

O condomínio que não aderir à coleta seletiva será notificado pelas equipes da SEMDUH e será responsabilizado judicialmente.

Para mais informações sobre a implantação da coleta seletiva em condomínios entre em contato por meio do Whatsapp: 86 98130-7739.

Foto: Divulgação (Semduh)

Prefeitura inicia fiscalização de condomínios dia 3 de março; veja todas as regras

Antes das ações de incentivo à adesão, apenas 1% desses conjuntos habitacionais praticavam a Coleta Seletiva Fotos(Ascom/Semduh)

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), iniciará, a partir do dia 3 de março (quinta-feira), a fiscalização de condomínios para verificar se estão adequados à coleta seletiva na capital.

Antes das ações de incentivo à adesão, apenas 1% desses conjuntos habitacionais praticavam a Coleta Seletiva, cuja lei foi promulgada ainda em 2009. Caso a fiscalização constate que o condomínio não se adequou à lei, será aplicada uma notificação e, em seguida, o Ministério Público será comunicado para que o condomínio seja acionado judicialmente.

A técnica operacional da Coordenação de Limpeza Pública da SEMDUH, Michelly Noleto, destaca que a Secretaria faz um constante trabalho de orientação dos condomínios e administradoras desses empreendimentos em Teresina. Equipes da SEMDUH visitaram esses conjuntos habitacionais e auxiliaram os síndicos na implantação desta Lei.

“A prática da coleta começa dentro do apartamento. Os condôminos precisam separar seu lixo, de acordo com o que é reciclável, limpar e secar todo esse material e colocar em suas respectivas lixeiras disponibilizadas pelo síndico na área comum do condomínio. É fundamental que todas as partes cumpram seu dever. A administração disponibiliza os contentores, os moradores separam e limpam seus materiais que podem ser recicláveis e a Prefeitura faz a coleta seletiva”, explica Michelly.

O dever do condomínio

A administração desses lugares deve implantar lixeiras específicas para a coleta seletiva e conscientizar seus condôminos sobre a destinação correta dos materiais recicláveis, explicando o que pode ou não pode ser depositado nas lixeiras. Veja a classificação das lixeiras por cor:

– Azul: papel
– Vermelho: plástico
– Verde: vidro
– Amarelo: metal

As lixeiras devem ser colocadas em local de fácil acesso e devidamente reservado para este fim. É fundamental que o síndico coloque cartazes informativos sobre a coleta seletiva e placas indicando a localização das lixeiras.

Também é preciso manter o local das lixeiras sempre limpo. Tanto as lixeiras de lixo orgânico quanto as de lixo reciclável devem ser mantidas fechadas para evitar o mau cheiro e a proliferação de insetos e roedores. Uma boa estratégia é utilizar lixeiras com tampas acionadas por pedal, que são de fácil uso e limpeza.

Atribuir um responsável para acompanhar o processo, verificar as lixeiras diariamente e fazer a limpeza do local com frequência é importante para que a ação não caia no esquecimento.

Para implantar a coleta seletiva em seu condomínio, os administradores devem entrar em contato com o órgão por telefone (86 3218-1126), para que as equipes de educação ambiental se dirijam aos locais e orientem síndicos e condôminos sobre o conceito de material seletivo e a forma correta de como deve ser descartado.

O dever dos moradores

Não é preciso ter lixeiras diferentes dentro dos apartamentos ou casas dos condomínios. Basta colocar o material em sacos separados. Os moradores devem limpar, secar e ensacar esses materiais dentro de casa e depois levar tudo para as lixeiras específicas instaladas na área comum do condomínio.

É importante que os moradores estejam atentos ao que pode e ao que não pode ser colocado nas lixeiras.

O que colocar nas lixeiras para metal: panelas sem cabo, chapas de metal, canos de metal, molduras de quadros, objetos de alumínio ou aço sem resíduos de alimentos.
O que não pode colocar nas lixeiras para metal: marmitex e palha de aço (bombril).

O que pode colocar nas lixeiras de plástico: garrafas PET, sacolas plásticas, canos e tubos PVC, embalagem de produtos de higiene.
O que não pode colocar nas lixeiras para plástico: descartáveis (copos, talheres, pratos, marmitex de isopor).

O que colocar nas lixeiras para papel: jornal, revistas, caixas de papelão desmontadas, rascunhos, cartolinas, papel cartão, impressos em geral.
O que não pode colocar nas lixeiras para papel: papel adesivo, fotográfico, carbono e papel radiográfico.

O que colocar nas lixeiras para vidro: garrafas de vidro (inteiras ou quebradas), potes de vidros sem resíduos de alimentos.
O que não pode colocar nas lixeiras para vidro: vidro temperado, espelhos, vidro plano, louças, lâmpadas, frascos de remédio, perfumes e cosméticos.

SEMDUH alerta: condomínios de Teresina têm 10 dias para se adequarem à Lei da Coleta Seletiva

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) alerta que faltam apenas 10 dias para que os condomínios de Teresina se adequem à Coleta Seletiva, de acordo com a Lei Nº 3.923/2009. O prazo já foi prorrogado uma vez e não haverá nova prorrogação, portanto, se encerrará dia 28 de fevereiro.

A Lei determina que todos os condomínios da cidade pratiquem a coleta seletiva. Para isso, é necessário que os prédios adquiram as lixeiras específicas e acionem as equipes da Prefeitura para que sejam repassadas as orientações necessárias quanto ao armazenamento dos resíduos e a coleta. Os telefones são: 86 9.8104-6786 (zonas sul e sudeste) e 9.8130-7739 (zonas norte, leste e centro).

Caso não seja cumprida a lei, a Prefeitura acionará o Ministério Público para que o condomínio seja responsabilizado judicialmente. “Estamos dando esse prazo para que os condomínios ao menos iniciem o processo. O síndico deve entrar em contato conosco, fazer o cadastro e comprar as lixeiras até dia 28 de fevereiro. Após esse prazo, vamos iniciar as fiscalizações”, destaca o secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira.

Muitos condomínios já fizeram a adesão e estão praticando a coleta seletiva de forma correta. “Além de melhorar a limpeza urbana, a coleta seletiva reduz os custos para o poder público, gera renda para famílias carentes, aumenta a vida útil dos aterros sanitários e diminui a poluição do meio ambiente, o entupimento de galerias e, consequentemente, as inundações em toda a cidade”, reforçar o gestor.

Coleta seletiva avança nos condomínios de Teresina e síndicos pedem que moradores colaborem

Boa parte dos condomínio de Teresina aderiu à coleta seletiva Fotos(Ascom/Semduh)

 

Praticar a coleta seletiva em condomínios e empresas é lei (Lei Municipal 3.923/2009). Por isso, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) intensificou as campanhas de conscientização nos condomínios e administradoras. Esse trabalho resultou no aumento do número de adesões dos condomínios para a coleta seletiva.

Antes da campanha, Teresina tinha apenas 100 condomínios que praticavam coleta seletiva. Agora, já temos pelo menos o dobro de condomínios se adequando às regras para concluir a adesão.

A síndica do condomínio residencial Solar do Parnaíba, Lourdes Carvalho, contou que já possuía as lixeiras próprias para a separação dos materiais recicláveis e que agora, com o apoio da SEMDUH, realiza reuniões e comunicados reforçando a importância da prática da coleta seletiva.

“Aqui a gente tenta diariamente conscientizar os moradores sobre a importância da separação de seu lixo. Estamos conscientizando as 48 famílias moradoras aqui do condomínio. Já distribuímos folhetos informativos com o que pode e não pode ser reciclado e espalhamos cartazes pelos blocos. Os moradores têm se mostrado abertos à nova medida”, disse a síndica.

Nesta semana, a Prefeitura de Teresina decidiu prorrogar, por mais 28 dias, o prazo para que os condomínios se adequem à Lei da Coleta Seletiva. A decisão foi tomada após solicitação do Sindicato das Empresas de Administração de Imóveis (SECOVI) e levou em consideração a alta demanda dos condomínios. A SEMDUH ressalta que este prazo não será prorrogado novamente.

Pedro Barbosa, presidente da SECOVI, destaca que o sindicato está auxiliando a comunicação entre a administração pública e as empresas particulares, assim como também orienta essas instituições a como proceder para aplicar corretamente a lei.

“Procuramos a secretaria por entender que é fundamental esse diálogo entre o poder público e os condomínios. O intuito é ajudar na divulgação e cumprimento desta lei. Agora, com essa parceria, acreditamos que a aceitação e efetividade da coleta seletiva será maior e mais benéfica para ambos os lados”, afirma o presidente.

Hugo Ferreira, síndico do condomínio Jardim América, orienta diariamente seus condôminos sobre a coleta seletiva, através de grupos de mensagens e reuniões quinzenais. Segundo Hugo, a coleta seletiva nos condomínios que são administrados por ele acontece desde antes da lei de 2009, mesmo assim, ainda existem pessoas que resistem à prática. Embora o síndico afirme que cerca de 90% dos moradores separam seu lixo para a coleta seletiva.

“As campanhas de conscientização são constantes. Mesmo antes da lei municipal que regulamenta isso. Sou síndico em outros condomínios também e sempre faço esse trabalho diário com os moradores, apesar de ainda hoje encontrar resistência de certos moradores a colaborar. Agora, em linhas gerais, tem sido um sucesso. A cada 15 dias, o caminhão da coleta recolhe e temos uma quantidade considerável de material reciclável. A resistência dos moradores é mínima, até porque todos têm acesso à informação, então não é mais uma questão de conscientização, é questão de consciência de cada um”, afirma.

O que diz a lei

A Lei Municipal 3.923/2009 obriga condomínios residenciais e comerciais a praticarem a coleta seletiva. Para isso, devem instalar as lixeiras e iniciar a separação dos resíduos.

Caso não seja cumprida a Lei, a Prefeitura acionará o Ministério Público Estadual para que o condomínio seja responsabilizado judicialmente. Vale destacar que o recolhimento dos resíduos recicláveis não gera ônus para o condomínio.

Além de melhorar a limpeza urbana, reduzir os custos para o poder público, gerar renda para famílias carentes e aumentar a vida útil dos aterros sanitários, a coleta seletiva também reduz a poluição do meio ambiente, o entupimento de galerias e, consequentemente, as inundações na cidade.

Para saber como se adequar à coleta seletiva, o condomínio ou a empresa que o administra deve entrar em contato conosco pelos telefones:

Zonas Sul e Sudeste: (86) 9.8104-6786
Zonas Norte/Leste e Centro: (86) 9.8130-7739

 

Prazo para condomínios se adequarem à coleta seletiva é prorrogado

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), decidiu prorrogar o prazo para que os condomínios se adequem à Lei da Coleta Seletiva.

A decisão foi tomada após solicitação do Sindicato das Empresas de Administração de Imóveis (SECOVI) e levou em consideração a alta demanda dos condomínios.

“O prazo que demos para que todos se adequassem à lei se encerraria dia 31 de janeiro. Porém, devido à grande procura, ainda não conseguimos visitar todos os condomínios que nos solicitaram orientação. Além disso, soubemos que as lixeiras específicas para coleta seletiva estão em falta em alguns locais. Por este motivo, estamos prorrogando o prazo até o dia 28 de fevereiro”, destaca o Secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira.

O que diz a lei

A Lei Municipal 3.923/2009 obriga condomínios residenciais e comerciais a praticarem a coleta seletiva. Para isso, devem instalar as lixeiras e iniciar a separação dos resíduos.

Caso não seja cumprida a Lei, a Prefeitura acionará o Ministério Público Estadual, para que o condomínio seja responsabilizado judicialmente. Vale destacar que o recolhimento dos resíduos recicláveis não gera ônus para o condomínio.

Além de melhorar a limpeza urbana, reduzir os custos para o poder público, gerar renda para famílias carentes e aumentar a vida útil dos aterros sanitários, a coleta seletiva também reduz a poluição do meio ambiente, o entupimento de galerias e, consequentemente, as inundações na cidade.

Para saber como se adequar à coleta seletiva, o condomínio ou a empresa que o administra deve entrar em contato conosco pelos telefones:

Zonas sul e sudeste: (86) 9.8104-6786
Zonas norte/leste e centro: (86) 9.8130-7739

Prefeitura dá prazo de 30 dias para condomínios se adequarem à Lei da Coleta Seletiva

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) deu prazo até o final deste mês de janeiro para que os condomínios de Teresina se adequem à Lei Municipal 3.923/2009, que obriga condomínios residenciais e comerciais a praticarem a coleta seletiva. Caso não seja cumprida a Lei, a Prefeitura acionará o Ministério Público Estadual, para que o condomínio seja responsabilizado judicialmente.

Atualmente, apenas 96 condomínios, 54 empresas privadas, 39 bares e hotéis e 15 instituições públicas praticam coleta seletiva regularmente. Esse material, juntamente com os recolhidos nos Postos de Entrega Voluntária (PEVs) espalhados pela cidade representam menos de 1% de todos os resíduos coletados em Teresina.

“Precisamos mudar essa realidade. Em novembro e dezembro realizamos reuniões com vários representantes de administradoras de condomínios da nossa cidade para explicar a lei e orientá-los sobre como prosseguir. Infelizmente, alguns representantes não compareceram, mas independente disso, vamos fazer valer a lei”, enfatiza o coordenador de Limpeza Urbana da SEMDUH, Fabrício Amaral.

O secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira, ressalta que praticar a coleta seletiva é uma questão de sustentabilidade e de cidadania. “Além de melhorar a limpeza urbana, reduzir os custos para o poder público, gerar renda para famílias carentes e aumentar a vida útil dos aterros sanitários, a coleta seletiva também reduz a poluição do meio ambiente, o entupimento de galerias e, consequentemente, as inundações na cidade”, pontua o gestor.

A coleta seletiva é um serviço oferecido pela Prefeitura de Teresina e os condomínios e empresas que a praticam não precisam pagar pelo recolhimento dos resíduos recicláveis. “Basta entrar em contato que nós recolhemos, sem cobrar taxa, sem nenhum ônus ao condomínio ou à empresa”, esclarece o secretário.

Passo a passo para incluir o condomínio na coleta seletiva

1 – Antes de tudo, o síndico deve entrar em contato com a SEMDUH para que as equipes agendem uma visita ao local. Nesse momento, serão explicadas as regras ao síndico e aos condôminos (se for o caso). Na ocasião, as equipes fazem uma previsão da demanda e marcam o dia de retirada dos resíduos de acordo com essa previsão. Veja os contatos:

Zonas sul e sudeste: (86) 9.8104-6786
Zonas norte/leste e centro: (86) 9.8130-7739

2 – Em seguida, o condomínio deve instalar lixeiras específicas para material reciclável: vidro, plástico, metal e papel. Essas lixeiras devem ficar separadas das lixeiras de lixo orgânico.

3 – Cada morador separa e ensaca os resíduos recicláveis de sua residência. Eles precisam estar limpos e secos. O morador fica responsável por acondicionar suas sacolas de lixo reciclável nas lixeiras específicas.

4 – A Prefeitura faz o recolhimento do material reciclável, respeitando o dia e o horário já agendado com o síndico.

O material reciclável recolhido pela Prefeitura de Teresina é entregue às cooperativas de reciclagem, como a Emaús. Os cooperados utilizam os materiais para a fabricação de diversos itens: nécessaire, brinquedos, vasos para plantas, etc.

SEMDUH esclarece sobre o uso correto das lixeiras próprias para material reciclável

Lixo jogado de foma irregular nos depósitos de coleta seletiva no bairro Saci Fotos(Ascom/Semduh)

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) esclarece à população de Teresina que as lixeiras de Coleta Seletiva são exclusivas para receber material reciclável. Recentemente, foi registrado na praça da Igreja Sagrado Coração de Jesus, na avenida Dr. Luís Pires Chaves, a principal do bairro Saci, zona Sul de Teresina, o descarte de lixo comum nessas lixeiras, o que é considerado irregular.

Esse tipo de conduta gera inúmeros prejuízos para todos como mau cheiro e proliferação de insetos transmissores de doenças. Além disso, a população que transita pelo local reclama da sujeira e do incômodo, especialmente para quem frequenta a praça como forma de lazer e local para praticar atividade física.

A SEMDUH reforça que o descarte irregular de lixo gera multa que vai de R$ 369 a R$ 3.690. “Nós temos a fiscalização do Programa Lixo Zero, que é diária, e também recebemos dezenas de mensagens de populares com imagens que flagram pessoas jogando lixo em local proibido. Não admitimos esse tipo de comportamento, por isso, estamos aplicando multas em quem é identificado nessas imagens. A população precisa fazer sua parte, não tem como a Prefeitura manter a cidade limpa se os próprios habitantes insistem em jogar lixo nas ruas”, alerta o secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira.

O gestor acrescenta que o descarte correto do lixo é o seguinte:

– Lixo doméstico: deve ser acondicionado em sacos plásticos e bem amarrados. Estes sacos devem ser colocados na porta das residências, dia sim e dia não, de acordo com a programação de coleta domiciliar de cada bairro.

– Material de construção, móveis usados e podas de árvore: devem ser descartados nos Pontos de Recolhimento de Resíduo (PRR).

– Material reciclável: deve ser descartado nos Postos de Entrega Voluntária (PEVs). Ao todo, são 21 postos espalhados por todas as zonas da cidade.

Praticar coleta seletiva em condomínios é obrigatório; veja como aderir

Praticar a coleta seletiva em condomínios e empresas é lei. A Lei Municipal 3.923/2009 obriga condomínios residenciais e comerciais de Teresina, assim como postos de combustíveis e afins, a praticarem a coleta seletiva. Caso não seja cumprida a Lei, o Ministério Público Estadual poderá acionar o condomínio judicialmente.

Atualmente, apenas 96 condomínios, 54 empresas privadas, 39 bares e hotéis e 15 instituições públicas praticam coleta seletiva regularmente. Esse material, juntamente com os recolhidos nos Postos de Entrega Voluntária (PEVs), espalhados pela cidade ainda representam menos de 1% de todos os resíduos coletados em Teresina.

“Nós precisamos, urgentemente, ampliar a coleta seletiva. É uma questão de sustentabilidade. Além de melhorar a limpeza urbana, reduzir os custos para o poder público, gerar renda para famílias carentes e aumentar a vida útil dos aterros sanitários, a coleta seletiva também reduz a poluição do meio ambiente, o entupimento de galerias e as inundações na cidade”, enfatiza o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Edmilson Ferreira.

O gestor acrescenta que, por recomendação do prefeito Dr. Pessoa, vai intensificar as ações referentes à coleta seletiva em Teresina e já está convocando as administradoras de condomínio para reuniões na sede da SEMDUH. “Nessas reuniões, estamos enfatizando a necessidade de cumprimento da lei e explicando como os condomínios podem aderir à coleta seletiva, sem ônus”, diz Edmilson Ferreira.

O coordenador de Limpeza Pública da SEMDUH, Fabrício Amaral, destaca que a coleta seletiva é um serviço oferecido pela Prefeitura de Teresina e que os condomínios e empresas que a praticam não precisam pagar pelo recolhimento dos resíduos recicláveis. “Basta entrar em contato que nós recolhemos, sem cobrar taxa, sem nenhum ônus ao condomínio ou à empresa”, esclarece.

Passo a passo para incluir o condomínio na coleta seletiva:

1 – Antes de tudo, o síndico deve entrar em contato com a SEMDUH para que as equipes agendem uma visita ao local. Nesse momento, serão explicadas as regras ao síndico e aos condôminos (se for o caso). Na ocasião, as equipes fazem uma previsão da demanda e marcam o dia de retirada dos resíduos de acordo com essa previsão. Veja os contatos:

Zonas Sul e Sudeste: (86) 9.8104-6786
Zonas Norte/Leste e Centro: (86) 9.8130-7739

2 – Em seguida, o condomínio deve instalar lixeiras específicas para material reciclável: vidro, plástico, metal e papel. Essas lixeiras devem ficar separadas das lixeiras de lixo orgânico.

3 – Cada morador separa e ensaca os resíduos recicláveis de sua residência. Eles precisam estar limpos e secos. O morador fica responsável por acondicionar suas sacolas de lixo reciclável nas lixeiras específicas.

4 – A Prefeitura faz o recolhimento do material reciclável, respeitando o dia e o horário já agendado com o síndico.

O material reciclável recolhido pela Prefeitura de Teresina é entregue às cooperativas de reciclagem, como a Emaús. Os cooperados utilizam os materiais para a fabricação de diversos itens: nécessaire, brinquedos, vasos para plantas, etc.

Sustentabilidade: Teresina já recolheu mais de mil toneladas de material reciclável em 2021

Neste sábado (6), a Prefeitura de Teresina realiza o III Drive da Coleta Seletiva, que será no Parque da Cidadania, das 8h às 12h Foto(Ascom/Semduh)

Teresina recolheu 110 toneladas de material reciclável na coleta seletiva de outubro. No acumulado do ano, a capital ultrapassou a marca das mil toneladas recolhidas.

Os materiais enviados para a reciclagem foram descartados nos 21 Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) espalhados por todas as zonas de Teresina, de um PEV itinerante e também de 15 instituições, 55 empresas, 43 bares e hotéis e 100 condomínios da cidade.

No total, foram 235 pontos de recolhimento de resíduos recicláveis em outubro.
“Comemoramos o resultado positivo que temos obtido, mas a quantidade de recicláveis pode ser muito maior. Precisamos de maior adesão dos condomínios, bares, restaurantes, lojas, escolas e demais estabelecimentos geradores de resíduos que, por lei, são obrigados a praticar a coleta seletiva, mas apenas a minoria cumpre”, destaca Fabrício Amaral, coordenador de Limpeza Pública da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH).

A Lei Municipal Nº 3.923/2009 dispõe sobre a implantação obrigatória da coleta seletiva em condomínios e a Prefeitura de Teresina faz o recolhimento dos resíduos de forma completamente gratuita.

“Os síndicos nos procuram, nós enviamos uma equipe até o condomínio, fazemos uma reunião para repassar todas as orientações necessárias e marcamos os dias para o recolhimento do resíduo. Dependendo da demanda do condomínio, esse recolhimento pode ser feito uma vez por semana ou mais vezes, sem custo aos moradores”, esclarece o coordenador.

Praticar a coleta seletiva ajuda a gerar renda para famílias necessitadas que trabalham com reciclagem, reduz os custos com limpeza urbana, diminui a poluição do meio ambiente, aumenta a vida útil do aterro sanitário, evita o entupimento de bueiros e enchentes durante o período chuvoso, melhora a limpeza da cidade e evita o desmatamento.

“O prefeito Dr. Pessoa está muito atento a essa questão e tem nos incentivado a melhorar os números relacionados à coleta seletiva. Estamos desenvolvendo diversas ações para conscientizar a população sobre a importância de separar os resíduos corretamente e vamos começar a fiscalizar condomínios e empresas para que todos cumpram a lei municipal. Essa é uma questão de cidadania”, pontua o secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira.

Drive Thru da Coleta Seletiva

Neste sábado (6), a Prefeitura de Teresina realiza o III Drive da Coleta Seletiva, que será no Parque da Cidadania, das 8h às 12h. Para participar, basta ir até o local levando seu material reciclável limpo, seco e já separado.

As equipes do Drive Thru receberão esses resíduos e, em agradecimento pela participação, farão a entrega de brindes, como produtos feitos com materiais recicláveis e podas de árvores.

Confira alguns dos materiais que podem ser entregues:

•Papel: caixas de papelão (desmontadas), cadernos, livros obsoletos, revistas, jornais, caixas de sapato (desmontadas), rolo de papel toalha ou papel alumínio, envelopes, folhetos, folders, panfletos, etc.

•Plásticos: embalagens de produtos de higiene pessoal (shampoo, sachês, condicionador, sabonete líquido), embalagens de produtos de limpeza doméstica, tampas, PVC, brinquedos, baldes, cadeiras, potes de alimentos (limpos), garrafas PET, etc.

•Metal: latas (alumínio e aço) de bebidas em geral, frascos de desodorante aerossol, desodorizador de ambientes, cobre, panelas sem cabo, canos de metal, objetos de alumínio, etc.

•Vidro: vasilhas de bebida (garrafas inteiras ou quebradas), potes de alimento em geral (limpos). Ao descartar itens quebrados, embale-os com jornal ou coloque-os em garrafas pet ou caixas.

Produtos que não são aceitos na coleta seletiva de Teresina: descartáveis, espelhos, louças, marmitex, lâmpadas, pilhas, frascos de remédio e frascos de perfume.

Prefeitura prepara o 3º Drive Thru da Coleta Seletiva; participantes ganharão brindes

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), considerando o grande sucesso das primeiras edições, prepara o 3º Drive Thru da Coleta Seletiva, que acontecerá dia 6 de novembro, no Parque da Cidadania, das 8h às 12h.

As equipes de Educação Ambiental receberão o material reciclado e, em troca, os participantes ganharão brindes. A população não precisará nem mesmo descer de seus veículos para fazer a entrega do material.

(Foto: Ascom/Semduh)

Dentre os brindes ofertados estão produtos feitos com material reciclado e mudas de plantas.

O Drive Thru da Coleta Seletiva tem como objetivo estimular a população teresinense a colaborar com a coleta seletiva e com o descarte do lixo em local apropriado. Por este motivo, a SEMDUH convida todas as secretarias e superintendências da Prefeitura a participarem do evento.

“Com essa atitude, estamos melhorando a qualidade de vida da população, os materiais reciclados ganham novas utilidades e ajudam no sustento das cooperativas, a participação popular é beneficiada com brindes e a cidade reduz a quantidade de resíduos no Aterro Municipal”, enfatiza o coordenador de limpeza pública da SEMDUH, Fabrício Amaral.

(Foto: Ascom/Semduh)

A população pode levar ao Drive Thru materiais de papelão, metal, vidro e plástico. É fundamental que esses resíduos estejam limpos, secos e devidamente separados.

O Drive-Thru da Coleta Seletiva foi idealizado pela Prefeitura de Teresina para incentivar a adoção de valores sociais relacionados à coleta seletiva. Para o secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira, atividades como esta desenvolvem a consciência ambiental na população e estimulam a limpeza da cidade, além de evitar a poluição do meio ambiente.

“Queremos estimular na população a vontade de contribuir para a coleta seletiva. Precisamos sensibilizar as pessoas para a importância da separação e destinação correta dos resíduos. Este é um momento para repensar os hábitos de consumo e as consequências geradas ao meio em que vivemos”, destaca o secretário.

A ação, que tem a parceria da CTA (empresa responsável pela limpeza pública de Teresina), também visa proporcionar o interesse e a participação da comunidade nas próximas ações.

(Foto: Ascom/Semduh)

Bons resultados

Nas edições anteriores do Drive Thru da Coleta Seletiva, a Prefeitura de Teresina contou com a participação de mais de 300 pessoas e o recolhimento de cerca de 1000 quilos de material reciclável, o evento foi um sucesso! Todo o material recolhido foi enviado às cooperativas cadastradas pela Prefeitura.